Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: centro cultural são paulo

The Mönic lança primeiro álbum com show no Centro Cultural SP

The Mönic-400x

Por Fabian Chacur

Contrariando as opiniões dos mais apressados, o rock brasileiro continua dando mostras de vigor e renovação. Novas formações surgem e mostram que esse popular gênero musical permanece atraindo as atenções de um segmento significativo de pessoas. A nova prova é a banda The Mönic, quatro garotas que estão lançando pela gravadora Deck o seu primeiro álbum, Deus Picio. O quarteto mostra o repertório deste trabalho em São Paulo com show neste sábado (13) no Centro Cultural São Paulo (rua Vergueiro, nº 1.000- Paraíso- fone 0xx11-3397-4002), com ingressos a R$ 25,00 (inteira).

A banda formada por Alê Labelle (vocal e guitarra), Dani Buarque (vocal e guitarra), Joan Bedin (baixo) e Daniely Simões (bateria) apresenta um rock energético e ardido, com nítidas influências de punk, grunge e hard rock. Deus Picio traz faixas bem bacanas, entre as quais Just Mad (veja o clipe aqui) e Mexico. Uma estreia das mais promissoras do tipo rock na veia.

No show, que não por acaso será realizado no Dia Internacional do Rock, as garotas mostram as músicas do álbum de estreia (ouça em streaming aqui ) e também os singles Buda e High, lançados em 2018. A abertura do show fica por conta da também ótima banda Violet Soda (leia mais sobre aqui), que atualmente divulga o seu novo EP, intitulado Tangerine.

Mexico (clipe)- The Mönic:

Evento Slow Movie: cinema, música e muito mais no CCSP

Marina-de-la-Riva-Créditos-Roberta-Goldfarb-400x

Por Fabian Chacur

Que tal ir a um evento que mescla em sua programação boa música, um filme clássico americano, oficinas, exposição fotográfica e mais, tudo ao ar livre? E de graça! Trata-se do Slow Movie, que será realizado em São Paulo neste sábado (7), das 15 às 21h, nos Jardins Suspensos do Centro Cultural São Paulo-CCSP (rua Vergueiro, nº 1.000), com patrocínio da Ticket como parte das comemorações dos 10 anos da Semana Ticket Cultural.

O Slow Movie foi idealizado pela produtora cultural Tatiana Weberman em 2010, e tem à sua frente a agência Respire Cultura, em parceria de video com a produtora Blue Canário Films. O evento já teve como local o Parque Burle Marx, os jardins do Museu da Casa Brasileira, a Praça do Pôr do Sol e o Parque da Água Branca, entre outros, e tem como objetivo despertar o interesse dos moradores de centros urbanos para as artes e a sustentabilidade, em um cenário natural e em meio à natureza.

A parte musical desta edição do Slow Movie fica por conta do grupo de rock-blues The Dollar Bills e da cantora Marina de La Riva (FOTO), conhecida por sua bela mistura de música brasileira, cubana, latinidade em geral e jazz, entre outros elementos. O filme é o incrível Noivo Neurótico Noiva Nervosa (Annie Hall-1978), um dos melhores trabalhos da carreira do consagrado diretor americano Woody Allen.

Também teremos uma exposição de fotos de homens de rua e seus cães, oficinas de reciclagem, um mini market com venda de discos e outros produtos e várias opções de comidas diferenciadas. Só existe um único problema: se por ventura chover, toda essa programação será suspensa. Ou seja, vamos torcer para que São Pedro colabore (como tem sido a regra nas edições do Slow Movie) e tudo possa correr bem.

Programação:

16h – show da banda “The Dollar Bills”
17h30 – show de Marina de La Riva
15h às 19h – Oficina de Reciclagem com Infinito Circular
15h às 21h – Mini Market
15h às 21h – SlowBikes: Townpioca, Bike Café, Brownie Affair, Los Mendozitos, A Torteria, Magrella e Instabike
19h30h – Exibição do filme Noivo Neurótico, Noiva Nervosa
21h – Encerramento

Mariposa– Marina de la Riva:

Juramento– Marina de la Riva:

Betting– The Dollar Bills:

Blue Suede Shoes– The Dollar Bills:

Banda alemã Raggabund fará turnê pela América do Sul

raggabund banda alema-400x

Por Fabian Chacur

A banda alemã Raggabund iniciará no próximo dia 19(sábado) às 19h em São Paulo uma turnê pela América Latina que incluirá 13 shows. A tour tem apoio do Instituto Goethe e da Pasch!- Projeto Escolas, e dará ao público latino a oportunidade de conferir um dos trabalhos mais interessantes e contagiantes do pop feito atualmente na pátria do Kraftwerk.

Liderada pelos irmãos Paco Mendoza e Don Caramelo e contando com o apoio dos músicos do The Dutty Conquerors, a Raggabund existe há mais de 15 anos, e lançou até o momento três CDs: Esrte Welt (2006), Mehr Sound (2012) e o recente Buena Medicina (2015). O som deles é uma sacudida mistura de ska, reggae, dub, cumbia, salsa, hip hop, raggamuffin e música eletrônica.

As letras são em alemão, inglês e espanhol, e falam de temas como as cidades de Munique e Berlim e também sobre questões sociais e a intolerância em geral. No mais recente CD, eles contam com a participação especial da cantora portuguesa Maria Rui na faixa título. Entre outras canções, destacam-se em seu repertório Beautiful Day, Funktioneri Nicht e Refugee.

Os irmãos são filhos de mãe peruana e pai paraguaio de origem alemã, e chegaram a morar em sua infância no Brasil, Argentina, Nicarágua e Honduras. São radicados em Munique, e também possuem trabalhos paralelos ao Raggabund. Mendoza lançou o CD Conciente Y Positivo com o DJ Vadim do Hip Hop e teve a música La Frekuencia usada no filme The Counselor, de Riddley Scott e estrelado por Brad Pitt, Penelope Cruz e Cameron Diaz.

Por sua vez, Caramelo atua na banda Les Basbacools, que já fez inúmeros shows por aí, além de ter gravado com nomes badalados como Orishas, DJ Friction e Karamelo Santo.

Turnê Raggabund Brasil e América do Sul 2015:

19/09 – São Paulo
Centro Cultural São Paulo (CCSP)
Sala Adoniran Barbosa
Rua Vergueiro, 1.000 – Paraíso
19h
Entrada franca
Tel.: 11 3397 4002
* Este show faz parte da programação do Mês da Cultura Independente.

26/09 – Salvador
Museu de Arte Moderna (MAM)
Av. Contorno s/n – Solar do Unhão
18h
Ingressos: R$ 7,00 / meia R$ 3,50
Informações: http://www.jamnomam.com.br

27/09 – Brasília
Praça dos Três Poderes
20h
Entrada franca

02/10 – Santiago, Chile

05/10 – Córdoba, Argentina

10/10 – Buenos Aires, Argentina

12/10 – Montevidéu, Uruguai

16/10 – Porto Alegre
TBA

21/10 – Rio de Janeiro
Teatro Rival – Evento fechado e gratuito
Para mais informações, ligue: (21) 3804-8201

25/10 – Quito, Equador

29/10 – La Paz, Bolívia

31/10 – Bogotá, Colômbia

07/11 – Perú, Lima

Funktionieri nicht– Raggabund:

Beautiful Day– Raggabund:

Refugee– Raggabund:

Bixiga 70 mostra novo álbum em SP neste domingo (28/6)

Bixiga 70 2015- cred Leco de Souza-400x

Por Fabian Chacur

O Bixiga 70, uma das melhores e mais excitantes bandas brasileiras, acaba de lançar seu terceiro CD, novamente autointitulado. O timaço de músicos radicados no bairro do Bixiga em São Paulo irá mostrar o novo repertório em sua cidade natal em show neste domingo (28) às 18h no Centro Cultural São Paulo (rua Vergueiro, 1.000), com ingressos a R$ 20,00 e R$ 10,00 (foto: Leco de Souza/Divulgação).

Gravado em agosto de 2014 com apoio do Petrobrás Cultural, o álbum foi produzido por Victor Rice e masterizado pelo francês Grant Phabao, integrante do coletivo Paris DJs. Pela primeira vez em sua carreira, o grupo criou as composições e os arranjos das músicas totalmente durante as gravações, em democrático processo de criação coletiva.

São nove músicas, entre as quais Ventania, 7 Pancadas, Mil Vidas e Di Dancer, nas quais a mistura de várias tendências das músicas africana e brasileira, jazz, soul e muito mais se mostra afiadíssima e irresistível em termos rítmicos. O Bixiga 70 é integrado por Décio 7 (bateria), Marcelo Dworecki (baixo), Cris Scabello (guitarra), Mauricio Fleury (teclado e guitarra), Rômulo Nardes e Gustávo Cék (percussão), Cuca Ferreira (sax barítono), Daniel Nogueira (sax tenor), Douglas Antunes (trombone) e Daniel Gralha (trompete).

Bixiga 70 (2015)- CD completo em streaming:

Língua de Trapo diz 33 com a classe de sempre

Por Fabian Chacur

Tive a honra de presenciar ao vivo e a cores o início do Língua de Trapo, na gloriosa Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, em 1980. Com uma proposta impagável de misturar bom humor, crítica social escrachada e uma musicalidade versátil e consistente, o grupo chega aos 33 anos de idade esbanjando vitalidade, como ficou claro no show realizado por eles no Centro Cultural São Paulo na noite deste sábado (5).

Laert Sarrumor, cantor, compositor e líder da banda desde sempre, é um dos grandes intérpretes da música brasileira de qualquer tipo. Tem ótima voz (que continua tinindo e trincando), espetacular presença de palco e um bom humor que parece resistir a toda e qualquer tentativa desse nosso país surreal de cravar uma estaca em sua seminal banda.

A formação do grupo para esse show no sempre simpático Centro Cultural São Paulo trouxe mais um fundador do time, o cantor, músico e compositor Guga Domênico, outra figurinha carimbada daquelas jovens noites de dias de semana na Cásper, e se mostrou em plena forma ao lado do velho amigo e parceiro, assim como os outros ótimos músicos, com destaque para mais um veterano, Serginho Gama, guitarrista e violonista soberbo.

Fazer música bem humorada sem descambar para a baixaria ou para a falta de musicalidade é algo muito difícil, e saber dosar o escracho com as notas musicais corretas e energia sempre foi uma façanha que o Língua de Trapo nunca deixou de concretizar em seus seis CDs (dois gravados ao vivo) e inúmeros shows nesses anos todos. Irreverentes e politicamente incorretos, mas sem perder a classe jamais. E que classe!

Durante uma hora e meia, os Línguas nos ofereceram desde clássicos de seu impagável repertório como as fantásticas Hitler, Plano Diabólico, Homem da Minha Vida, Os Metaleiros Também Amam e Xingu Disco como inéditas bem bacanas como o rap Armano e Sogro da Sasha e versões hiárias para País Tropical (que virou País Amoral) e Pau de Arara (Cara de Pau de Arara, na nova roupagem).

Fica difícil acreditar que um grupo tão criativo, vibrante e com uma obra tão bacana e inteligente como o Língua tenha dificuldade de conseguir locais para tocar e mostrar toda a sua competência. Coisas de um Brasil do qual eu particularmente não me orgulho, no qual o clichê “para os amigos, tudo, para os inimigos, (in)justiça” parece ser a pedra de toque.

Seja como for, fica claro que Laert e sua turma são mais teimosos do que mulas. Só nos resta torcer para que o Língua de Trapo continue incomodando os poderosos e metidos a besta e agradando quem tem uns neurônios a mais na cachola e também gosta de dançar com música bacana e rir com um senso de humor simplesmente avassalador. Que venha o próximo show, o próximo CD, o próximo tudo!!!

Veja o Língua de Trapo ao vivo no Sesc Pompéia em maio de 2013:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑