Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Adeus, Levon Helm, ex-The Band, vá em paz!

Por Fabian Chacur

Deus deve estar organizando uma espécie de Rock In Heaven neste momento. Só pode ser. Mais um grande nome desse estilo musical nos deixa. Trata-se de Levon Helm, baterista e vocalista de uma das melhores e mais importantes bandas de rock de todos os tempos, The Band.

Helm morreu aos 71 anos nesta quinta-feira (19), vítima de um câncer na garganta que o atormentava há vários anos, e que inclusive fez a sua voz ficar bem mais rouca do que o habitual. Segundo o site de sua atual gravadora, a Vanguard, ele se foi em paz. Menos mal. Descansou. Chega de sofrimento.

Levon Helm nasceu em 26 de maio de 1940. Americano de nascença, ele se juntou no fim dos anos 50 à banda que acompanhava o cantor de rhythm and blues Ronnie Hawkins no Canadá. E foi naquele país que o The Band surgiu, inicialmente como Levon And The Hawks, em 1963. Um americano e quatro canadenses relendo à sua moda o melhor da música nascida nos EUA.

Além de Helm, o grupo incluía Robbie Robertson (guitarra e composições), Richard Manuel (piano e vocal), Rick Danko (baixo e vocal) e Garth Hudson (órgão). Em 1965, Bob Dylan os conheceu e os tornou sua banda de apoio. No entanto, Helm saiu do grupo no fim daquele ano, voltando apenas em 1967.

O seu retorno coincidiu com a gravação de um dos álbuns mais mitológicos da história do rock, The Basement Tapes, registrado em 1967 mas só lançado oficialmente em 1975, que reuniu Dylan e o então já rebatizado The Band.

Em 1968, o quinteto sentiu ser o momento certo de investir em uma carreira própria, e lançou seu álbum de estreia, Music From Big Pink. Em plena era do psicodelismo e do início do heavy metal, eles propunham um retorno à raízes do blues, country, rock and roll e soul music, gerando uma sonoridade única que eu definiria como country soul.

Canções como The Weight, I Shal Be Released (de Bob Dylan) e Chest Fever fascinaram críticos e também músicos como George Harrison e Eric Clapton, que sempre assumiram a influência que esse novo som teve em suas carreiras a partir dali.

Além da inimitável fusão country-soul-blues-rock, o The Band trazia como arma três vocalistas simplesmente excepcionais, que funcionavam tanto sozinhos como em harmonizações. Helm, Danko e Manuel eram simplesmente impressionantes.

Em 1974, após lançarem álbuns brilhantes como The Band (1969) e Rock Of Ages (1972), o grupo voltou a se reunir com Bob Dylan, em parceria que rendeu o álbum de estúdio Planet Waves e o sublime álbum gravado ao vivo Before The Flood, para mim um dos cinco melhores live albuns de todos os tempos.

Para tristeza dos fãs, o The Band em sua formação original encerrou a carreira em 1976, não sem antes realizar um show antológico do qual participaram Dylan, Ringo Starr e diversos outros amigos. Esse espetáculo virou o documentário The Last Waltz (1978), de Martin Scorsese, verdadeira obra-prima e um dos melhores registros em vídeo da história do rock.

A partir daí, Levon Helm partiu para uma carreira solo que rendeu bons discos, e também passou a atuar como ator. Ele iniciou a nova vertente da carreira em Coal Miner’s Daughter, filme biográfico da cantora country Loretta Lynn que rendeu à atriz Sissy Spacek um Oscar.

Em 1986, o The Band, agora sem Robertson, voltou à ativa, mas naquele mesmo ano Richard Manuel se suicidou. Os remanescentes tentaram outras voltas e até gravaram discos, mas não conseguiram o mesmo impacto dos velhos tempos. E o grupo saiu de vez de cena após a morte de Rick Danko em 1999.

Mesmo com as limitações que o câncer lhe trouxe, Levon Helm se manteve na ativa nos anos 2000, lançando os CDs Dirt Farmer (2007) e Electric Dirt (2009). No finalzinho dos anos 80 do século passado, ele também integrou a All Starr Band, de Ringo Starr, na qual também cantava sucessos do The Band.

Nunca ouviu The Band ou não conhece os caras o suficiente? Vá por mim: comece agora mesmo a mergulhar na obra deles.Um dia você irá me agradecer e muito. Veja três vídeos do grupo e tire suas próprias conclusões.

The Weight, com The Band:

Don’t Do It, com The Band:

Acadian Driftwood, com The Band:

5 Comments

  1. É isso aí, Chacur, The Band foi realmente “uma das melhores e mais importante banda de rock de todos os tempos”. Mandou bem nos vídeos “de apresentação” do grupo ao leitor que o desconhece. Acrescentaria apenas mais uma afirmação: essa banda também apresentou ao mundo um dos maiores compositores da história da música popular.

  2. Valeu pelos elogios, Neder. Concordo contigo: Robbie Robertson é sem sombra de dúvidas um dos maiores compositores da história da música popular. Suas músicas, com o apoio de sua categoria como guitarrista e de seus virtuoses colegas de banda, ganharam versões simplesmente imbatíveis, registradas em discos que a gente certamente irá ouvir, ouvir e ouvir sempre!!! Grande abraço e tudo de bom!!!

  3. Chacur, e a história da música “Levon”, de Elton John & Bernie Taupin, você sabe se o título foi realmente inspirado no Levon Helm? O wikipédia britânico e o site d’ O Globo dizem que sim. Você sabe alguma coisa a respeito deste assunto?

    http://en.wikipedia.org/wiki/Levon

    http://oglobo.globo.com/cultura/morre-levon-helm-baterista-da-the-band-aos-71-anos-4689553

    Abraço!

  4. O que você chama de “Rock in Heaven” nunca esteve antes com qualidade sonora tão boa, agora que têm o suporte técnico do Jim Marshall (dos amplificadores Marshall) e do Les Paul… quanto ao Levon Helm, espero que ele tenha conseguido ir a Vênus, como diz a letra da canção “Levon” do Elton John. Se for assim, com um bom telescópio a gente consegue avistá-lo, e saudá-lo.

  5. Grande comentário e grandes acréscimos ao que escrevi acima, Cláudio. Esse cara de fato irá fazer muita falta na música terrena, digamos assim. Grande abraço, e é uma honra ter sua presença por aqui, com seus comentários sempre inteligentes e conscientes!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑