Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Page 2 of 237

Casa Levi’s agita o cenário da música pop com shows em SP

seti banda 400x

Por Fabian Chacur

Jeans é sinônimo de juventude e música com atitude desde os anos 1950. Com esse conceito em mente, a Levi’s criou uma plataforma para apoiar projetos musicais em 2007. Os bons frutos continuam surgindo, uma década depois. Teremos em São Paulo, nesta sexta (7) e sábado (8) shows gratuitos de artistas famosos, como Arnaldo Antunes, Tiê e Forgotten Boys, e de novas revelações, na nova edição do projeto periódico e cultural Casa Levi’s. O local é o bairro de Santa Cecília.

Na sexta, os shows terão como local a Associação Cultural Cecília (rua Vitorino Carmilo, nº 449- Santa Cecília), local devidamente adaptado para o formato da ação cultural da Levi’s. A primeira parte terá pocket shows de três das oito bandas selecionadas para gravar com o apoio da marca uma música cada em condições profissionais de trabalho. A programação terá o encerramento com uma performance dos Forgotten Boys, uma das melhores bandas do rock paulistano atual.

As três bandas tem propostas boas e bem diversificadas. Com cinco anos de estrada, o duo de synthpop S.E.T.I. (FOTO) é integrado por Roberta Artiolli (voz e sintetizadores) e Bruno Romani (baixo e programação), foi criado em Campinas (SP) e tem no currículo o excelente EP Êxtase (2015- leia a resenha de Mondo Pop aqui). Seu pop eletrônico é melódico, sutil e envolvente.

A banda Zumbi e o Folclore é bem recente, e surgiu em 2016. Sua proposta é de investir em um som instrumental que bebe nas fontes dos ritmos brasileiros, latinos e africanos. Em sua escalação, temos André Gabbay (percussão), Danilo Dutra (guitarra), Kauê Puttini (baixo), Raphael Moreira (teclados), Renato Carvalho (bateria e escaleta), Thomas Richardson (trumpete) e Thiago Pinho (sax e flauta transversal).

Por sua vez, o Corona Kings, criado em 2012, mergulha em uma fusão de garage, grunge e stoner rock, com direito a muita energia e timbres ardidos de guitarra. No elenco, Caíque Fermentão (guitarra e vocal), Murilo Benites (baixo), Felipe Dantas (guitarra) e Antônio Fermentão (bateria). Eles já lançaram dois CDs, Explode (2013) e Dark Sun (2015).

No sábado (8), a festa será ao ar livre, em frente ao local da Casa Levi’s, a partir das 13h. Estão na programação Lady’s Camp, Elephant Run, Tiê, Hurtmold e Pin Ups, com Arnaldo Antunes escalado para fazer o show de encerramento, às 20h30. Ou seja, representantes de várias gerações e tendências da música pop brasileira. Vale lembrar que o evento também engloba outras atividades, como jogos, food trucks etc.

Benjamim (ao vivo)-S.E.T.I.:

Sick Jacken, do Psycho Realm, é atração de show em Sampa

psycho realm divulgacao-400x

Por Fabian Chacur

O rapper Sick Jacken, que ficou conhecido como integrante do grupo Psycho Realm, bem badalado na cena do hip hop dos anos 1990, será a principal atração de um evento criado pela produtora Positive Foundation que será realizado neste domingo (9) a partir das 18h no Clash Club (rua Barra Funda, nº 969-Santa Cecília-SP- fone 0xx11-3661-1500), com ingressos de R$ 60,00 a R$ 180,00.

Jack Gonzalez, o Sick Jacken, iniciou sua carreira em 1989 ao criar o grupo Psycho Realm em Los Angeles com o irmão Big Duke (Jack Gonzalez). Sua primeira gravação, a música Scandalous, integrou a trilha sonora do filme Mi Vida Loca (1994). Logo a seguir, o badalado rapper B Real, integrante do grupo de hip hop latino Cypress Hill, viu um show deles e curtiu tanto que pensou até mesmo em entrar no duo.

Em 1997, saiu o primeiro CD do grupo, lançado pela Sony Music, gravadora na qual, no entanto, a banda ficou por pouco tempo. Em 1999, quando preparavam o segundo álbum, que sairia por seu próprio selo, o Silk Symphonies, o grupo passa por uma tragédia: Big Duke sofre um disparo de arma de fogo e fica com o corpo paralisado do pescoço para baixo. A partir daí, a banda passa a lançar trabalhos eventuais apenas como Psycho Realm Presents, pois Jacken se recusa a usar o nome do grupo sem que o irmão possa contribuir.

Além de trabalhar com outra banda de hip hop, a Street Platoon, Sick Jacken também passa a investir em uma carreira solo, que rendeu seu mais recente trabalho em 2016, o álbum Psychodelic. Ele já esteve duas vezes no Brasil. Antes de sua performance, estarão no palco os brasileiros Nego Jam, Lobão SKT, Crespo, Flow MC, Denis De Sampa, Afro X e o DJ Dagoma SP.

Psychodelic- Sick Jacken (álbum em streaming):

Sergio Mendes promete CD e um documentário para 2018

sergio mendes-400x

Por Fabian Chacur

Aos 76 anos de idade muito bem vividos, Sergio Mendes não parece disposto a desacelerar. Pelo menos, essa é a conclusão que temos ao saber de suas boas novidades. Segundo a edição americana do site da Billboard, o músico e produtor brasileiro conhecido no mundo todo promete para 2018 um novo álbum e também um documentário sobre seus mais de 60 anos de carreira. Ou seja, vem coisas boas, muito boas, por aí.

O documentário será dirigido por John Scheinfeld, conhecido por trabalhos muito bons nessa área específica, entre os quais destacam-se The U.S. Vs. John Lennon (2006), Who Is Harry Nilsson? (2006) e Chasing Time: The John Coltrane Documentary (2016). Teremos uma geral na carreira dele, com direito a cenas de arquivo, entrevistas e também registros de shows que o maestro fará este ano, e para os quais está atualmente ensaiando no Rio de Janeiro.

Quando ao CD, o que se divulgou até o momento é que terá músicas inéditas e também algumas releituras de clássicos do seu repertório. O parceiro Will.i.am, do Black Eyed Peas, que já atuou junto com ele no álbum Timeless (2006), trabalhará com Mendes em algumas faixas, e outros nomes das novas gerações devem marcar presença. Vale lembrar que ele já bateu bola com astros atuais como John Legend, India Arie, Jill Scott e Justin Timberlake, entre outros.

Sergio Mendes nasceu em Niterói (RJ) em 11 de fevereiro de 1941, e ainda novo se destacou na então ainda emergente bossa nova, no finalzinho dos anos 1950/começo dos anos 1960. Com o tempo, percebeu que poderia ter futuro no mercado internacional e se mudou para os EUA, após ter lançado alguns discos por aqui. Em 1966, lançou Herb Alpert Presents Sergio Mendes & Brasil 66, álbum do qual foi extraído o single Mas Que Nada, de Jorge Ben, que rapidamente o levou ao top 10 da parada ianque.

A seguir, o bandleader se mostrou craque não só em dar um formato pop à bossa nova como também a “bossanovear” clássicos da música pop daquela época, como The Fool On The Hill (dos Beatles) e The Look Of Love (de Burt Bacharach e Hal David). O seu som orquestral balançado e sempre com vocalistas femininas, entre as quais Lani Hall e Gracinha Leporace (com a qual se casaria), soube se manter atualizado.

Tanto que volta e meia ele volta às paradas de sucesso, o que ocorreu em 1983 com o single Never Gonna Let You Go, em 1992 com o álbum Brasileiro e em 2006 com o CD Timeless. Em seu currículo, milhões de álbuns vendidos e três troféus Grammy, o Oscar da música.

Curiosamente, ele sempre foi detonado por boa parte dos críticos no Brasil, durante décadas, algo que só se reduziu de uns anos para cá. Como dizem por aí, a verdade e o talento sempre vencem, no fim das contas. Bem, nem sempre, mas ao menos neste caso específico.

The Fool On The Hill- Sergio Mendes:

Nana Caymmi: suas deliciosas “canções para novelas de TV”

nana novelas capa-400x

Por Fabian Chacur

Nana Caymmi é uma cantora de personalidade forte. Embora não seja uma compositora de ofício (só tem uma composição em seu currículo, Bom Dia, parceria com o ex-namorado Gilberto Gil), é daquelas que não grava nada que não a agrade, e que não tenha sido escolhido com critério e bom gosto. Uma boa prova é Nana Novelas, coletânea que reúne 15 músicas de seu repertório que integraram trilhas de novelas e minisséries globais. Quer algo mais popular do que uma novela global?

No entanto, nenhuma dessas gravações cai no popularesco ou na vulgaridade que algumas canções selecionadas para embalar romances ficcionais possuem. Nada disso. Quando uma gravação da filha de Dorival Caymmi é escolhida, o selecionador sabe que terá em mãos um registro de alta qualidade artística, com belas letras, melodias caprichadas e interpretações daquelas que vem do fundo da alma, sem concessões ao sentimentalismo barato.

O bacana é que Nana tem como tema básico de seu repertório as idas e vindas do amor, um dos setores mais explorados pelos artistas de viés comercial. Em seu caso, ela dá um tratamento classudo ao romance, ao olho no olho, aos suspiros no portão. Difícil ouvir uma interpretação dessa carioca nascida em 29 de abril de 1941 e não ficar com lágrimas nos olhos, pois ela sabe tocar no nervo daqueles corações apaixonados.

O repertório de Nana Novelas traz músicas de trilhas de novelas lançadas pela Globo entre 1977 e 2010. Não coube tudo. Então, maravilhas do porte de Beijo Partido e Doce Presença, por exemplo, ficaram de fora. O consolo é que nenhuma das que entraram pode ser considerada como bicona nesse reino de maravilhas sonoras. Não há um único acorde aqui que não possa proporcionar prazer aos enamorados.

Temos bolero, bossa nova, samba canção e MPB,com arranjos inspirados que vão da utilização de orquestras a momentos intimistas. Duas faixas são duetos, uma com Erasmo Carlos (Não se Esqueça de Mim, de Roberto e Erasmo Carlos), outra com Chico Buarque (Até Pensei, do próprio Chico, cuja presença na faixa não foi creditada no CD).

Só tem autor craque aqui. Milton Nascimento e Ronaldo Bastos (Cais, de arrepiar até zumbi), Ivan Lins e Vitor Martins (Mudança dos Ventos), Agustin Lara (Solamente Uma Vez), Gonzaguinha (De Volta ao Começo), Tom Jobim (Só Em Teus Braços), Aldir Blanc e Cristóvão Bastos (Suave Veneno e Resposta ao Tempo), João Bosco e Aldir Blanc (Quando o Amor Acontece), papai Dorival Caymmi e Carlos Guinle (Não Tem Solução)…

Só faltou um pequeno, porém importante, detalhe para que Nana Novelas merecesse uma nota dez com louvor. O encarte possui apenas quatro páginas, trazendo só o nome das músicas, os autores e de que trilha sonora de novela ou minissérie cada gravação fez parte. Como forma de valorizar o produto físico, a publicação das letras das canções e um texto contextualizando as gravações seria essencial. Apesar disso, trata-se de um disco para se ouvir suspirando de felicidade.

Cais– Nana Caymmi:

Banda Maneva lança um novo DVD com show em São Paulo

maneva banda-400x

Por Fabian Chacur

Após 10 anos de carreira como banda independente, a Maneva inicia uma parceria com a Universal Music. O primeiro fruto é o DVD/CD Ao Vivo em São Paulo, gravado no Espaço das Américas perante 6.800 fãs entusiásticos. O trabalho inclui seus sucessos e também oito canções inéditas. O lançamento em São Paulo ocorrerá nesta sexta (31) a partir das 22h com um show na Audio (avenida Francisco Matarazzo, nº 694- Água Branca- fone 0xx11-3862-8279), com ingressos custando R$ 30,00 (pista) e R$ 65,00 (mezanino).

Maneva é uma palavra de origem africana cujo significado é prazer. O time teve início em 2005 com Tales de Polli (vocal e guitarra) e Diego Andrade (percussão). Entraram posteriormente Felipe Sousa (guitarra), Fernando Gato (baixo) e Fabinho Araújo (bateria). Eles lançaram por conta própria os trabalhos Maneva (2006-CD), Tempo de Paz (2009-CD), Teu Chão (2012-CD), Maneva- 8 Anos ao Vivo (2013- DVD e CD), 5 Cabeças (2014-EP) e Somos Maneva (2015-CD).

“Um empresário nos mostrou que poderíamos ir ainda mais longe na carreira se tivéssemos um apoio maior, com uma estrutura mais forte, e a Universal é uma ótima parceria nesse sentido, pois tem um lugar de destaque em excelentes vitrines”, explica Tales sobre a decisão da banda de iniciar sua parceria com a Universal.

Desde o seu início, o objetivo da Maneva foi criar uma obra autoral personalizada e de qualidade artística e técnica. Tanto que, segundo Tales, o grupo investiu tudo o que ganhou até 2012 no próprio trabalho, como forma de consolidar o seu crescimento. Como filosofia, uma sonoridade ao mesmo tempo melódica, pop e próxima do reggae de raiz. “Sempre pregamos o amor ao próximo, e nunca buscamos o sucesso como nosso objetivo final, ele veio de forma natural”.

Ao Vivo Em São Paulo conta com diversas participações especiais. “O Armandinho, a Tatti Portella (do grupo Chimarruts) e o Zeider Pires (do grupo Planta & Raiz) são grandes influências, ouvimos muito os seus trabalhos, e eles foram muito atenciosos conosco. O Haikaiss e Oriente nos trouxeram a energia do rap, enquanto o Deko é um dos caras mais consistentes da nova geração do reggae”.

E já que o tema é o reggae brasileiro, Tales afirma que vê belas perspectivas para esse gênero musical no Brasil. “Acredito em uma nova explosão do reggae por aqui depois daquela fase boa de 2000 a 2005. Todos os grandes nomes estão vindo com novos trabalhos muito bons, e isso certamente ajudará nesse sentido”.

Uma das novidades do DVD/CD ao vivo é a presença de metais e cordas dando apoio à banda original, o que Tales pretende levar para os shows da turnê de divulgação. “Esse trabalho é uma celebração da boa música, dos bons sentimentos, e nosso projeto é ter a banda completa nos shows, com metais, teclados e tudo”

Saudades do Tempo (ao vivo)- Maneva:

Crikka Amorim/Manu Santos com o Samba das 4 no Rio

Samba das 4_ foto 2 (credito Bianca Spinelli)-400x

Por Fabian Chacur

Uma espécie de roda de samba na qual as várias facetas do mais brasileiro dos ritmos possam ser mostradas, desde os clássicos até canções novas. Esse é o roteiro de Samba das 4, comandado por Crikka Amorim (direção musical, vocal e violão) e Manu Santos (vocal), cuja apresentação rola no Rio de Janeiro nesta sexta (31) às 19h no Olho da Rua (rua Bambina, nº 6- Botafogo- fone 0xx21-3278-6601), com ingressos a R$ 25,00.

Samba das 4 já teve participações especiais de gente como Áurea Martins, Nilze Carvalho, Edu Krieger, Dorina, Ana Costa, Andrea Dutra, Nego Álvaro, Lucina e Tomáz Miranda. A edição desta sexta trará Bia Rabello, fiha de Paulinho da Viola, que está lançando o CD Bloco do Amor. Também estará em cena a banda JBrasil, composta por Julio de Oliveira (cavaquinho), Jadna Zimmerman (percussão), Junior de Oliveira (percussão) e Jahl de Oliveira (percussão).

Inquieta e versátil por natureza, Crikka Amorim foi integrante do grupo vocal carioca Garganta Profunda. Ela tocou e cantou na França, Bélgica, Alemanha e Áustria. No currículo, os CDs No Ponto (2004), Pirataria- Rita Lee Por Crikka Amorim (2008) e o recente EP Corações Plugados, lançado em 2016 (leia mais sobre este lançamento aqui ). Ela é cantora, compositora, multi-instrumentista, arranjadora e diretora musical.

Por sua vez, a cantora Manu Santos participou de dois espetáculos musicais de Oswaldo Montenegro, fez inúmeros shows e mostrou o seu talento com o lançamento do CD Nossa Alegria. A parceria dela com Crikka flui de forma alegre, descontraída e centrada no que de melhor o samba pode nos proporcionar em termos artísticos e espirituais.

Corações Plugados– Crikka Amorim:

Duran Duran foi brilhante em seu show no Lollapalooza-BR

duran duran-400x

Por Fabian Chacur

O problema de grandes festivais é que, por razões de tempo, nem sempre as melhores atrações recebem o tempo que mereceriam ter para desfilar sua categoria. Eis o que ocorreu no Lollapalooza 2017 na tarde deste domingo (26) em relação à incrível apresentação do Duran Duran, no Autódromo de Interlagos. Foram apenas 63 minutos. O bom é que ficou aquele enorme gosto de quero mais, presente em todos os grandes espetáculos.

Devidamente acomodado em minha cama, vi, exatamente às 16h38 deste domingo, o grupo britânico que caminha para 40 anos de estrada em plena forma entrar em cena. Pela TV, no canal Multishow. A abertura veio com Wild Boys, e serviu como uma boa prévia do que teríamos durante toda a apresentação. Hungry Like The Wolf e A View To a Kill pintaram logo a seguir, conquistando o público que estava lá tomando um sol daqueles, mas feliz da vida.

A atual encarnação do grupo britânico traz quatro de seus integrantes originais. Roger Taylor continua aquele baterista discreto, enquanto o tecladista Nick Rhodes, com suas roupas sempre coloridas e extravagantes, se incumbe dos teclados e das programações eletrônicas usadas pela banda com categoria. O baixista John Taylor permanece com sua ótima performance de palco, da qual nosso Paulo RPM Ricardo tirou várias lições.

E temos Simon Le Bon, que aos 58 anos continua em ótima forma e com um desempenho vocal extremamente competente, na qual uma ou outra nota na trave tem como compensação muito pique, carisma e energia. Além do quarteto original, quatro outros músicos estavam em cena, entre eles as ótimas backing vocalistas Ana Ross e Erin Stevenson e o vibrante guitarrista Dominic Brown.

Com esse time extremamente entrosado, o Duran Duran mostrou o porque, em pleno 2017, ainda continua sendo uma banda relevante e capaz de atrair não só os fãs dos anos 1980, mas também a molecada da era dos smartphones. Eles souberam se renovar com o decorrer dos anos, e mesmo as músicas mais antigas são tocadas com novos elementos e sem soarem como um mero ode ao passado.

O repertório de 13 músicas é uma prova disso, pois trouxe desde músicas de seu primeiro álbum, como Girls On Film (Duran Duran, de 1981), até duas de seu excelente álbum mais recente, Last Night In The City e Pressure Off (ambas de Paper Gods, lançado em 2015). No meio, faixas dos anos 1980, 1990 e 2000, como Notorious, Come Undone e (Reach Up For The) Sunrise.

Tivemos duas surpresas bacanas. Uma, o pot-pourry que reuniu as canções (Reach Up For The) Sunrise e New Moon On Monday (interpolada nesta primeira). A segunda ficou por conta da ótima participação especial da brasileira Céu, que, belíssima em um modelito preto, esbanjou talento e categoria em dueto com Le Bon na balada Ordinary World. O show acabou com Rio, que teve a coroá-la uma chuva de papel picado digna de fim de ano nos escritórios.

O momento “vergonha alheia” teve como protagonista a “repórter” Didi Wagner, do Multishow. Logo após do show, ela abordou o baixista John Taylor, chamando-o de Roger (o baterista). Como estava ainda na adrenalina pós-show, o músico a atendeu de forma simpática, embora ele confundisse a primeira vez que tocou em São Paulo (foi em 1988, e não em 1986). Após se despedir do músico, Wagner insistiu em dizer que havia falado com Roger…

Sei que errar é humano, mas fica difícil admitir uma falha deste tamanho de uma profissional que trabalhou durante “500 anos” na MTV, onde o Duran Duran aparecia toda a hora. Isso, além de seus comentários sempre superficiais e sem o menor conteúdo. Sei que serei grosseiro, mas irrita saber que esse tipo de “profissional” parece sempre ter emprego garantido nos melhores locais de trabalho, enquanto outros, muito mais talentosos…. De chorar!

Set list do show do Duran Duran:

Wild Boys
Hungry Like The Wolf
A View To a Kill
Last Night In The City
Come Undone
Notorious
Pressure Off
Ordinary World
(Reach Up For The)Sunrise + New Moon On Monday
White Lines
Girls On Film
Rio

A View To a Kill (live 2017)- Duran Duran:

Elton John comemora 70 anos com um evento beneficente

elton-john-400x

Por Fabian Chacur

Elton John comemora 70 anos de idade neste sábado (25). Como forma de unir o útil ao agradável, ele realizará nessa data um evento de gala que celebrará não só essa efeméride, mas também os 50 anos da incrível parceria com o poeta e letrista Bernie Taupin, iniciada em 1967. A cerimônia terá apresentação do ator Rob Lowe e performances musicais de convidados como Lady Gaga.O local é o Red Studio, em Los Angeles.

O bacana é que toda a arrecadação será destinada à Elton John Foundation (EJAF), que assiste vítimas e entidades que ajudam a combater e a apoiar as vítimas da Aids desde 1993, e o The Hammer Museum, da UCLA (Universidade da Califórnia), que abriga exposições e apoia a arte. Nada mais lógico para um artista que durante toda a sua carreira sempre teve como marca o auxílio a causas nobres das mais diferentes origens, sempre de forma generosa e sincera.

Os números que envolvem a carreira deste cantor, compositor e músico britânico são impressionantes. Ele vendeu mais de 250 milhões de álbum em todo o planeta. Teve 58 singles entre os 40 mais vendidos nos EUA, fez mais de 3.500 shows em mais de 80 países, faturou 12 troféus Ivor Novello, 6 Grammys, um Oscar e um Tony, além de ser membro do Rock And Roll e do Songwriters Hall Of Fame, e ter o título de sir e também o de Cavaleiro de Sua Majestade, a Rainha Elizabeth II.

Elton John nos visitou para shows pela primeira vez em 1995, e já tem datas marcadas para retornar ao nosso país. Ele fará shows, junto com James Taylor, em Curitiba (31/3- Pedreira Paulo Leminski- Curitiba), 1º/4 (Praça da Apoteose- Rio), 4/4 (Anfiteatro do Beira Rio- Porto Alegre) e 6/4 (Allianz Parque- São Paulo).

Leia o belo depoimento de Elton enviado à imprensa em comunicado pela sua gravadora, falando sobre seus planos para o futuro:
“Estou interessado em avançar o tempo todo, com o que eu crio, com as minhas colaborações, e também descobrindo o trabalho de outras pessoas. Acho que a idade é irrelevante, desde que possamos manter nossa mente viva e aberta para o novo. Eu posso ficar empolgado por um artista novo que toca para mim o seu demo como posso ficar com um novo álbum de um dos meus heróis musicais. Eu posso ficar empolgado ao me apresentar em uma nova cidade onde nunca toquei antes, ou revisitando um lugar que conheço bem e ver como ele está mudado. A vida está em um constante estado de fluxo para todos nós, e eu gosto de abraçar isso. Também me sinto muito feliz em usar o meu nome para chamar atenção para a injustiça no mundo e para tentar ajudar sempre que possível. Atualmente, estou mais feliz do que jamais estive.”

Quer ler diversas outras matérias de Mondo Pop sobre esse verdadeiro gênio da música pop? Entre aqui .

Veja o emocionante vídeo em homenagem aos 70 anos de Elton John:

Todd Rundgren lançará novo álbum com vários convidados

Todd-Rundgren-400x

Por Fabian Chacur

Todd Rundgren, um dos nomes com melhor currículo no cenário do rock mundial, lança um novo álbum em breve. Será no dia 12 de maio, com o título White Knight e nos formatos CD (com 15 faixas), LP de vinil (com 11 faixas) e digital (15 faixas). A gravadora será a Cleópatra Records, e infelizmente não há previsão de lançamento no Brasil. O bacana é que vários convidados ilustres marcarão presença.

Entre outros, teremos no novo álbum do cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista americano astros do porte de Daryl Hall (Chance For Us), Donald Fagen, do Steely Dan (Tin Foil Hat), Joe Satriani (Not a Drill), Joe Walsh (Sleep), Trent Reznor e Aticus Ros, do Nine Inch Nails (Deaf Ears), Bettye LaVette (em Naked & Afraid), a cantora Robyn (em That Could Be Me) e Rebop Rundgren, filho de Todd (em Wouldn’t You Like To Know). Ufa! Um elenco de primeira linha.

Vale lembrar que há menos de um ano, precisamente em 12 de agosto de 2016, Rundgren lançou o DVD/Blu-ray/CD (também inédito no Brasil) An Evening With Todd Rundgren Live At Ridgefield, gravado ao vivo em 15 de dezembro de 2015 em Ridgefield, Connecticut (EUA). O trabalho dá uma bela geral na obra do artista, com faixas da carreira-solo e de suas ex-bandas, a Nazz e a Utopia. No repertório, Hello It’s Me, I Saw The Light, Bang The Drum All Day e Love in Action, com 25 faixas nos formatos de vídeo e 18 no CD.

Nascido nos EUA em 22 de junho de 1948, Todd Rundgren tornou-se conhecido inicialmente como integrante da banda Nazz. Em 1970, iniciou a carreira-solo, que rendeu álbuns clássicos como Something/Anything? (1972) e hits como I Saw The Light, além de desenvolver carreira paralela com o grupo Utopia.

Ele produziu discos para artistas como Daryl Hall & John Oates, Grand Funk Railroad, Badfinger, XTC, Meat Loaf e New York Dolls, e participou de três turnês da All Starr Band, de Ringo Starr, com a qual esteve no Brasil em duas ocasiões (leia a resenha de um desses shows aqui).

Black And White (live)- Todd Rundgren:

O trio Stereo Bago Team (SP) realizará o seu 1º show no Rio

image1-400x stereobago

Por Fabian Chacur

Nós Vamos Invadir a Sua Praia, dizia a célebre música do Ultraje a Rigor nos anos 1980. Agora, é a vez de um outro grupo paulistano realizar o mesmo projeto, que na prática significa começar a divulgar o seu trabalho na Cidade Maravilhosa. Trata-se do Stereo Bago Team, que toca no Rio no dia 26 (domingo), a partir das 17h, no Bar Caiçara (rua Dr. Sebastião de Aquino, nº 170- Ilha da Gigóia- Barra da Tijuca- Rio de Janeiro- fone 0xx21-2484-7983), com ingressos a R$ 20,00.

Com sete anos de estrada, o Stereo Bago Team conta com Yanick Melo (vocal e composições), Luciano Rocha (percussionista) e Fabinho Teixeira (guitarra). Eles lançaram no dia 10 de fevereiro pela via digital seu primeiro álbum, intitulado Aí Tem. A faixa-título conta com a participação especial do consagrado rapper Rappin Hood, e é a releitura de uma gravação feita há 30 anos pela banda paulistana Placa Luminosa.

O resgate faz todo o sentido se levarmos em conta que Yanick é filho do baixista daquela banda, Ari Nascimento, e também sobrinho do guitarrista deles, Ribah Nascimento. Para quem não se lembra, esse grupo fez muito sucesso nos anos 1980 com seu soul pop que gerou hits como Mais Uma Vez (Just To See Her) e Nosso Amor é Lindo, além de acompanhar em uma turnê o cantor Ney Matogrosso. Os dois músicos volta e meia participam dos shows do Stereo Bag Team.

Outro destaque do trabalho de estreia do trio paulista é a faixa Biotipo, que traz como convidado o vocalista Zeider Pires, da banda Planta & Raiz, uma das mais bem-sucedidas do reggae nacional. Vale lembrar que o Stereo Bago Team faz uma mistura de reggae, rock, dub, hip hop e maracatu, com elementos pop aqui e ali. Uma fórmula musical que tem tudo para conquistar um bom espaço na praia musical do Rio, que costuma curtir e muito esse tipo de som.

Biotipo– Stereo Bago Team e Zeider:

« Older posts Newer posts »

© 2017 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑