Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: jaú

Guilherme Arantes cativa seu público com show em Jaú (SP)

guilherme arantes 2018-2-400x

Por Fabian Chacur

Com 42 anos de carreira-solo, Guilherme Arantes se mostra um artista com muita fome de palco. Isso ficou evidente na noite desta sexta (6), quanto, perante aproximadamente três mil pessoas, no Sesi de Jaú (SP), o cantor, compositor e músico paulistano esbanjou energia, carisma, descontração e talento em quase duas horas de performance, que o público presente demonstrou ter adorado, dançando, cantando e se emocionando com cada canção.

Guilherme viveu o seu auge em termos comerciais nas décadas de 1970 e 1980. Se não invade mais as paradas de sucesso com a mesma frequência, este artista sempre inquieto se manteve ativo, com direito a shows pelos quatro cantos do país e do mundo e também discos de ótima qualidade artística, sendo os mais recentes os elogiados Condição Humana (2013) e Flores e Cores (2017). “Nem sempre ganhando, nem sempre perdendo, mas aprendendo a jogar”, como diz trecho de sua clássica Aprendendo a Jogar.

Em momento realmente alto dessa sua trajetória brilhante, o artista trouxe a Jaú uma banda de apoio simplesmente iluminada, integrada por Luiz Carlini (guitarra), Willy Verdaguer (baixo), Alexandre Blanc (guitarra) e Gabriel Martini (bateria). No comando, ele, nos vocais e teclados. Um time que esbanja entrosamento, vibração e desenvoltura. Também, não é para menos.

Luiz Carlini tocou com Rita Lee nos anos 1970, liderando o grupo Tutti Frutti e sendo parceiro da maior roqueira brasileira em clássicos do porte de Agora Só Falta Você, Corista de Rock e Sem Cerimônia, além de ter feito o antológico solo de guitarra na gravação original de estúdio de Ovelha Negra. Ele já tocou com Guilherme em outras ocasiões, e também com Erasmo Carlos. Um dos grandes da guitarra rock brasileira.

Por sua vez, o baixista argentino Willy Verdaguer é radicado no Brasil desde 1967, e tocou e gravou ao lado de Caetano Veloso (em Alegria, Alegria, por exemplo), Gilberto Gil, Raul Seixas e Secos & Molhados, além de ter criado os grupos Raices de América e Humauaca (este de música instrumental e ainda ativo). Blanc e Martini mostram envergadura para tocar com o trio, o que nos permite considerar essa uma espécie de Guilherme Arantes All Stars.

O show não poderia ter sido melhor. Arantes começou com músicas de seus mais recentes álbuns, e depois nos ofereceu um hit atrás do outro. Ouvir em um mesmo show maravilhas do naipe de Êxtase, Amanhã, Deixa Chover, Meu Mundo e Nada Mais, A Cidade e a Neblina, Cheia de Charme, Um Dia Um Adeus, Coisas do Brasil, Cuide-se Bem, Brincar de Viver e Lindo Balão Azul (só para citar algumas), todas apresentadas com alto teor de performance, não é coisa que se veja/ouça todo o dia em um espetáculo. Imagine ainda gratuito!

Como forma de dar um tempero bem particular, o sempre verborrágico astro paulistano nos proporcionou deliciosos depoimentos sobre algumas das músicas, e também sobre suas experiências de vida, para deleite do público. Como em todo show ótimo que se preze, as duas horas pareceram dois minutos, de tão rápido que passaram. E vale elogiar a organização do Sesi de Jaú, que ofereceu um espaço e equipamento à altura do espetáculo.

Uma experiência surreal e deliciosa

Desde 1987, tive a oportunidade, como jornalista e crítico musical, de entrevistar Guilherme Arantes uma dezena (ou mais) de vezes. Acabamos criando um vínculo de amizade muito forte nesse tempo todo, com direito a franqueza, elogios e também eventuais críticas construtivas. Em 2012, ele me deu a honra de me dedicar, durante um show, minha música favorita de seu fantástico repertório, Cuide-se Bem (leia essa história aqui). Mas agora, ele me “quebrou as pernas”.

Ao ar livre, o show possuía uma área com cadeiras. Eu fiquei exatamente atrás dessa área, junto com a minha esposa, Virgínia (que ficou sentada em uma cadeira, mas fora daquela área). A visão do palco era boa, mas não estava tão perto assim. Pelo menos, assim pensava esta besta que voz tecla. Porque depois de algumas músicas, no fim de uma delas, eis que a estrela da noite me solta esta frase, apontando de longe para mim: “você é quem eu estou pensando que você é?”

Obviamente surpreso, eu acenei, de forma afirmativa. Aí, ele me apresentou à plateia de forma gentil e elogiosa, com a generosidade que lhe é peculiar. De quebra, me ofereceu a música que iria tocar logo a seguir, “apenas” Meu Mundo e Nada Mais, a canção que, em 1976, abriu-lhe as portas das rádios e da grande mídia e do público como tema da novela global Anjo Mau.

Imaginem só a minha cara, perante aquela multidão toda, com os holofotes voltados para mim… De quebra, o cidadão ainda dedicou Deixa Chover à minha mãe e, antes de começar o pot-pourry que encerrou o show, Fã-Número 1/Lindo Balão Azul, afirmou ser “meu fã”. Até parece, não é, seo Guilherme? Eu, sim, sou seu fã, e dos grandes. Você não tem a ideia de como tanta generosidade me fez bem, além de me dar a certeza de que, quem sabe, na minha vida, o melhor esteja para começar, como diz uma de suas canções (leia a homenagem que fiz quando ele completou 60 anos de idade aqui ).

Êxtase (ao vivo em Jaú)- Guilherme Arantes:

Griswolds subverte com classe hits do cinema

Por Fabian Chacur

Um dos elementos mais legais a serem usados no cenário musical quando o assunto é reler músicas alheias é a subversão. O duro é acertar na dose. Eis um dos grandes méritos do grupo Griswolds em seu 2º álbum, Draggin’ You To Hollywood, lançado pela via independente e um trabalho simplesmente delicioso de se ouvir.

O Griswolds é um projeto criado pelos músicos Fernando Lazzari (guitarra e vocais), Alexandre Lazzari (bateria e vocais) e Eduardo Nakagawa (bateria e vocais), e surgiu no cotidiano de outra banda, a Estado de Shock, há 20 anos na estrada e conhecida por seu rock/reggae autoral e pelo hit Manga Rosa.

Oriundo da cidade de Jaú (SP), o Griswolds tem como objetivo reler de forma subversiva temas de filmes famosos, injetando neles, mesmo os mais melosos, doses maciças do velho e bom rock and roll, com evidente influência de bandas como Green Day, The Clash e Ramones.

Draggin’ You To Hollywood é uma verdadeira aula de como mergulhar em um repertório bastante familiar ao público em geral e torná-lo totalmente diferente, sem no entanto abandonar característicar marcantes de cada uma, como riffs e melodias.

Tornar canções batidas e xaroposas como Take My Breath Away (do filme Top Gun-Ases Indomáveis e gravado originalmente pelo grupo Berlin) e My Heart Will Go On (de Titanic e gritada, digo, interpretada pela cantora canadense Celine Dion) em rockões ágeis e dançáveis é uma façanha digna de medalha olímpica.

Alice (Underground), da fraca versão do cineasta Tim Burton para Alice no País das Maravilhas/Alice no País do Espelho e a instrumental Main Theme: Back To The Future, da sensacional trilogia De Volta Pro Futuro, são as minhas favoritas, mas as oito faixas podem ser ouvidas na sequência de forma bastante prazerosa.

As músicas são entremeadas por trechos dos filmes e também por passagens rápidas e bem-humoradas criadas pelo trio, o que torna a audição de Draggin’ You To Hollywood uma verdadeira viagem pelo mundo do cinema em grande estilo. De Jaú para o mundo!
Site da banda: www.griswolds.com.br

Ouça Take My Breath Away, com o Griswolds:

© 2021 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑