Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Morre o genial jazzista Dave Brubeck

Por Fabian Chacur

Nesta quinta-feira (6), Dave Brubeck deveria ter completado 92 anos de idade. Infelizmente, o genial pianista e compositor americano se foi um dia antes, deixando a quarta-feira (5) com a triste carga de ter se tornado a data em que ele e também o celebrado arquiteto Oscar Niemeyer saíram de cena.

Brubeck foi vítima de um ataque cardíaco no caminho de uma consulta que faria com um cardiologista, na qual estava acompanhado pelo filho Darius. Ele deixou seis filhos, sendo quatro deles músicos: o próprio Darius (teclados), Chris (trombone e baixo), Ben (bateria) e Matthew (cello). Todos eles tocaram com o pai.

Nascido em 6 de dezembro de 1920 na cidade de Concord, na California, Dave Brubeck começou na música tocando na considerada primeira banda de jazz militar, a Wolfpack, integrada por músicos brancos e negros, na década de 40. Atitude ousada, se levarmos em conta o pesado clima racista vigente nos EUA na época.

Começou tocando com um octeto, mas após alguns anos, essa formação se condensaria em um quarteto, cujo primeiro álbum, Jazz At Oberlin, saiu em 1953, gravado ao vivo em um concorrido concerto realizado em Ohio.

Integrado por Brubeck no piano, Paul Desmond no sax, Eugene Wright (negro) no baixo e Joe Morello na bateria, o Dave Brubeck Quartet tinha como marcas a disposição em investir em sonoridades inovadoras no universo do jazz, rompendo barreiras mas não abdicando de uma sonoridade fluente e boa de se ouvir. Isso lhes proporcionou cada vez mais fãs.

Em 1959, sai Time Out, ousando com o uso de ritmos compostos, apenas composições originais (nenhum cover, algo que a gravadora Columbia até então não admitia em seus lançamentos) e uma bela pintura na capa, obra do designer gráfico americano Neil Fujita.

Superada a rejeição inicial dos executivos da Columbia, Time Out chegou às lojas do jeito que Brubeck queria e se tornou o primeiro LP de jazz a bater a marca de um milhão de cópias vendidas. A experimentação valeu a pena em termos artísticos e comerciais, uma bela façanha.

O álbum, excelente como um todo, traz dois grandes destaques. Blue Rondo A La Turk, faixa de abertura com toques de latinidade, tornou-se um dos temas mais populares do jazz e até batizou um grupo pop britânico envolvido com a new bossa dos anos 80 (do qual fazia parte o baterista brasileiro Geraldo D’Arbilly).

De autoria de Paul Desmond, Take Five também ultrapassou um milhão de cópias vendidas no formato single, algo até então considerado impossível para um tema instrumental de jazz, além de integrar a trilha da fantástica animação American Pop (1981), de Ralph Bakshi.

O andamento desta música influenciou inúmeras outras, entre as quais o tema de Missão Impossível, Living In The Past (do Jethro Tull) e River Man (de Nick Drake).

Kathy’s Waltz, do mesmo trabalho (homenagem à filha Kathy), inclui um trecho melódico que apareceria quatro anos depois na parte inicial de All My Loving, dos Beatles. Plágio inconsciente? Coincidência? Pouco importa. Ambas são ótimas músicas, ponto.

Depois do estouro deste álbum, Brubeck gravou inúmeros outros, investindo no jazz e também em música para óperas, balé e até mesmo uma missa contemporânea. Em 1988, ele tocou em Moscou para Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev.

Em 2009, Time Out voltou às lojas em uma luxuosa edição comemorativa de seus 50 anos de lançamento, com direito a embalagem digipack, versão remasterizada do CD original, um CD com oito gravações ao vivo do Dave Brubeck Quartet entre 1961 e 1964 e um DVD contendo entrevista com o músico e performances ao vivo do seu grupo, além de encarte luxuosíssimo repleto de fotos e informações preciosas. Absolutamente imperdível!

Take Five – Dave Brubeck Quartet:

Blue Rondo A La Turk – Dave Brubeck Quartet:

Kathy’s Waltz – Dave Brubeck Quartet:

6 Comments

  1. Grande Chacur,

    Grande gênio musical que se foi. Adorava ouvir blue rondo a la turk no começo das edições do Mondo (ou seria mundo?) Palmeiras. Que trilha sonora aquela hein? Dave Brubeck, Arnold Schoenberg (Verklärte Nacht)… Quem era o “Dj” responsável?

    Saudações verdes

  2. O DJ responsável era ninguém menos do que Raul Bianchi, o Goleiro Verde. O cara tem bom gosto… Grande abraço, Jorge, e obrigado pela visita. Volte sempre que puder/quiser!!!

  3. Vocês já imaginaram alguém tentando regravar “Blue Rondo A La Turk”, não conseguir reproduzir o andamento 9/8 e, então, fazer uma “adaptação” em andamento 4/4? Esse assassinato foi cometido por um de meus heróis, o Keith Emerson, antes do E.L.P. E roubou também a autoria, portanto foi puro Latrocínio! Eis o link: http://youtu.be/PWdSSJlFbuk
    (ele podia aproveitar e batizar um de seus trios, o The Nice ou o Emerson, Lake & Palmer, de Three To Get Ready…)

  4. Lamentável, heim, Cláudio? Prova de que todo grande músico tem seus momentos picaretas, especialmente no início da carreira….rsrsrsrss Grande abraço e obrigado pela visita qualificada!

  5. Alexandre Damiano

    December 11, 2012 at 11:26 pm

    Uma pena. Cheguei a ouvir muito Brubeck quando criança.

  6. Sofisticado, heim, Alexandre? Ouvir um dos grandes nomes da história do jazz ainda criança…. Parabéns! Eu tive meu primeiro contato com ele graças a um LP de uma prima que ficou uns tempos em casa, também quando eu era moleque, mas fui comprar o Time Out em vinil nos anos 80. Discaço! Grande abraço e tudo de bom!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑