Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Page 2 of 272

Charles Aznavour, estilista da canção, nos deixa aos 94 anos

charles aznavour-400x

Por Fabian Chacur

Ouvi uma música de Charles Aznavour pela primeira vez aos 11 anos de idade, quando meu irmão Victor comprou um compacto simples com a belíssima canção L’amour C’est Comme Un Jour como presente para a nossa mãe, Victoria. Nos anos 1990, tive a honra de participar de uma entrevista coletiva com ele. E, agora, lamento profundamente a sua morte, aos 94 anos, ocorrida na madrugada desta segunda (1ª) em sua casa, situada no sul da França.

Aznavour se mantinha ativo, e nos visitou pela última vez em março de 2017. Tive a honra de redigir o press release que ajudou a divulgar seus shows no Brasil na época, e tomo a liberdade de republicar abaixo esse texto, que dá uma geral na trajetória desse incrivelmente simpático cantor, compositor e ator francês, um verdadeiro estilista da canção que nos proporcionou muito prazer auditivo.

Na entrevista coletiva, entre outras, tive a oportunidade de perguntar a ele como foi contracenar com os personagens do Muppet Show, nos anos 1970, divertido programa estrelado por bonecos carismáticos como a Miss Pigg e o Caco (Kermit). “Era esquisito contracenar com bonecos, mas foi muito divertido gravar esse programa”, relembrou-se.

Aí vai o texto do meu release, em homenagem a ele:

Se há um artista que conseguiu atravessar gerações com suas canções inesquecíveis, ele atende pelo nome de Charles Aznavour. Aos 92 anos, ele permanece mais ativo do que nunca, fazendo shows pelo mundo todo. Ele volta ao Brasil em março de 2017, com apresentações em São Paulo e no Rio de Janeiro. Imperdível.

Na verdade, este memorável cantor, compositor e ator francês anunciou em 2006 sua “Farewell Tour”, ou seja, uma turnê de despedida. O sucesso dessa turnê foi tamanho que o artista resolveu permanecer na estrada, ele que já se apresentou em mais de 90 países pelo mundo afora e continua saudável e vivaz.

São mais de 100 milhões de discos vendidos, mais de 1.200 músicas gravadas, quase 300 álbuns lançados, participação em mais de 80 filmes e o respeito por parte de público e crítica, algo muito difícil de se obter de forma simultânea.

Charles Aznavour nasceu em Paris em 22 de maio de 1924, filho de um cantor e uma atriz oriundos da Armênia. Sua carreira no cenário musical se iniciou na década de 1940, como intérprete e compositor. Aí, um encontro marcou sua vida para sempre.

Após ver uma apresentação do cantor em uma emissora de rádio, no final dos anos 1940, ninguém menos do que Edith Piaf, a grande diva da canção francesa, o levou para abrir seus shows em uma turnê pela França e EUA. O cantor, inclusive, morou durante um período com ela, que gravou algumas de suas composições, assim como outros importantes cantores franceses.

O sucesso também como intérprete ganhou força a partir da década de 1960. Sua capacidade de entreter as plateias nos shows o ajudou nesse sentido, além do talento para escrever canções em francês, inglês, italiano, espanhol e alemão.

Com o tempo, seus hits se espalharam pelo mundo afora, entre os quais maravilhas do porte de She, The Old Fashioned Way, La Bohème, Yesterday When I Was Young, Que C’Est Triste Venise e L’Amour C’est Comme Un Jour, só para citar algumas.

Nos últimos 40 anos, o artista se apresentou pelo mundo afora, sempre com casa cheia, e teve suas músicas gravadas por nomes como Elton John, Sting, Bob Dylan, Placido Domingo, Céline Dion, Julio Iglesias, Liza Minnelli, Ray Charles e Elvis Costello.

Não é de se estranhar que, em 1988 ele tenha sido eleito o entertainer do século XX pela CNN e Time. Nada mais justo, para um artista que supera as barreiras culturais e linguísticas, além de sempre estar engajado em causas humanitárias e culturais.

L’amour C’est Comme Un Jour– Charles Aznavour:

The Doors tem edição deluxe do CD Waiting For The Sun

the doors waiting for the sun-400x

Por Fabian Chacur

Lançado originalmente há 50 anos, Waiting For The Sun é o terceiro álbum dos Doors, e marca a primeira vez em que o quarteto americano atingiu o posto máximo da parada americana de álbuns. Como forma de celebrar a efeméride, a Rhino/Warner está lançando no exterior uma deluxe edition incluindo um LP de vinil de 180 gramas e dois CDs que no Brasil só poderão ser conferidos nas plataformas digitais.

O pacote nos oferece uma versão remasterizada do álbum original, inéditas versões brutas das faixas do álbum e gravações ao vivo de show realizado em Copenhague, Dinamarca, em 17 de setembro de 1968. O trabalho foi realizado e supervisionado pelo produtor e engenheiro de som Bruce Botnick, que se incumbiu dessas tarefas na versão original. Ele explica, em texto promocional, a importância das rough mixes (versões brutas), que ele encontrou em seus arquivos:

“eu prefiro algumas dessas rough mixes para as finais, pois elas representam todos os elementos e vocais de fundo adicionais, diferentes sensibilidades sobre os equilíbrios e algumas irregularidades intangíveis, que são bastante atraentes e revigorantes”.

Waiting For The Sun, o álbum, marcou o auge da popularidade do grupo de Jim Morrison e Ray Manzarek em termos comerciais, impulsionada por Hello I Love You, que atingiu o primeiro lugar na parada. Spanish Caravan, The Unknown Soldier e Five To One são outros momentos que se eternizaram nas mentes dos fãs de todo o mundo. Não figura entre os meus favoritos da banda, mas é dos mais respeitáveis.

Conheça as faixas incluídas na deluxe edition:

Disc One (CD):

1.Hello, I Love You
2.Love Street
3.Not To Touch The Earth
4.Summer’s Almost Gone
5.Wintertime Love
6.The Unknown Soldier
7.Spanish Caravan
8.My Wild Love
9.We Could Be So Good Together
10.Yes, The River Knows
11.Five To One

Disc Two (Todas as faixas são inéditas)

Rough Mixes
1.Hello, I Love You
2.Summer’s Almost Gone
3.Yes, The River Knows
4.Spanish Caravan
5.Love Street
6.Wintertime Love
7.Not To Touch The Earth
8.Five To One
9.My Wild Love

Live In Copenhagen
10.The WASP (Texas Radio And The Big Beat)
11.Hello, I Love You
12.Back Door Man
13.Five To One
14.The Unknown Soldier

180g LP (Remastered Original Stereo Mix)

Lado 1
1.Hello, I Love You
2.Love Street
3.Not To Touch The Earth
4.Summer’s Almost Gone
5.Wintertime Love
6.The Unknown Soldier

Lado 2
1.Spanish Caravan
2.My Wild Love
3.We Could Be So Good Together
4. Yes, The River Knows
5.Five To One

Hello I Love You– The Doors:

Angela Maria, um marco para os fãs da música brasileira

angela maria foto-400x

Por Fabian Chacur

Angela Maria entrou no meu universo de fã de música lá pelos idos de 1977. Vá Mas Volte, composição do saudoso Wando e gravada por ela, entrou na trilha sonora da novela global Duas Vidas, e não demorou para se transformar em um monstruoso sucesso nacional. Uma dessas baladas matadoras, mereceu uma interpretação que mistura precisão e muita emoção, dando à intérprete a chance de conquistar novos fãs.

Esse verdadeiro ícone da canção brasileira nos deixou neste sábado (29) em São Paulo, aos 89 anos, e felizmente teve a chance de receber as flores em vida. Ela estava internada há 34 dias, e foi vítima de uma infecção generalizada. Seu mais recente álbum saiu em 2017, o elogiado Angela Maria e as Canções de Roberto & Erasmo, e em 2015 o jornalista Rodrigo Faour lançou Angela Maria, a Eterna Cantora do Brasil, uma biografia caudalosa e à altura da artista enfocada.

Nascida em 13 de maio de 1929 com o nome de batismo Abelim Maria da Cunha, a cantora iniciou sua carreira contra o desejo de seus familiares, e foi por isso que, em 1947, adotou o nome artístico Angela Maria, como forma de não ser percebida por eles. Mas com tanto talento, isso um dia teria de acabar. Como deixar aquela pequena e bela intérprete longe dos holofotes?

Angela foi uma das últimas grandes estrelas da chamada era do rádio, e a partir do lançamento de seu primeiro disco, em 1951, logo conquistou um verdadeiro séquito de fãs. Entre eles, estava o então presidente Getúlio Vargas, que deu a ela o apelido de Sapoti, que a acompanhou durante toda a sua longa e bem aproveitada vida.

Com um vozeirão de timbre extremamente agradável de se ouvir, ela emplacou sucessos como Babalu, a já citada Vá Mas Volte, Gente Humilde e uma dezena de outros. Ao contrário de várias colegas de geração, ela sempre soube se renovar, mantendo dessa forma uma popularidade suficiente para sempre atrair as atenções de imprensa, TV e rádio.

Citada como influência por artistas como Elis Regina, Milton Nascimento e Ney Matogrosso, só para citar alguns, Angela Maria teve boas parcerias com Cauby Peixoto e Agnaldo Timóteo, sendo que ela se mostrou decisiva para impulsionar a carreira artística deste último. Romântica até a medula, mas sem nunca perder a classe, ela se tornou um verdadeiro mito da canção brasileira.

Angela Maria era uma das últimas representantes da era do rádio ainda entre nós, e soube se manter durante todos esses anos na ativa, com muita dignidade e qualidade artística. Um verdadeiro exemplo para as novas gerações de cantoras. Mais uma perda difícil de assimilar para um país que tem vivido tantas dificuldades. Descanse em paz, Sapoti!

Vá Mas Volte-Angela Maria:

Marty Balin, cantor da banda Jefferson Airplane, nos deixa

marty balin-400x

Por Fabian Chacur

Em 1978, uma das canções da trilha internacional da novela global O Pulo do Gato me conquistou por completo. Era Count On Me, do grupo americano Jefferson Starship, bela balada rock que tinha como destaque a bela interpretação de um de seus cantores, Marty Balin. Esse incrível vocalista, compositor e fundador de outra banda seminal, a Jefferson Airplane, nos deixou nesta quinta-feira (27), aos 76 anos. Uma enorme perda para o rock.

A morte de Balin foi anunciada nesta sexta-feira (28) por sua esposa, Susan Joy Balin, sem que as causas tenham sido relevadas. O artista sofreu em 2016 um ataque cardíaco que lhe deixou sequelas. A parceira, com quem teve duas filhas, divulgou um belo texto sobre o parceiro:
“Marty e eu dividimos o mais profundo amor- ele frequentemente chamava isso de nirvana-e era mesmo. Éramos todos envolvidos pelo seu amor, e sua presença estará para sempre comigo”.

Martyn Jerel Buckwald, que adotou em 1962 o nome artístico Marty Balin, nasceu em 30 de janeiro de 1942. Ele inicialmente enveredou pela música folk, mas aos poucos se envolveu com o rock. Em 1965, fundou em San Francisco o clube The Matrix, e lá surgiu a semente do que seria uma das bandas mais importantes da história do rock, a Jefferson Airplane, que teve início quando ele conheceu o cantor, compositor e músico Paul Kantner (que nos deixou em 2016, leia aqui)

O primeiro álbum do grupo saiu em 1966. No ano seguinte, seu segundo trabalho, Surrealistic Pillow, ganhou as paradas de sucesso e levou ao resto do mundo o rock psicodélico. Na banda, Marty era a voz mais apaixonada, normalmente compondo canções de amor como It’s No Secret e Today. A combinação de seus vocais com os de Kantner e da incrível Grace Slick deram à banda um material muito rico, que complementado por Jorma Kaukonen (guitarra), Spencer Dryden (bateria) e Jack Casady (baixo) gerou ouro puro.

Em 1970, no entanto, Balin preferiu seguir outros rumos, e largou o Airplane, que, não por acaso, entrou em uma fase de altos e baixos que culminou com o seu fim, lá pelos idos de 1973. No entanto, no ano seguinte, Kantner e Slick resolveram criar uma nova banda, agora intitulada Jefferson Starship, e Marty entrou nela quando seu primeiro álbum já estava praticamente pronto. Só que o grande hit daquele LP foi precisamente a faixa dele, Caroline.

Até o fim dos anos 1970, o Starship virou uma máquina de hits, entre os quais Miracles e a minha amada Count On Me. Em 1981, já fora da banda, Marty Balin iniciou a sério uma carreira-solo, que já no primeiro álbum rendeu um belo hit, a bela canção Hearts, de autoria do mesmo autor de Count On Me (Jesse Barish), que atingiu o oitavo posto na parada americana de singles. Mas seu sucesso comercial individual parou por aí.

O Jefferson Airplane e o Jefferson Starship teriam breves retornos com Balin nos anos 1980 e 1990, e o artista também investiu em lançamentos individuais, sendo que o último, The Greatest Love, saiu em 2016. Vale lembrar que Marty Balin era um grande performer ao vivo, e sofreu um terrível ataque em 1969 durante o show do Airplane no malfadado festival de rock de Altamont, capitaneado pelos Rolling Stones nos EUA e de triste memória.

Count On Me– Jefferson Airplane:

Phil Collins reúne parcerias e colaborações em uma box set

phil collins plays well with others-400x

Por Fabian Chacur

Se há uma marca registrada de Phil Collins, é a capacidade que ele tem de sempre se disponibilizar para participar de projetos musicais de seus amigos, artistas nos quais ele acredite e com os quais curta passar horas em estúdio e/ou nos palcos da vida. São incontáveis as parcerias feitas por ele nesses anos todos. Uma bela amostragem desse material está sendo lançado pela Warner na box set com quatro CDs Plays Well With Others, que no Brasil estará disponível apenas no formato digital.

Além de um dos artistas mais populares e talentosos da história do rock, Phil Collins também ganhou o público e os colegas por sua simpatia. Eis o texto, incluído no encarte desta compilação, com o qual ele explica tudo:

“Alguns diriam que eu vivi uma vida encantada. Eu fiz o que eu mais queria e ganhei bem por fazer algo que faria de graça: tocar bateria. Durante este tempo, eu toquei com a maioria dos meus ídolos, muitos tornaram-se amigos íntimos. Nestes 4 CDs, você encontrará apenas alguns desses momentos. Agradeço aos artistas por me deixarem colocar estes projetos juntos, não foi uma tarefa fácil! Com amor, PC”

A caixa retrospectiva reúne 59 faixas gravadas entre 1969 e 2011, nas quais Collins aparece como baterista, produtor, cantor, compositor etc. Ele mostra seu incrível ecletismo ao atuar ao lado de artistas e grupos bem diferentes entre si, como Flaming Youth, Brand X, Brian Eno, Tommy Bolin, John Cale, Robert Plant, Philip Bailey, Chaka Khan, Tears For Fears, Laura Pausini e George Martin, entre (muitos) outros.

Os CDs são organizados por períodos de tempo. O primeiro traz faixas um pouco mais experimentais, enquanto o segundo e o terceiro conta com momentos um pouco mais pops, embora bastante diversificados entre si. O quarto disco é reservado a performances ao vivo.

Segundo o texto que divulga o lançamento, a bela ilustração utilizada na capa do projeto surgiu da ideia do baterista Chester Thompson, grande amigo de Collins e presente nas turnês do Genesis durante décadas. Thompson quis homenagear o amigo, e mandou fazer para ele uma camiseta com aquela charge descoladíssima e a frase Plays Well With Others (toca bem com outros músicos, em uma tradução livre). Alguém tem alguma dúvida em relação a isso?

Eis a relação das faixas da box set:

DISCO UM: 1969 – 1982

1.‘Guide Me Orion’ – Flaming Youth
2.‘Knights (Reprise)’ – Peter Banks
3.‘Don’t You Feel It’ – Eugene Wallace
4.‘I Can’t Remember, But Yes’ – Argent
5.‘Over Fire Island’ – Brian Eno
6.‘Savannah Woman’ – Tommy Bolin
7.‘Pablo Picasso’ – John Cale
8.‘Nuclear Burn’ – Brand X
9.‘No-One Receiving’ – Brian Eno
10.‘Home’ – Rod Argent
11.‘M386’ – Brian Eno
12.‘And So To F’ – Brand X
13.‘North Star’ – Robert Fripp
14.‘Sweet Little Mystery’ – John Martyn
15.‘Intruder’ – Peter Gabriel
16.‘I Know There’s Something Going On’ – Frida
17.‘Pledge Pin’ – Robert Plant
18.‘Lead Me To The Water’ – Gary Brooker

DISCO DOIS: 1982 – 1991

19.‘In The Mood’ – Robert Plant
20.‘Island Dreamer’ – Al Di Meola
21.‘Puss ‘n’ Boots’ – Adam Ant
22.‘Walking On The Chinese Wall’ – Philip Bailey
23.‘Do They Know It’s Christmas (Feed The World)’ – Band Aid
24.‘Just Like A Prisoner’ – Eric Clapton
25.‘Because Of You’ – Philip Bailey
26.‘Watching The World’ – Chaka Khan
27.‘No One Is To Blame’ (Phil Collins version) – Howard Jones
28.‘If Leaving Me Is Easy’ – The Isley Brothers
29.‘Angry’ – Paul McCartney
30.‘Loco In Acapulco’ – Four Tops
31.‘Walking On Air’ – Stephen Bishop
32.‘Hall Light’ – Stephen Bishop
33.‘Woman In Chains’ – Tears For Fears
34.‘Burn Down The Mission’ – Phil Collins

DISCO TRÊS: 1991 – 2011

35.‘No Son Of Mine’ – Genesis
36.‘Could’ve Been Me’ – John Martyn
37.‘Hero’ – David Crosby
38.‘Ways To Cry’ – John Martyn
39.‘I’ve Been Trying’ – Phil Collins
40.‘Do Nothing ‘Till You Hear From Me’ – Quincy Jones
41.‘Why Can’t It Wait Til Morning’ – Fourplay
42.‘Suzanne’ – John Martyn
43.‘Looking For An Angel’ – Laura Pausini
44.‘Golden Slumbers / Carry That Weight / The End’ – George Martin
45.‘In The Air Tonite’ – Lil’ Kim featuring Phil Collins
46.‘Welcome’ – Phil Collins
47.‘Can’t Turn Back The Years’ – John Martyn

DISCO QUATRO: LIVE 1981 – 2002

48.‘In The Air Tonight’ (Live At The Secret Policeman’s Other Ball) – Phil Collins
49.‘While My Guitar Gently Weeps’ – George Harrison
50.‘You Win Again’ – The Bee Gees
51.‘There’ll Be Some Changes Made’ – Phil Collins and Tony Bennett
52.‘Stormy Weather’ – Phil Collins and Quincy Jones
53.‘Chips And Salsa’ – The Phil Collins Big Band
54.‘Birdland’ – Phil Collins with The Buddy Rich Big Band
55.‘Pick Up The Pieces’ (Live At The Montreux Jazz Festival 1998) – The Phil Collins Big Band
56.‘Layla’ (Live At Party At The Palace, 3 June 2002) – Eric Clapton
57.‘Why’ (Live at Party At The Palace, 3 June 2002) – Annie Lennox
58.‘Everything I Do (I Do It For You)’ (Live at Party At The Palace, 3 June 2002) – Bryan Adams
59.‘With A Little Help From My Friends’ (Live at Party At The Palace, 3 June 2002) – Joe Cocker

Burn Down The Mission– Phil Collins:

Chico Buarque tem o primeiro compacto de vinil relançado

chico buarque compacto simples vinil-400x

Por Fabian Chacur

Há relançamentos musicais em formato físico que tem como grande atrativo o seu conteúdo artístico. Outros, porém, tornam-se um fetiche para colecionadores, pois não trazem nada além de suas embalagens como atrativos. E esse último é o caso do novo produto colocado no mercado pela Polysom na série Clássicos em Vinil. Em parceria com a Som Livre, eles nos proporcionam uma reedição do 1º disco de Chico Buarque.

Lançado originalmente no formato compacto simples de vinil em 1965 pela hoje extinta gravadora RGE, o single traz as músicas Pedro Pedreiro no lado A e Sonho de Um Carnaval no lado B. Ambas seriam incluídas no LP de estreia do artista, autointitulado e disponibilizado para o público em geral naquele mesmo ano com grande repercussão.

Pedro Pedreiro tem forte conteúdo político, e infelizmente se mostra mais atual do que nunca, com seus versos incisivos “esperando, esperando, esperando o trem, esperando o aumento para o mês que vem, esperando um filho pra esperar também”.

Por sua vez, Sonho de Um Carnaval participou do festival de música da extinta TV Excelsior também em 1965, interpretada por Geraldo Vandré. Não ganhou, mas ao menos conquistou o coração do artista nordestino, que a gravaria posteriormente.

O bacana do compacto simples é a sua capa vintage, indicando a rotação (33 RPM), com tipologia estilosíssima e uma foto do artista novinho, ainda na altura de seus 20 anos de idade. Garanto que os fanáticos pelo grande astro da MPB adorariam ter esse item em sua coleção, nem que seja apenas para decorar sua parede ou estante.

Pedro Pedreiro– Chico Buarque:

The Rolling Stones lançarão a nova versão de vídeo de turnê

the rolling stones voodoo lounge capas-400x

Por Fabian Chacur

Pelo andar da carruagem, os fãs de classic rock irão ter de vender um rim ou fazer algum outro tipo de sacrifício similar, se desejarem manter suas coleções atualizadas. O novo lançamento do setor a ser anunciado é Voodoo Lounge Uncut, nova versão, ampliada, restaurada e remasterizada de um vídeo lançado pelos Rolling Stones que registra um show da antológica turnê que divulgou o excelente CD Voodoo Lounge (1994).

O lançamento, feito em parceria pela Universal Music e a Eagle Vision, chegará ao mercado mundial em 16 de novembro em diversos formatos: DVD, blu-ray, DVD+2 CDs, blu-ray+2 CDs, vinil triplo vermelho, vídeo digital, áudio digital e HD digital. Uma edição limitada da versão em vinil trará uma camiseta exclusiva. A má notícia fica para os fãs brasileiros: a Universal Music deve lançar por aqui apenas a versão em DVD.

Gravado em 25 de novembro de 1994 no estádio Joe Robbie, em Miami, o show integrou a turnê de lançamento de Voodoo Lounge, um dos melhores álbuns da carreira do grupo. Foram 134 shows por seis continentes e vistos por aproximadamente 6,5 milhões de pessoas.

Duas efemérides: foi a primeira tour sem o baixista Bill Wyman, que saiu da banda em 1993, e a primeira que passou pelo Brasil, com três shows em São Paulo (27, 28 e 30 de janeiro de 1995, no estádio do Pacaembu) e dois no Rio (2 e 4 de fevereiro de 1995, no estádio do Maracanã).

O repertório traz 27 músicas, sendo quatro delas de Voodoo Lounge, e o show conta com as participações especiais de Bo Diddley, Sheryl Crow e Robert Cray. Temos dez faixas adicionais em relação ao lançamento anterior em vídeo. Como bônus, foram incluídas cinco performances realizadas em um show da mesma turnê, realizado no Giants Stadium, de New Jersey, com músicas que não foram apresentadas em Miami.

Veja o trailer do vídeo aqui .

RELAÇÃO DAS MÚSICAS

1. Whoopi Goldberg Intro
2. Not Fade Away
3. Tumbling Dice
4. You Got Me Rocking
5. Rocks Off*
6. Sparks Will Fly*
7. Live With Me*
8. (I Can’t Get No) Satisfaction
9. Beast Of Burden*
10. Angie
11. Dead Flowers*
12. Sweet Virginia
13. Doo Doo Doo Doo Doo (Heartbreaker)*
14. It’s All Over Now
15. Stop Breakin’ Down Blues
16. Who Do You Love?
17. I Go Wild*
18. Miss You
19. Honky Tonk Women
20. Before They Make Me Run*
21. The Worst
22. Sympathy For The Devil
23. Monkey Man*
24. Street Fighting Man*
25. Start Me Up
26. It’s Only Rock’n’Roll (But I Like It)
27. Brown Sugar
28. Jumpin’ Jack Flash

BONUS DAS PERFORMANCES NO GIANTS STADIUM, EM NEW JERSEY (só em video):

1. Shattered
2. Out Of Tears
3. All Down The Line
4. I Can’t Get Next To You
5. Happy

Veja parte do show de New Jersey da turnê 1994/1995:

Evandro Mesquita lidera uma banda cover de luxo no Rio

blitz rio 215 (1)-400x

Por Fabian Chacur

Nos intervalos das constantes apresentações e gravações que faz com a banda que o tornou um ícone do rock brasileiro, a Blitz, Evandro Mesquita ainda arruma tempo para capitanear uma verdadeira banda cover de luxo. Trata-se da The Fabulous Tropical Acoustic Band, que se apresentará no Rio de Janeiro neste domingo (30) às 19h no Teatro Ipanema (rua Prudente de Moraes, nº 824- Ipanema- fone 0xx21-2267-3750), com ingressos a R$ 30,00 (meia) e R$ 60,00 (inteira), em show comemorativo dos 50 anos de existência daquele belo espaço cultural.

Ao seu lado, Evandro (que canta e toca ukulelê e harmônica) tem músicos do gabarito de Arnaldo Brandão (baixo e vocal, do Hanói Hanói, ex-banda do Caetano Veloso e um monte de etc), Dadi (violão e guitarra, dos Novos Baianos, A Cor do Som etc) e Billy Forghieri (teclados, da Blitz), entre outros. A ênfase é em arranjos acústicos, sem dispensar um pouco de eletricidade no meio, que ninguém é de ferro.

O repertório traz clássicos do rock, soul e reggae, entre os quais podemos destacar Knockin’ On Heaven’s Door (Bob Dylan), After Midnight e Cocaine (J.J. Cale, ambas hits com Eric Clapton), Little Wing (Jimi Hendrix), Wild Horses e Dead Flowers (Rolling Stones), Breathe (Pink Floyd) e I Can’t Stop Loving You (Ray Charles). Curtição garantida!

Knockin’ On Heaven’s Door– The Fabulous TAB:

The Monkees lançarão seu 1º álbum de natal em outubro

the monkees christmas party capa-400x

Por Fabian Chacur

Para quem curtiu o ótimo Good Times! (2016), que marcou o retorno dos Monkees, uma ótima notícia. O grupo anunciou um novo trabalho, que será lançado em termos mundiais no dia 12 de outubro. Trata-se de Christmas Party, primeiro álbum dos americanos dedicado às festas natalinas, costume tradicional dos artistas de lá. Para nossa tristeza, o lançamento da Rhino/Warner só chegará aos inúmeros fãs brasileiros no formato digital, embora vá ser lançado em CD nos EUA.

A produção ficou novamente a cargo de Adam Schlesinger, do grupo Fountains Of Wayne, e trará duas canções- Silver Bells e Kalikimaka – com vocais do saudoso Davy Jones (1945-2012), extraídos de gravações antigas e com novo instrumental adicionado. Os outros três integrantes, Micky Dolenz, Michael Nesmith e Peter Tork, marcam presença.

O set list do álbum, composto por 13 faixas, se divide entre canções inéditas e clássicos natalinos. Na segunda categoria se incluem Wonderfull Christmastime (1979), de Paul McCartney, e I Wish It Could Be Christmas Every Day (1973), do grupo Wizzard.

As inéditas trazem assinaturas nobres. Peter Buck, ex-guitarrista do R.E.M., é o coautor da faixa que dá nome ao álbum (em parceria com Scott McCaughey, do grupo The Minus 5), além de toca nessa canção e em Jesus Christ (do grupo Big Star). What Would Santa Do é de Rivers Cuomo (Weezer), enquanto Unwrap You At Christmas tem como autor Andy Partridge, do extinto grupo britânico XTC.

Eis as músicas do álbum Christmas Party:

1.“Unwrap You At Christmas”
2.“What Would Santa Do”
3.“Mele Kalikimaka”
4.“House Of Broken Gingerbread”
5.“The Christmas Song”
6.“Christmas Party”
7.“Jesus Christ”
8.“I Wish It Could Be Christmas Every Day”
9.“Silver Bells”
10.“Wonderful Christmastime”
11. “Snowfall”
12.“Angels We Have Heard On High”
13.“Merry Christmas, Baby”

Christmas Medley 1986– The Monkees:

Lô Borges resgata um de seus álbuns clássicos em belo DVD

loborgesdvdtenisclube-400x

Por Fabian Chacur

Em 1972, com apenas 20 anos de idade, Lô Borges surpreendeu aos fãs de música brasileira ao lançar dois trabalhos que com o tempo seriam consagrados como antológicos. Um é Clube da Esquina, álbum duplo que gravou em parceria com o amigo e mentor Milton Nascimento. Outro, um álbum solo autointitulado hoje mais conhecido como “Disco do Tênis”. Hoje curtindo a maturidade de seus 66 anos, ele resgata o repertório desses dois trabalhos seminais no DVD Tênis+Clube- Ao Vivo No Circo Voador, lançado pela gravadora Deck. Desde já, um dos grandes lançamentos deste 2018. Sublime é pouco!

Lô Borges marcou sua trajetória musical como autor de algumas das mais belas e enigmáticas canções do repertório pop brasileiro. Misturando com maestria folk, rock, country, MPB e experimentalismo, ele rapidamente se firmou como um dos grandes nomes a despontar do time de craques capitaneados por Milton Nascimento que recebeu o nome geral de Clube da Esquina. Se não fez tanto sucesso como o Bituca ou mesmo Beto Guedes, ele possui porte artístico compatível.

Em sua belíssima discografia, repleta de grandes momentos, o “Disco do Tênis” (ouça aqui) é certamente um dos mais badalados. O repertório do novo DVD do cantor, compositor e músico mineiro traz as 15 faixas daquele álbum (tocadas em ordem diferente da do LP original), as oito assinadas por Borges em Clube da Esquina e Para Lennon e McCartney, uma das primeiras composições dele a serem gravadas, mais precisamente por seu mestre e amigo, no LP Milton (1970).

Gravado ao vivo no Circo Voador (RJ) no dia 23 de março, o DVD nos traz um show sóbrio e elegante em termos visuais, sem grandes efeitos ou elementos cenográficos. O foco é todo na parte musical do espetáculo, e aí estamos diante da total e completa excelência, a começar pelos seis músicos selecionados por Lô, que toca guitarra, violão e caxixi, além de cantar com uma voz deliciosamente madura.

O capitão do time é Pablo Castro (vocal, piano, violão, guitarra), que além de ser o diretor musical da coisa toda ainda dá um banho de sensibilidade e talento ao reproduzir com rara competência os vocalizes feitos por Milton Nascimento na gravação original de Clube da Esquina Nº 2. Aliás, o projeto foi levar ao palco os arranjos originais gravados nos álbuns de 1972, e a missão não poderia ter sido melhor cumprida.

Além de Pablo, integram a banda os excelentes Gui de Marco (guitarra, violão, percussão e vocais), Paulim Sartori (baixo, bandolim, percussão e vocais), D’Artagnan Oliveira (bateria, percussão e vocais), Dan Oliveira (guitarra, violão, percussão e vocais) e Alê Fonseca (teclados e programações), um elenco que não se preocupou apenas em “tocar igualzinho”, mas sim de trazer para o palco a emoção contida em cada uma dessas canções admiráveis.

Tocando perante um Circo Voador lotado e com plateia gritando “Lô, eu te amo” desde o início, o mestre mineiro da canção esbanja simpatia, evidente timidez e emoção em músicas divinas como Você Fica Melhor Assim, Pensa Você, Aos Barões, Canção Postal, Tudo Que Você Podia Ser, Nuvem Cigana, Paisagem da Janela… São 78 minutos de puro prazer, um belo culto a canções que equivalem a um verdadeiro bálsamo sonoro em tempos tão difíceis como os atuais.

Clube da Esquina Nº2 (ao vivo)- Lô Borges:

« Older posts Newer posts »

© 2018 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑