Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: abril 2015

Rod Hanna/A Taste Of Honey fazem show impecável em SP

a taste of honey 2015-400x

Por Fabian Chacur
fotos: Tania Voss- Universo da Fama

O grupo paulista Rod Hanna completa 20 anos de carreira consolidado como um dos grandes nomes no cenário musical brasileiro. Seus espetáculos resgatando grandes hits e eventualmente investindo em material próprio cativaram um público que cresce a cada dia. O mais recente show, Rod Hanna On Broadway, é simplesmente irresistível, e se tornou ainda melhor com a participação do grupo americano A Taste Of Honey, como vimos no Teatro Bradesco (SP) neste sábado (25).

Liderado por Rod (vocal, teclados e violão) e Nora Hanna (vocais), o Rod Hanna traz em suas fileiras uma equipe digna de musicais, com direito a músicos, vocalistas e dançarinos que transformam a performance de cada música em um espetáculo particular. Sempre com uma batida disco que ninguém no Brasil faz com tanta convicção e categoria.

O repertório de Rod Hanna On Broadway reúne clássicos dos melhores e mais bem-sucedidos musicais das últimas décadas, com direito I Will Survive, I Say a Little Prayer, Mamma Mia, Fame, Summer Nights, Night Fever e You Should Be Dancing. O desempenho do time é impressionante, e cativa de forma incondicional.

A parceria com o A Taste Of Honey deu super certo. O grupo, que estourou em 1978 com o megahit Boogie Oogie Oogie e depois emplacou outras músicas matadoras do tipo Rescue Me, Do It Good e Sukiaki, conta hoje com uma integrante de sua formação original, a vocalista e baixista Janice-Marie Johnson. Carismática e simpática, ganhou o público.

janice e hanna show 2015-400x

Janice trouxe consigo dos EUA dois músicos também repletos de realizações. Nos teclados e metais, Felton Pilate II, integrante da banda funk Con Funk Shun (dos hits nos anos 1970 e 1980 Got To Be Enough, Too Tight, Ffun e Chase Me) e David Cochrane na guitarra e metais, ele que entre 1976 e 1982 foi músico de apoio da banda The Commodores e compôs músicas com Lionel Richie na carreira solo do astro.

Com os dois novos parceiros e o apoio do Rod Hanna, Janice ganhou a plateia interpretando Boogie Oogie Oogie (duas vezes, a segunda no bis que encerrou o show), Rescue Me e Sukiyaki (essa com direito a visual japonês), Ladies Night (hit do Kool & The Gang em 1979) e I Love The Nightlife (hit com Alicia Bridges em 1979). O entrosamento entre os Rod Hannas e o trio americano impressionou, eles que já haviam se apresentado juntos no Brasil em 2014.

Vale também destacar a fantástica Disco Evolution, um pot-pourry que conta a história da disco music desde seus anos iniciais, na década de 1970, até seus desdobramentos que ocorreram nas décadas seguintes, indo de Boogie Wonderland até Get Lucky. O espetáculo acabou com Dancin’ Days e Boogie Oogie Oogie num clima de quero mais. A gravação de um DVD seria sensacional!

Boogie Oogie Oogie (ao vivo em 2011)- A Taste Of Honey:

Hod Hanna On Broadway– trechos do show:

Ozzy diverte os jornalistas em coletiva do Monsters Of Rock

ozzy osbourne-400x

Por Fabian Chacur

A grande atração para os fãs de rock pesado em São Paulo neste fim de semana é o festival Monsters Of Rock, que ocorre neste sábado (25) e domingo (26) na Arena Anhembi. Como forma de promover o evento, rolou na noite desta sexta (24) uma entrevista coletiva na qual a estrela foi o sempre impagável Ozzy Osbourne, que divertiu os jornalistas.

Ozzy, que será a atração principal de hoje, veio ao hotel Renaissance (local da coletiva) acompanhado pelos músicos de sua banda de apoio, que elogiou (“tenho muita sorte por sempre tocar com os melhores músicos”). Ele também jogou confetes em seus fãs brasileiros (“vocês tem música no seu sangue, nas suas veias”). Quanto ao show, ele afirma que, toda a noite, “desejo fazer o melhor show da minha vida, seja onde for ou como for”.

Com várias respostas curtas, em alguns momentos o cantor não entendia as perguntas feitas diretamente em inglês pelos jornalistas (não havia intérprete), e pedia ajuda ao músico que estava do seu lado. Ria o tempo todo. “Não sei como consigo ter tantos fãs adolescentes atualmente, mas adoro isso”. Quanto à idade, ele diz se sentir mais jovem hoje do que quando tocou no Monster Of Rock no Brasil em 1995.

Quando um jornalista tentou tirar uma declaração negativa dele em relação ao astro pop Justin Bieber, ele cortou na hora: “ele é um bom amigo!”. Também não deu importância a uma questão sobre qual seria seu personagem favorito de histórias em quadrinhos. “Eu não leio histórias em quadrinhos!”. E anunciou que fará a última turnê com o Black Sabbath em 2016.

O fim da coletiva não poderia ter sido melhor. Duas garotas perguntaram como ele fazia para se manter em forma, e afirmaram que ele era muito sexy no palco. O cara riu. Quando a coletiva acabou, ele tirou foto aos lado das duas garotas, que saíram de cena com um sorriso de orelha a orelha. Príncipe das Trevas ou Príncipe do Bom Humor?

Judas Priest e as outras bandas

Antes de Ozzy dar seu show particular, tivemos a presença de outra banda marcante na história do heavy metal, o Judas Priest. Com quatro décadas de estrada, eles atualmente vivem uma grande fase em termos comerciais. Redeemer Of Souls (2014), seu mais recente CD, atingiu o sexto posto na parada americana, o lugar mais alto atingido por um de seus trabalhos por lá.

Glenn Tipton, um dos guitarristas da banda, atribui um pouco da responsabilidade por tal sucesso ao também guitarrista Richie Faulkner, que em 2011 entrou no lugar de KK Downing. “É incrível como Richie se encaixou bem na banda, como músico e também como pessoa, ele foi um catalizador para a fase atual que vivemos, que é muito positiva”.

O vocalista Rob Halford, um dos maiores ícones do rock e apelidado de Metal God por fãs e pela crítica especializada, afirmou ter boas lembranças da primeira presença do Judas Priest no Brasil, que ocorreu na edição de 1991 do Rock In Rio, realizado no estádio do Maracanã. “Tenho uma foto aqui no meu iPhone dos ensaios no Rio. Foi incrível e intimidador tocar no Brasil pela primeira vez diante de tanta gente, uma experiência incrível”.

O grupo alemão Primal Fear conta com um trunfo para seu show no Monsters Of Rock. Na estrada desde 1997, eles incorporaram recentemente ao time o baterista sul-africano radicado no Brasil Aquiles Priester, conhecido por seu trabalho com bandas como Hangar e Angra. “Quando o Hangar estava no começo, tocávamos duas músicas do Primal Fear. Hoje, quando toco essas mesmas músicas, como integrante do Primal Fear, parece um conto de fadas para mim”.

O Primal Fear havia acabado de voltar de Curitiba, onde fez shows, e os integrantes dizem ter adorado o público e também os vários tipos de caipirinha que experimentaram por lá. De quebra, um deles começou a cantar Ai Se Eu Te Pego, de Michel Teló, enquanto outro imitou a famosa coreografia. Até o mundo do metal se rendeu a esse hit sertanejo!

Uma das bandas mais interessantes incluídas na programação do Monsters Of Rock veio à coletiva representada pelos argentinos Sr. Flavio (baixista, conhecido por seu trabalho com a consagrada banda Los Fabulosos Cadillacs) e Andres Gimenez (cantor da banda punk Animal). O grupo também inclui o brasileiro Andreas Kisser (Sepultura) na guitarra e o mexicano Alex González (Maná) na bateria.

Há um ano e meio na estrada e com um álbum autointitulado no currículo, o quarteto canta suas músicas em português e castelhano. “Os músicos precisam ter a liberdade de cantar na língua que acharem melhor, da forma que se sintam mais cômodos”, defendem. Eles voltarão ao Brasil em setembro para tocar no Rock in Rio. “É uma honra tocar em eventos tão grandes como esses”.

Monsters Of Rock 2015- Line up:

Sábado, 25 de abril

12h – De La Tierra
13h05 – Primal Fear
14h20 – Coal Chamber
15h50 – Rival Sons
17h20 – Black Veil Brides
18h50 – Motörhead
20h40 – Judas Priest
22h30 – Ozzy Osbourne

Domingo, 26 de abril

12h15 – Doctor Pheabes
13h05 – Steel Panther
14h20 – Yngwie Malmsteen
15h50 – Unisonic
17h20 – Accept
18h50 – Manowar
20h40 – Judas Priest
22h30 – Kiss

Preços: R$ 400,00 (um dia) e R$700,00 (os dois dias)

fone 4003-1212

http://www.ingressorapido.com.br/Evento.aspx?ID=38297O

Veja a coletiva de Ozzy Osbourne:

No More Tears– Ozzy Osbourne:

Breaking The Law– Judas Priest:

Maldita Historia– De La Tierra:

Paula Toller vem a São Paulo para lançar CD Transbordada

PaulaToller_2_Flavio_F6CB65-400x

Por Fabian Chacur

Paula Toller está lançando seu quarto CD solo, Transbordada, trabalho no qual esbanja apelo pop, qualidade artística e consistência. Ela mostra o repertório desse novo álbum e também hits anteriores dela e de sua banda Kid Abelha em show em São Paulo nesta sexta-feira (24) às 22h no Citibank Hall (avenida das Nações Unidas, 17.955- Santo Amaro), com ingressos custando de R$ 40,00 a R$ 200,00 (maiores informações disponíveis em www.ticketsforfun.com.br).

Transbordada é provavelmente o melhor trabalho individual da cantora e compositora carioca. Conciso (tem dez faixas), oferece ao ouvinte um som pop ensolarado, com direito a umas nuvens de tensão aqui e ali, sempre se valendo com categoria de elementos da biblioteca sonora da música pop. Com cara radiofônica, mas sem cair no banal.

O álbum marca uma preciosa parceria entre Paula e o mestre Liminha, que além de produzir ainda toca vários instrumentos e é coautor das dez músicas incluídas no álbum. O resultado é um trabalho repleto de boas canções, entre as quais Tímidos Românticos, Calmaí, O Sol Desaparece, Seu Nome é Blá, Será Que Eu Vou Me Arrepender (com participação especial de Hélio Flanders, do Vanguart), a faixa título e Ohayou (com João Barone, dos Paralamas, na bateria).

Além de músicas do novo CD, o show trará músicas dos trabalhos solo anteriores de Paula e também alguns clássicos do Kid Abelha. Entre outras, Calmaí, O Sol Desaparece, Tímidos Românticos, Nada Sei, Derretendo Satélites, Fixação e Deus Apareça na Televisão. A banda que a acompanhará inclui Adal Fonseca (bateria), Caio Fonseca (violão, guitarra, teclados e vocais), Maurício Coringa (violão, guitarra e vocais) e Márcio Alencar (baixo e vocais).

Calmaí– Paula Toller:

Tímidos Românticos– Paula Toller:

Seu Nome é Blá– Paula Toller:

O Sol Desaparece– Paula Toller:

São Paulo Ska Jazz mostra seu belo coquetel sonoro em SP

SAO PAULO SKA JAZZ-400x

Por Fabian Chacur

Que tal misturar o swing do ska com a liberdade de improviso do jazz, sem perder nada em termos de swing e apelo dançante? Eis a fórmula usada pela São Paulo Ska Jazz, banda paulistana que se apresentará nesta terça-feira (14) às 21h na Central das Artes- Teatro Central das Artes Sub 3 (rua Apinajés, 1.081- Sumaré – fone 0xx11-3670-4040), com couvert artístico a R$ 20,00. Mais informações em www.centraldasartes.com.br .

Liderado pelo músico e compositor Marcelo Calderazzo, a São Paulo Ska Jazz tem um CD em seu currículo, e prevê para maio o lançamento do próximo. O repertório de seus shows mescla composições próprias como A Onda e Saludo com clássicos alheios de várias áreas, entre os quais The Godfather (Nino Rota), Three Little Birds (Bob Marley), Get Lucky (Daft Punk), Adios Nonino (Astor Piazzola e Take Five (Paul Desmond).

Além de Calderazzo (baixos acústico e elétrico), o grupo conta com Manu Falleiros (sax tenor, alto e soprano), Marcelo Pereira (sax barítono, alto e flauta), Douglas Freitas (trombone), Reynaldo Izeppi (trompete e flugelhorn), Ramon Montagner (bateria e programação eletrônica), Sidney Ferraz (teclados e piano) e Aquiles Faleco (guitarra).

Three Little Birds– São Paulo Ska Jazz:

A Onda – São Paulo Ska Jazz:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑