Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Category: Grandes nomes esquecidos (page 1 of 2)

Sylvester, um dos grandes da disco music, e os seus 70 anos

sylvester james cantor-400x

Por Fabian Chacur

No último dia 6(quarta-feira), um certo Sylvester James teria completado 70 anos de idade. Infelizmente, ele só viveu 41 anos, tendo nos deixado no dia 16 de dezembro de 1988. Mas o seu legado musical certamente sobreviverá a mim, a você e a todos nós. Sylvester nos deixou as incríveis You Make Me Feel (Mighty Real), Dance (Disco Heat) e outros petardos que até hoje eletrizam as melhores pistas de dança do planeta. Esse cara deixou a sua marca. Ele faz falta…

O som da minha adolescência foi a disco music, e quando esse ritmo mágico estava no auge, lá pelos idos de 1978, o álbum Step II, do Sylvester, era um dos mais ouvidos. Meu irmão Victor o comprou logo que saiu no Brasil. Esse vinil traz os dois maiores hits de Sylvester, as incríveis Dance (Disco Heat) e You Make Me Feel (Mighty Real), que conseguiram ir além das paradas disco, invadindo até trilhas de novela e tocando em rádios mais afeitas a sonoridades tradicionais ou caretas.

Step II marca o momento em que este cantor, compositor e músico americano nascido na região de Los Angeles em 6 de setembro de 1947 encontrou um caminho musical ao mesmo tempo original e com forte potencial comercial. Ele acoplou sua influência gospel e soul music à sonoridade eletrônica que começava a emergir no cenário dance, graças a pioneiros como Giorgio Moroder e o grupo alemão Kraftwerk. Na mistura, criou uma espécie de discoeletrogospelsoul.

O lado 1 do vinil de Step II traz os dois megahits, e é encerrado por uma belíssima versão gospel e lenta de You Make Me Feel (Mighty Real). O lado B do álbum é dedicado a uma sonoridade soul mais convencional e também muito boa, com direito até a música de Burt Bacharach e com destaque para a comovente balada Just You And Me Forever.

Vale ressaltar alguns nomes essenciais para que este álbum se tornasse um clássico não só da disco music, mas como da música pop em geral. Um é o produtor, Harvey Fuqua, líder do grupo vocal The Moonglows e descobridor de ninguém menos do que Marvin Gaye, que ele levou para o que viria a ser a Motown Records, onde atuou como produtor e compositor. Coube a Fuqua trazer Sylvester para a gravadora Honey Records, distribuída pela Fantasy Records.

sylvester step II-400x

O lado eletrônico de sua sonoridade teve como um dos caras fundamentais o multi-instrumentista Patrick Cowley (1950-1982), que a seguir passou a ser figura constante nas bandas de apoio e discos de Sylvester. Quando gravou disco solo, Cowley teve como grande sucesso Do Ya Wanna Funk?, com participação especial do patrão famoso.

A parte vocal dos álbuns da fase áurea do astro disco se firmou graças à incorporação ao seu time das cantoras Martha Wash e Izora Rhodes, que junto com ele criaram um modernizado coral gospel/soul contagiante. Elas receberam o codinome Two Tons O’Soul, e nos anos 1980, em carreira própria, passaram a ser conhecidas como The Weather Girls, do megahit It’s Raining Man. Comandando este time, Sylvester se tornou um dos astros máximos da disco.

A vida de Sylvester Stewart não foi das mais fáceis. Descobriu ser homossexual ainda criança, para horror dos pais. Aos 13 anos, teve de deixar o coral da igreja em que atuava desde criança por causa disso, e aos 15 anos, foi a vez de ir para a estrada, longe da família. Depois de integrar um grupo de trangêneros e cross dressers, mudou-se para a cidade de San Francisco em 1970, integrando-se naquela cidade ao grupo de drag queens The Cockettes.

Em 1972, após participar de diversos espetáculos com aquele grupo de drags, geralmente imitando Billie Holiday e Josephine Baker, resolveu partir para um projeto próprio. Em 1973, essa nova fase de sua carreira desembocou na Sylvester And His Hot Band, uma banda de rock com a qual gravou dois álbuns em 1973 pelo selo Blue Thumb, sem sucesso comercial. Como melhor momento, abriram um show de David Bowie, que elogiou Sylvester e sua turma.

Já sob a tutela de Harvey Fuqua e com as Two Tons O’ Soul, gravou o seu primeiro álbum solo, Sylvester (1977), que tinha uma sonoridade ainda convencional e emplacou um semihit, Down Down Down. A coisa engrenou mesmo foi com Step II. Logo a seguir, em 1979, lançou Stars, álbum totalmente disco com apenas quatro faixas. Mas com a qualidade delas, para que mais? Todas bem extensas.

O destaque é uma releitura simplesmente brilhante de I (Who Have Nothing), que transformou a dramática canção de Ben E. King (conhecido por Stand By Me e diversos outros hits) em uma faixa disco percussiva simplesmente irresistível. Body Strong, a faixa-título e I Need Somebody To Love Tonight trazem uma sonoridade que influenciaria e muito o pop eletrônico dos anos 80.

Ainda em 1979, chegou às lojas o álbum duplo Living Proof (que eu saiba, inédito no Brasil), que traz nos lados 1, 2 e 3 um incrível show beneficente de Sylvester e sua banda gravado em 11 de março daquele mesmo ano e trazendo não só hits do artista como também releituras bacanas, entre elas uma de Blackbird, dos Beatles, que arrepia. O lado 4 trazia inéditas de estúdio, entre elas o semihit Can’t Stop Dancing. obs.: segundo o músico e jornalista Fernando Savaglia, um especialista em black music, este álbum saiu, sim, no Brasil, tanto que ele tem um exemplar dessa raridade. Sortudo demais! Valeu pelo toque, fera!

A partir de 1980, tal qual todos os nomes mais importantes e populares da disco music, Sylvester sofreu uma forte queda em sua popularidade, prejudicado por um odioso movimento intitulado Disco Sucks que em 1979 levou imbecis preconceituosos a quebrar e queimar álbuns e singles de disco em locais públicos. Uma das manifestações mais lamentáveis de preconceito, uma espécie de holocausto fonográfico que arrebentou a carreira de muita gente boa.

Vale um pequeno parêntesis aqui. A disco music teve como berço a comunidade gay dos EUA e de outros países. Quando estourou e cativou todos os tipos de público com sua sonoridade alegre, pra cima e criativa, horrorizou os conservadores, e, ironia das ironias, muitos roqueiros, que haviam sido vítimas de preconceitos em décadas anteriores, mas que naquele momento se sentiam ameaçados pelos artistas disco. E Sylvester nunca negou a sua homossexualidade.

Mesmo tendo se recusado a usar o rótulo disco como sua principal intenção musical, Sylvester acabou marcado por ela. Nos anos 80, viu sua popularidade ir despencando aos poucos. Ainda se daria bem em colaborações com o músico de jazz Herbie Hancock no ótimo single funk-disco Magic Number (1981). Em 1982, saiu da gravadora Fantasy e a processou, mas o ex-mentor Harvey Fuqua não teve como pagar o valor total do processo. Uma separação triste.

Se seus álbuns passaram a vender cada vez menos, Sylvester teve a oportunidade de realizar um sonho. Em 1985, ele participou, fazendo backing vocals, do álbum Who’s Zooming Who?, de Aretha Franklin, uma de suas heroínas. Ele deu sorte a ela, pois o disco foi um dos mais vendidos de sua carreira, com Sylvester atuando em dois singles de sucesso, a faixa título e Freeway Of Love. Em 1986, lança Mutual Attraction, o último que lançaria em vida.

Desde o fim dos anos 1970, uma doença até então desconhecida vitimou diversos integrantes da comunidade gay. Patrick Cowley, o amigo de Sylvester, foi uma de suas primeiras vítimas. Desde o início, o autor de You Make Me Feel (Mighty Real) mostrou-se solidário às vítimas do posteriormente revelado vírus HIV e da Aids. Para sua tristeza, viu um namorado morrer, vítima da doença. Pouco depois, descobriu também ser portador daquela terrível enfermidade.

Consta que Sylvester James foi o primeiro astro negro gay a assumir ser portador do vírus HIV. Ele se manteve ativo até onde pode, mas a partir do início de 1988, não conseguiu mais. E em 16 de dezembro de 1988, saiu do plano físico rumo à eternidade, não sem antes ser homenageado pela comunidade gay de San Francisco. Ele deixou instruções para que toda a renda com os royalties de seus trabalhos fossem doados a entidades ligadas à assistência aos portadores da Aids.

Não é nada fácil encontrar discos de Sylvester atualmente. O mais acessível costuma ser a coletânea The Original Hits, que traz onze faixas lançadas entre 1977 e 1981, entre elas seus megahits. Pena que não inclua I (Who Have Nothing). O incrível Step II só saiu em uma rara edição internacional em CD que também incluía Sylvester (de 1977) no pacote. Mas vale ir atrás. O som alegre e contagiante deste gênio do falsete disco vale a procura. E dá pra ouvir no Youtube, na faixa, para quem não se importa em não ter os itens físicos.

Step II- Sylvester (ouça em streaming):

Janis Joplin, a voz eterna que faria 70 anos

Por Fabian Chacur

Neste sábado, 19 de janeiro de 2013, Janis Joplin completaria 70 anos. A Pérola do Texas, no entanto, nem aos 30 chegou, pois nos deixou em um triste 4 de outubro de 1970, aos 27 anos. O ser humano se foi, mas a voz lendária, preservada nos discos, permanece nos arrepiando até hoje. E que voz maravilhosa!

Janis viveu pouco, mas com muita intensidade. Dentro dela, um eterno impasse certamente ajudou a levá-la mais cedo. De um lado, a cantora visceral, a mulher livre, que desejava apenas ser “mais uma da turma” e beber até cair. Do outro, a garota que sonhava em ser esposa, ter filhos e uma vida convencional, “careta”. Muita contradição.

Em termos musicais, a cantora texana misturou com originalidade o blues, o rhythm and blues, o country, o soul, o folk, o jazz e o rock and roll como ninguém antes, nem depois, com uma das vozes mais poderosas jamais apresentadas ao grande público. Dinamite pura, sentimento puro, explosão pura, em uma intérprete carismática.

Em sua concisa discografia, que inclui títulos lançados por ela ainda em vida e outros póstumos bem bacanas, destaco particularmente três. Cheap Thrills (1968), gravado ao lado do grupo Big Brother & The Holding Company, a tornou conhecida mundialmente, graças a petardos como Summertime, Piece Of My Heart e Ball And Chain.

Pearl, lançado de forma póstuma em 1971, é para mim seu momento máximo, quando a emoção e a técnica se equilibraram, gerando um álbum ao mesmo tempo emocionante e tecnicamente impecável, gerando gravações excepcionais como Move Over, Cry Baby, Me And Bobby McGee, My Baby e A Woman Left Lonely. Um dos melhores álbuns lançados em qualquer época e em qualquer estilo musical. Clássico até a medula.

Lançado em 1982, Farewell Song traz nove faixas registradas entre 1968 e 1970, e mostram Janis esbanjando talento, em canções como Tell Mama, One Night Stand e Catch Me Daddy. Nem parece uma coletânea de material deixado de lado dos discos da cantora.

Na verdade, essas são escolhas pessoais minhas, mas recomendo praticamente qualquer um de seus álbuns. Mesmo I Got Dem Ol’ Kosmic Blues Again Mama! (1969), que peca pela produção excessiva e por um pouco de frieza, traz momentos bacanas como To Love Somebody e One Good Man e merece ser explorado pelos ouvintes atuais.

Toda cantora que se preze tem a obrigação de mergulhar na obra de Janis Joplin como forma de aprender a arte de transpor para os estúdios e palcos os sentimentos sem cair na gritaria sem sentido, no tecnicismo barato ou no lugar comum. Janis era original como poucas, e continua nos emocionando em seus discos e DVDs.

Agora, ouça cinco das minhas gravações favoritas de Janis Joplin:

Move Over:

Me And Bobby McGee:

One Night Stand:

Cry Baby:

Summertime:

Morre Gerry Rafferty, do sucesso Baker Street

Por Fabian Chacur

Embora com atraso, não posso deixar de registrar em Mondo Pop a morte de um talentoso nome do pop rock internacional.

O cantor, compositor e músico escocês Gerry Rafferty se foi no dia 4 de janeiro deste 2011 no sul da Inglaterra, onde morava com a filha.

Nascido em 16 de abril de 1947, Rafferty tornou-se conhecido nos idos de 1973 como integrante do grupo Stealers Wheel.

O grupo, do qual também fazia parte Joe Egan (que em 1979 gravou o hit solo Back On The Road), teve como grandes sucessos Stuck In The Middle Of You (usado em 1992 na trilha do filme Cães de Aluguel, de Quentin Tarantino) e Next To Me, esta última com enorme repercussão no Brasil.

Em 1978, o artista viveu o maior momento de sua carreira ao lançar o álbum solo City To City. O disco chegou ao primeiro lugar na parada americana, tirando de lá nada menos do que a trilha de Os Embalos de Sábado à Noite.

Duas grandes músicas ajudaram a impulsionar o sucesso deste excelente álbum: a balançada e deliciosa Right Down The Line e a inesquecível Baker Street, esta última um dos grandes hits dos anos 80.

Baker Street é uma daquelas músicas iluminadas, com direito a melodia belíssima, interpretação cool por parte do intérprete e um dos mais marcantes solos/riffs de sax de todos os tempos.

A canção voltou às paradas nos anos 90 em algumas regravações, entre as quais a do grupo Undercover, e também foi relida em shows pelos Foo Fighters e em um episódio dos Simpsons por Lisa Simpson.

Pena que, nos anos seguintes, Gerry não tenha conseguido manter o mesmo nível de repercussão, embora tenha gravado novos trabalhos e atuado ao lado de Mark Knopfler e outros nomes importantes do pop.

Ouça Next To Me, com o Stealers Wheel:

Veja o clipe de Stuck In The Middle Of You, com o Stealers Wheel:

Veja o clipe de Baker Street, com Gerry Rafferty:

Ouça Right Down The Line, com Gerry Rafferty:

Cinco músicas sensacionais do Prefab Sprout

Por Fabian Chacur

Já escrevi tanto sobre o grupo britânico Prefab Sprout por aqui que logo vai ter neguinho achando que o Paddy McAloon me paga para fazer isso.

Na verdade, se eu conseguir tornar ao menos mais uma pessoa fã incondicional desse trabalho maravilhoso, já estarei bem pago.

Continuando minha missão, vou apresentar mais cinco músicas maravilhosas dos caras. Ouçam, vejam e tirem suas próprias conclusões.

A Life Of Surprises – clipe (1989)

Lançada no álbum Protest Songs (1989), virou faixa título da primeira coletânea de hits da banda, de 1992. Dançante, otimista, contagiante.

Faron Young ao vivo em 1985:

Esse agitado rockabilly de refrão inesperado abre o clássico álbum Steve McQueen (1985). O refrão cita a música Four In The Morning, do cantor country americano Faron Young.

Electric Guitars – clipe 1997:

Homenagem aos roqueiros sonhadores, esse rock melódico tem um clipe repleto de bem-humorados clichês do visual rock and roll. Um clássico!

Cars And Girls ao vivo 1988:

Pop até a medula, esse rock melódico mostra a vertente mais acessível do PS, sem no entanto cair no vulgar ou no brega. Uma delícia de roquinho básico.

Wild Horses (só áudio) – 1991:

Por quê ninguém tocou essa música nas rádios? Teria sido um hit instantâneo. Balada soul matadora, com uma pitada de Culture Club.

Porque eu adoro o Steve Winwood – parte 4 (final)

Por Fabian Chacur

 

A década de 90 foi levada no melhor estilo low profile por Steve Winwood. Em 1994, ele e o antigo parceiro Jim Capaldi resolveram retomar o Traffic, agora como dupla, e lançaram um bom disco, Far From Home, que rendeu uma turnê mundial. A carreira solo voltou à tona em 1997 com Junction Seven, disco pop e balançado que merecia ter feito sucesso, mas que passou batido. Como destaques, a coprodução de Narada Michael Walden, uma releitura inspirada de Family Affair (clássico setentista de Sly & The Family Stone), a certeira Spy In The House Of Love e a bela Plenty Lovin’, esta última, dueto com a cantora Des’ree. Seis anos se passariam até que About Time, seu novo álbum, chegasse às lojas, já no século XXI. Acompanhado por José Pires de Almeida Neto na guitarra e Walfredo Reyes Jr. na bateria e percussão, nos proporcionou um disco sublime, swingado, com muita latinidade e ele se dedicando aos vocais e ao mítico órgão Hammond. Destaques para as faixas Different Light, Cigano (For The Gypsies) e um cover fiel de Why Can’t We Live Togheter, hit nos anos 70 com Timmy Thomas. O álbum foi posteriormente disponibilizado em luxuosa versão com direito a dualdisc com DVD de áudio e vídeo e canções gravadas ao vivo, entre as quais Dear Mr. Fantasy, do Traffic.

Nine Lives (2008), seu mais recente CD, já foi resenhado aqui em Mondo Pop, mas pode ser resumido como um ótimo trabalho, com elementos latinos e mais rock e blues do que em About Time. Destaque para a faixa Dirty City, da qual participa na guitarra um particularmente inspirado Eric Clapton. Em 1995, saiu uma magnífica caixa com quatro CDs intitulada The Finer Things, que abrange os melhores momentos de sua carreira, com direito a faixas solo e também do The Spencer Davis Group, Powerhouse, Traffic, Blind Faith e Go, além de encarte luxuoso repleto de informações. Vale cada centavo que você pagar nela. Aos 61 anos, Winwood continua relevante, atuante e capaz de nos proporcionar novos discos e shows de qualidade. Ele tocou no Brasil em 1998, um show maravilhoso no Palace (hoje CitiBank Hall) que tive a honra de conferir.

 

Dear Mr. Fantasy ao vivo em 2003:

 

http://www.youtube.com/watch?v=SvT_f_lVyNQ

 

Porque eu adoro o Steve Winwood- parte 3

Por Fabian Chacur

 

No dia 23 de março, a primeira parte desta série falou do genial músico britânico nos anos 60. No dia primeiro de abril, foi a vez da década de 70. Agora, entramos nos 80. Winwood resolveu gravar discos nos quais tocava todos os instrumentos. Arc Of a Diver (1980) gerou pelo menos dois clássicos: a fantástica faixa título e a contagiante While You See A Chance, que se tornou uma das mais músicas mais tocadas da história do rádio americano. Talking Back To The Night (1982) o manteve em alto nível artístico e com direito a músicas ótimas como a faixa título e Valerie, mas com repercussão menor em termos comerciais. Em 1986, quando alguns apressadinhos consideravam Steve Winwood um nome do passado, ele lança Back In The High Life, contando com participações especiais de feras do naipe de James Taylor, Nile Rodgers (Chic), Joe Walsh (Eagles), Chaka Khan, Dan Hartman, James Ingram e inúmeros outros, e inicia o auge de sua carreira em termos comerciais. Canções como a fantasticamente sacudida Higher Love (primeiro lugar nos EUA), a roqueira Freedom Overspill, a deliciosamente pop The Finer Things e a lírica Back In The High Life Again invadem as paradas, e mostram que, sim, é possível conciliar apelo comercial com qualidade artística. Roll With It (1988), no qual se destacam a sacudida faixa título e a romântica Don’t You Know What The Night Can Do?, chegou ao número um da parada americana, e deu início a um contrato milionário com a Virgin Records. A década se encerrou com o mediano Refugees Of The Heart (1990), que trouxe como novidade a retomada da parceria com o ex-colega de Traffic Jim Capaldi, indicativo de um retorno compacto da banda nos anos 90. Mas isso é assunto para o próximo capítulo.

 

Confira o videoclipe de Higher Love:

 

http://www.youtube.com/watch?v=gdTHa8m1EFo

 

Porque eu adoro o Steve Winwood-parte 2

Por Fabian Chacur

 

A parte 1 desta série se encerrou com o fim do Blind Faith, em 1969. Nesse momento, já com um currículo invejável e apenas 21 anos de idade, Steve Winwood não sabia muito bem qual seria o seu futuro. Inicialmente, participou do álbum ao vivo do Ginger Baker’s Airforce, mega-banda de duração também efêmera. Depois, a gravadora Island sugeriu a ele a gravação de um disco solo, algo que o cantor, compositor e multi-instrumentista não tinha vontade de fazer, naquele momento. A reaproximação com os velhos parceiros Jim Capaldi e Chris Wood acabou gerando o retorno do Traffic, que em 1970 lançou seu comeback álbum, o ótimo John Barleycorn Must Die. O som do agora trio ganhou uma outra dimensão, indo do psicodelismo pop a uma fusão de folk, soul, jazz, música latina e rock, com faixas mais longas e repletas de improvisos inspirados, típicos do rock progressivo. O auge desse novo tempo ocorreu com o excepcional The Low Spark Of High Heeled Boys (1971), que flagra o grupo em versão ampliada, incluindo músicos de apoio como Rick Grech (baixo) e Reebok Kwaku Baah (percussão). Em 1974, devido a problemas de saúde com Winwood e também a uma falta de sintonia entre o núcleo da banda, o Traffic saiu de cena. O astro britânico aproveitou o fato de não ter mais compromissos fixos para participar de diversos discos alheios, entre os quais os de Sandy Denny, Toots & The Maytals e o percussionista japonês Stomu Yamashita. Este último lançou dois álbuns com o nome Go, envolvendo estrelas como Al DiMeola e Pat Thrall. E em 1977, beirando os trinta anos, enfim Winwood resolveu iniciar a carreira solo. Auto-intitulado, o CD traz boas músicas como Vacant Chair e Hold On, e equivale a uma carta de intenções sobre o futuro direcionamento em busca de uma sonoridade mais pop, embora com grande qualidade artística. Até o final dos anos 70, ele se manteve em low profile, participando de discos de George Harrison e outros amigos. As coisas iriam mudar, e muito, em 1980, com Arc Of A Diver. Mas isso fica para o terceiro capítulo. Como diria Silvio Santos, aguardem!

 

Ouça The Low Spark Of High Heeled Boys, com o Traffic, ao vivo:

 

http://www.youtube.com/watch?v=ZVlbgqmxXNY

 

Porque eu adoro o Steve Winwood-parte 1

Por Fabian Chacur

 

No dia 12 de maio do ano passado, um dos maiores nomes da história do rock fez 60 anos. Ele foi menos celebrado do que deveria. Então, inicio aqui uma nova série de matérias para tentar dizer o porque este cantor, compositor e multi-instrumentista britânico merece muita, mas muita badalação, mesmo. Comecemos pelo fato de que, com apenas 16 anos de idade, ele era um dos nomes mais elogiados do cenário inglês, como vocalista, guitarrista-solo e tecladista do The Spencer Davis Group. Nessa banda, que integrou de 1964 a 1967 ao lado do irmão Muff (baixo), Spencer Davis (guitarra-base) e Pete York (bateria), gravou clássicos do rock como Keep On Running, Every Little Bit Hurts, Gimme Some Lovin’ e I’m a Man, sendo que estas duas últimas também são de sua autoria. De arrepiar o vozeirão e a categoria como músico que o então adolescente já demonstrava. Ousado, resolveu sair fora do TSDG no auge para montar seu próprio grupo. Ao lado de Jim Capaldi (vocais, bateria e percussão), Chris Wood (instrumentos de sopro) e Dave Mason (vocal, guitarra e baixo), criou o Traffic, que rapidamente se tornou um dos expoentes do rock psicodélico, graças a canções hipnóticas como Paper Sun, Coloured Rain, Heaven Is In Your Mind, Smiling Phases, Dear Mr. Fantasy e Forty Thousand Headman. Brigas, especialmente com o indócil Dave Mason (que contribuiu com o mega hit Feelin’ Alright para a banda), Winwood mais uma vez ousou, dando fim ao quarteto. Ao lado dos amigos Eric Clapton (guitarra e vocal) e Ginger Baker (bateria), que haviam acabado de aposentar o Cream, mais Rick Grech (baixo), montou o efêmero Blind Faith, cujo disco de estréia encantou a todos em 1969, especialmente graças às maravilhosas Can’t Find My Way Home e Sea Of Joy. O grupo fez um mega show no Hyde Park, em Londres, em sete de junho de 1969, mas logo saiu de cena. Note: com apenas 21 anos, o cara já havia reservado um espaço na história do rock. Mas ele faria muito mais!

 

The Spencer Davis Group ao vivo em 1966 com Keep On Runnin’:

 

http://www.youtube.com/watch?v=H6LVI1gDswg

 

As belas canções soft rock de Seals & Crofts

Por Fabian Chacur

 

A música tem o poder de nos fazer viajar rumo a eras distantes. Summer Breeze, por exemplo, me proporciona recordar de meus tempos de moleque, quando começava a comprar meus primeiros discos, especialmente os compactos simples, com uma música de cada lado. Com a lírica East Of Ginger Trees do outro lado, o single com Summer Breeze foi um dos primeiros a entrar na minha coleção. Canção doce, com ênfase acústica, bela melodia e harmonizações vocais arrepiantes, proporcionou o meu contato inicial com o trabalho da dupla Seals & Crofts, que ao lado de Crosby Stills Nash & Young, America, James Taylor, The Eagles e Carole King estiveram na linha de frente de um dos estilos mais populares e frutíferos dos anos 70, o soft rock, ou bittersweet rock, mistura de rock, country e folk com ênfase acústica e letras confessionais. James Seals nasceu em 1941 e Dash Crofts em 1940, ambos no estado americano do Texas. Ainda jovens, participaram do grupo The Champs (do hit instrumental Tequila) e tocaram com Glen Campbell até iniciar o trabalho em dupla, a partir de 1969. Só chegaram às paradas com o quarto álbum, Summer Breeze (1972), mas daí até 1978, emplacaram várias outras canções de sucesso. Maravilhas como a swingada Diamond Girl, a intensa Humminbirg, a country rock When I Meet Them, a doce I’ll Play For You, a belíssima balada We May Never Pass This Way (Again) , a misteriosa Castles In The Sand e a influenciada pelo soul Get Closer. A partir dos anos 80, foram cada um pro seu lado, mas se reuniram novamente em 1991/92, e satisfazem os nostálgicos de tempos em tempos com comebacks pontuais. Curiosidades: Summer Breeze teve inspirada releitura por parte do grupo negro The Isley Brothers em 1973, no álbum 3+3; James Seals tem vários parentes no meio musical, incluindo Dan Seals, que fez sucesso como integrante do duo England Dan & John Ford Coley (dos hits I’d Really Love To See You Tonight e Love Is The Answer) e um integrante do grupo country rock Little Texas. A coletânea Greatest Hits saiu no Brasil e é o melhor lugar para se conhecer esse trabalho que até hoje arrepia por sua beleza singela e harmônica.

 

Summer Breeze ao vivo em 1974:

 

http://www.youtube.com/watch?v=TEF470mXqU4

 

Porque eu adoro o Prefab Sprout-parte 2

Por Fabian Chacur

 

Steve McQueen é uma espécie de segredo não tão bem guardado do pop dos anos 80. Muita gente não o conhece, mas poderia, pois o disco nunca saiu de catálogo desde seu lançamento, em 1985. Essa multidão de gente que nunca ouviu tal álbum, que nos EUA saiu com o título Two Wheels Good (tal como a versão em vinil brasileira), tem tudo para literalmente pirar ao ouvir o mesmo, e lamentar o porque não o conheceu antes. Trata-se de uma verdadeira obra-prima do pop, a começar pela produção, a cargo de Thomas Dolby. Coube a ele a tarefa de selecionar o repertório do disco. Não poderia ter escolhido melhor. Embora mestre dos teclados e da eletrônica, Dolby soube usar esses elementos de forma bem dosada, dando às canções de Paddy McAloon (vocal e guitarra) a moldura ideal. Além da guitarra sutil e a bela voz de seu compositor, o grupo também oferece aos ouvintes a extremamente coesa sessão rítmica formada por Martin McAloon (baixo, irmão de Paddy) e Neil Conti (bateria), e os doces e etéreos vocais de apoio de Wendy Smith. As letras são de uma criatividade e inteligência notáveis. Appetite, a minha favorita, fala, por exemplo, do desejo sexual e do peso que fica nas costas da mulher após uma gravidez não planejada, com versos sensacionais como “wishing she could call him heartache but it’s not a boy’s name” (ela desejaria batizá-lo como dor de cabeça, mas esse não é um nome de garoto). O rockabilly Faron Young cita o grande hit deste cantor americano, Four In The Morning, no refrão, ao invés de soltar o óbvio “ela me deu o cartão vermelho”, com brilhante sutileza. A perfeição pop de Bonny, a doçura de Goodbye Lucille # 1(Johnny, Johnny) e o hit When Loves Break Down, cujos versos falam sobre o que era um amor perfeito chegar ao fim, são outros highlights de um álbum perfeito. Em 2007, saiu uma reedição luxuosa do disco, que inclui versão remasterizada de Steve McQueen e um segundo CD contendo maravilhosas releituras acústicas feitas por Paddy em 2006 de oito das onze faixas do álbum, além de encarte e capa digipack.

 

Veja o videoclipe de Appetite:

 

http://br.youtube.com/watch?v=X7oJAR4iYuw

Older posts

© 2017 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑