Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: diario popular

Zeca Pagodinho e a entrevista que rendeu admiração eterna

zeca pagodinho-400x

Por Fabian Chacur

Essa história rolou em 1988. Vivia os meus primeiros tempos no hoje extinto jornal Diario Popular (SP), e fui designado pelo meu editor Oswaldo Faustino para entrevistar Zeca Pagodinho, então estreando na gravadora BMG com o LP Jeito Moleque, após dois discos de muito sucesso pela RGE. A assessora de imprensa, Miriam Martinez, avisou-me antes do meu bate-papo com o sambista carioca começar: “tome cuidado que ele está bravo, andaram fazendo perguntas de que ele não gostou…” Ou seja, entrei em cena com o placar desfavorável, e não por minha culpa. Mas cabia a mim virar o jogo.

A ideia do meu editor era que eu fizesse uma entrevista solta, coloquial, na qual o leitor pudesse ter uma ideia de como era aquele artista apadrinhado por Beth Carvalho que veio do subúrbio carioca e se tornou um fenômeno de vendas. Embora ainda inexperiente, eu percebi que precisava ser cauteloso ao menos no início do papo, e foi assim que comecei a conversa. Na minha, respeitoso, prestando atenção no que ele me falava. E, para minha felicidade, a troca de ideias se mostrou ótima e bem fluente.

Aos poucos, Zeca demostrou confiar em mim, e os assuntos se ampliaram, indo da música até mesmo ao jogo do bicho. As declarações eram sempre deliciosas, do tipo “sei falar com bacana e sei falar com malandro”, ou “o jogo do bicho é uma das coisas mais confiáveis desse país, pois você ganha hoje e os caras te pagam na hora, sem conversa mole”. Quando essa nossa primeira conversa profissional se encerrou, recebi um elogio que guardo para a vida: “gostei de você, você é malandro”. Imagina ouvir uma dessas vindo de um cara que é malandragem pura, obviamente do lado positivo desse termo.

A entrevista fez sucesso, e a partir dali tive várias oportunidades de conversar com esse cara, que tornou-se ainda mais simpático, franco e sem frescuras. Sua generosidade se mostra em respostas aparentemente banais, como quando lhe perguntei o porque de, com o passar dos anos, ele gravar cada vez menos músicas de sua autoria, ele que ficou conhecido inicialmente como autor de sambas, e só posteriormente como intérprete: “Cara, tem muita gente boa compondo, e gente que precisa mais do que eu dos direitos autorais”.

Em uma entrevista coletiva realizada em 1999, a pergunta que ele levou mais a sério veio de mim, sobre a fusão entre a Brahma e a Antarctica que gerou a AmBev. Ele sempre se declarou um entusiasta da Brahma. “Olha, quando surgiu essa notícia, eu fiquei preocupado e até liguei para saber se eles iriam manter a Brahma do mesmo jeito, e eles me garantiram que sim”, respondeu, para delírio dos repórteres presentes. Com o tempo, ele acabou fazendo propaganda dessa marca, não sem uma polêmica no meio que não cabe ser analisada aqui.

Grande compositor, sambista de estilo inconfundível e craque em escolher músicas alheias para gravar, Zeca sempre foi um seguidor da tradição do samba, como me confessou logo naquela primeira entrevista: “desde moleque eu sempre ficava colado na Velha Guarda. Eu ia buscar as cervejas, abria para eles e ficava ouvindo ele cantarem e tocarem, aprendendo”. E como aprendeu, heim?

Nesta segunda (4), Jessé Gomes da Silva Filho, o nosso querido Zeca Pagodinho, completa 60 anos de idade. Um cara que mesmo em situação financeira excelente nunca abandonou suas origens, sendo famoso pela generosidade. Xerém, que adotou como ponto de encontro com amigos de todas as idades e faixas sociais, deve estar em festa. Que essa data se repita por muitos e muitos anos, e que eu possa entrevistar novamente no futuro esse representante do Brasil que importa, o Brasil do swing, do jogo de cintura, do talento, da simpatia e da integração entre as pessoas.

Camarão que Dorme a Onda Leva (ao vivo)- Zeca Pagodinho e amigos:

Avançando rumo ao passado: show da Legião Urbana- 1994

legiao-urbana-1994-live-400x

Por Fabian Chacur

Tive as minhas primeiras matérias publicadas no já jurássico 1985. Desde então, milhares de textos com a minha assinatura marcaram presença em publicações as mais diversas- jornais, revistas, fanzines e internet (sites, blogs etc). Como boa parte desse material acaba se perdendo quando as publicações fecham, fica difícil encontrar uma boa parte desses trabalhos. Alguns, convenhamos, é até melhor mesmo que não sejam encontrados…

Mas é lógico que valeria a pena resgatar uma parte deles, até por uma razão de registro de momentos importantes da música no Brasil e no mundo sob a ótica de alguém que acompanha esse cenário com interesse desde criança, e profissionalmente desde a fase de “jovem adulto”. Então, a partir de agora, Mondo Pop trará a vocês, sem periodicidade regular, o resgate de alguns desses textos afogados na poeira do passado. E já começaremos com polêmica.

Sou um raro caso de jornalista da minha geração que nunca morreu de amores por Renato Russo e a sua Legião Urbana. Hoje, essa ojeriza pela banda de Brasília até se aplacou um pouco, mas na época eu realmente detestava a banda. E isso obviamente se refletiu nos textos que escrevi sobre eles, especialmente os de teor opinativo, tipo resenhas de shows ou de discos. Esta aqui eu fiz para o extinto Diário Popular no dia 17 de junho de 1994.

O show ocorreu no Ginásio do Ibirapuera em 16 de junho daquele ano. Como forma de dar a vocês, neste caso específico, a chance de ler uma visão diferente da minha, ofereço o link postado no site oficial da banda com texto referente ao evento, aqui.

O meu você poderá ler abaixo, transcrito sem alterações ao que saiu naqueles anos já distantes:

“A pregação do Pastor Russo levou 6.500 pessoas ao Ginásio do Ibirapuera na noite de quinta feira (16/6/1994). O pastor, também conhecido pelo nome de Renato Russo e por ser vocalista da banda Legião Urbana, abusou do direito de pregar suas ideias confusas. “Não aguento ligar a televisão e ouvir ‘morreram 14 em Manaus!’, o país está numa situação horrível”, ou então “Acho que vai dar tudo certo, nós crescemos, deixem esses babacas para lá”. Um horror! Ah, também teve uma tentativa de show de rock, com resultados não muito favoráveis.

A Legião Urbana é Renato Russo, como todos sabem. Seus colegas de banda facilitam a tarefa. O guitarrista Dado Villa-Lobos esbanja indigência no instrumento, enquanto o baterista Marcelo Bonfá equivale a um burocrata da percussão, tal a sua falta de swing. Sobram o baixista Jean e o tecladista-violonista Fred Nascimento, que tentam segurar a onda, sem grandes resultados. Ou seja, eles não fazem nada para tirar do pastor o cetro de dono da festa.

Usando bata branca e calça preta, Renato Russo começou o show com sua turma às 21h35. Após algumas músicas de O Descobrimento do Brasil, como Perfeição e A Ponte, e também Que País é Esse e Eduardo e Mônica, o cantor soltou as suas primeiras abobrinhas da noite. “Estou puto, esse idiota da luz fez tudo errado. Não tem nada a ver com vocês, que são maravilhosos. Passei mal em Friburgo, fiquei todo empelotado!”, discursou, para delírio dos fieis, digo, fãs. “Não foi por causa de drogas, não porque não uso mais, nem bebo, mas tudo isso passou”. E mandou ver Os Barcos, do novo disco.

Ao reviver sucessos antigos como O Petróleo do Futuro, O Teatro dos Vampiros, Quase Sem Querer e Há Tempos, sem falação no meio, o cantor e sua turma até que não encheram muito a paciência. Mas no inevitável bis, eis que o pastor número um do rock tupiniquim voltou a pregar. “A gente quer ter esperanças no futuro, mas o Brasil passa pela pior crise de sua história, está horrível, ainda bem que vocês estão aqui”, comentou. Em seguida, a banda surpreendeu quem acredita nas entrevistas contraditórias que Russo dá e tocou Pais e Filhos, que ele prometera nunca mais cantar em shows.

Ao final dessa música, certamente a mais aplaudida pelo público, que não arrumou encrencas nem gerou nenhuma ocorrência médica ou policial que merecessem destaque, nosso pastor roqueiro se contradisse de novo. “Olha, acho que vai dar tudo certo, nós crescemos, deixem esses babacas para lá”, e puxou Será, um de seus maiores sucessos. No final, a banda distribuiu margaridas, que por sinal aparecem na capa de O Descobrimento do Brasil, ao público. Não por coincidência, com Ave Maria, de Gounot, tocando ao fundo. Eram 23h20.”

Será (ao vivo)- Legião Urbana:

Um jornal paulistano ignorou os shows dos Stones em 1995

rolling stones 1995-400x

Por Fabian Chacur

Nesta quarta-feira (24) e no próximo sábado (27), os Rolling Stones voltam a São Paulo. Infelizmente, não estarei lá para conferir, mas não posso reclamar, pois vi os três shows que a banda de Mick Jagger e Keith Richards realizou por aqui em 1995. E tenho boas lembranças deles. Mas uma delas é no mínimo bizarra: vocês acreditam que um grande jornal paulistano não publicou uma única linha sobre essas performances? E por razões bizarras…

Ficou curioso? Pois vamos lá revelar esse momento triste do jornalismo paulistano. Em 1995, eu era repórter e crítico musical do Diário Popular, na época o jornal que mais vendia em bancas em São Paulo. Quando a vinda dos Rolling Stones para tocar por aqui pela primeira vez foi anunciada, fiquei muito ansioso, pois teria a chance de enfim vê-los ao vivo e escrever sobre isso em uma publicação grandona.

Só que as coisas não correram como eu imaginava. O departamento comercial da publicação, incomodada pelo fato de a produtora do evento não anunciar em suas páginas, resolveu pura e simplesmente vetar a cobertura dos shows. Ao invés de propor uma bela cobertura, para depois conseguir anúncios de outros eventos daquela empresa, os caras simplesmente resolveram tapar o sol com papel celofane. E a direção de redação concordou com tal idiotice.

Enquanto a imprensa como um todo oferecia uma cobertura generosa para seus leitores, o Diário Popular fingiu que não havia pedras britânicas do mais alto quilate rolando em nossas terras. Fui credenciado para ir aos shows, mas a minha orientação era só escrever matérias se ocorresse algo muito errado, tipo morrer alguém, os shows não acontecerem ou algo assim. Como tudo correu relativamente bem, nada saiu. Um total desrespeito aos leitores.

Se infelizmente não pude registrar o que vi nas páginas do Diário, ao menos tive a chance de ver um dos melhores grupos de rock de todos os tempos em excelente forma. Divulgando na época o ótimo álbum Voodoo Lounge (1994), eles tocaram algumas músicas daquele CD, como a espetacular You Got Me Rocking, e um caminhão de hits, como (I Can’t Get No) Satisfaction, Gimme Shelter, Sympathy For The Devil etc.

Dois momentos particularmente me marcaram. Ouvir Happy no segundo show foi um deles. O rockão interpretado por Keith Richards foi o primeiro compacto dos Rolling Stones a entrar na minha coleção, um belo presente que pedi e ganhei do meu padrinho Eduardo. O outro foi ver Mick Jagger comandando a coreografia da multidão de fãs durante Brown Sugar, na parte final, do yeah yeah yeah uh que marca essa canção.

A chuva durante os dois primeiros shows, realizados nos dias 27 e 28 de janeiro de 1995, foi responsável por eu ter preferido conferir as performances no espaço dedicado à imprensa, no local do Pacaembu destinado às emissoras de rádio e TV para transmissão de jogos de futebol. Como uso óculos, não conseguiria ver nada se estivesse no meio do povão, com aquela chuva toda. O último show, no dia 30, foi a seco.

A abertura dos shows ficou a cargo de Barão Vermelho, Rita Lee e da injustamente subestimada banda americana Spin Doctors. Com seu rock swingado e energético, os caras lançaram em 1991 Pocket Full Of Kryptonite, na minha opinião um dos dez melhores discos de rock dos anos 1990. Fizeram boas apresentações, e tive a oportunidade de conversar com eles. O único ponto a se lamentar foi o fato de o guitarrista original da banda, Erik Schenkman, ter saído fora, substituído naqueles shows pelo competente Anthony Crizam. Ele voltaria ao grupo nos anos 2000, mas isso é outra história.

You Got Me Rocking– The Rolling Stones:

Happy– The Rolling Stones:

Brown Sugar– The Rolling Stones:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑