Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Page 2 of 265

Gorillaz lança clipe e promete álbum The Now Now pra logo

gorillaz 2018-400x

Por Fabian Chacur

Novidades no front do mais bem-sucedido grupo pop virtual de todos os tempos. Até o fim deste mês, será lançado o sexto álbum dos Gorillaz, intitulado The Now Now. O quarteto traz uma alteração anunciada como temporária: sai o baixista Murdoc Niccals, entra em seu lugar Ace, integrante da Gang Green, personagem da animação As Meninas Superpoderosas. 2D (vocal), Noodle (guitarra) e Russel Hobbs (bateria) continuam firmes e fortes no time que superou os lendários Archies.

O novo trabalho do grupo comandado no mundo real por Damon “Blur” Albarn, que se incumbe dos vocais e diversos instrumentos, além da composição das músicas, trará 11 faixas. Entre elas, duas acabam de ser divulgadas. Uma é Humility, um funk a la anos 1970 com a participação especial de George Benson com seus deliciosos links de guitarra.

O clipe, no qual Benson só surge no cenário, em um desenho que aparece pintado em um muro, conta com a participação do ator e músico Jack Black empunhando uma guitarra semiacústica igual à que celebrizou o intérprete de On Broadway e Give Me The Night.

A outra, divulgada com imagens básicas (veja aqui), é a faixa dançante com cara eletrônica do início dos anos 1980, é a também muito bacana Lake Zurich. A música Hollywood conta com as participações especiais de Snoop Dogg e Jamie Principle.

Criado no finalzinho dos anos 1990, o grupo Gorillaz uniu Damon Albarn ao cartunista Jamie Hewllet, autor do cartoon Tank Girl e responsável pela representação visual dos personagens que integram o quarteto. A banda também faz turnês, nas quais Albarn é acompanhado por músicos diversos. Eles passaram por São Paulo, mais precisamente pelo Jockey Club, em 30 de março deste ano, e continuam na estrada, participando de festivais badalados e shows individuais.

Humility (clipe)- Gorillaz + George Benson:

Projeto Sampa Som promove um show no Teatro Gazeta-SP

ianomanos banda 2018-400x

Por Fabian Chacur

Uma das coisas mais difíceis para artistas novos e ainda sem o apoio da grande mídia é o acesso a espaços nobres para que possam apresentar e divulgar seus trabalhos. Esse é o objetivo do Projeto Sampa Som, que promoverá em São Paulo neste domingo (3/6) às 11h no palco do Teatro Gazeta (avenida Paulista, nº 900), com ingressos a R$ 10,00 (meia) e R$ 20,00 (inteira), um show que envolverá nomes de diversos estilos e correntes da música paulistana, entre os quais o trio Ianomanos (foto).

O primeiro elenco escolhido pela curadoria do projeto, integrada pelo produtor Fabius e outros, traz artistas solo e grupos que investem em várias vertentes do rock, soul, blues, MPB, rap, hip hop, música alternativa e muito mais. Alguns já tem alguma visibilidade, como a experiente banda Bendito, enquanto o grupo Giuseppe Rock Clube traz como atração o baterista Pepe, com pouco mais de sete aninhos de idade. Keven Muzanda, de Angola, é o convidado especial.

A ideia é que esta apresentação seja a primeira de uma série de outras, sempre com nomes selecionados a partir de diferentes origens, tribos e lugares, que realizam seus trabalhos longe dos tentáculos da indústria cultural e da grande mídia. Quem por ventura tiver interesse em submeter seu trabalho à curadoria ou obter mais informações é só entrar em contato pelo e-mail sampasom10@gmail.com ou pelo fone de contato: (11) 97468-4763.

Bem Perto Agora (clipe)- Banda Bendito:

Max Viana lança novo álbum no Brasil e também no Japão

Max Viana 2018 @MarcosHermes-16 2-400x

Por Fabian Chacur

Em 1998, com 25 anos de idade, o guitarrista Max Viana começou sua carreira de músico profissional integrando a banda de seu pai, ninguém menos do que Djavan. Era o princípio de uma trajetória repleta de conquistas. A mais recente é seu quarto álbum solo, Outro Sol, que está sendo lançado simultaneamente no formato digital no Brasil e Japão. Ele fala sobre este trabalho e sobre a carreira em entrevista concedida a Mondo Pop.

Mondo Pop- A sua carreira como músico profissional começou há 20 anos, como guitarrista da banda do seu pai. Quando sua trajetória como artista solo se iniciou? Como foi esse processo?
Max Viana
– Na verdade, o início foi também em 1998, na mesma época em que entrei na banda do meu pai. Eu comecei a gravar as minhas composições para ver como elas ficariam na minha voz, visava mais a validação das minhas músicas. Aí, eu gostei do que ouvi e iniciei um longo processo que retomei em 2001 e que teve como consequência o meu primeiro disco solo, lançado em 2003.

Mondo Pop- Como você compara esse seu primeiro disco solo, No Calçadão, com Outro Sol?
Max Viana
– Vejo coisas no meu novo álbum que tem a ver com as músicas de No Calçadão. A junção entre a black music e a MPB, por exemplo. Tem Linha de Frente, que é mais samba rock, tem O Amor Não Acabou, que é um samba. Sempre investi na diversidade, de não seguir um único caminho. Para mim, a MPB ganhou todo esse espaço no mundo graças a essa versatilidade, essas várias tendências e estilos diferentes.

Mondo Pop- Você lançou quatro álbuns solo nesses 20 anos de carreira, um número relativamente pequeno. Qual é a explicação para isso? Perfeccionismo, os problemas do mercado musical?
Max Viana
– É uma soma de várias coisas, incluindo esses problemas do mercado discográfico. Meu pai é bem mais perfeccionista do que eu, o disco para mim é legal no sentido de ser a fotografia de um momento. Fiquei dez anos trabalhando com o meu pai, produzi discos do Dudu Falcão, da Luiza Possi, de artistas de Angola, fiz a trilha para uma peça teatral da Heloísa Périssé, gravei com a Claudia Leitte, compus com o Guilherme Arantes, trabalhei em vários projetos diferentes.

Mondo Pop- Caramba, você fez muitas coisas nesse tempo todo de carreira…
Max Viana
– Ter uma aptidão para a música e não explorá-la ao máximo não é legal. Por isso, procuro sempre estar aberto aos mais diversos tipos de trabalho, sem me dedicar apenas a uma dessas vertentes.

Mondo Pop- Como foi que surgiu a oportunidade de lançar Outro Sol no Japão?
Max Viana
– O Renato é um brasileiro que atua no Japão, ele fez o contato, e foi a Universal Music Japan quem na verdade me convidou para gravar por lá. Mas ficou claro que seria um desperdício não lançar no Brasil, também, e é por isso que o álbum está saindo aqui e lá. No Japão, também sairá no formato físico no segundo semestre. Não mudei a minha concepção musical em função do disco sair no Japão, pois o público japonês gosta dessa diversidade da música brasileira, a música dita “de exportação” dá ao músico uma liberdade maior.

Mondo Pop- Você regravou nesse álbum Samurai, um dos maiores sucessos do Djavan. Como surgiu a ideia dessa releitura?
Max Viana
– Eu gravei parcerias minhas com o meu pai nos meus dois primeiros discos solo, mas nunca havia relido um sucesso dele. Quem teve a ideia foram os japoneses, pois Samurai fez muito sucesso lá nos anos 1980, regravá-la seria uma espécie de fecho de um ciclo. Ficou uma versão renovada, turbinada, bem 2018.

Mondo Pop- A música que você faz é bastante sofisticada, mas possui melodias e letras que fogem do hermético, tanto que Canções de Rei e Prazer e Luz (ambas de No Calçadão, de 2003) integraram trilhas de novela. Como você se autoavalia, musicalmente, e porque seu estilo musical aparece pouco atualmente na grande mídia?
Max Viana
– Acho o meu trabalho muito acessível em termos de melodias e letras. Tenho uma veia popular, mas um pouco mais sofisticada do que o que toca hoje em rádios e na TV. Nada contra, cada um vai buscar o que gosta, o que é preciso acontecer é mais democratização nos veículos de massa, abrindo espaços para estilos musicais além dos que estão na moda.

Mondo Pop- Como foi para você ter decidido trabalhar com música sendo filho de um dos nomes mais importantes da história da MPB?
Max Viana
– Para mim, sempre foi tranquilo a coisa de ser filho do Djavan. Uns são mais rigorosos comigo, outros, mais acessíveis, você se acostuma com a vida que você tem. Em outras profissões, isso é encarado com mais naturalidade, tipo medicina, direito, um filho seguir os passos do pai nessas áreas, enquanto na música encaram de forma um pouco pejorativa. Tem o lado bom e o lado ruim. A vida é sábia, não tem de ter só o lado bom, é preciso do equilíbrio.

Mondo Pop- Você compôs várias músicas com o Dudu Falcão, que também é parceiro de Lenine e Danilo Caymmi e foi gravado por muita gente. Como é seu trabalho com ele?
Max Viana
– Já fizemos parcerias de todas as formas, com ele fazendo letra e eu música, os dois fazendo as duas coisas etc. Ele é muito rápido, intenso, natural, aprendo muito com ele, A gente compõe sempre, independente de trabalho, de ter um disco para lançar ou coisa assim. Eu produzi o disco dele, não se trata “apenas” de um letrista.

Canções de Rei (clipe)- Max Viana:

Lucina festeja 50 anos de sua carreira com um show em SP

lucina foto-400x

Por Fabian Chacur

Não é fácil chegar a 50 anos de carreira fonográfica no Brasil. Ainda mais se a artista em questão nunca se rendeu aos ditames impostos pelas grandes gravadoras ou aos modismos. Então, nada mais justo para a cantora, compositora e musicista mato-grossense radicada no Rio Lucina do que celebrar essa bela efeméride. Ela faz um show em São Paulo nesta quinta-feira (31) às 18h no Sesc Santana (avenida Luiz Dumont Villares, nº 579- Santana- fone 0xx11-2971-8700), com ingressos de R$7,50 a R$ 25,00.

Lucina (voz, violão nylon e tambores) será acompanhada neste show por uma banda composta por Décio Gioielli (percussão – marimbola, steel drums e chifres de antílope),Gustavo Cabelo (baixo, cavaquinho e violão aço), Peri Pane (cello, vocal) e Otávio Ortega (acordeon e piano).

O repertório trará várias canções de Canto de Árvore (2017), o quinto e mais recente álbum solo de sua trajetória artística. Também teremos a participação especial do Poeta Arruda, coautor da faixa-título do álbum. Lógico que não faltarão outras canções importantes do repertório da artista, como Bandolero, por exemplo.

A carreira de Lucina teve inicio como integrante do grupo Manifesto, que teve grande destaque em um festival em 1967. Em 1972, ela iniciou uma dupla com Luhli que durou até 1998 e rendeu trabalhos até hoje bastante cultuados pelos fãs da MPB. Artistas importantes como Ney Matogrosso e Zélia Duncan gravaram suas composições, e ela fez vários shows no exterior. Em 2014, chegou ao público o documentário Yorimatã, do diretor Rafael Saar, enfocando a carreira de Luhli & Lucina.

Veja cenas de um show recente de Lucina:

Anderson.Paak assina com a Warner e lança single Bubblin

anderson.paak cantor-400x

Por Fabian Chacur

Um dos destaques do Lollapalooza Brasil 2018 foi o excelente cantor, rapper, compositor e produtor Anderson.Paak, que ao lado de sua banda de apoio The Free Nationals fez um dos shows mais quentes e empolgantes do festival. O artista de 32 anos parece ter um futuro muito promissor pela frente. Ele assinou com a Warner Music, e acaba de lançar seu primeiro single pela gravadora, o divertido rap Bubblin.

O clipe de Bubblin tem como mote uma bela descoberta do personagem interpretado pelo cantor: um caixa automático que, após ele tentar fazer uma retirada básica, passa a vomitar dinheiro sem parar. Com ritmo cadenciado e um vocal no melhor estilo rap, o artista nos cativa. Mais de três milhões de pessoas já acessaram o vídeo no Youtube em menos de dez dias de seu lançamento.

Descendente de afro-americanos e sul-coreanos, Paak lançou seu primeiro álbum, Venice, em 2014. Antes, havia gravado O.B.E. Vol.1, que ele colocou no mercado em 2012 com o pseudônimo Breeze Lovejoy. Malibu (2016) lhe valeu duas indicações ao Grammy, incluindo uma como artista revelação. Ele fez parcerias com vários artistas bacanas, como o lendário Dr.Dre, participando de seis faixas do álbum Compton (2015), do ex-integrante do seminal grupo de rap N.W.A.

Além do trabalho solo (no qual é acompanhado pela The Free Nationals), Paak também integra o duo NxWorries ao lado do produtor Knxwledge, que lançou em 2016 o elogiado álbum Yes Lawd!. O single Bubblin integrará seu primeiro álbum pela Warner, cujo título será possivelmente Oxnard Ventura.

Oxnard, cidade situada no estado americano da California, é onde o artista nasceu. Ao vivo, ele canta, toca bateria e esbanja carisma, em uma mistura de rap, soul, funk e até um pouco de jazz e rock com muito swing e pique. muito bem assessorado por sua banda de quatro músicos.

Bubblin (videoclipe)- Anderson.Paak:

Maneva lança single e gravará um DVD/CD acústico ao vivo

maneva banda-400x

Por Fabian Chacur

Há mais de dez anos na estrada, o grupo Maneva iniciou sua parceria com a Universal Music há quase dois anos. Desde então, conseguiu ampliar ainda mais os seus horizontes. Sua mais recente turnê passou por 19 estados e 130 cidade, atingindo mais de 600 mil expectadores. Agora, chegou a hora de preparar um novo trabalho. Eles acabam de lançar um novo single, e gravam neste fim de semana um DVD/CD acústico. Os ingressos para o show de sábado (2/6) já estão esgotados, mas ainda existem ingressos para o de domingo (3/6). Saiba mais aqui.

Integrado por Tales de Poli (vocal), Felipe Sousa (guitarra), Fernando Gato (baixo), Diego Andrade (percussão) e Fabinho Araújo (bateria), o Maneva é um dos nomes mais bem-sucedidos do reggae brasileiro nos últimos anos. Para Diego, esse sucesso tem a ver com as vibrações positivas do som da banda. “Cantamos o que a gente sente, com vibrações positivas, pra cima, trazendo as pessoas para o bem”, avalia.

Tô de Pé, o novo single, está sendo divulgado com um videoclipe gravado na avenida Paulista, e fala sobre a batalha para ser feliz mesmo seguindo um estilo de vida diferente do padrão tradicional da sociedade em geral. Caio, um músico de rua descoberto quando a equipe que registrou o vídeo pesquisava as locações, é o personagem principal.

“Acho que a gente pode ser feliz buscando novas soluções para encontrar a felicidade, para termos uma vida que apreciamos. E esse novo single representa isso, a busca da vida que será perfeita para você sem se importar com os outros”, explica Tales.

O trabalho, que mostrará a banda em meio a violões, percussão, metais e teclados eletroacústicos, trará uma mescla de nove faixas inéditas com outras tantas canções não tão conhecidas do repertório do grupo oriundo da zona norte da cidade de São Paulo.

“Deixamos de fora os nossos maiores hits para não ficar mais do mesmo, pois eles já fazem parte dos DVDs anteriores; temos os lados B do nosso acervo antigo que o grande público ainda não conhece, como Teu Chão, Ruínas e Vá Vivendo, por exemplo”, explica Diego.

Duas surpresas só serão descobertas na hora dos shows. Uma será a primeira vez em que o grupo gravará uma música de outro artista. Diego só dá uma pista: é um grande sucesso do pagode dos anos 1990. A outra fica por conta da provável participação de convidados especiais.

Este será o terceiro DVD e oitavo CD da bem sucedida carreira do Maneva. “Levantamos essa bandeira das bandas orgânicas, que são poucas atualmente no Brasil comparando com as eletrônicas, mas esse é o som no qual acreditamos”, finaliza Diego.

Tô De Pé (clipe)- Maneva:

Cantora Naiá mostra seu pop eletrônico no Teatro Itália-SP

naia cantora-400x

Por Fabian Chacur

O pop eletrônico é uma das correntes musicais mais seguidas na música atual. A jovem cantora e compositora paulistana Naiá tenta se firmar nessa cena, e mostra bastante potencial para conseguir atingir esse cobiçado objetivo. Ela se apresenta em São Paulo nesta segunda (28) às 21h no Teatro Itália (avenida Ipiranga, nº 344- República- fone 0xx11-3120-6945, com ingressos a R$ 10,00.

A música faz parte desde sempre do cotidiano de Naiá. Ela começou a estudar canto erudito aos 16 anos. Posteriormente, morou na Inglaterra, onde aproveitou para aperfeiçoar seus estudos de canto, piano e sax. De quebra, ainda se formou em artes cênicas e também em economia. Ela busca se valer da técnica e da postura erudita para abordar o canto popular como um diferencial.

No show, ela será acompanhada por Raphael Coelho (percussão), China (percussão), André Cortada (guitarra e piano) e Edu Freitas (baixo). No repertório, composições próprias e de autores como Caetano Veloso, Marina Lima e Cazuza. Desde último, teremos Ideologia, que a cantora releu de forma eletrônica e bem original e cuja divulgação está sendo feita por um clipe envolvente, com cenas urbanas e teatrais.

Ideologia (clipe)- Naiá:

Joyce Moreno lança um belo e envolvente novo single no ar

joyce moreno capa single-400x

Por Fabian Chacur

Em 31 de janeiro, Joyce Moreno celebrou 70 anos de uma vida muito bem dedicada à música. Em termos profissionais, já temos meio século de atuação dessa seminal e incrível cantora, compositora e violonista carioca. Para celebrar essa segunda efeméride, ela acaba de lançar um novo e contagiante single, já disponível nas plataformas digitais. Trata-se da deliciosa A Velha Maluca, que pode ser o prenúncio de um novo álbum.

Aliás, esse single está sendo divulgado como o início dessa comemoração. E tem de festejar, mesmo, pois essa jovial e inquieta artista esbanja energia, criatividade e poder de seduzir seus fãs pelos quatro cantos do mundo. Com uma letra muito bem-humorada e aquela batida de violão que marca sua produção, além do acompanhamento perfeito de sua banda, a moçoila esbanja swing e nos diverte com versos como “a velha maluca já viu coisas demais”.

E olha que o álbum de inéditas mais recente dela saiu no ano passado, Palavra e Som, bastante elogiado e com participação especial do amigo Dori Caymmi. Joyce conseguiu em seu trabalho unir o violão da bossa nova com elementos de várias vertentes da música brasileira e também com elementos de jazz. Sua discografia é belíssima, com destaque para o incrível Feminina (1980), um dos melhores álbuns de todos os tempos. Mais do que nunca, queremos ouvir Joyce Moreno!

A Velha Maluca– Joyce Moreno:

Roberta Sá lança prévia de CD com canções de Gilberto Gil

gilberto gil roberta sa-400x

Por Fabian Chacur

Roberta Sá disponibilizou nas plataformas digitais o primeiro single extraído de um projeto mais do que especial que lançará em breve. A canção chama-se Afogamento, e é um dueto da cantora potiguar com o autor dessa música, ninguém menos do que Gilberto Gil. O álbum, ainda sem titulo definido e que será seu sexto de estúdio em mais de 15 anos de carreira, trará apenas composições inéditas do seminal astro baiano.

A ideia deste CD surgiu durante encontros ocorridos entre Gil e Roberta na casa do saudoso jornalista Jorge Bastos Moreno. A canção Afogamento, por sinal, é uma parceria de Gil e Moreno. Giro é outra canção inédita, de um total de onze que o eterno tropicalista escreveu com vários parceiros especificamente para este álbum.

Bem Gil, filho do autor de Realce, é o produtor do disco. Em Afogamento, ele toca percussão, ao lado de Alberto Continentino (baixo), Domênico Lancellotti (bateria/MPC), Joana Queiróz (clarinete), Bruno Di Lullo (sintetizador) e o próprio Gilberto Gil (violão e voz). A envolvente canção integra a trilha da novela global Segundo Sol.

Com 37 anos de idade, Roberta Sá nasceu em Natal, no Rio Grande do Norte, e está radicada no Rio de Janeiro desde os 9 anos de idade. Seu primeiro CD, Braseiro, saiu em 2005. Desde então, cativou um público fiel investindo em MPB de alta qualidade artística. Com grande prestígio entre os colegas, também tem no currículo dois DVDs, dois discos ao vivo e mais de dez músicas integrando trilhas de novelas e filmes.

Afogamento– Roberta Sá e Gilberto Gil:

Banda Marrakesh mostra seu primeiro álbum em São Paulo

marrakesh banda-400x

Por Fabian Chacur

Ao contrário do que alguns eternos apressadinhos adoram repetir mundo afora, o rock não só não morreu como continua por aí, firme e forte. Um bom exemplo brasileiro é a banda curitibana Marrakesh. Na ativa desde 2014, mostra um som melódico, ora etéreo, ora mais ardido, e com muita qualidade. Eles mostram seu primeiro álbum, Cold As Kitchen Floor, lançado pelo selo Balaclava Records, em show nesta terça (22) a partir das 19h no Void General Store SP (rua Martin Carrasco, nº 56- Pinheiros- fone 0xx11-3031-088), com entrada livre.

A atual formação do grupo de Curitiba (PR) traz Bruno Tubino Czarnobay (guitarra e vocal), Lucas Cavallin (guitarra e vocal), Matheus Castella (bateria), Nicholas Novak (baixo) e Thomas Volobodo Berti (synths e beats). Seu primeiro lançamento ocorreu em 2016, o EP Vassiliki, do qual se destaca a faixa Sheer Night. Eles também releram de forma surpreendente Canto de Ossanha, clássico de Baden Powell e Vinícius de Moraes e rara incursão deles por uma música em português.

Cold As Kitchen Floor traz 12 faixas e já está disponível nos serviços de streaming. A faixa Moonhealing está sendo divulgada por um clipe muito interessante dirigido por Fernando Moreira. Também estão na programação desta terça (22) da Void General Store SP o duo português Ermo e o DJ S4v4n4. A banda Marrakesh, que tocou em 2017 em Barcelona, Espanha, voltará a se apresentar em São Paulo neste sábado (26) no festival XXXBórnival, que será realizado na casa de shows Áudio.

Moonhealing (clipe)- Mahakesh:

« Older posts Newer posts »

© 2018 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑