Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: guilherme arantes

Guilherme Arantes cativa seu público com show em Jaú (SP)

guilherme arantes 2018-2-400x

Por Fabian Chacur

Com 42 anos de carreira-solo, Guilherme Arantes se mostra um artista com muita fome de palco. Isso ficou evidente na noite desta sexta (6), quanto, perante aproximadamente três mil pessoas, no Sesi de Jaú (SP), o cantor, compositor e músico paulistano esbanjou energia, carisma, descontração e talento em quase duas horas de performance, que o público presente demonstrou ter adorado, dançando, cantando e se emocionando com cada canção.

Guilherme viveu o seu auge em termos comerciais nas décadas de 1970 e 1980. Se não invade mais as paradas de sucesso com a mesma frequência, este artista sempre inquieto se manteve ativo, com direito a shows pelos quatro cantos do país e do mundo e também discos de ótima qualidade artística, sendo os mais recentes os elogiados Condição Humana (2013) e Flores e Cores (2017). “Nem sempre ganhando, nem sempre perdendo, mas aprendendo a jogar”, como diz trecho de sua clássica Aprendendo a Jogar.

Em momento realmente alto dessa sua trajetória brilhante, o artista trouxe a Jaú uma banda de apoio simplesmente iluminada, integrada por Luiz Carlini (guitarra), Willy Verdaguer (baixo), Alexandre Blanc (guitarra) e Gabriel Martini (bateria). No comando, ele, nos vocais e teclados. Um time que esbanja entrosamento, vibração e desenvoltura. Também, não é para menos.

Luiz Carlini tocou com Rita Lee nos anos 1970, liderando o grupo Tutti Frutti e sendo parceiro da maior roqueira brasileira em clássicos do porte de Agora Só Falta Você, Corista de Rock e Sem Cerimônia, além de ter feito o antológico solo de guitarra na gravação original de estúdio de Ovelha Negra. Ele já tocou com Guilherme em outras ocasiões, e também com Erasmo Carlos. Um dos grandes da guitarra rock brasileira.

Por sua vez, o baixista argentino Willy Verdaguer é radicado no Brasil desde 1967, e tocou e gravou ao lado de Caetano Veloso (em Alegria, Alegria, por exemplo), Gilberto Gil, Raul Seixas e Secos & Molhados, além de ter criado os grupos Raices de América e Humauaca (este de música instrumental e ainda ativo). Blanc e Martini mostram envergadura para tocar com o trio, o que nos permite considerar essa uma espécie de Guilherme Arantes All Stars.

O show não poderia ter sido melhor. Arantes começou com músicas de seus mais recentes álbuns, e depois nos ofereceu um hit atrás do outro. Ouvir em um mesmo show maravilhas do naipe de Êxtase, Amanhã, Deixa Chover, Meu Mundo e Nada Mais, A Cidade e a Neblina, Cheia de Charme, Um Dia Um Adeus, Coisas do Brasil, Cuide-se Bem, Brincar de Viver e Lindo Balão Azul (só para citar algumas), todas apresentadas com alto teor de performance, não é coisa que se veja/ouça todo o dia em um espetáculo. Imagine ainda gratuito!

Como forma de dar um tempero bem particular, o sempre verborrágico astro paulistano nos proporcionou deliciosos depoimentos sobre algumas das músicas, e também sobre suas experiências de vida, para deleite do público. Como em todo show ótimo que se preze, as duas horas pareceram dois minutos, de tão rápido que passaram. E vale elogiar a organização do Sesi de Jaú, que ofereceu um espaço e equipamento à altura do espetáculo.

Uma experiência surreal e deliciosa

Desde 1987, tive a oportunidade, como jornalista e crítico musical, de entrevistar Guilherme Arantes uma dezena (ou mais) de vezes. Acabamos criando um vínculo de amizade muito forte nesse tempo todo, com direito a franqueza, elogios e também eventuais críticas construtivas. Em 2012, ele me deu a honra de me dedicar, durante um show, minha música favorita de seu fantástico repertório, Cuide-se Bem (leia essa história aqui). Mas agora, ele me “quebrou as pernas”.

Ao ar livre, o show possuía uma área com cadeiras. Eu fiquei exatamente atrás dessa área, junto com a minha esposa, Virgínia (que ficou sentada em uma cadeira, mas fora daquela área). A visão do palco era boa, mas não estava tão perto assim. Pelo menos, assim pensava esta besta que voz tecla. Porque depois de algumas músicas, no fim de uma delas, eis que a estrela da noite me solta esta frase, apontando de longe para mim: “você é quem eu estou pensando que você é?”

Obviamente surpreso, eu acenei, de forma afirmativa. Aí, ele me apresentou à plateia de forma gentil e elogiosa, com a generosidade que lhe é peculiar. De quebra, me ofereceu a música que iria tocar logo a seguir, “apenas” Meu Mundo e Nada Mais, a canção que, em 1976, abriu-lhe as portas das rádios e da grande mídia e do público como tema da novela global Anjo Mau.

Imaginem só a minha cara, perante aquela multidão toda, com os holofotes voltados para mim… De quebra, o cidadão ainda dedicou Deixa Chover à minha mãe e, antes de começar o pot-pourry que encerrou o show, Fã-Número 1/Lindo Balão Azul, afirmou ser “meu fã”. Até parece, não é, seo Guilherme? Eu, sim, sou seu fã, e dos grandes. Você não tem a ideia de como tanta generosidade me fez bem, além de me dar a certeza de que, quem sabe, na minha vida, o melhor esteja para começar, como diz uma de suas canções (leia a homenagem que fiz quando ele completou 60 anos de idade aqui ).

Êxtase (ao vivo em Jaú)- Guilherme Arantes:

Guilherme Arantes fará show gratuito no Ibirapuera em SP

guilherme arantes-400x

Por Fabian Chacur

Quem gosta de música pop de qualidade e gostaria de ver shows bem bacanas no próximo sábado(2/12) em São Paulo sem gastar um tostão tem uma ótima opção. Será no Parque do Ibirapuera-Arena de Eventos (avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº- Portão 10- próximo do Museu Afro Brasileiro) a partir das 16h. No programa, Rodrigo Pitta e Guilherme Arantes.

As apresentações fazem parte do Projeto Flui SP, criado pela Dançar Marketing, patrocinado pela empresa Lorenzetti e viabilizado através do Proac ICMS. Fazer da arte uma ferramenta de comunicação para a construção de uma sociedade melhor e mais responsável sobre o consumo de água é como os criadores definem sua ação. A ideia é ajudar na conscientização da sociedade sobre a necessidade do uso responsável das reservas naturais de água do planeta.

Rodrigo Pitta é um poeta, compositor, cantor e dramaturgo que já lançou dois CDs autorais e teve cinco músicas incluídas em trilhas sonoras de novelas globais. Ligado nas questões ambientais, ele tem em seu repertório as músicas Água Tudo e Água Gasolina, que certamente integrarão o set list de seu show no Parque do Ibirapuera.

Ironicamente rotulada como “hino da Sabesp” pelo irreverente crítico e jornalista Maurício Kubrusly, a canção Planeta Água é na verdade uma belíssima exaltação a um dos mais preciosos bens que a natureza nos proporciona. Com ela, Guilherme Arantes obteve o 2º lugar no festival global MPB Shell de 1981. Os aplausos destinados ao artista e também as vaias dirigidas a Lucinha Lins e à música que interpretada por ela venceu o evento, Purpurina, entraram para a história.

Na estrada há mais de 40 anos, Guilherme possui um repertório repleto de hits inesquecíveis, como Meu Mundo e Nada Mais, Cuide-se Bem, Amanhã, Cheia de Charme, Um Dia Um Adeus e tantos outros. Com ótimas composições e grande competência como tecladista e cantor, ele se firmou como um dos melhores artistas pop brasileiros, e nos últimos anos realizou a façanha de atrair as atenções de uma nova geração, ávida por curtir suas belas letras e melodias.

Planeta Água (ao vivo)- Guilherme Arantes:

Cuide-se bem, sessentão Guilherme Arantes!

Por Fabian Chacur

A música de Guilherme Arantes me acompanha desde meus 15 anos, quando Meu Mundo e Nada Mais estourou em todo o país, em 1976. Meu primeiro contato pessoal com esse cara ocorreu em dezembro de 1980, quando ele fez um inesquecível show gratuito na estação São Bento do metrô paulistano, no melhor estilo teclado e voz. Ali, tive meu primeira experiência com sua generosidade e gentileza.

Aquela apresentação foi realizada poucos dias após a lamentável morte de John Lennon. Em determinado momento, alguns fãs pediram a ele que cantasse uma música do ex-Beatle. De forma improvisada e se valendo da revista de cifras de um deles, o músico nos proporcionou uma bela versão de Imagine, que emocionou todos os presentes. Pura gentileza.

Em 1987, tive a oportunidade de entrevista-lo pela primeira do que seria uma longa sequência de vezes. Sempre um bom papo, não demorou para que nos tornássemos amigos, com direito a almoços, papos animados e francos. Em 1992, quando ele lançou Crescente, para mim um de seus melhores trabalhos, pedi para que ele o autografasse para mim, e não esquecerei sua felicidade por eu ter gostado tanto daquele álbum. Coisa de gente humilde.

Nesses mais de 25 anos de carreira como jornalista, já tive a oportunidade de manter contato com centenas, provavelmente milhares de artistas, e Guilherme continua no topo dessa turma. E é ótimo quando o artista e o ser humano possuem grandes qualidades de forma simultânea. Ou quando o ser humano não nos decepciona, o que infelizmente ocorre no caso de alguns grandes artistas que prefiro não citar por uma questão de…gentileza.

Guilherme Arantes é o que suas músicas nos indicam. Doce, simpático, verborrágico (no melhor sentido da palavra), bem-humorado, idealista, romântico, inconformista, sonhador e um artista extremamente talentoso. Bom de letras, bom de melodias, bom de vocais, bom de arranjos, bom como músico, bom de palco… É qualidade pra mais de metro. E não sou suspeito por ter virado amigo. Sou culpado, mesmo!

Além disso, ele sempre teve como marca aquela gentileza ressaltada há alguns parágrafos, participando de trabalhos de outros artistas e sendo gravado por nomes do alto gabarito de Elis Regina,Caetano Veloso, Maria Bethânia, MPB-4, Leila Pinheiro, Roberto Carlos e tantos outros das mais diversas gerações. Aliás, a garotada o está redescobrindo neste exato momento.

Pois ele completou 60 anos neste domingão (28). O que poderia desejar a ele, além de muita saúde, paz, alegria e pessoas legais para curtirem os bons momentos ao seu lado? Que ele leve a sério a letra de Cuide-se Bem, de todas as maravilhas compostas por ele a que mais me toca, me emociona e me faz refletir. Que venham os 70, 80… Grande abraço, e que em um futuro não muito distante eu possa realizar meu sonho de escrever um livro sobre sua vida e obra!

Ouça Cuide-se Bem, com Guilherme Arantes:

Guilherme Arantes cativa no estilo piano-voz

Por Fabian Chacur

Em show que encerrou a temporada 2012 do ótimo projeto Piano na Praça, que proporcionou shows gratuitos de grandes pianistas e compositores na Praça Dom José Gaspar, em São Paulo, Guilherme Arantes mostrou na tarde deste domingo (16) que sabe cativar uma plateia valendo-se apenas de piano e voz.

Antes do autor de Meu Mundo e Nada Mais, esteve em cena o excelente pianista Rogério Rochlitz, conhecido por trabalhos com o Trio Mocotó e o grupo Jambêndola, entre outros, e que investe em ótima carreira solo. Ele nos proporcionou belos temas instrumentais, fluentes e que iam do swingado ao reflexivo, sempre com muita categoria. Um jovem craque!

Guilherme entrou em cena às 13h05 e sapecou logo de cara hits como Amanhã, Raça de Herois, Meu Mundo e Nada Mais, Êxtase e Brincar de Viver. Totalmente confortável no estilo voz/piano, ele aproveitava para contar histórias deliciosas, entre uma música e outra.

Entre outros “causos”, nos falou do flerte com Marina Lima, o trecho que pegou emprestado de My Sweet Lord (de George Harrison) para compor a sua Cheia de Charme, a influência de For No One dos Beatles em Mania de Possuir, o tempo em que morou no Rio de Janeiro…

Não deu para não me sentir nostálgico, pois o primeiro show que vi deste brilhante cantor, compositor e tecladista foi em um dezembro e nesse mesmo formato, só que no ano de 1980 e tendo como local um espaço situado na estação São Bento do metrô paulistano.

John Lennon havia morrido há poucos dias, alguém da plateia pediu para que ele tocasse uma música do ex-beatle, e o músico admitiu não saber nenhuma delas de cor. Aí, alguém ofereceu uma revista com as cifras de Imagine e ele não se fez de rogado, atendendo a solicitação do fã e emocionando a todos.

Voltando a 2012, Arantes não só tocou os megahits como também relembrou ótimas e não tão conhecidas músicas de seu repertório como Bom Humor, Marina no Ar (homenagem feita em parceria com Nelson Motta ao “avião”) e Só Deus é Quem Sabe. Um instante mágico ficou por conta da homenagem que fez a seu pai.

Relembrando o fato de que seus pais se conheceram na Biblioteca Municipal Mário de Andrade, que fica exatamente ao lado da Praça Dom José Gaspar, Guilherme tocou um medley com Viola Enluarada/Chega de Saudade/Trem das Onze, canções pelas quais o saudoso pai tinha um carinho todo especial.

Ah, e teve Cuide-se Bem, uma das minhas músicas favoritas de todos os tempos, que por alguma bênção de Deus me foi dedicada pelo autor e intérprete, nesse show. Um dos momentos mais emocionantes da vida deste que vos tecla, de longe!

O final, às 14h47, teve a sacudida Lindo Balão Azul como trilha sonora, com direito a uma bela mensagem de Natal a todos os mais de 200 presentes. Tipo da tarde bem aproveitada. E há quem se queixe de não ter boas opções de shows gratuitas em Sampa City. Eita povo reclamão!

Set list do show de Guilherme Arantes no projeto Piano na Praça:

Hino do Corinthians/Amanhã
Raça de Heróis
Meu Mundo e Nada Mais
Êxtase
Brincar de Viver
Muito Diferente
Sob o Efeito de um Olhar
Mania de Possuir
Um Dia Um Adeus
Só Deus é Quem Sabe
Toda Vã Filosofia
Bom Humor
Marina No Ar
O Melhor Vai Começar
Cheia de Charme/My Sweet Lord
Pot-pourry: Viola Enluarada/Chega de Saudade/Trem das Onze
Deixa Chover
Cuide-se Bem
Planeta Água
Lindo Balão Azul

Ouça Cuide-se Bem, com Guilherme Arantes:

Um Dia, Um Adeus, de Guilherme Arantes

Por Fabian Chacur

Um Dia, Um Adeus

Guilherme Arantes

Só você prá dar
A minha vida direção
O tom, a cor
Me fez voltar a ver a luz
Estrela no deserto a me guiar
Farol no mar, da incerteza…

Um dia um adeus
E eu indo embora
Quanta loucura
Por tão pouca aventura…

Agora entendo
Que andei perdido
O que é que eu faço
Prá você me perdoar…

Ah! que bom seria
Se eu pudesse te abraçar
Beijar, sentir
Como a primeira vez
Te dar o carinho
Que você merece ter
E eu sei te amar
Como ninguém mais…

Ninguém mais
Como ninguém
Jamais te amou
Ninguém jamais te amou
Te amou…

Ninguém mais
Como ninguém
Jamais te amou
Ninguém jamais te amou
Como eu, como eu…

Um Dia, Um Adeus, com Guilherme Arantes:

Cantoras homenageiam Guilherme Arantes

Por Fabian Chacur

Em 2011, nove bandas de Salvador (BA), entre as quais Maglore, Setembro e Neologia, homenagearam Guilherme Arantes ao gravar o álbum A Cara e o Coração, no qual releram as músicas de dois importantes álbuns do cantor, compositor e músico paulistano, A Cara e a Coragem (1978) e Coração Paulista (1980).

Agora, é a vez de vinte cantoras de diversas gerações fazer seu tributo a um dos grandes nomes da história da nossa música pop.

O resultado é A Voz da Mulher Na Obra de Guilherme Arantes, lançamento que o selo Joia Moderna, do DJ Zé Pedro, deve lançar no formato físico até o fim de maio. Mas o trabalho já está disponível em mídia digital na loja virtual de música iTunes.

Entre outras, estão presentes no álbum Zizi Possi, Vanessa da Mata, Fafá de Belém, Ângela RoRo, Verônica Ferriani, Mariana Aydar e Célia, em releituras inéditas de composições escritas por Guilherme e gravadas originalmente nos anos 70 e 80 do século passado.

Veja a relação das faixas de A Voz da Mulher Na Obra de Guilherme Arantes:

1Meu Mundo e Nada Mais (1976) – Zizi Possi
2 Brincar de Viver (1983) – Cida Moreira
3 Cuide-se Bem (1976) – Vanessa da Mata
4Planeta Água (1981) – Fafá de Belém
5Êxtase (1979) – Adyel Silva
6O Melhor Vai Começar (1982) – Marcia Castro
7Amanhã (1977) – Ângela RoRo
8Pedacinhos (1983) – Tiê
9Loucas Horas (1986) – Verônica Sabino
10Muito Diferente (1989) – Verônica Ferriani
11Cheia de Charme (1985) – Silvia Machete
12Águas Passadas (1976) – Mariana Aydar
13Primaveras e Verões (1989) – Vânia Bastos
14Aprendendo a Jogar (1980) – Maria Alcina
15O Amor Nascer (1981) – Célia
16Só Deus É Quem Sabe (1980) – Luciana Alves
17Despertar do Amor (1985) – Leila Pinheiro
18Toda Vã Filosofia (1988) – Fhernanda Fernandes
19Canção de Amor (1987) – Daniela Procópio
20Vivendo com Medo (1980) – Marya Bravo

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑