Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: bernie taupin

Elton John comemora 70 anos com um evento beneficente

elton-john-400x

Por Fabian Chacur

Elton John comemora 70 anos de idade neste sábado (25). Como forma de unir o útil ao agradável, ele realizará nessa data um evento de gala que celebrará não só essa efeméride, mas também os 50 anos da incrível parceria com o poeta e letrista Bernie Taupin, iniciada em 1967. A cerimônia terá apresentação do ator Rob Lowe e performances musicais de convidados como Lady Gaga.O local é o Red Studio, em Los Angeles.

O bacana é que toda a arrecadação será destinada à Elton John Foundation (EJAF), que assiste vítimas e entidades que ajudam a combater e a apoiar as vítimas da Aids desde 1993, e o The Hammer Museum, da UCLA (Universidade da Califórnia), que abriga exposições e apoia a arte. Nada mais lógico para um artista que durante toda a sua carreira sempre teve como marca o auxílio a causas nobres das mais diferentes origens, sempre de forma generosa e sincera.

Os números que envolvem a carreira deste cantor, compositor e músico britânico são impressionantes. Ele vendeu mais de 250 milhões de álbum em todo o planeta. Teve 58 singles entre os 40 mais vendidos nos EUA, fez mais de 3.500 shows em mais de 80 países, faturou 12 troféus Ivor Novello, 6 Grammys, um Oscar e um Tony, além de ser membro do Rock And Roll e do Songwriters Hall Of Fame, e ter o título de sir e também o de Cavaleiro de Sua Majestade, a Rainha Elizabeth II.

Elton John nos visitou para shows pela primeira vez em 1995, e já tem datas marcadas para retornar ao nosso país. Ele fará shows, junto com James Taylor, em Curitiba (31/3- Pedreira Paulo Leminski- Curitiba), 1º/4 (Praça da Apoteose- Rio), 4/4 (Anfiteatro do Beira Rio- Porto Alegre) e 6/4 (Allianz Parque- São Paulo).

Leia o belo depoimento de Elton enviado à imprensa em comunicado pela sua gravadora, falando sobre seus planos para o futuro:
“Estou interessado em avançar o tempo todo, com o que eu crio, com as minhas colaborações, e também descobrindo o trabalho de outras pessoas. Acho que a idade é irrelevante, desde que possamos manter nossa mente viva e aberta para o novo. Eu posso ficar empolgado por um artista novo que toca para mim o seu demo como posso ficar com um novo álbum de um dos meus heróis musicais. Eu posso ficar empolgado ao me apresentar em uma nova cidade onde nunca toquei antes, ou revisitando um lugar que conheço bem e ver como ele está mudado. A vida está em um constante estado de fluxo para todos nós, e eu gosto de abraçar isso. Também me sinto muito feliz em usar o meu nome para chamar atenção para a injustiça no mundo e para tentar ajudar sempre que possível. Atualmente, estou mais feliz do que jamais estive.”

Quer ler diversas outras matérias de Mondo Pop sobre esse verdadeiro gênio da música pop? Entre aqui .

Veja o emocionante vídeo em homenagem aos 70 anos de Elton John:

Reedição de CD de Elton John deixa a desejar

Por Fabian Chacur

Goodbye Yellow Brick Road (1973) marca um dos momentos mais inspirados da carreira desse verdadeiro gênio da música pop e do rock que atende pelo nome artístico de Elton John. Figurinha fácil entre os melhores álbuns de todos os tempos, essa obra-prima acaba de ser relançada no Brasil pela Universal Music em edição comemorativa de seus 40 anos de existência. Uma reedição que poderia ser bem melhor.

O álbum duplo é na verdade uma espécie de edição resumida de um pacote mais extenso e só disponível em edição importada. Nesta box set, foram incluídos um CD com versão remasterizada do álbum original, dois CDs com o conteúdo do show realizado pelo astro em dezembro de 1973 no Hammersmith Odeon, em Londres, um quarto CD com nove releituras de faixas do álbum por artistas atuais e também lados B e gravações lançadas originalmente em singles, e um DVD.

Este DVD inclui o especial Elton John Say Goodbye To Norma Jean And Other Things, feito em 1973 e no qual Elton e seus músicos falam sobre o álbum recém-lançado e também sobre a carreira até ali. O pacote ainda traz um livreto com 100 páginas contendo fotos e entrevistas. Um pacote repleto de novidades para atiçar a curiosidade dos fãs mais detalhistas da parceria Elton John e seu letrista genial Bernie Taupin.

No álbum duplo (também lançado lá fora), temos apenas a versão remasterizada do disco original e um segundo CD com as regravações dos hits de Elton e 9 das 18 faixas do álbum ao vivo. A embalagem digipack é belíssima, mas o encarte incluído traz apenas um ótimo texto sobre o álbum, omitindo as letras e as artes feitas para cada música contidas no lançamento original. Ter o disco sem esse encarte é tê-lo de forma mutilada.

Ou seja, esse álbum duplo acaba sendo apenas um aperitivo para o colecionador, e inadequado para quem não tem o disco original. Nesse caso, é preferível comprar uma versão simples do disco, com o encarte completo. Uma boa solução, neste último ponto, teria sido fazer como na reedição de Quadrophenia, do The Who, lançado pela mesma gravadora, que contém dois encartes, um com as letras e ficha técnica e outra contando a história do álbum.

As faixas gravadas ao vivo são excelentes, e flagram Elton acompanhado por sua incrível banda de apoio, da qual fazem parte Davey Johnstone (guitarra, com ele até hoje), Nigel Olsson (bateria, também na banda até os dias atuais), o saudoso Dee Murray (baixo) e o endiabrado Ray Cooper (percussão). Melhor seria lançar as 18 faixas em um álbum-duplo à parte.

Embora produzidas pelo consagrado Peter Asher (James Taylor, Linda Ronstadt, 10.000 Maniacs etc) em parceria com o próprio Elton John, as nove faixas com artistas atuais não acrescentam nada às gravações originais e perdem de goleada para as mesmas, com artistas insossos como Ed Sheeran, Hunter Hayes, Miguel, Imelda May e Fall Out Boy. De novo, teria sido melhor ampliar o elenco e lançar um disco-tributo ao álbum de forma individual.

Seja como for, vale ressaltar a importância e a qualidade musical desse álbum, que mais parece uma coletânea, ao incluir tantos hits, entre os quais a faixa título, Saturday Night’s Alright For Fighting, Candle In The Wind, Roy Rogers, The Ballad Of Danny Bailey(1909-34) e Benny And The Jets. Tipo do disco que não pode faltar na coleção de quem é fã do melhor rock e da melhor música pop. Elton John rules!

Goodbye Yellow Brick Road em detalhes

(*) O álbum saiu no Brasil em 1973 no formato LP simples, com apenas 10 das 17 faixas contidas no disco original. Eis a ordem: Lado AGoodbye Yellow Brick Road, This Song Has No Title, Harmony, Funeral For a Friend, Love Lies Bleeding. Lado B: Roy Rogers, Grey Seal, Candle In The Wind, Your Sister Can’t Twist (But She Can Rock ‘N’ Roll), Saturday Night’s Alright For Fighting. As faixas restantes foram sendo lançadas aos poucos nos anos seguintes pela hoje extinta gravadora RGE em compactos simples, duplos e em compilações feitas especialmente para o mercado nacional.

(*) A faixa Social Disease conta com a participação especial de Leroy Gomez tocando saxofone. Esse artista ficaria mais conhecido em 1977 ao ser vocalista principal no primeiro álbum do grupo de disco music Santa Esmeralda. É dele a voz na gravação de Don’t Let Me Be Misunderstood que invadiu as pistas de dança de todo o mundo.

(*) A faixa All The Girls Love Alice traz backing vocals de Kiki Dee. Sim, a mesma que, em 1976, gravaria em dueto com Elton John a música Don’t Go Breaking My Heart, que curiosamente durante muitos anos foi a única no formato single do astro a atingir o número 1 na Inglaterra. Essa escrita seria quebrada em 1990, quando Sacrifice chegou ao topo por lá.

(*) A única música não inédita do álbum é The Grey Seal, lançada originalmente em 1970 como lado B do single Rock And Roll Madonna. Aqui, ela aparece em uma regravação. A versão original aparece como faixa-bônus de uma reedição de 2003 do álbum e também do box set lançado este ano pela Universal Music no exterior.

(*) Elton John pretendia gravar Goodbye Yellow Brick Road na Jamaica, inspirado pelos Rolling Stones, que fizeram isso com seu álbum Goats Head Soups (1973). Ele e sua banda foram para lá e até começaram a trabalhar, mas não demorou para que ficasse claro a impossibilidade de se realizar o trabalho pelas condições precárias dos estúdios. Aí, ele viajaram para a França e gravaram no mesmo castelo onde foi registrado o célebre Honky Chateau (1972). A faixa Jamaica Jerk-Off é inspirada nessa passagem desastrada, e é creditada ironicamente a “Reggae Dwight e Toots Taupin”.

(*) O encarte do álbum original traz ilustrações para cada canção, feitas por David Larkham, Michael Ross e David Scutt, sendo que a ilustração da capa leva a assinatura de Ian Beck. A de Dirty Little Girl lembra Janis Joplin, embora não tenha sido ela a inspiração para a canção.

(*) Candle In The Wind, a arrepiante homenagem a Marilyn Monroe, fez sucesso em três décadas consecutivas. Primeiro, nos anos 70, em sua versão original incluída em Goodbye Yellow Brick Road e lançada em compacto simples. Em 1987, a canção estourou nos EUA em gravação ao vivo com orquestra extraída do álbum duplo Live in Australia with the Melbourne Symphony Orchestra. O terceiro boom da canção ocorreu em 1997, quando o artista a regravou desta vez dedicando-a à “English Rose”, no caso a Princesa Diana, grande amiga dele e morta em um trágico acidente de carro. Lançada no formato single, tornou-se um fenômeno de vendas.

(*) A história deste álbum pode ser conferida no DVD Classic Albums-Goodbye Yellow Brick Road, lançado em 2001 pela Eagle Rock e no Brasil pela extinta ST2. O documentário é repleto de detalhes, com direito a entrevistas com Elton John, Bernie Taupin e os músicos e produtores envolvidos na realização deste álbum maravilhoso.

Saturday Night’s Alright For Fighting, com Elton John:

Documentário Elton John Say Goodbye To Norma Jean And Other Things:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑