Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Category: Notícias (page 1 of 111)

Phil Collins terá dois álbuns ao vivo relançados pela Warner

Serious_Hits..._Live!-400x

Por Fabian Chacur

Dando prosseguimento à série de relançamentos da discografia solo de Phil Collins, a Warner Music anuncia para fevereiro de 2019 mais dois itens que voltarão ao mercado, desta vez em versões remasterizadas e nos formatos físicos e digitais. São os álbuns ao vivo Serious Hits…Live! (1990) e A Hot Night In Paris (1999), este último na verdade um trabalho creditado à The Phil Collins Big Band. Ambos terão o selo Atlantic-Rhino, e são excelentes.

Serious Hits…Live! flagra o consagrado cantor, compositor e músico britânico no auge de sua carreira solo, durante uma turnê mundial que durou de fevereiro a outubro de 1990 e divulgou o álbum …But Seriously (1989), um dos melhores do astro pop. O repertório traz versões matadoras de Something Happened On The Way To Heaven e Don’t Forget My Number, além de megahits do calibre de Another Day In Paradise, In The Air Tonight e One More Night. Ele é acompanhado por uma super banda de 11 músicos, entre os quais os brilhantes Leland Sklar (baixo), Daryl Stuemer (guitarra) e Arnold McCuller (vocais de apoio).

A The Phil Collins Big Band existiu entre 1996 e 1998, e foi a realização de um antigo sonho de Collins, que sempre se declarou fã das big bands jazzísticas de Count Basie, Duke Ellington e do baterista Buddy Rich. Composta por 20 músicos, traz o músico britânico dedicando-se exclusivamente à bateria, tocando versões instrumentais de hits do Genesis e de sua carreira-solo, além de covers como Milestones (Miles Davis) e Pick Up The Pieces (matador hit setentista da banda funk Average White Band), e uma composição bem bacana do saxofonista da banda, Gerald Albright (Chips & Salsa).

Confira as faixas de Serious Hits… Live!:

1. ‘Something Happened On The Way To Heaven’
2. ‘Against All Odds (Take A Look At Me Now)’
3. ‘Who Said I Would’
4. ‘One More Night’
5. ‘Don’t Lose My Number’
6. ‘Do You Remember?’
7. ‘Another Day In Paradise’
8. ‘Separate Lives’
9. ‘In The Air Tonight’
10. ‘You Can’t Hurry Love’
11. ‘Two Hearts’
12. ‘Sussudio’
13. ‘A Groovy Kind of Love’
14. ‘Easy Lover’
15. ‘Take Me Home’

Confira as faixas de A Hot Night In Paris:

1. ‘Sussudio’
2. ‘That’s all’
3. ‘Invisible Touch’
4. ‘Chips & Salsa’
5. ‘Hold On My Heart’
6. ‘I Don’t Care Anymore’
7. ‘Milestones’
8. ‘Against All Odds’
9. ‘Pick Up The Pieces’
10. ‘The Los Endos Suite’

Serious Hits…Live- Phil Collins:

Yellow Submarine será exibido em Sampa com entrada gratuita

yellow submarine-400x

Por Fabian Chacur

Se você é beatlemaníaco ou fã de cultura pop (ou as duas coisas) e mora em São Paulo, uma ótima notícia. Neste sábado (8), às 17h, será exibido o filme Yellow Submarine (1968), de George Dunning e estrelado por aquele célebre grupo de Liverpool. Detalhe: com resolução digital 4K e trilha remixada em surround 5.1 stereo. E melhor: com entrada gratuita. O local será o Cine Olido (avenida São João, nª 473- República- fone 0xx11-2899-7370).

Lançado em plena era psicodélica, esta animação em longa-metragem tem como cenário Pepperland, uma cidade repleta de cores, música e muito amor. Até que são invadidos pelos abomináveis blue meanies. Como salvar a pátria? Simples: chamando John, Paul, George e Ringo, que, viajando em um adorável submarino amarelo, incumbem-se de vencer os inimigos e restaurar a felicidade antes reinante. Detalhe: com muita música boa na trilha sonora, tipo All Together Now, It’s Only a Northern Song, It’s All Too Much e Yellow Submarine, entre outras. Diversão garantida em 90 viajantes minutos.

Na abertura, será exibido o curta-metragem Make It Soul (2018), ambientado em Chicago em 1965, no Teatro Regal, tendo como mestres de cerimônia e apresentadores ninguém menos do que James Brown e Solomon Burke, dois mestres da black music. São apenas 15 minutos, mas certamente muita coisa boa vai rolar, especialmente em termos musicais.

Essa adorável e bem-vinda exibição gratuita será promovida pelo Animage- Festival Internacional de Animação de Pernambuco, cuja mais recente edição, a 9ª de sua existência, foi realizada em Recife no último mês de outubro, e no qual essa edição incrementada em termos técnicos de Yellow Submarine foi exibida.

Veja o trailer de Yellow Submarine:

David Crosby surpreende com novo CD e um documentário

david crosby-400x

Por Fabian Chacur

No incrível frescor de seus 77 anos de idade, David Crosby mostra estar mais produtivo do que nunca. Em outubro, lançou nos EUA o álbum Hear If You Listen, trabalho colaborativo ao lado dos músicos Michael League, Becca Stevens e Michelle Willis, seu quarto álbum em cinco anos. De quebra, será exibido pela primeira vez em janeiro de 2019, no festival de cinema Sundance, realizado anualmente em Park City, Utah (EUA), o documentário David Crosby: Remember My Name. Ufa!

Com direção a cargo do oscarizado diretor e jornalista Cameron Crowe (Quase Famosos, Jerry Maguire a Grande Virada), David Crosby: Remember My Name dá uma geral na incrível trajetória do lendário cantor, compositor e músico americano. Em entrevista à ABC Radio (EUA), ele comentou sobre o filme:

“Cameron me conhece muito bem, e é um ótimo entrevistador e um cara muito esperto. Ele me fez perguntas bem difíceis que eu respondi o mais honestamente que eu humanamente pude”. Ao contrário de outras atrações do gênero, Crosby garante que seu documentário tem poucas aparições de músicos e amigos famosos, com uma exceção: Roger McGuinn, seu parceiro nos Byrds, primeira banda de sucesso da qual fez parte, na década de 1960.

Inédito no Brasil, assim como os três álbuns anteriores (leia mais sobre esses trabalhos aqui), Hear If You Listen reúne Crosby com três músicos que marcaram presença nesses recentes CDs, mas que desta vez apareceram de forma mais efetiva, como se fossem uma banda. Eles atualmente fazem alguns shows pelos EUA, divulgando o álbum.

Ouça 1974, do CD Here If You Listen:

Slash voltará ao Brasil para shows com The Conspirators em 2019

slash e banda-400x

Por Fabian Chacur

Para quem é fã do guitarrista Slash, uma notícia das melhores. O músico americano, após ter passado por aqui com a turnê Not In This Lifetime, que marcou seu retorno ao Guns N’ Roses, anuncia que voltará ao Brasil em breve. Será para uma turnê com oito datas que se desenvolverá entre 21 de maio e 3 de junho de 2019. Desta vez, ele estará ao lado da banda Myles Kennedy And The Conspirators, com a qual já lançou três álbuns e cujo som investe no hard rock e seus desdobramentos.

Slash (guitarra e vocais) terá a seu lado Myles Kennedy (vocal principal), Brent Fitz (bateria), Todd Kerns (baixo e vocais) e Frank Sidoris (guitarra-base e vocais). Eles terão como base de seus shows o repertório do álbum Living The Dream, lançado em setembro pelo selo do artista, o Snakepit Records, em parceria com a Warner Music, que traz músicas como The Great Pretender, Driving Rain, The Call Of The Wild, Mind Your Manners e Sugar Cane, entre outras.

Nascido em 23 de junho de 1965, Slash se tornou mundialmente conhecido como integrante do Guns N’Roses. Ele também gravou e fez shows com outras bandas capitaneadas por ele, como Snakepit, Velvet Revolver e agora The Conspirators, com quem já lançou os álbuns Apocalyptic Love (2012) e World On Fire (2014), além do mais recente. Ele marcou presença em trabalhos de artistas como Michael Jackson, Carole King, o grupo Chic e inúmeros outros, sempre com destaque, versatilidade e muita categoria.

Saiba as datas e locais dos shows de Slash no Brasil em 2019:

Data: 21 de maio (terça-feira)
Local/Cidade: Pepsi on Stage – Porto Alegre

Data: 22 de maio (quarta-feira)
Local/Cidade: Stage Music Park / Florianópolis

Data: 24 de maio (sexta-feira)
Local/Cidade: Live Curitiba / Curitiba

Data: 25 de maio (sábado)
Local/Cidade: Espaço das Américas / São Paulo

Data: 27 de maio (segunda-feira)
Local/Cidade: Arena Sabiazinho / Uberlândia

Data: 29 de maio (quarta-feira)
Local/Cidade: local a confirmar / Brasília

Data: 01 de junho (sábado)
Local/Cidade: Classic Hall / Recife

Data: 03 de junho (segunda-feira)
Local/Cidade: Centro de Convenções do Ceará / Fortaleza

The Great Pretender (clipe)- Slash:

Boca Livre mostra hits e algumas novidades ao vivo em São Paulo

boca livre 2018-400x

Por Fabian Chacur

Há exatos 40 anos na estrada, o Boca Livre construiu uma trajetória impecável, consolidando-se como um dos grandes grupos vocais da história da nossa música. Para celebrar essas quatro décadas de estradas, o quarteto prepara um novo álbum de estúdio. Enquanto isso não ocorre, o público paulistano poderá conferir em primeira mão algumas das músicas que estarão nesse disco, assim como aqueles hits maravilhosos habituais. Será nesta sexta (30) e sábado (1º-12) às 21h30 no Tupi Or Not Tupi (Rua Fidalga, nº 360- Vila Madalena- fone 0xx11-3813-7404), com ingressos a R$ 140,00.

O primeiro álbum do Boca Livre, autointitulado, saiu em 1979 pela via independente, e logo tornou-se um fenômeno de vendagens, conseguindo tocar em rádios e os levar a apresentações em emissoras de TV. Isso, fazendo uma sonoridade própria, uma mistura de folk, country, MPB em suas várias tendências e muito mais, com direito a vocalizações simplesmente sublimes. Quem Tem a Viola, Toada, Mistérios, as músicas desse álbum tomaram rapidamente conta das paradas de sucesso. No peito e na raça.

Nesses anos todos, o quarteto se manteve sempre ativo. A atual formação é a sua mais constante, trazendo os fundadores Mauricio Maestro (baixo e vocal), Zé Renato (violão e vocal) e David Tygel (viola de dez cordas e vocal), e Lourenço Baeta (vocal), que entrou no time logo em 1980, substituindo Cláudio Nucci. Fernando Gama também esteve no grupo durante as décadas de 1990 e 2000, sendo que a atual escalação se mantém estável desde 2006.

Além dos hits, os citados e possivelmente Panis Et Circenses e Bicicleta, o Boca Livre também fará uma prévia de algumas faixas do próximo trabalho, que deverá ser intitulado Viola de Bem Querer, nome de uma das faixas que o integrarão. Também estarão no trabalho Vida da Minha Vida e Amor de Índio, esta última um clássico do repertório de Beto Guedes. Será o sucessor de seu mais recente CD, o elogiado Amizade (2013).

Quem Tem a Viola- Boca Livre:

Biquini Cavadão mostra em SP suas releituras de Herbert Vianna

biquini cavadao 400x

Por Fabian Chacur

Em 2017, o Biquini Cavadão lançou As Voltas Que o Mundo Dá, um dos melhores álbuns de seus 35 anos de carreira (leia resenha aqui). Após esse ótimo trabalho de canções inéditas, o quarteto carioca volta com um projeto restrito às plataformas digitais. Trata-se de Ilustre Guerreiro, que traz a releitura de oito composições de Herbert Vianna. Eles mostram esse projeto em São Paulo com um show único neste sábado (1º-12) às 21h no Teatro Bradesco (avenida Palestra Itália, nº 500- Loja 263- 3º piso- Bourbon Shopping- fone 0xx11-3670-4100), com ingressos de R$ 60,00 a R$ 200,00.

A homenagem ao cantor, guitarrista e líder dos Paralamas do Sucesso não ocorre por acaso. Herbert foi quem sugeriu à banda, em 1983, batizar-se de Biquini Cavadão, além de ter tocado guitarra no primeiro single deles, o hit Tédio. Desde então, a amizade entre eles se manteve firme, forte e sólida. O vocalista Bruno Gouveia explica os critérios usados para a seleção do repertório:

“Nossa busca foi por canções que pudessem ser traduzidas por nós. Certamente, grandes hits ficaram de fora e não nos prendemos a uma cronologia. Antes de gravar, chegamos a ficar horas no estúdio buscando entender a responsabilidade deste tributo. Os arranjos originais sempre foram perfeitos. Portanto, buscamos passear por novas searas, encontrar novas ideias para cada canção”.

O título do álbum virtual vem do significado do nome Herbert, que tem origem alemã e pode ser traduzido como “ilustre guerreiro”. Muito adequado, por sinal. Com produção do consagrado Liminha, o álbum traz Como Se Não Te Amasse Tanto Assim, Só Pra Te Mostrar, Ska, Vital e Sua Moto, Aonde Quer Que Eu Vá, Cuide Bem do Seu Amor, Mensagem de Amor e O Amor Não Sabe Esperar.

Além das canções do trabalho digital, a banda formada por Bruno, Carlos Coelho (guitarra), Miguel Flores da Cunha (teclados) e Álvaro Birita (bateria), mais músicos de apoio, mostrará alguns de seus sucessos nessas quase quatro décadas de estrada, entre os quais Vento Ventania, Timidez, Janaína e Zé Ninguém, com aquela mistura de rock, reggae, pop e música brasileira que os tornou uma das bandas mais bem-sucedidas do rock oitentista em todo o Brasil.

Onde Quer Que Eu Vá (clipe)- Biquini Cavadão:

Ednardo mostra seu disco mais famoso na íntegra ao vivo em SP

Ednardo - Divulgacao-400x

Por Fabian Chacur

Ednardo lançou o seu álbum O Romance do Pavão Mysteriozo em 1974. O trabalho, elogiado pela crítica, estava passando batido pelo grande público quando, em 1976, uma de suas faixas, Pavão Mysteriozo, foi escolhida para a abertura da novela global Saramandaia. Pronto. O estouro enfim veio. E é o material deste LP, na íntegra, que o cantor, compositor e músico cearense irá mostrar neste sábado (1º-12) às 21h e domingo (2-12) às 18h no teatro do Sesc Belenzinho (rua Padre Adelino, nº 1.000- Belenzinho- fone 0xx11-2076-9700), com ingressos de R$ 6,00 a R$ 20,00.

Nascido em Fortaleza (CE) em 17 de abril de 1945, Ednardo faz parte da mesma geração de Belchior, Fagner, Amelinha e outros nomes bacanas da música cearense. Apelidados de Pessoal do Ceará, surgiram no cenário universitário de sua cidade natal no início dos anos 1970. O Romance do Pavão Mysteriozo, seu primeiro disco solo, traz 12 músicas, a grande maioria de sua autoria. Pavão Mysteriozo tornou-se seu principal hit, com levada marcial, forte tempero nordestino e versos fortes como “não tenha sinhá donzela nossa sorte nessa guerra, eles são muitos mas não podem voar”.

O álbum traz outras canções marcantes, entre as quais Carneiro, Ausência (com participação especial de Amelinha, então ainda desconhecida), Varal, Dorothy Lamour e A Palo Seco, esta última do amigo e parceiro Belchior. O violeiro Manassés participou desse trabalho, e marcará presença nos shows que Ednardo fará no Sesc Belenzinho, ao lado do artista cearense e de uma banda afiada, pronta para todos os desafios sonoros.

Além de ter lançado mais de dez discos individuais, Ednardo também teve trabalhos feitos em parcerias com outros artistas, como o projeto Massafeira (1980) e o álbum Pessoal do Ceará (2002- com Amelinha e Belchior, álbum que saiu rapidamente de catálogo e é hoje uma bela raridade). Ele também compôs trilhas sonoras para cinema e teatro, e dirigiu um filme. Seu trabalho mais recente é o DVD 40 Anos de Canção, lançado em 2015.

O Romance do Pavão Mysteriozo- ouça em streaming:

Célia tem seu álbum de estreia relançado em vinil pela Polysom

CAPA_celia.indd

Por Fabian Chacur

A série Clássicos em Vinil, da Polysom, tem resgatado lançamentos importantes da história da MPB, no formato vinil de 180 gramas. O novo item da coleção foi, mais uma vez, escolhido a dedo. Trata-se de Célia, autointitulado álbum de estreia desta brilhante cantora paulistana (1947-2017), uma das melhores de sua geração e que merecia ter tido muito mais sucesso comercial e reconhecimento do que o obtido em seus 70 anos de vida. Ouça esse trabalho e sinta o porquê.

Lançado em 1971 pela gravadora Continental, este disco conta com a produção do jornalista Walter Silva, célebre por seu programa O Pickup do Picapau, em parceria com o músico e maestro Pocho Perez. Além do próprio Pocho, os arranjos das músicas foram divididos entre mestres indiscutíveis da nossa música. São eles Rogério Duprat, um dos grandes nomes ligados ao Tropicalismo, Arthur Verocai, um craque trabalhando para os outros e também para seus próprios trabalhos, e José Briamonte, que naquela época trabalhou alguns dos artistas mais importantes da nossa música.

O repertório de 11 músicas traz a assinatura de nomes então emergentes, como Joyce Moreno, Ivan Lins, Ronaldo Monteiro de Souza, Toninho Horta, Antonio Adolfo e Tibério Gaspar. Com uma afiada mistura de MPB com elementos de música pop, o disco traz maravilhas do porte de Adeus Batucada, No Clarão da Lua Cheia, Abrace Paul McCartney Por Mim e Fotograma. Nelas, a voz quente e envolvente de Célia se mostra um instrumento humano absurdo, exacerbando a beleza inerente em cada uma dessas belas canções. Tipo do disco que você não pode deixar de ouvir, hoje e sempre.

Célia (primeiro LP)- ouça em streaming:

Barão Vermelho lança seu 1º single com a nova formação

Por Fabian Chacur

Barão_LeoAversa-017_ok_cropped_preview

Em 2017, o Barão Vermelho passou por duas mudanças importantes em sua formação. Saíram o cantor, compositor e guitarrista Roberto Frejat, um dos fundadores do time, em 1981, e também o baixista Rodrigo Santos, que estava no time há 25 anos. Entraram em suas vagas o cantor Rodrigo Suricato, revelado na banda Suricato, e o baixista Marcio Alencar. A primeira gravação de uma faixa inédita do novo line up do time acaba de sair. É o incrível single A Solidão Te Come Vivo, já disponível nas plataformas digitais.

A nova faixa, intitulada “A Solidão Te Come Vivo”, é um delicioso rock melódico, com uma letra belíssima em sua simplicidade, cujo refrão é “ao lado dos amigos escapo de qualquer perigo, se você deixar, a solidão te come vivo”. Os autores são exatamente os remanescentes da formação anterior do grupo carioca, os fundadores Guto Goffi (bateria) e Maurício Barros (teclados), e Fernando Magalhães (guitarra, há 32 anos no time).

Essa bela amostra certamente deve anteceder um novo álbum de inéditas do Barão, que não lança um trabalho nesses moldes desde 2004. Se a amostra valer, vem coisa boa por aí, pois esse single não deve nada aos melhores momentos da banda, além de provar que Rodrigo Suricato se encaixou feito luva nos vocais do grupo que nos rendeu tantos e tantos hits bacanas nessas quase quatro décadas de estrada.

A Solidão Te Come Vivo– Barão Vermelho:

Roberta Campos lança single, a prévia de seu próximo DVD

roberta campos 2018-400x

Por Fabian Chacur

Roberta Campos entrou no cenário musical brasileiro com o lançamento de seu primeiro CD, Para Aquelas Perguntas Tortas (2008). Nos últimos 10 anos, ela conseguiu se tornar conhecida nacionalmente, graças a canções delicadas, envolventes e com fortes influências de folk, rock, pop e MPB. Ela deve lançar um novo DVD em janeiro, pela gravadora Deck, e nos proporciona uma amostra deste trabalho com o single Todo Caminho.

Seguindo a linha que lhe permitiu se tornar uma das principais artistas da sua geração, Roberta nos oferece uma canção simples, delicada e que envolve o ouvinte logo em seus primeiros acordes. Tem tudo para se juntar a outros hits da cantora, compositora e musicista mineira, como Abrigo, Minha Felicidade, Varrendo a Lua e Minha Felicidade, algumas delas incluídas em trilhas de novelas televisivas.

Roberta, que irá completar 41 anos de idade em 29 de dezembro e é oriunda da cidade de Caetanópolis (MG), também tem em seu currículo os álbuns Varrendo a Luz (2010), Diário de um Dia (2012) e Todo Caminho é Sorte (2015). Uma de suas marcas é cantar acompanhada de violão, que toca de forma competente e estilosa. Sempre na estrada, faz shows elogiados e bem bacanas, com ou sem banda.

Todo Dia– Roberta Campos:

Older posts

© 2018 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑