Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: compacto simples

Chico Buarque tem o primeiro compacto de vinil relançado

chico buarque compacto simples vinil-400x

Por Fabian Chacur

Há relançamentos musicais em formato físico que tem como grande atrativo o seu conteúdo artístico. Outros, porém, tornam-se um fetiche para colecionadores, pois não trazem nada além de suas embalagens como atrativos. E esse último é o caso do novo produto colocado no mercado pela Polysom na série Clássicos em Vinil. Em parceria com a Som Livre, eles nos proporcionam uma reedição do 1º disco de Chico Buarque.

Lançado originalmente no formato compacto simples de vinil em 1965 pela hoje extinta gravadora RGE, o single traz as músicas Pedro Pedreiro no lado A e Sonho de Um Carnaval no lado B. Ambas seriam incluídas no LP de estreia do artista, autointitulado e disponibilizado para o público em geral naquele mesmo ano com grande repercussão.

Pedro Pedreiro tem forte conteúdo político, e infelizmente se mostra mais atual do que nunca, com seus versos incisivos “esperando, esperando, esperando o trem, esperando o aumento para o mês que vem, esperando um filho pra esperar também”.

Por sua vez, Sonho de Um Carnaval participou do festival de música da extinta TV Excelsior também em 1965, interpretada por Geraldo Vandré. Não ganhou, mas ao menos conquistou o coração do artista nordestino, que a gravaria posteriormente.

O bacana do compacto simples é a sua capa vintage, indicando a rotação (33 RPM), com tipologia estilosíssima e uma foto do artista novinho, ainda na altura de seus 20 anos de idade. Garanto que os fanáticos pelo grande astro da MPB adorariam ter esse item em sua coleção, nem que seja apenas para decorar sua parede ou estante.

Pedro Pedreiro– Chico Buarque:

Polysom relança o compacto de vinil do obscuro Vímana

CAPA vimana.indd

Por Fabian Chacur

O nome Vímana pode não ter registro para muitas pessoas que gostam e acompanham o cenário musical brasileiro. Os mais atentos, no entanto, já devem ter ouvido falar desse quinteto carioca, que existiu entre 1974 e 1978. O único registro fonográfico oficial dos rapazes, o compacto simples de vinil com as músicas Zebra e Masquerade, está sendo relançado neste mês pela Polydisc, em edição limitada. Um interessante resgate.

A banda é daquele tipo que se tornou muito mais conhecida depois de sua separação, em função da fama que seus ex-integrantes ganharam posteriormente. Ritchie (vocal e flauta), inglês radicado no Rio, era um deles, assim como os outros astros do pop-rock dos anos 1980 Lulu Santos (guitarra e vocal) e Lobão (bateria). De quebra, completavam o time Fernando Gama (baixo), que integrou de 1992 a 2005 o grupo Boca Livre, e o tecladista Luiz Paulo Simas.

Fortemente influenciado pelo rock progressivo, especialmente o feito pelo grupo Yes, o Vímana participou de festivais como o Hollywood Rock em 1975 e fez shows em locais como o MAM, no Rio, além de tocar com Fagner, Marília Pera, Walter Franco e Sérgio Dias, dos Mutantes. O compacto simples foi lançado originalmente pela gravadora global Som Livre em 1977. Zebra, em português, é uma mistura de rock, disco music e percussão brasileira, enquanto Masquerade (em inglês) tem o típico tempero do progressivo setentista, embora bem mais curta.

Após sair, curiosamente, do Yes, o tecladista suíço Patrick Moraz veio ao Brasil e quis transformar o Vímana em sua banda de apoio. Uma briga com ele tirou Lulu Santos do grupo, que em seguida encerrou suas atividades. A Som Livre preferiu não lançar o LP que gravou com eles, e hoje só são encontrados raros piratas de outras de suas músicas. Mas vamos ser sinceros: o trabalho posterior de seus músicos é bem melhor.

Zebra– Vímana:

Masquerade– Vímana:

On The Rocks (pirata)- Vímana:

Kid Vinil Xperience lança compacto de vinil

Por Fabian Chacur

Os moleques dos anos 60, 70 e 80 fãs de música certamente se lembram dos compactos simples de vinil. Com 7 polegadas e capas ou simples ou com direito a foto, esses disquinhos traziam duas músicas, uma no lado A e outra no lado B. Custavam algo em torno de um terço do preço de um LP de 12 polegadas, e eram a porta de entrada do meio fonográfico para a maior parte dos durangos, eu naturalmente incluso.

Pois o Kid Vinil Xperience, banda pós-Magazine do lendário cantor, radialista, jornalista e apresentador televisivo Kid Vinil nos traz de volta esse agradável gostinho do eterno compacto simples em seu novo lançamento. Com direito a um desenho dos integrantes feito com categoria por Paulo Hardt na capa, o single nos traz duas novas faixas, ambas com um forte sabor sessentista.

As duas músicas são parcerias do guitarrista e produtor do KVX, o guitar hero Carlos Nishimyia, com o jornalista Rubens Leme. Carlão se incumbe de guitarra, violão e vozes de apoio, cabendo a Marcello Morettoni (baixo) e Fábio McCoy (bateria) o complemento sonoro do time. Kid Vinil, com sua voz forte e de pleno acento rock and roll, fica à frente da história, com muito pique e energia.

As músicas são bem distintas entre si. Beatriz, o lado A, é um rock melódico com cara de 1964/1965 na qual Nishimyia destila com a categoria habitual influências de Byrds, Beatles e outras bandas bacanas daquela época, com uma letra de jeitão nostálgico que nos leva imediatamente aos melhores momentos da Jovem Guarda de Renato & Seus Blue Caps, Os Vips e outros desse mesmo alto calibre.

Música Panfletária envereda por uma pegada bem garage rock, com direito a guitarras ardidas e nervosas, um vocal bem agressivo e um refrão detonante, com direito a um “mentira, mentira, mentira, mentira” que boa parte dos brasileiros adoraria gritar a plenos pulmões para os nossos gloriosos políticos de plantão, que ano após ano nada fazem para nos ajudar a sair do atoleiro. Uma letra direta e sem rodeios, tocando no nervo da questão.

O single em vinil Beatriz/Música Panfletária, com tiragem de 400 exemplares, vem se juntar aos outros belos itens da discografia do KVX, que são o CD Time Was (2010), que inclui belas releituras de clássicos obscuros do rock internacional e brasileiro, e o DVD Vinil Ao Vivo (2012), gravado ao vivo e incluindo clássicos do Magazine e a releitura certeira de Surfista Calhorda, hit nos anos 80 com os gaúchos Replicantes.

Saiba como adquirir esses trabalhos no site www.kidvinil.com.br .

Ouça Magic Potion, com o Kid Vinil Xperience:

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑