Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: cocaine

Morre o grande J.J. Cale, autor de Cocaine

Por Fabian Chacur

Pode parecer banal dizer isso, mas em um mesmo dia, nascem, comemoram aniversário e morrem milhões de pessoas. Neste mesmo dia 26 (sexta) em que certamente muitos bebês se juntaram a nós e Mick Jagger comemorou 70 anos, deu-nos adeus aos 74 anos J.J. Cale, um dos grandes nomes da história do rock. Ele foi vítima de um ataque cardíaco e estava internado no hospital Scripps, em La Jolla, Califórnia.

Sempre que o nome desde cantor, compositor e guitarrista nascido em Oklahoma City no dia 5 de dezembro de 1938 é citado, o nome das canções After Midnight e Cocaine são lembradas, hits escritos por ele e gravados com sucesso por Eric Clapton respectivamente em 1970 (no álbum Eric Clapton) e em 1977 (no álbum Slowhand, leia a crítica de seu relançamento aqui). Mas sua obra é muito mais caudalosa.

Após ter sido criado na cidade de Tulsa, ele se mudou em 1964 para Los Angeles junto com os amigos Leon Russell e Carl Radle. E foi graças ao último que conheceu Eric Clapton. O mago da guitarra gravou After Midnight logo em seu primeiro álbum solo autointitulado, de 1970, e abriu as portas do mercado musical para J.J. Cale, que em 1972 lançou seu álbum de estreia, Naturally. Era o início fonográfico de uma belíssima trajetória.

O single com a música Crazy Mamma acabou se tornando seu maior hit como artista solo, atingindo em 1972 a posição de número 22 na parada americana. Ele lançou álbuns bastante badalados, como Troubadour (1976) e Grasshopper (1982), no qual seu estilo, mescla de rock, blues, folk e jazz, o tornou um sucesso de público e entre seus colegas músicos.

Também gravaram músicas de J.J. Cale grupos e astros do alto gabarito de Carlos Santana, Lynyrd Skynyrd, Tom Petty, Randy Crawford, Poco e Kansas, entre outros. Em 2006, gravou um disco em dupla com Eric Clapton, o ótimo The Road To Escondido, que não só vendeu bem como lhe rendeu um Grammy na categoria melhor álbum de blues contemporâneo.

Conheci J.J. na década de 80 graças ao grande amigo Giovanni Dell’Isola Neto, que me emprestou um disco dele, o ótimo Grasshopper. Essa é mais uma que devo a essa figura impoluta e conhecedor refinado do nosso velho e amado rock and roll. Uma grande perda, que só não é maior graças ao grande legado deixado por Cale para todos nós.

Ouça Troubador, de J.J. Cale, na íntegra, em streaming:

Ouça The Road To Escondido, de J.J. Cale e Eric Clapton, em streaming:

Slowhand, de Eric Clapton, volta no capricho

Por Fabian Chacur

Como vender discos inéditos está se tornando uma tarefa cada vez mais difícil (embora não impossível, felizmente), a indústria fonográfica está há algum tempo apostando em reedições matadoras no formato físico de álbuns clássicos, aqueles que os fãs de bom gosto precisam ter em suas coleções.

Acaba de chegar às lojas brasileiras uma reedição que eu recomendo com entusiasmo. Trata-se da versão comemorativa de 35 anos de lançamento de Slowhand, um dos melhores e mais vendidos álbuns da carreira do genial cantor, compositor e guitarrista britânico Eric Clapton.

O álbum é oferecido em formato digipack que reproduz a embalagem capa dupla do original em vinil, acrescentando novas fotos, um fantástico encarte repleto de informações e fotos, quatro faixas-bônus e um CD adicional com gravações ao vivo.

Gravado em Londres em maio de 1977, Slowhand traz três dos maiores sucessos da carreira do ex-integrante do Cream: o rockão Cocaine (escrita por J.J.Cale), a doce balada Wonderful Tonight e o country swingado Lay Down Sally. Mas o álbum traz outros atrativos bem fortes.

O rockão The Core, por exemplo, que Clapton canta em dueto com a coautora da faixa, a excelente Marcy Levy (letrista de Lay Down Sally, por sinal). A deliciosa e delicada canção country Next Time You See Her, a releitura turbinada do blues Mean Old Frisco (de Arthur Big Boy Crudup, que também escreveu That’s Alright Mama, hit com Elvis Presley) e a ótima May You Never (de John Martyn) também cativam o ouvinte.

Influenciado pelo grupos The Band e Delaney, Bonnie & Friends (com quem gravou, por sinal) e pelo amigo George Harrison, Clapton mergulhou de cabeça no mundo das canções, usando sua incrível habilidade como guitarrista a favor delas, deixando preciosismos e egotrips bem longe. Isso, além de cantar de forma impecável e versátil. E pensar que ele se achava um mau cantor… Vai se autoavaliar de forma errada ali adiante!

A seu lado, uma excelente banda de apoio usada nos shows, que ele sabiamente resolveu levar para o estúdio também. Com a produção a cargo do experiente Glynn Johns (que trabalhou com The Who, Eagles e inúmeros outros), ele conseguiu gravar Slowhand em apenas seis semanas, contando o período de mixagem.

As quatro faixas bônus adicionadas às nove do trabalho original são excelentes, com destaque para Looking At The Rain (escrita por Gordon Lightfoot), e poderiam perfeitamente ter entrado no disco, na época. Um ótimo resgate.

O CD bônus inclui nove clássicos do repertório de Eric Clapton solo, do Cream e do Blind Faith, gravados ao vivo em show no Hammersmith Odeon de Londres no dia 27 de abril de 1977, ou seja, em torno de uma semana antes das gravações do álbum. O entrosamento dos músicos é impressionante, assim como a energia das performances.

Bem bacana ouvir Steady Rolling Man, do mestre do blues Robert Johnson, e descobrir ali o riff utilizado pouco depois nas gravações de Lay Down Sally, em um contexto completamente diferente. Ou Can’t Find My Way Home (de Steve Winwood e gravada pelo Blind Faith, supergrupo do qual Clapton fez parte), com belíssima interpretação vocal a cargo de Yvonne Elliman (que fez sucesso ao gravar If I Can’t Have You para a trilha do filme Os Embalos de Sábado à Noite, curiosamente lançada naquele mesmo 1977).

As longas versões de Tell The Truth, Stormy Monday e I Shot The Sheriff dão bons espaços para as improvisações dos músicos, que os aproveitam com sabedoria. Mais compactas, Further On Up The Road, Badge e Knocking On Heaven’s Door também são ótimas.

Se Slowhand já era um álbum indispensável para os fãs do melhor rock melódico, imaginem agora, nessa reedição primorosa. Vale cada centavo que você investir nela.

Ouça The Core:

Ouça Lay Down Sally:

Ouça Next Time You See Her:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑