Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Competência é marca de novo CD do Bon Jovi

Por Fabian Chacur

Desde que tocou no Brasil pela primeira vez, no festival Hollywood Rock em janeiro de 1990, o Bon Jovi tem como marca lotar todos os shows que faz por aqui. E o que está previsto para ocorrer no dia 20 de setembro de 2013, no Rock in Rio, já está com os ingressos esgotados. E se realmente for confirmado um show em São Paulo no dia 21 de setembro, a casa estará cheia.

Qual a explicação para tamanho fenômeno de público? Acho que a palavra competência explica muita coisa. E é ela que dá o tom para o novo álbum da banda liderada pelo cantor, compositor e músico norte-americano Jon Bon Jovi. What About Now, que acaba de sair no Brasil via Universal Music, dá aos fãs do grupo de New Jersey o que eles querem.

Já ficaram para trás, e há muito, a pegada hard/heavy rock e os cabelos longos e esvoaçantes dos anos 80, quando a banda americana emplacou hits certeiros como You Give Love a Bad Name, Bad Medicine, Wanted Dead Or Alive e Livin’ on a Prayer. O som do grupo ganhou uma cara diferente nos últimos 15 anos, pelo menos.

As influências de folk, country, pop e rock básico, que sempre estiveram em seu DNA, cresceram e os levaram a um rumo mais compatível com uma versão light de Bruce Springsteen, John Mellencamp e Bob Dylan. Os fãs curtiram a nova cara do grupo, vide o fato de seus mais recentes álbuns (Lost Highway-2007, The Circle– 2009 e este What About Now) terem entrado na parada dos EUA direto no primeiro posto.

A nova obra é um mais do mesmo bem feito, com direito a rocks grandiosos como Because We Can, What About Now e Army Of One e baladas certeiras como Amen, The Fighter e Room At The End Of The World. A voz de Jon continua potente e com aquele timbre característico que lhe deu fama, enquanto a guitarra de Richie Sambora mantém presença discreta e precisa.

Se você odeia o Bon Jovi, não perca tempo, pois What About Now não tem nada que possa convencê-lo do contrário. E para o seguidor fiel, aqui há alimento sonoro suficiente para empurrá-lo rumo aos próximos shows da banda no Brasil. Isso é competência, algo que poucos grupos da sua geração tiveram para se manter no topo. Não é pouca coisa.

Ouça Army Of One, com o Bon Jovi:

Ouça The Fighter (live), com o Bon Jovi:

3 Comments

  1. Alexandre Damiano

    April 16, 2013 at 4:58 pm

    Fabian,

    confesso que gostava bastante da banda nos anos 80.
    Até o “These Days” eu acompanhei bastante.

    Mas os ultimos trabalhos me pareceram meio estranhos….
    Acho que eles eram muito bons hitmakers e a parceria com Desmond Child foi matadora.

    Recomendo e muito os 2 primeiros albuns solos do Richie Sambora. Esse último não ouvi.

    abraços e muito bom revê-lo ontem !

  2. Alexandre Damiano

    April 16, 2013 at 5:01 pm

    Acabei de ouvir “Army of one”

    gostei !!

  3. O som deles mudou um pouco, Alexandre, ficou mais pop, mas continua muito competente, não dá para negar. Tenho o primeiro LP solo do Sambora, que acho bem legal. E o prazer foi todo meu em revê-lo, meu caro. Grande abraço e tuuuuudo de bom!!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑