Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: guitarristas brasileiros

José Neto, guitarrista, é tema de documentário sobre sua carreira

jose neto doc poster 2020-400x

Por Fabian Chacur

O guitarrista paulistano José Pires de Almeida Neto saiu do Brasil em 1978, quando tinha 24 anos, com o objetivo de investir em uma carreira na cena musical dos EUA. Antes, tinha se formado em violão clássico, dado aulas na escola CLAM, de Amilton Godoy, e tocado com vários músicos. No ano seguinte, foi recrutado pelo cantor e ator americano Harry Belafonte para integrar sua banda de apoio. Era o início de uma trajetória brilhante, que inspirou o documentário The Man Behind The White Guitar, dirigido pelo inglês Richard Michael e produzido pela americana Barbara McVeigh, que será lançado para o grande público em 2020.

Filmado na Califórnia, Nova York, Reino Unido e Brasil, este filme traz cenas de shows, entrevistas com o artista em foco e também com alguns dos grandes nomes com os quais trabalhou, entre os quais Belafonte, Airto Moreira e Steve Winwood, que ressaltam não só o seu talento musical, mas também sua capacidade de encantar e cativar as pessoas com uma filosofia de vida positiva e repleta de tiradas inteligentes e inspiradoras.

José Neto (como é mais conhecido na cena musical) tocou durante 30 anos com Harry Belafonte, do qual chegou a ser diretor musical. Ele atuou ao lado de outros dois brasileiros que fizeram fama no exterior, a cantora Flora Purim e o percussionista Airto Moreira. Os três criaram o grupo Fourth World, que lançou cinco álbuns na década de 1990 e cativou o público internacional com sua mistura de jazz, música brasileira e latina.

Em seu currículo extenso, Neto trabalhou com o consagrado produtor, compositor e artista Narada Michael Walden, George Benson e a pianista, cantora e compositora brasileira Tânia Maria, e também lidera há mais de 25 anos a Netoband, que integra ao lado de Gary Brown, Frank Martin, Celso Alberti e Café e cujos shows já percorreram os EUA e o Reino Unido, atraindo as atenções do público e também dos músicos.

Aliás, foi em um show da Netoband em Londres lá pelos idos de 1995 que José Neto conheceu Jim Capaldi, ex-integrante da banda britânica Traffic, que ficou apaixonado por seu trabalho. Não demorou para que Capaldi apresentasse o brasileiro a outro ex-Traffic, o cantor, compositor e músico Steve Winwood. Logo a seguir, Neto participaria tocando violão na faixa Plenty Lovin’, do álbum Junction Seven (1997), de Winwood.

Quando resolveu criar um projeto musical que teria como base um trio composto por órgão, bateria e guitarra, Winwood pensou na hora em José Neto e o convidou. Os dois e mais o baterista cubano radicado nos EUA Walfredo Reyes Jr., aliados a alguns acréscimos de sopros e percussão, gravaram About Time (2003), espetacular álbum solo de Steve Winwood.

Neste CD, Neto não só tocou guitarra e violão como também inaugurou sua parceria com Winwood, assinando com ele as músicas Cigano (For The Gypsies), Domingo Morning e Silvia (Who Is She?).

Em 2003, um show de Winwood com Neto na guitarra foi gravado, exibido na TV pública americana PBS e depois lançado em DVD com o título Sound Stage- Steve Winwood- Live in Concert (saiu aqui pela extinta Indie Records). Além de músicas de About Time, também temos releituras de clássicos da carreira do artista como Can’t Find My Way Home, Dear Mr. Fantasy e Back In The High Life Again. A performance é matadora.

Essa parceria renderia novos e belos frutos no álbum de estúdio seguinte de Winwood, Nine Lives (2008), com as músicas escritas por eles Fly, Raging Sea, Hungry Man, Secrets, At Times We Do Forget e Other Shore.

The Man Behind The White Guitar foi exibido em 2019 em festivais e eventos privados, e será disponibilizado para o público em algum momento de 2020. No Brasil, possivelmente em um festival do tipo In-Edit, aquele dedicado aos documentários musicais. Um dos apoiadores foi o Banco Fator, de São Paulo.

Veja o trailer de The Man With The White Guitar:

Duca Belintani mescla blues e folclore e grava CD espetacular

duca belintani-400x

Por Fabian Chacur

Com mais de 35 anos de carreira, Duca Belintani é cantor, compositor, guitarrista, educador, produtor e escritor. No currículo, seis CDs, participação no grupo Verminose e coautoria (ao lado de Ricardo Gozzi) do livro Kid Vinil Um Herói do Brasil, biografia do saudoso vocalista do Magazine e do Verminose. Agora, chegou a vez do sétimo álbum, e o mote para o mesmo não podia ter sido mais interessante: uma fusão entre as várias vertentes do blues, seu estilo musical de coração, e o folclore brasileiro. Desta forma, nasceu Blues Na Floresta, sem exageros um dos grandes lançamentos de 2019 até o momento.

Como forma de viabilizar o seu projeto, Duca se associou ao letrista Osmar Santos Jr. . Juntos, escolheram personagens icônicos do folclore brasileiro, adaptando para a nossa cultura uma das características mais peculiares das origens do blues americano. O resultado não poderia ter ficado melhor, trazendo para a brincadeira o lobisomem, o saci pererê, o bicho papão, o boitatá, o curupira e outros. O bacana é que as letras conseguem ao mesmo tempo dialogar com o público infantil e o adulto, sem cair em abordagens infantilistas que por vezes tornam esse tipo de trabalho um desrespeito à inteligência dos petizes.

Duca, que canta bem e toca uma guitarra incisiva e personalizada, conta com o apoio de Benigno Sobral (baixo), Ulisses da Hora (bateria), Ricardo Scaff (gaita), Vinas Peixoto (percussão), Adriano Grineberg (teclados) e Mateus Schanoski (teclados). Esse time dá uma consistência musical impecável às 11 gravações, com direito a muita energia, qualidade técnica e tesão, elementos sem os quais o blues não tem como se tornar relevante, em face de sua aparente simplicidade estilística. Tocar blues é simples, mas tocar blues BEM não é para qualquer um, e Duca e sua gang dão um show nesse requisito.

Além desse timaço, o disco também traz convidados especiais de primeira: Andreas Kisser, Graça Cunha, Paulo Freire, Suzana Salles, Theo Werneck e Vange Milliet, que ajudam a dar aquele retoque final e perfeito a algumas das faixas. A musicalidade mergulha em diversas variações do blues, com direito a elementos de jazz, rockabilly e rhythm and blues.

O lado mais pesado, próximo do hard rock, aparece nas faixas Cuca e Blues Na Floresta. O divertido rockabilly Assombrou a Festa traz os vocais irreverentes de Suzana Salles e Vange Milliet, enquanto o clima rhythm and blues suave permeia a bela Iara, com vocal de Graça Cunha. Matita Pereira tem uma deliciosa levada jazzy com uma pitada de Moondance, de Van Morrison, enquanto Lobisomem vai na linha do blues rock compassado. Um álbum espetacular!

Blues Na Floresta mostra que um dos ritmos mais influentes e seminais da música pode ser explorado com uma abordagem brasileira sem sair de seus cânones tradicionais. E vale ressaltar a belíssima apresentação do CD, com direito a capa digipack, encarte colorido e belíssimas ilustrações individualizadas para cada personagem (incluindo o próprio Duca) feito por feras como Tim Ernani, Marco China, Ennio Nascimento, Kel Cerruti, Thiago Martins, Gabi Barbosa, Edison Vieira Pinto, Marcos Madalena, Luiz Gabriel, Nando Sobral e Milton de Souza (o Trinkão Watts, baterista do Magazine e do Verminose).

Ouça trechos das canções do álbum Blues Na Floresta:

Tony Babalu fará dois shows gratuitos na Sala Olido (SP)

tony-babalu-400x

Por Fabian Chacur

Quem curte rock instrumental de primeiríssima linha terá duas boas oportunidades de conferir ao vivo um dos craques dessa praia no Brasil. O guitarrista, compositor e produtor Tony Babalu fará duas apresentações gratuitas em São Paulo no Centro Cultural Olido- Sala Olido (avenida São João, nª 473- Centro- fone 0xx11-2899-7370). Os shows serão nas duas próximas sextas-feiras, respectivamente dias 15 e 22, sempre às 19h. Um baita de um programa para os fãs de boa música, ainda mais por esse preço…

Babalu terá a seu lado os afiadíssimos Adriano Augusto (teclados) e Leandro Gusman (baixo) e uma novidade na banda que o tem acompanhado nos últimos tempos, o experiente Claudio Tchernev (bateria), com um currículo respeitável e repleto de trabalhos ao lado dos Mutantes, Cláudio Zoli, Chico Cesar, Elba Ramalho e muitos outros, além de ser professor de música.

No repertório, teremos basicamente músicas dos ótimos e mais recentes CDs do artista, Live Sessions At Mosh (2014) e Live Sessions II (2017), trabalhos gravados ao vivo no lendário estúdio Mosh, em São Paulo, nos quais o músico mostra sua fusão de rock, blues, black music e jazz. Babalu é um estilista da guitarra, tocando de forma classuda e inspirada. Leia mais sobre ele e seus impecáveis trabalhos em mais de 40 anos de carreira aqui.

Veia Latina (ao vivo)- Tony Babalu:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑