Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

O que fica da passagem do furacão Amy Winehouse pelo Brasil? Heim? Heim?

Por Fabian Chacur

Acabou na noite deste sábado (15), na Arena Anhembi, a compacta turnê de Amy Winehouse pelo Brasil.

Durante pouco mais do que uma semana, a cantora britânica foi o centro das atenções da mídia brasileira.

Primeiro porque, apesar das expectativas negativas, a moça veio e fez todos os shows programados. E saiu viva deles.

Segundo, porque as performances da intérprete do hit Rehab geraram as mais diversas reações.

Não vi as performances, mas me atrevo a dar uma opinião, baseado em tudo o que ouvi por parte de quem foi conferir a mulher do cabelo de xaxim e palha de aço armado.

Quem a detonou pelo fato de a moça ter cantado por um período curto de tempo, abrindo espaços generosos para seus músicos de apoio, por um lado tem razão em chiar.

Afinal de contas, os ingressos custaram caro, a infra-estrutura dos espaços brasileiros deixou a desejar e o fã teve menos em troca do que esperava.

Na verdade, o que eu imaginava se tornou concreto: o som de Amy não foi feito para estádios ou grandes arenas, e sim para espaços fechados.

Agora, então, que ela ainda está meio cambaleante, menos ainda.

Teria de ter sido, no máximo, em um Credicard Hall da vida, onde caberia um terço do público presente à Arena Anhembi.

É duro você fazer sacrifício para pagar caro e ganhar em troca uma artista a menos de metade de sua capacidade real.

Por outro lado, todos conhecem a fama da figura.

Em várias apresentações no exterior, a intérprete de soul music não foi, cantou pouco ou fez apresentações totalmente irregulares.

Ou seja, o histórico da neosoul star dava boas dicas para que aqueles fãs da perfeição e do perfeccionismo nem passassem perto de seus shows por aqui.

Quem foi não pode dizer que a cigana ou uma mãe Dinah da vida o enganou.

Por sua vez, tem aqueles que vibraram mais com o jeitão doidona da moça, ou mesmo de quando ela caiu no palco, em Recife, do que com o que a cantora interpretava em cena.

É o mesmo pessoal que ia (ou iria, se pudesse) ver Raul Seixas e gritava “aí, maluco, bebe aí, fuma unzinho!”, doidos para ver o “ídolo” quebrar a cara e pagar mico. Povo sádico…

E tem também aqueles que foram sabendo o que veriam e que saíram babando, felizes e contentes.

Eu tive a oportunidade de conferir ao vivo e a cores uma atração tão polêmica e conturbada quanto Miss Winehouse em janeiro de 1993.

Em uma edição do Hollywood Rock, no imenso estádio do Morumbi, o Nirvana também gerou opiniões distintas após a performance do instável Kurt Cobain e seus asseclas.

O show, de quase duas horas, teve duas metades.

A primeira mostrou a banda em performance mediana, mas ao menos se esforçando em fazer um show normal, tipo greatest hits.

Na segunda parte, os malucos trocaram de instrumentos, colocaram convidados no palco e começaram a fazer covers malucos, tipo Rio (Duran Duran), Kids In America (Kim Wilde) e outros assim.

Muita gente foi embora antes do fim. Muita mesmo.

Mas teve não só quem ficasse até o final (como eu), como outros que consideram aquele anti-show como o melhor que viram na vida (que não foi o meu caso).

Mas uma coisa eu digo: não me arrependo de ter ido ver o Nirvana, uma porque foi a trabalho, e outra por ter sido testemunha ocular da história.

Se fosse tão fã de Amy como eu era do Nirvana na época, também estaria alegre só por ter visto a mulher on stage.

Como não gosto tanto assim e sabia que a moça era problema, não perdi meu tempo. Simples assim.

Veja Rehab ao vivo em 2007, no programa do David Letterman:

7 Comments

  1. Amy Cokehouse, nao faz o meu genero.
    Prah quem gosta, bom proveito.
    O que seria do amarelo se todos gostassem do azul, nao eh mesmo.

  2. Para mim a Amy não é tudo isso, ela faz mais marketing com essa coisa de se drogar, o pessoal gosta disso e acaba indo do show hehe só para falar que foi

  3. admin

    January 25, 2011 at 12:30 am

    Concordo com vocês. Muito marketing, pouca qualidade de fato. A moça recicla, e sem lá tanta criatividade, a soul music dos anos 70. Mas hoje vivemos a era do marketing…. Fazer o quê? Grande abraço a vocês e muito obrigado pela visita qualificada a Mondo Palmeiras!

  4. é mondo pop fabian 😛 haha

  5. Na verdade, acho que todo mundo tá certo. Gosto muito do Back to Black e acho um baita CD.Tanto que tenho o box duplo. \o/

    Mas, a moça está muitooooooo longe da genialidade do tão elogiado CD. E mais: e duvido que ela tenha condições, criatividade e até saúde pára gravar outro daquele nível. Não quis perder meu tempo e prefiro lembrar dela na voz do CD mesmo.

    Esperta foi aquela cantora negra – que esqueci o nome- que pegou a banda antiga da Amy pra gravar um CD. ESPERRRRRRRRRRTINHA.

    Saudações, Chacur!

  6. Amy não eh nada comparado ao kurt cobain -.-

  7. Kurt Cobain foi realmente mais revolucionário do que a Amy, Leandro, o que não tira o mérito e o talento dela. Grande abraço, obrigado pela visita e volte sempre!!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑