Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: charles kelley

Lady Antebellum lança o single Pictures e prepara CD de inéditas

Lady Antebellum-400x

Por Fabian Chacur

Lady Antebellum na área! O excelente trio americano lançou em maio o ótimo single What If I Never Get Over You (veja o clipe aqui). Agora, é a vez de outra delícia auditiva, Pictures, que ganha o ouvinte sem muita dificuldade. As duas faixas são prévias de um álbum que o grupo está preparando para lançamento futuro, ainda sem data definida.

Com uma carreira mais do que consolidada nos EUA, o time formado por Hillary Scott, Charles Kelley e Dave Haywood surgiu em 2006, e embora seja parte da nova cena country americana, tem um trabalho muito mais próximo do soft rock dos anos 1970, com nítidas influências de Eagles, Fleetwood Mac e James Taylor, além de algo das mais recentes Dixie Chicks.

Nascido em Nashville, Tennessee, a capital mundial da country music, o Lady Antebellum emplacou três de seus sete álbuns de estúdio (entre eles um de músicas natalinas) no topo da parada americana, os altamente recomendáveis Need You Now (2010), Own The Night (2011) e Golden (2013). Seu CD mais recente, Heart Break, saiu em 2017.

Leia mais sobre o Lady Antebellum aqui .

Pictures– Lady Antebellum:

Lady Antebellum prioriza em novo CD a qualidade musical

lady antebellum 747-400x

Por Fabian Chacur

O cenário musical nos últimos 20 anos se baseia cada vez mais em truques e elementos visuais e comportamentais para inflar seus novos produtos. A imagem e a vida pessoal dos artistas é tão priorizada que às vezes dá a impressão de que a música ali não passa de um “detalhe”. Bom ver bandas que vão contra essa corrente, como a Lady Antebellum, cujo novo álbum 747 acaba de sair no Brasil em versão Deluxe com três faixas a mais. Aqui, musicalidade conta. E muito.

Com quase dez anos de carreira, Lady Antebellum é integrado por Hillary Scott (vocal), Charles Kelley (vocal, guitarra e violão) e Dave Haywood (vocais, guitarra, violão, piano e mandolim). Chegaram aos primeiros postos da parada americana logo com seu primeiro álbum, autointitulado (de 2008), que atingiu o quarto lugar nos EUA. O seguinte, Need You Now (2010), primeiro a sair no Brasil, foi ainda mais longe, atingindo o nº1 graças a hits como a faixa título e Run To You.

Com produtividade alta, eles lançaram a seguir Own The Night (2011-outro número 1), Golden (2013, ponta da tabela mais uma vez) e agora o novo 747, que chegou “apenas” ao segundo lugar nos charts da Billboard. Seus shows estão sempre lotados, incluindo o da atual turnê. Qual o segredo deles?

Em termos visuais, nada de muito complicado. São jovens, bonitos e bem vestidos. O que realmente os torna relevantes é a qualidade de sua música. São adeptos das vertentes mais roqueiras e pop da música country, influenciados por Fleetwood Mac, Garth Brooks, The Eagles, Dixie Chicks, Alabama e outras fontes bacanas, sem cair na cópia barata.

As vocalizações do trio são sempre certeiras, com as vozes masculinas de Kelley e Haywood se casando feito luva com as belas melodias seguradas pela ótima Hillary. Com arranjos sempre precisos e preciosos, suas canções simples e diretas são muito boas de se ouvir, e são responsáveis pelos mais de 10 milhões de álbuns já vendidos por eles.

747 é para se ouvir sem pular faixas. Inclui ótimos momentos como Long Stretch Of Love (com muita influência de Stevie Nicks e do Fleetwood Mac; aliás, a banda já gravou com essa lendária cantora a música Blue Water), a sacudida Bartender, a deliciosa balada Lie With Me e a mais ardida All Nighter. Nada que vá revolucionar ou mudar o mundo. Mas precisa? Creio que não…

Ouvir um álbum como 747 e um repertório (vale também citar Sounded Good At The Time) como esse atingindo os mais altos postos das paradas é prova de que o velho e bom poder das canções continua sendo capaz de alavancar carreiras, sem truques baixos ou fofocas de baixo calão. Enquanto isso ocorrer, ainda vale ter fé na música.

Long Stretch Of Love– Lady Antebellum:

Lie With Me– Lady Antebellum:

Lady Antebellum deve ser número 1 de novo

Por Fabian Chacur

Após se tornar uma das bandas de maior sucesso da nova geração do country-pop-rock em 2010, a Lady Antebellum promete um retorno rápido e rumo à consolidação da carreira.

Segundo o site da revista Billboard, a bíblia da indústria fonográfica mundial, Own The Night, terceiro álbum do trio americano, deve entrar na parada ianque na próxima semana direto no topo.

Se cumprir a previsão de vender entre 260 a 290 mil cópias, o álbum irá repetir a façanha do trabalho anterior, Need You Now, e atingir o número um nos EUA logo em sua semana de lançamento.

Own The Night foi antecedido por um single, a ótima power ballad Just a Kiss, que encontra-se nesta semana no sétimo lugar entre as mais vendidas e tocadas na terra de Barack Obama.

Graças a Need You Now, o grupo formado por Charles Kelley (vocal), Dave Haywood (vocal, guitarra e teclados) e Hillary Scott (vocal) não só vendeu milhões de álbuns como também faturou cinco troféus Grammy, o Oscar da música.

Se o novo álbum mantiver a qualidade do anterior, certamente fará com que os talentosos garotos ganhem ainda mais fãs com sua eficiente mistura de country, pop e rock.

Veja o clipe de Just a Kiss, com o Lady Antebellum:

Lady Antebellum, uma banda que merece atenção

Por Fabian Chacur

Nenhum disco vendeu mais nos Estados Unidos em 2010 do que o segundo trabalho do trio Lady Antebellum.  Mais de dois milhões de cópias já foram comercializadas por lá de Need you Now, segundo CD da moçada, que a Emi acaba de lançar no Brasil com o selo Capitol.

Até aí, nada demais. O rapper (tô de sacanagem…) Vanilla Ice, há 20 anos, vendeu milhões de cópias de seu álbum To The Extreme, que hoje não servem nem para frisbee, enquanto seus hits Ice Ice Baby e Play That Funky Music não tocam nem no Polo Sul.

Mas eu sou curioso. Após ouvir o álbum dessa nova banda americana várias vezes, posso garantir: trata-se de um lançamento dos mais decentes, e de um time cujos integrantes estão na faixa dos 20 e poucos anos, como diria Fábio Jr, mas já mostram muita competência.

Com apenas quatro anos de estrada, o grupo conta com os cantores Charles Kelley e Hillary Scott e o violonista Dave Haywood, que ao vivo e em estúdio contam com o apoio de músicos contratados.

Seu primeiro álbum, autointitulado e lançado em 2008, já havia ido bem das pernas, criando um clima positivo em torno deles, que se confirma com Need You Now. E quais são as armas deles para vender tanto?

De cara, contam com dois ótimos cantores. Kelley tem uma bela voz, com ecos da de Alan Jackson, enquanto Hillary lembra a doçura e o carisma de Faith Hill, sendo que nenhum dele fica na mera cópia. E Haywood se mostra competente nas levadas de violão. Eles compõem juntos boa parte do material que gravam.

O som do Lady Antebellum é uma mistura de country, pop, folk e rock, com equilíbrio entre canções mais sacudidas e roqueiras e baladas mais sentimentais que raramente chegam no limite do sentimentalismo excessivo. Algumas outras referências são The Eagles, Fleetwood Mac e Dixie Chicks.

Need You Now, a faixa título, ajudou a impulsionar as vendas do álbum, e tem um quê de Still The Same, de Bob Seger. Outras baladas bacanas são a suave Hello World, a folk American Honey e a belíssima When You Got a Good Thing Going.

Mas as minhas favoritas são os rockinhos festeiros. Entre outros, destaco a sensacional Our Kind Of Love, uma das minhas canções favoritas de 2010,  a sacudida Perfect Day, a vibrante Love This Pain e a deliciosa Stars Tonight.

A produção aposta em instrumentos orgânicos, sem dar muita bola para truques eletrônicos e dando ênfase às ótimas vocalizações, guitarras e teclados. Ou seja, música pela música, com o objetivo de ganhar o público pelas razões certas.

Uma delícia ouvir esses jovens cheios de vida, talento e boas intenções conseguindo concretizar sonhos de forma bacana e com sonoridade tão assimilável e bem feita. Need You Now é a prova de que dá, sim, para se fazer canções a la anos 70 com tempero de hoje e ganhar muito dinheiro. Basta ter talento.

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑