Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Lou Reed e Metallica gravam disco em parceria

Por Fabian Chacur

O site oficial do Metallica divulgou em post publicado nesta quarta-feira (15) que o grupo americano acabou de finalizar um novo álbum.

Só que não se trata de mais um trabalho habitual da carreira, e sim, a concretização da parceria com um dos grandes nomes da história do rock.

Trata-se de Lou Reed, com quem o grupo de thrash metal já havia tocado em outubro de 2009 no Madison Square Garden, durante o show comemorativo dos 25 anos do Rock and Roll Hall Of Fame.

O post diz que as gravações foram encerradas há pouco, e que 10 músicas foram registradas.

Para quem, como eu, ficou curioso para saber como ficou essa inusitada mistura, o post não adiantou quando e de que forma esse material será lançado.

Curiosamente, a notícia é divulgada no ano em que a parceria mais inusitada da carreira de Lou Reed completa 30 anos.

Em 1981, ele compôs as letras de duas músicas, A World Without Heroes e Mr. Blackwell para o álbum Music From The Elder, provavelmente o mais polêmico da carreira do Kiss.

5 Comments

  1. vladimir rizzetto

    June 17, 2011 at 5:44 pm

    Salve, Baluarte!
    Vou mexer num vespeiro…
    Eu sempre achei que o Lou Reed é um artista superestimado, não consigo ver nele, toda essa tão alardeada genialidade.
    Consigo me lembrar, apenas, de três grandes álbuns: Transformer, Berlin e New York. Os dois primeiros tiveram a participação fundamental de David Bowie, motivo pelo qual, atribuo grande parte dos méritos ao talentoso camaleão e, o último, reconheço o esforço individual de Lou.
    No mais, só me vem à cabeça, discos mornos e “meia boca”, nada que eu realmente entenda ser digno de nota. Enfim, falei…
    Sobre o Metallica, houve um tempo, mais precisamente até meados do álbum preto, que eles eram a última palavra para mim, em se tratando de Heavy Metal, ou seja, eles eram a vanguarda do som metálico!
    Ess veneração durou até o lançamento do Load e sumiu, após o Reload.
    Mas, muito pior que o som dos álbuns supracitados, foram as declarações ofensivas e estapafúrdias de seus integrantes.
    Para azedar de vez, o Metallica liderou a briga contra o Napster.
    Isso, para mim, foi a gota d’água.
    Enfim, o meu problema com o Metallica, é ‘pessoal’. Criei uma antipatia que eu não consigo superar.
    De quasquer modo, é uma parceira pra lá de peculiar.
    Aguardemos.
    Grande abraço

  2. vladimir rizzetto

    June 17, 2011 at 5:45 pm

    Salve, Baluarte!
    Vou mexer num vespeiro…
    Eu sempre considerei Lou Reed, um artista superestimado, não consigo ver nele, toda essa tão alardeada genialidade.
    Consigo me lembrar, apenas, de três grandes álbuns: Transformer, Berlin e New York. Os dois primeiros tiveram a participação fundamental de David Bowie, motivo pelo qual, atribuo grande parte dos méritos ao talentoso camaleão e, o último, reconheço o esforço individual de Lou.
    No mais, só me vem à cabeça, discos mornos e “meia boca”, nada que eu realmente entenda ser digno de nota. Enfim, falei…
    Sobre o Metallica, houve um tempo, mais precisamente até meados do álbum preto, que eles eram a última palavra para mim, em se tratando de Heavy Metal, ou seja, eles eram a vanguarda do som metálico!
    Ess veneração durou até o lançamento do Load e sumiu, após o Reload.
    Mas, muito pior que o som dos álbuns supracitados, foram as declarações ofensivas e estapafúrdias de seus integrantes.
    Para azedar de vez, o Metallica liderou a briga contra o Napster.
    Isso, para mim, foi a gota d’água.
    Enfim, o meu problema com o Metallica, é ‘pessoal’. Criei uma antipatia que eu não consigo superar.
    De quasquer modo, é uma parceira pra lá de peculiar.
    Aguardemos.
    Grande abraço

  3. fabian chacur

    June 18, 2011 at 4:52 am

    Caro Vladimir, aqui é uma democracia, e nada contra a sua opinião, que por sinal teve boa justificativa. Gosto do Lou Reed, mas também não sou daqueles fãs alucinados que tem todos os discos. Acho que ele influenciou muita gente boa, que por sua vez acabou superando-o, como o próprio Bowie, por exemplo. Quanto ao Metallica, perfeitamente compreensível essa bronca. Os caras até tinham suas razões para ser contra o Napster, mas tomaram as atitudes, creio eu, erradas. E deram sorte, pois, apesar dos pesares, pouca gente aparentemente se lembra dessa história hoje em dia, e os shows dos caras continuam lotando nos quatro cantos do mundo. Agora, que dá curiosidade em ver no que deu essa mistura, ah, isso dá! Grande abraço e muito obrigado pela sua visita sempre qualificada!

  4. vladimir rizzetto

    June 18, 2011 at 1:22 pm

    Fabian, tenho que lhe pedir desculpas, pelos vários erros de Português e comentário duplicado.
    Bom:
    QUALQUER e não “quasquer”…
    PARCERIA e não “parceira”…

    O Bowie realmente foi influenciado pelo Lou Reed, mais especificamente, pelo Velvet Underground, tanto que ele regravou White Light White Heat, que aliás, ficou melhor que a original… hehehe
    Quanto ao Metallica, eu reconheço, que eles voltaram à velha forma. O último disco dos caras é muito ‘bão’, eu é que sou chato… ahahah. O problema é, que quando começo ouvir, lembro da briga contra o Napster, aí, já viu…
    Eles poderiam ter agido de outra forma, mas, enfim… Kill em all, Ride the Lightning, Master of Puppets, And Justice for All e o álbum preto sempre serão fodões!
    Grande abraço Fabian! Seja feliz e bem sucedido em seus novos projetos!

  5. fabian chacur

    June 18, 2011 at 5:42 pm

    É sempre um prazer trocar ideias com você, Vladimir, volte sempre aqui! Grande abraço e viva a música de qualidade! Ah, e concordo com você, White Light White Heat ficou muito mais legal com Bowie e os Spider From Mars do que com o Velvet Underground.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑