Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: blues rock brasil

Barão Vermelho faz show em SP para apresentar seu álbum Viva

barao vermelho 2019-400x

Por Fabian Chacur

Desde que o Barão Vermelho lançou seu mais recente CD de inéditas, em 2004, muita coisa mudou. Roberto Frejat e Rodrigo Santos saíram do time, que recebeu como reforço o cantor, compositor e guitarrista Rodrigo Suricato. Além disso, o tecladista e compositor Maurício Barros, membro fundador do grupo que saiu em 1988 mas que na prática sempre se manteve por perto, em shows e assinando músicas, voltou de vez. A seu lado, outro criador do grupo, o baterista Guto Goffi, e o guitarrista Fernando Magalhães, há mais de 30 anos no time.

É com essa nova escalação e repleta de energia que a seminal banda carioca lança Viva, trabalho composto apenas por composições dos atuais integrantes do time. A primeira amostra, o visceral single A Solidão Te Engole Vivo, saiu no final de 2018. Agora, é a vez do o produto completo, já disponível nas plataformas digitais e em breve também em CD e possivelmente vinil.

E é para mostrar faixas desse trabalho e também dar uma geral em seus principais hits que o Barão Vermelho versão 2019 volta a São Paulo para show neste sábado (24) às 22h na Casa Natura (rua Artur de Azevedo, nº 2.134- Pinheiros- fone 0xx11-3031-4143), com ingressos custando de R$ 40,00 a R$ 200,00. Entre as novas, destaque para Eu Nunca Estou Só, que no álbum conta com a participação do rapper BK, e a já citada A Solidão Te Engole Vivo.

Leia entrevista com Fernando Magalhães aqui.

Leia entrevista com Rodrigo Suricato aqui.

Eu Nunca Estou Só (clipe)- Barão Vermelho e BK:

Distopia mostra para o Brasil o seu rock oriundo de Rondônia

distopia foto-400x

Por Fabian Chacur

Com apenas dois anos de estrada, a banda Distopia começa a colher frutos de sua atuação. Oriundo do estado de Rondônia, mais precisamente da capital daquele estado do norte do país, Porto Velho, tem em sua escalação Vandrin Rodrigues (guitarra e composições), Hugo Borges (vocal), Rafini Root (guitarra), Mikeias Belfort (baixo) e Renan Lima (bateria). Seu primeiro álbum, autointitulado, saiu em 2017, uma amostra de seu rock alternativo com tempero melódico e romântico.

Nos últimos meses, tiveram o single À Deriva produzido pelo consagrado Luiz Carlos Maluly (RPM e inúmeros outros), participaram dos festivais Boto Rock e Rondon Rock e também do programa Estúdio Show Livre, apresentado pelo lendário Clemente (Inocentes e Plebe Rude). Eles abriram um show em Rondônia para o Biquini Cavadão e em breve farão o mesmo para Fernando Anitelli, vocalista e líder do grupo O Teatro Mágico, só que desta vez em São Paulo.

Seu mais recente single, Meu Vício Sem Fim, acaba de ter seu clipe divulgado, já com milhares de visualizações. Eles também lançaram recentemente um EP, Por Acaso. Leia entrevista com Vandrin Rodrigues, na qual ele fala sobre a banda, a cena roqueira de Rondônia e muito mais.

Mondo Pop- O Distopia mudou muito do lançamento do primeiro álbum para cá. Como ocorreram essas mudanças? Dá para afirmar que, na verdade, o primeiro álbum acabou sendo o embrião para o que a banda é hoje?
Vandrin Rodrigues-
Afirmamos atualmente que se trata exatamente disso. Eu me reuni com o compositor Hélio Vieira e resolvemos pegar algumas músicas que tínhamos, juntar o trabalho e ver o que saia. A princípio, entramos no estúdio do Hugo Borges, nosso atual vocalista, pra gravar as músicas. Então, convidamos Rafini Root (guitarra) Mikeias Belfort (baixo) e Renan Lima (bateria) para participarem das gravações do que veio a se tornar o primeiro álbum da banda. Na época, mais pessoas de fora participaram, e pouco tempo depois o que era inicialmente o álbum Distopia acabou se tornando a “banda Distopia”. O amadurecimento mostrado no EP Por Acaso trata-se justamente de a gente ter se abraçado dessa vez realmente como uma banda e todos participarem do processo de composição. Isso trouxe uma variedade enorme de influencias que acredito que conseguimos harmonizar no segmento indie pop.

Mondo Pop- Vocês trabalharam com o Luiz Carlos Maluly no single À Deriva. Como foi essa experiência? Vocês pretendem gravar mais músicas, ou mesmo um álbum completo, com ele na produção?
Vandrin Rodrigues-
A experiência foi incrível. Viajamos todos para São Paulo para gravar o clipe e foi um dia muito intenso para todos nós. Já posso confirmar que isso rendeu bons frutos com o sucesso de À Deriva, e estamos para lançar outro single que (Maluly) ajudou a produzir. Em breve teremos mais novidades em nossas redes.

Mondo Pop- Vocês são uma das primeiras bandas de Rondônia a aparecer no Sudeste. Em que lugares fora do norte do país vocês já estão com uma repercussão mais significativa?
Vandrin Rodrigues-
Nossa música tocou em algumas rádios do Sul também, mas o trabalho ainda é recente para podermos afirmar. Acredito que no norte e no sudeste é onde estamos aparecendo mais, pelo menos por enquanto. Vale lembrar que não somos a primeira banda de Rondônia a aparecer na mídia nacional, pois a Versalle conseguiu isso, bombando no programa Super Star.

Mondo Pop- Falem um pouco sobre como é o cenário rock em Rondônia. Muitas bandas? Que estilos elas tocam? Como é o relacionamento entre essas bandas? Dá para dizer que há uma cena consistente de rock por lá? Citem algumas dessas bandas.
Vandrin Rodrigues –
– Hoje, temos em média 50 bandas listadas no festival Boto Rock, isso apenas na capital, Porto Velho. O cenário está passando por uma fase nova, uma galera começando a aparecer, e há bastante variedade dentro do gênero, desde o heavy metal ao indie rock. Algumas das bandas que estão lançando trabalhos no momento são Os Ultimos, O RetroAtivo e Tuer Lapin. Eu diria que estamos passando por uma fase boa e estamos com um movimento consistente.

Mondo Pop- Como foi a experiência de participar do programa Estúdio Showlivre, com a apresentação do lendário Clemente, dos Inocentes? E a repercussão?
Vandrin Rodrigues-
Foi simplesmente incrível, pois trabalhamos com técnicos muito profissionais, e o Clemente (dos Inocentes e Plebe Rude) conduziu a entrevista muito bem. A partir do momento em que entramos no estúdio nos sentimos em casa. A energia que conseguimos captar foi muito boa e nos surpreendemos com a quantidade de pessoas nos assistindo. Além dos amigos que acompanham nosso trabalho, conseguimos bastante visibilidade pelo brasil afora. Foi uma das maiores experiências que já tivemos como banda.

Mondo Pop- Vocês tiveram a oportunidade de tocar com o Biquini Cavadão em Porto Velho. Falem um pouco sobre essa experiência, e se vocês se identificam com o trabalho deles.
Vandrin Rodrigues
– A maioria das personalidades do rock nacional fazem parte de nossa bagagem de influencias, e não é diferente com o Biquini Cavadão. A experiência foi muito gratificante e principalmente desafiadora, mas conseguimos dar a volta por cima.

Mondo Pop- Em julho, vocês abrirão shows para o show solo de Fernando Anitelli, líder do grupo Teatro Mágico, em São Paulo. Como surgiu essa oportunidade, e qual a expectativa de vocês em relação a tocar com um grupo cujo público é imenso?
Vandrin Rodrigues
– Estamos muito ansiosos para realizar esse trabalho, e a ideia é que possamos aprender mais sobre o que é participar ativamente da banda, viajando, se planejando, passando por diferentes cidades e lidando com diferentes públicos.

Mondo Pop- Vocês lançaram um EP digital, Por Acaso. Falem um pouco sobre ele, e onde pode ser ouvido. A música Meu Vicio Sem Fim faz parte dele?
Vandrin Rodrigues-
Meu Vicio Sem Fim é nossa nova música, foi lançada no formato single. O EP Por Acaso é resultado de muitos meses de trabalho e dedicação no estúdio. Passamos 2018 quase inteiro em meio a esse processo de composição e produção, gravamos cerca de 14 músicas e fizemos a triagem para o EP. Dentre as 14, estavam A Deriva e Meu Vicio Sem Fim, que resolvemos lançar como single. Nosso EP está disponível em todas as plataformas digitais.

Mondo Pop- Como vocês definem o som de vocês, em termos de letras e de músicas? Quais são seus temas favoritos, e quais as influências em termos musicais e poéticos?
Vandrin Rodrigues-
Nos consideramos um grupo de rock alternativo. As letras têm um link direto com o nome da banda, pois pensamos em falar um pouco sobre como é a vida nesse mundo distópico em que vivemos. Nossas influências a respeito de letras vêm principalmente de músicas atuais, mas as bandas que temos como base são em maioria dos anos 90 para trás.

Mondo Pop- Para finalizar, contem sobre os planos para o futuro próximo- um álbum completo, novos singles, shows etc.
Vandrin Rodrigues-
Para o próximo semestre estamos planejando lançar um novo álbum. Já estamos em fase de produção e esperamos em breve poder confirmar algumas novidades bem bacanas. Muito obrigado pela entrevista. Agradecemos o espaço e esperamos poder estar por aqui em breve!

Meu Vício Sem Fim (clipe)- Distopia:

Banda Kurandeiros lança seu novo single, Andando na Praia

kurandeiros 2018 single na praia-400x

Por Fabian Chacur

Kim Kehl e sua banda Kurandeiros estão com um single novo disponível nos canais digitais. Trata-se de Andando na Praia, um furioso e envolvente rock com tempero de psicodelia divulgado por um audioclipe cujo visual evoca exatamente o desenvolvido pelas bandas de rock da segunda metade dos anos 1960. A música é uma parceria de Kehl com o baixista do grupo, Luiz Domingues. Carlinhos Machado (bateria) completa o time, e participam da gravação Nelson Ferraresso (teclados) e Marcos “Pepito” Soledade (percussão).

Nascida de uma ideia musical de Domingues que foi desenvolvida junto com o grupo e chegou a ser um tema instrumental tocado com sucesso em alguns shows da banda, Andando na Praia tem uma letra bem simples e uma interpretação vibrante por parte da banda, com vocal ardido e solos de guitarra e teclados simplesmente viscerais, tendo de quebra uma cozinha rítmica impecável dando a base a tudo.

Na estrada há 40 anos, Kim Kehl integrou bandas como Made In Brazil, Mixto Quente e Nazi e os Irmãos do Blues. Este guitarrista, cantor e compositor criou os Kurandeiros em 1991, e lançou três CDs (Kim Kehl e os Kurandeiros-2004, Mambo Jambo-2008 e 7 Anos-2012) e um EP desde então. Luiz Domingues, baixista e também compositor, é uma figura marcante da música paulistana, tendo feito parte de grupos bacanas como Língua de Trapo e A Chave do Sol.

Andando na Praia (audioclipe)- Os Kurandeiros:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑