Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Chris Squire, fundador do Yes, sai da cena rock com 67 anos

chris squire yes-400x

Por Fabian Chacur

Sempre que se fazem listas com os nomes dos melhores baixistas da história do rock, Chris Squire é presença garantida, graças a seus quase 50 anos de serviços prestados. Infelizmente, ele nos deixou neste domingo (28) em Phoenix, Arizona, onde morava com a família, vítima de um tipo raro de leucemia que foi divulgado para o público no mês de maio. Ele tinha 67 anos.

Quando anunciou a doença que lamentavelmente o levaria desse plano físico, Squire também divulgou que, pela primeira vez na história do Yes, uma turnê do grupo não contaria com a sua presença. Seria a dobradinha Yes/Toto programada para ter início em agosto. Billy Sherwood, que integrou o Yes entre 1997 e 2000, seria o seu substituto (leia sobre a turnê aqui), anunciado em comunicado pelo próprio Squire.

Chris Squire nasceu em Londres em 4 de março de 1948 em Londres, e criou o Yes em 1968 com o vocalista Jon Anderson. Ele foi o único integrante a participar de todos os discos e shows da banda, uma das mais importantes, bem-sucedidas e criativas do rock progressivo. O primeiro álbum saiu em 1969, e desde o início chamou a atenção pelo talento de seus músicos.

O estouro mundial veio em 1972 com o álbum Fragile, que inclui faixas marcantes como Roundabout, Long Distance Runaround e Heart Of The Sunrise. A partir dali, o Yes viveu várias fases em sua carreira, incluindo uma mais próxima do pop na década de 1980, mas sempre tendo Squire como âncora e garantia de qualidade.

São várias as virtudes de Chris Squire. Suas linhas de baixo sempre se caracterizaram pelas belas melodias e criatividade na utilização de timbres e recursos eletrônicos. De quebra, participava das vocalizações de forma consistente e foi coautor de alguns dos clássicos da banda, entre os quais I’ve Seen All Good People, Heart Of The Sunrise, Owner Of a Lonely Heart e Leave It, só para citar algumas mais conhecidas.

Além do Yes, Squire também lançou um aclamado álbum solo, Fish Out Of Water (1975), que alguns críticos consideram tão bom como os da sua banda. O músico tocou no Brasil pela primeira vez em janeiro de 1985 na mitológica primeira edição do Rock in Rio, e esteve por aqui pela última vez em 2013. Esse vai deixar muita saudade.

Leave It – Yes:

Heart Of The Sunrise– Yes:

I’ve Seen All Good People– Yes:

1 Comment

  1. vladimir rizzetto

    July 2, 2015 at 6:52 pm

    Fabian

    Uma pena, a melhor geração do rock está indo embora…
    A melhor lembrança que terei de Squire e maior referência do Yes, é o fenomenal Relayer, cuja mini-suite, Gates of Delirium, personifica a inspiração no estágio mais elevado que essa banda logrou atingir.
    Vinte e um minutos de devaneios e “delírio” literais, culminando, ao final, numa verdadeira catarse: Soon.
    E o restante do disco também não é menos genial.
    Também considero a fase mais pop, digna de elogios. Owner Of a Lonely Heart e Leave It são músicas para ouvir a qualquer hora!
    Chris Squire tinha do que se orgulhar.

    Abração

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑