Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: elvis presley

Mac Davis, 78 anos, um craque que acreditava muito na música

mac davis

Por Fabian Chacur

Um dos primeiros compactos simples de vinil que comprei na vida foi I Believe In Music, do grupo americano Gallery, música que me encanta até hoje. Essa foi a minha porta de entrada para o trabalho de Mac Davis, autor dessa e de inúmeras outras canções maravilhosas, dos anos 1960 até há pouco. Ele nos deixou nesta terça-feira (29) aos 78 anos, e nos deixou um legado de alguém que acreditava na música e sabia fazê-la com talento, sensibilidade e senso pop.

Nascido em 21 de janeiro de 1942 na cidade de Lubbock, Texas, a mesma do lendário Buddy Holly, Mac curiosamente deu o pontapé inicial em sua carreira musical quando saiu de lá para morar em Atlanta. Ele gravou dois singles com o grupo The Zots e trabalhou como manager regional da Liberty Records.

As coisas começaram a tomar rumo para ele ao ser contratado pela Boots Enterprises Inc, da cantora Nancy Sinatra. Além de participar dos discos da filha do velho e genial Frank, Mac também começou a mostrar as suas composições para outros intérpretes, e não poderia ter se dado melhor.

Afinal de contas, Mac conseguiu atrair a atenção de ninguém menos do que Elvis Presley. Entre outras canções de autoria do nosso herói, o Rei do Rock imortalizou maravilhas como In The Ghetto (ouça aqui), A Little Less Conversation (que ganharia ainda mais sucesso em um remix, no início deste século, ouça aqui), Memories, Don’t Cry Daddy e Clean Up Your Own Backyard .

Um dos primeiros hits de Kenny Rogers, quando ele integrava o grupo The First Edition, a incrível Something’s Burning (ouça aqui), também leva a assinatura de Mac Davis. Isso abriu as portas para sua própria carreira como intérprete, que teve início em 1970 com o álbum Song Painter (1970).

Em 1971, sai seu segundo disco solo, I Believe In Music. A faixa-título atraiu as atenções de diversos outros intérpretes. Além do Gallery, que chegou ao Top 30 com a sua releitura, a definitiva na minha opinião, temos outras boas gravações desta música com B.J. Thomas, Louis Jordan, Perry Como e Helen Reddy.

A fama como compositor abriu-lhe as portas para também ser bem-sucedido como intérprete, e isso ocorreu com força total graças à canção Baby Don’t Get Hooked On Me (ouça aqui), que em 1972 atingiu o topo da parada americana. Outros hits em sua voz foram One Hell Of as Woman e Stop And Smell The Roses.

Com o tempo, Mac Davis passou a fazer muito mais sucesso na cena country, na qual emplacou diversos outros álbuns e canções de sucesso. A ponto de, em 2000, ter sido nomeado para o Nashville Songwriters Hall Of Fame. De quebra, ainda ganhou uma estrela na cultuada Calçada da Fama, em Hollywood.

Essa segunda condecoração veio pelo fato de, a partir da metade dos anos 1970, Mac ter iniciado uma carreira como ator. Em 1979, por exemplo, a performance dele ao lado de Nick Nolte no filme North Dallas Forty (1979) lhe valeu muito elogios, e a participações constantes em filmes e séries de TV.De 1974 a 1976, por sinal, ele apresentou seu próprio programa de TV, o The Mac Davis Show.

Nada melhor para um artista veterano do que ser reverenciado pelas novas gerações, e isso ocorreu com Mac Davis na sua última década de vida. Ele compôs com Rivers Cuomo a música Time Flies, incluída no álbum Hurley (2010), do grupo de rock alternativo Weezer, e Addicted To You e Black & Blue, com o saudoso Avicci, além de Young Girls, com o astro pop Bruno Mars. Ele acreditou na música, e a música retribuiu-lhe com generosidade!

I Believe In Music– Gallery:

Elvis Presley tem um inédito CD gospel lançado nos EUA

elvis presley capa cd 2018-400x

Por Fabian Chacur

Como forma de marcar os 41 anos sem Elvis Presley, a gravadora Sony Music, através de seu selo RCA Legacy, lançou nos EUA um álbum inédito do eterno Rei do Rock. Intitulado Where No One Stands Alone, este trabalho foi disponibilizado nos formatos CD, vinil e digital. Existem também duas edições com tiragem limitada, uma em vinil azul e outra em fita cassete. Ainda não temos informações de se esse trabalho sairá no Brasil.

O álbum traz 14 músicas com os vocais gravados originalmente por Elvis com um novo acompanhamento instrumental. Nos vocais de apoio, foram escalados intérpretes que trabalharam com o lendário cantor, entre os quais as incríveis Cissy Houston e Darlene Love, além de integrantes dos ótimos grupos vocais The Stamps (Donnie Sumner, Bill Baize, Ed Hill and Larry Strickland) e Imperials (Terry Blackwood, Armond Morales and Jim Murray).

O momento mais emocionante fica por conta do dueto virtual do lendário e saudoso astro americano com sua filha, Lisa Marie, na canção que dá nome ao álbum. O resultado ficou muito bom, com a agora cinquentona intérprete encarando de forma competente o desafio de realizar essa gravação. Ela produziu o álbum em parceria com Joel Weinshanker e Andy Childs. O clipe mescla cenas de Lisa ainda criança com o pai e ela em estúdio gravando seus vocais.

O repertório se divide entre baladas e canções mais próximas do ritmo roqueiro. Entre elas, temos clássicos do porte de Crying In The Chapel, Amazing Grace, How Great Thou Art, Saved e You’ll Never Walk Alone. Elvis sempre confessou ser um grande fã de música gospel, e gravou vários discos nessa área, além de habitualmente fazer aquecimentos vocais antes de seus shows interpretando canções do gênero.

Elvis Presley – Where No One Stands Alone Track List

1.I’ve Got Confidence
2.Where No One Stands Alone (with Lisa Marie Presley)
3.Saved
4.Crying In The Chapel
5.So High
6.Stand By Me
7.Bosom Of Abraham
8.How Great Thou Art
9.I, John
10.You’ll Never Walk Alone
11.He Touched Me
12.In The Garden
13.He Is My Everything
14.Amazing Grace

Where No One Stands Alone– Elvis e Lisa Marie Presley:

Cantor Ben Portsmouth faz o tributo The King is Back no RJ

ben-portsmouth-elvis-2016-foto-alex-werkmeister-6-2-400x

Por Fabian Chacur

Existem centenas, para não dizer milhares de artistas mundo afora fazendo tributos ao grande e saudoso Elvis Presley. Poucos, no entanto, conseguem sequer se aproximar do brilho do eterno Rei do Rock. O cantor e músico britânico Ben Portsmouth é um dos que concretizam essa façanha. Ele se apresenta nesta terça-feira (11) às 21h no Rio de Janeiro com o show The King Is Back, que terá como palco o Teatro Bradesco Rio (avenida das Américas, nº 3.900- loja 160 do Shopping Village Mall- Barra da Tijuca- fone 0xx21-3431-0100), com ingressos de R$ 95,00 a R$ 290,00.

Em sua quinta turnê pelo Brasil, Portsmouth canta, toca violão e será acompanhado pela afiada banda de apoio Taking Care Elvis TCE Band, integrada pelos músicos David Portsmouth (bateria), Matthew Platt (teclados), Ryan Quartermaine (guitarra e vocais), Dan Caney (baixo e vocais), Cleo Stewart e Natalie Vale (vocais), Nicholas Mills (trombone) e Anatoliy Vyacheslavov (saxofone).

O repertório traz hits clássicos de Elvis, entre os quais Kiss Me Quick, Suspicious Minds, Love Me Tender e Jailhouse Rock. O cantor se vale de vários trajes, representando cada fase da carreira do grande astro americano, e possui um timbre vocal muito semelhante ao do original, que ele utiliza com classe. Vale dizer que em 2012 ele venceu o Worldwide Ultimate Elvis Tribute Artist Contest, competição realizada em Memphis, Tennessee, EUA, e já participou de importantes programas de TV e rádio mundo afora.

Ben Portsmouth e banda no programa de David Letterman-2013:

Morre Scotty Moore, o eterno guitarrista de Elvis Presley

scotty moore e elvis presley-400x

Por Fabian Chacur

Um dos segredos do sucesso de Elvis Presley foi ter a seu lado durante a sua primeira década como cantor profissional um certo guitarrista chamado Scotty Moore. Com seus licks inconfundíveis de guitarra, extraídos de uma Gibson Super 400, esse músico americano ajudou a criar os parâmetros do que hoje chamamos rockabilly. Pois nesta terça-feira (28) esta verdadeira lenda da música nos deixou, aos 84 anos de idade. Que perda!

Segundo matéria publicada pelo site americano da revista Billboard, a morte de Moore foi divulgada por seu biógrafo e amigo, James L. Dickerson, que por sua vez confirmou a informação através de um membro da família do músico. Ele atualmente morava em Nashville, a capital mundial da música country. Nos últimos tempos, atuava como manager de estúdio, engenheiro de som e homem de negócios, sempre tido como um cara simples, correto e sociável.

Nascido em Gadsten, Tennessee, em 27 de dezembro de 1931, Scotty Moore ouviu desde garoto muito country e jazz, e foi influenciado por músicos como Les Paul e Chet Atkins. Integrava a banda The Starlite Wranglers quando foi convidado pelo produtor Sam Phillips, dono do selo independente Sun Records, para tocar com um cantor novato com o qual a gravadora pretendia trabalhar. Bill Black, o baixista daquele grupo, também entrou na parada.

Juntos, Moore na guitarra, Black no baixo e o tal novato, ninguém menos do que Elvis Presley, no vocal e violão, fizeram várias jam sessions, e nada saía muito animador. Até que, em um intervalo, o futuro Rei do Rock improvisou em cima de um blues, That’s Alright, e aí o trio parece que pegou no breu. Nascia, em julho de 1954, o embrião do que seria uma das parcerias mais influentes da história do rock.

Juntos, Elvis, Scotty e Black passaram a fazer muitos shows, e adquiriram um entrosamento que se refletiu nas gravações. Maravilhas como That’s Alright, Blue Moon Of Kentucky, Mystery Train e Baby Let’s Play House invadiram as paradas de sucesso e atraíram a atenção da gravadora RCA, que fez uma proposta milionária e tirou Presley da Sun Records. Inteligentemente, Elvis levou Moore e Black junto com ele.

O estouro, até então regional, virou regional e mundial logo a partir do primeiro single na nova companhia, o incrível Heartbreak Hotel, em 1956. Nessa época, já havia sido acrescentado ao grupo o baterista DJ Fontana, que ajudou a encorpar ainda mais aquela sonoridade repleta de rock, blues e country, cuja mistura passou a ser chamada rockabilly.

A parceria com Elvis Presley se encerrou em 1964, quando Scotty Moore lançou seu primeiro álbum solo, The Guitar That Changed The World, fato que irritou o empresário do cantor, o peculiar Coronel Tom Parker. Ele ainda voltaria a tocar com o famoso patrão em 1968, no famoso especial de TV The Comeback Special que marcou o retorno do astro ao mundo dos shows após anos dedicados aos filmes. A partir daí, a vida de Moore ficou mais reservada, mas sempre com muito trabalho.

Entre os momentos marcantes desses anos pós-Elvis da carreira de Scotty estão a gravação de That’s All Right que ele fez com Paul McCartney, com participação do antigo colega DJ Fontana na bateria. Ele também integrou o elenco do CD All The King’s Men (1997), ao lado de Keith Richards e Levon Helm. Entre seus fãs ilustres, podem ser citados o próprio Richards, Eric Clapton, Jimmy Page, Paul McCartney, Mark Knopfler, Brian Setzer e inúmeros outros.

That’s All Right– Scotty Moore, Eric Clapton, Mark Knopler etc:

Dj Fontana, The Jordanaires e Scotty Moore ao vivo na TV:

Heartbreak Hotel(ao vivo)- Elvis Presley e Scotty Moore:

Elvis Presley In Concert na Via Funchal

Por Fabian Chacur

Em seus breves 42 anos de vida, Elvis Presley fez apenas cinco shows fora dos EUA, todos em 1957 e em apenas três cidades do Canadá. O mundo aprendeu a amá-lo através de discos, rádio, TV e cinema. Só os sortudos conterrâneos viram seus shows.

Como forma de minorar um pouco essa lacuna, foi criado em 1997 o Elvis Presley In Concert, show no qual músicos que tocaram com o Rei do Rock acompanham gravações em áudio e vídeo do cantor em ação, nos anos 70.

Esse projeto não só se aperfeiçoou, no decorrer dos últimos 15 anos, como também visitou os palcos de EUA, Europa, Austrália e Japão. Em outubro, será a vez do Brasil conhecer esse conceito inovador (e meio bizarro, é importante dizer) de espetáculo ao vivo.

As imagens são apresentadas no fundo do palco com um telão de última geração, extraídas (assim como o áudio) dos filmes Elvis That’s The Way It Is (1970), Elvis On Tour (1972) e Elvis Aloha From Hawaii (1973), belos registros do cantor on stage.

O ponto alto, na minha opinião, fica por conta da banda que acompanha de forma sincronizada os áudios e vídeos de Mr. Presley. São em sua maioria músicos de altíssimo gabarito que tocaram com ele, entre os quais os lendários James Burton (guitarra), Ron Tutt (bateria), Glen Hardin (piano) e Norbert Putnam (baixo), entre outros.

Além de um show que já estava agendado para o Ginásio do Ibirapuera no dia 8 de outubro, acaba de ser confirmado um segundo para o dia 13 de outubro, desta vez na Via Funchal, com ingressos entre R$ 500 e R$ 1.200 (fone 0xx11 3846-2300 e www.viafunchal.com.br). É o mais perto que conseguiremos do sonho impossível que seria ver Elvis The Pelvis ao vivo…

Are You Lonesome Tonight?, do show Elvis Presley In Concert, Zurich 2012:

Cinco momentos decisivos do rock – anos 50

Por Fabian Chacur

O rock and roll é um ritmo mestiço por natureza, pois surgiu da mistura de diversos outros estilos musicais, como o rhythm and blues, o hillbilly, o blues, o jazz, o country, a música latina e muito, mas muito mais mesmo.

Pode-se dizer que essa estilo musical sempre associado aos jovens vinha nascendo desde a década de 40, pelo menos. Mas foi durante os anos 50 que ele, assim como o termo rock and roll, se tornaram conhecidos em todo o mundo.

Conheça cinco momentos fundamentais para a solidificação desse gênero que todos amamos, durante os anos 50.

Rock Around The Clock, com Bill Haley & The Comets, atinge o primeiro lugar na parada americana, em 9/7/1955:

O single do já então veterano cantor e guitarrista Bill Haley relê à sua moda uma canção já gravada anteriormente, sem sucesso, e se torna o primeiro rock a pontear a parada de sucessos mais importante do mundo. Melhor: não só é considerada como o momento inicial da chamada Rock Era, como também abriu as portas para que, posteriormente, outros roqueiros também invadissem a praia pop.

 

Elvis Presley assina em 22/11/1955  com a gravadora RCA, que com sua força torna o cantor um fenômeno mundial:

Graças aos discos que gravou pela pequena Sun Records, Elvis Presley já era um fenômeno em termos artísticos. Só faltava ser reconhecido pelo grande público. Animada com o estouro de Bill Haley, a conservadora RCA resolveu se arriscar com o iniciante rock and roll e contratou o jovem cantor. Acertou em cheio desde o primeiro lançamento com ele, Heartbreak Hotel, que chegou ao número 1 nos EUA em 21/4/1956. O rock ganhava o seu rei.

 

A rock ballad My Prayer, com o grupo vocal The Platters, chegava no dia 4/8/1956 ao 1º lugar na parada americana:

Com esta balada belíssima, os Platters foram o primeiro grupo negro a conseguir pontear a parada americana. Mais: mostrou que a vertente romântica do rock and roll também tinha não só muito potencial comercial, como também era extremamente importante em termos artísticos e criativos. O doo-wop abria as portas para a Motown, Stax, Ray Charles e muitos mais outros astros da black music.

 

That’l Be The Day , com Buddy Holly And The Crickets, chegou ao 1º lugar nos EUA em 23/9/1957 :

Buddy Holly foi o primeiro músico jovem a atingir o primeiro lugar na parada americana, ao lado da banda que liderava, os Crickets. Os jovens começavam a colocar as suas manguinhas de fora e a se mostrar aptos a dominar as paradas de sucesso. Holly foi um dos mais criativos e bem-sucedidos músicos da sua geração, emplacando um hit atrás do outro durante seu breve tempo de vida.

 

Morrem em acidente aéreo, em 2/2/1959, os astros do rock Buddy Holly, Richie Valenz e The Big Bopper:

O terrível acidente que nos levou Holly, Richie Valenz (dos hits La Bamba e Donna) e Bopper (de Chantilly Lace) somou-se a um momento péssimo para os roqueiros originais (Jerry Lee Lewis, Chuck Berry, Elvis etc) e foi definido em 1971, no hit American Pie, de Don McLean, como “o dia em que o rock morreu”. Uma espécie de ponto final da primeira fornada do rock. Viriam outras, felizmente!

Como seria Elvis Presley com 75 anos?

por Fabian Chacur

Na próxima sexta (dia 8), se vivo, Elvis Presley completaria 75 anos. Quis o destino, no entanto, que o cantor americano nos deixasse com apenas 42 anos, em um triste 16 de agosto de 1977.

Como estaria o nosso querido Rei do Rock, se a morte não o tivesse levado tão cedo? Será que continuaria amado por milhões de fãs em todo o planeta? Teria gravado mais discos legais? Feito shows inesquecíveis?

Como não existe “se” na vida, é melhor nem pensar. Preferível imaginar que ele aproveitou da melhor forma possível seu tempo aqui na Terra, e que fez o suficiente para, 33 anos após sua partida, ainda ser lembrado com carinho.

Elvis Presley foi o Rei do Rock, mas nunca se limitou a um único estilo musical. Mandou bem no pop, no soul, no romântico, no country… Quando estava inspirado, arrebentava, mesmo. Uma voz marcante.

Todo fã tem suas músicas prediletas, e eu tenho as minhas de Elvis The Pelvis. Kiss Me Quick e Don’t Be Cruel, que entraram em álbuns de novela ou coletâneas globais, foram as minhas primeiras favoritas, nos anos 70.

Ambas foram gravadas nos anos 50, mas só as conheci quando era moleque, em um desses revivais da música daquele período.

A única música dele que conheci no lançamento e que logo me cativou foi o rockão Burning Love, até hoje a minha favorita, de tudo o que ele gravou.

Balada country agitada e bacana como Suspicious Mind acho que não existe. E a interpretação do cara é simplesmente demencial, de tão boa. Polk Salad Annie é outra que arrebenta. E See See Rider, então? Que abertura de show!

Mesmo em sua fase Las Vegas (ou Las Bregas, como adoro chamar aquela cidade do exagero), Elvis continuou cantando bem. Nem sempre o repertório ou os arranjos ajudavam, mas a voz estava lá, firme e bela.

Nada melhor para encerrar esse Elvis Remembering do que Blue Suede Shoes. O Rei do Rock tornou essa composição de Carl Perkins um dos rocks mais famosos de todos os tempos. Um clássico marcante. And Elvis has left the building…but not of our hearts!

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑