Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: fables of the reconstruction

Edição especial comemora 25 anos de Fables Of The Reconstruction, do R.E.M.

Por Fabian Chacur

Fables Of The Reconstruction faz parte da lista de discos indiscutíveis de Mondo Pop. Como forma de comemorar os 25 anos do seu lançamento, a EMI acaba de lançar no exterior uma belíssima edição comemorativa.

Em formato de caixa, o álbum traz dois CDs, um com a versão remasterizada do disco original, lançado em 1985, e outro com 14 gravações demo feitas antes dos registro definitivo do disco, feito na Inglaterra.

Além disso, a caixinha inclui um pôster enorme, quatro cartões com fotos dos integrantes do grupo e um encarte com texto do guitarrist Peter Buck e ficha técnica dos dois CDs incluídos no pacote.

Tipo do ítem para fãs da banda como eu ficarem com um sorriso de orelha a orelha ao ter um exemplar do mesmo.

As faixas demo mostram que o quarteto americano foi para Londres com as músicas bem arranjadas, pois as versões são bem próximas das que ficaram conhecidas no álbum final. Faltavam apenas uns acertos nos vocais e os belos arranjos de cordas que foram adicionados em estúdio no Reino Unido.

Além das faixas do álbum, as demos também incluem Hyaena, que entraria no disco posterior do R.E.M, Life’s Rich Pageant (1986), Bandwagon (out-take lançado posteriormente na coletânea Dead Letter Office) e a inédita Throw Those Throlls Away, que é bem legal.

No texto incluído no encarte desta edição imperdível, Peter Buck afasta de vez um mito histórico, o de que o grupo não teria gostado do resultado final de Fables Of The Reconstruction. Pelo contrário. O guitarrista o considera o seu trabalho favorito como integrante da banda.

O disco tem elementos reflexivos que o aproximam do psicodelismo, além de algumas das canções mais marcantes do repertório da banda do vocalista Michael Stype, entre as quais Feeling Gravitys Pull, Maps And Legends, Driver 8, Can’t Get There From Here e Life And How To Leave It. Um clássico dos anos 80.

Disco clássico do R.E.M. terá reedição de luxo

Por Fabian Chacur

Fables Of The Reconstruction, terceiro álbum do R.E.M. e integrante da discoteca básica de Mondo Pop (Discos Indiscutíveis), será relançado no dia 13 de julho, para comemorar seus 25 anos de existência.

A nova edição virá em CD duplo, vinil duplo e também em downloads legalizados. No primeiro disco, a versão remasterizada do álbum. No segundo, intitulado The Athens Demo, 14 gravações. Para quem não sabe, o então quarteto veio da cidade de Athens, no estado americano da Georgia.

Entre essas faixas, temos demos de canções incluídas no álbum original, entre as quais Driver 8, Can’t Get There From Here e Green Grow The Rushes, além de duas fora desse contexto: uma primeira versão de Hyena, que sairia em 1986 no álbum Life’s Rich Pageant, e a inédita Throw Those Trolls Away.

Terceiro álbum da discografia do grupo de Michael Stipe, Fables Of The Reconstruction foi gravado em Londres, e é o trabalho mais próximo do psicodelismo já gravado por eles. Muitos fãs o contestam, mas eu o considero até hoje o melhor lançado pela banda, que tem grandes CDs em seu currículo.

A swingada e atípica Can’t Get There From Here foi o principal sucesso desse disco, que também inclui clássicos que eles tocam até hoje em seus shows, como Driver 8, Maps And Legends e Life And How To Live It. Green Grow The Rushes tocava muito nas rádios rock paulistanas nos idos de 1985/86.

R.E.M. ao vivo em maravilhoso desfile de lados B

por Fabian Chacur

Em 2007, o R.E.M. lançou o seu primeiro CD de carreira ao vivo.  Antes, a banda americana reservava faixas ao vivo apenas para os lados B de seus inúmeros singles, que viraram raridades disputadas pelos fãs mais fiéis.

Duplo, R.E.M. Live traz um DVD como bônus, e equivale a uma bela viagem pelos maiores hits de Michael Stipe e sua turma, interpretados com muito pique e categoria. Apenas dois anos se passaram, e eis um novo CD ao vivo.

Só que o grupo integrado por Michael Stipe (vocal), Peter Buck (guitarra) e Mike Mills (baixo) nunca aposta na redundância. Live At The Olympia In Dublin só tem duas coisas em comum com o live album anterior.

Um é o fato de também ser duplo. O outro, três músicas: Drive, I’m Gonna DJ e Cuyahoga. O conceito básico dos dois álbuns é bastante distinto. Enquanto um aposta nos hits, o outro mergulha no catálogo do trio.

Com o apoio de Scott McCaughey (guitarra e backing vocals) e Bill Rieflin (bateria), o R.E.M. se apresentou ao vivo em 2007 na cidade de Dublin, na Irlanda, como forma de se preparar para a turnê mundial que realizaria a seguir, e que passou de forma inesquecível pelo Brasil em 2008.

O repertório do show chega a ser dos sonhos para os fãs mais antigos, ou que conhecem melhor o repertório da banda. 22 das 39 músicas apresentadas pelo grupo neste álbum foram gravadas originalmente nos anos 80.

Maravilhas como Wolves, Lower, Gardening At Night, Carnival Of Sorts (Box Cars), West Of The Fields e Cuyahoga não costumam fazer parte dos set lists mais recentes dos shows dos americanos de Athens, Georgia.

Dois álbuns foram muito bem representados: o segundo, Reckoning, de 1984 (com seis faixas, entre elas Second Guessing) e o terceiro, o excelente e subestimado Fables Of The Reconstruction, de 1985, (com cinco, entre elas as maravilhosas Maps And Legends, Driver 8 e Feeling Gravitys Pull).

Além desse instigante passeio pelo passado brilhante dos rapazes, eles também ofereceram, em primeira mão para o público irlandês, nove das onze faixas que entrariam no ótimo álbum de estúdio Accelerate (2008).

Entre outras, a vibrante Living Well Is The Best Revenge, I’m Gonna DJ e Disguised (que em Accelerate aparece com o título Supernatural Superserious) representam bem a safra mais recente do R.E.M. .

Live At The Olumpia In Dublin é a prova de que uma boa banda de rock não precisa de recursos visuais milaborantes, carinhas bonitinhas e roupas chocantes para se tornar uma sensação mundial.

Basta ter grandes canções e tocá-las com vibração e competência. O que, convenhamos, não é qualquer um que consegue. O R.E.M. já faz parte desse Olimpo pop há muitos, mas muitos anos mesmo!

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑