Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: j.j.cale

Morre o grande J.J. Cale, autor de Cocaine

Por Fabian Chacur

Pode parecer banal dizer isso, mas em um mesmo dia, nascem, comemoram aniversário e morrem milhões de pessoas. Neste mesmo dia 26 (sexta) em que certamente muitos bebês se juntaram a nós e Mick Jagger comemorou 70 anos, deu-nos adeus aos 74 anos J.J. Cale, um dos grandes nomes da história do rock. Ele foi vítima de um ataque cardíaco e estava internado no hospital Scripps, em La Jolla, Califórnia.

Sempre que o nome desde cantor, compositor e guitarrista nascido em Oklahoma City no dia 5 de dezembro de 1938 é citado, o nome das canções After Midnight e Cocaine são lembradas, hits escritos por ele e gravados com sucesso por Eric Clapton respectivamente em 1970 (no álbum Eric Clapton) e em 1977 (no álbum Slowhand, leia a crítica de seu relançamento aqui). Mas sua obra é muito mais caudalosa.

Após ter sido criado na cidade de Tulsa, ele se mudou em 1964 para Los Angeles junto com os amigos Leon Russell e Carl Radle. E foi graças ao último que conheceu Eric Clapton. O mago da guitarra gravou After Midnight logo em seu primeiro álbum solo autointitulado, de 1970, e abriu as portas do mercado musical para J.J. Cale, que em 1972 lançou seu álbum de estreia, Naturally. Era o início fonográfico de uma belíssima trajetória.

O single com a música Crazy Mamma acabou se tornando seu maior hit como artista solo, atingindo em 1972 a posição de número 22 na parada americana. Ele lançou álbuns bastante badalados, como Troubadour (1976) e Grasshopper (1982), no qual seu estilo, mescla de rock, blues, folk e jazz, o tornou um sucesso de público e entre seus colegas músicos.

Também gravaram músicas de J.J. Cale grupos e astros do alto gabarito de Carlos Santana, Lynyrd Skynyrd, Tom Petty, Randy Crawford, Poco e Kansas, entre outros. Em 2006, gravou um disco em dupla com Eric Clapton, o ótimo The Road To Escondido, que não só vendeu bem como lhe rendeu um Grammy na categoria melhor álbum de blues contemporâneo.

Conheci J.J. na década de 80 graças ao grande amigo Giovanni Dell’Isola Neto, que me emprestou um disco dele, o ótimo Grasshopper. Essa é mais uma que devo a essa figura impoluta e conhecedor refinado do nosso velho e amado rock and roll. Uma grande perda, que só não é maior graças ao grande legado deixado por Cale para todos nós.

Ouça Troubador, de J.J. Cale, na íntegra, em streaming:

Ouça The Road To Escondido, de J.J. Cale e Eric Clapton, em streaming:

Estreia de Clapton ganha reedição luxuosa

eric_claptonpor Fabian Chacur

Quando lançou seu primeiro disco solo, em agosto de 1970,  Eric Clapton já havia entrado para a história do rock. Afinal, o cara integrou, em um período de cinco anos, bandas seminais para o gênero.

Clapton tocou com os Yardbirds, John Mayall And The Bluesbreakers, Cream e Blind Faith, de 1964 a 1969. Uma banda melhor do que a outra. E se firmando como um verdadeiro gênio da guitarra rock.

O que esperar de sua estreia como artista solo? Um disco repleto de solos, de ego exacerbado, de arrogância? Nada disso. Eric Clapton, o CD, significou a opção do cantor, compositor e músico britânico em outro rumo.

Esse álbum seminal na trajetória de Eric Clapton chega às lojas brasileiras em uma reedição daquelas de esfregar na cara de quem acha o formato CD acabado. A capa abre em quatro partes, e é de papelão duro plastificado.

O encarte é um livreto repleto de fotos (várias delas inéditas) e informações sobre as gravações do álbum. Mas o melhor mesmo é o conteúdo musical.

São dois CDs. O primeiro traz a versão original do álbum, com mixagem a cargo do produtor Tom Dowd. Além das músicas originais, inclui três faixas bônus.

O segundo apresenta pela primeira vez a versão mixada por Delaney Bramlett, músico que teve participação fundamental nesse momento da carreira de Clapton.

Delaney Bramlett, assim como o grupo The Band, ajudou Clapton a optar por um mergulho às raízes da música americana, com direito a certeiras incursões pelo blues, folk, soul e rock.

Ao invés de virtuosismo exacerbado, temos aqui a guitarra a serviço das canções, solando quando necessário, mas sem cair em caricaturas ou masturbação musical. A música fala mais alto, sempre.

Boa parte do repertório leva a assinatura de Clapton e Bramlett, incluindo maravilhas como a instrumental Slunky e as ótimas Bottle Of Red Wine e Let It Rain. Bramlett também dá uma força nos vocais.

O maior sucesso do álbum foi After Midnight, que Clapton regravou do cantor e compositor J.J.Cale, de quem gravaria posteriormente Cocaine e com quem faria um disco em dupla, há pouco tempo.

Os músicos que tocam no disco são basicamente os da banda de Delaney, incluindo sua esposa Bonnie, a posteriormente estrela Rita Coolidge, o baixista Carl Radle, o baterista Jim Gordon e o saxofonista Bob Keys.

Stephen Stills também marca presença, assim como Sonny Curtis e Jerry Allison, que tocaram no Buddy Holly And The Crickets.

Eric Clapton, o álbum, é o primeiro ato de uma carreira solo que se não pode ser considerada perfeita, está repleta de grandes momentos. E nessa edição luxuosa, é um belo ítem para ser acrescentando à sua discoteca.

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑