Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: jazz (page 1 of 5)

Antonio Adolfo relê o Wayne Shorter no ótimo CD Hybrido

Print

Por Fabian Chacur

Uma das vantagens de você ser o seu próprio patrão é criar pautas próprias sem depender de aprovação dos outros. Por isso, nesses 11 anos de Mondo Pop, pude me divertir escrevendo sobre artistas de que gosto muito. Mais: dando espaço a alguns deles, que nem sempre tem a atenção que merecem. Antônio Adolfo é um dos campeões de posts aqui. Se tiver alguma dúvida, confira neste link aqui e leia algumas das matérias publicadas no blog sobre ele.

Além de sua importância e currículo invejável no cenário da nossa música, Antonio Adolfo possui outra grande virtude: a vitalidade. Ele, que completou 70 anos no último dia 10 de fevereiro, continua mais ativo do que nunca, com constantes shows e lançamentos de novos álbuns. E cada novo disco vem com aquele rigor estilístico e com temáticas diferentes entre si e ao mesmo tempo pertinentes, tendo como regra o prazer e a paixão pela boa música popular.

Nem é preciso dizer que Hybrido- From Rio To Wayne Shorter, seu novo CD, não foge a esse alto parâmetro artístico. O músico carioca, desta vez, mergulhou na obra do genial saxofonista e compositor americano Wayne Shorter e trouxe de seu rico repertório oito composições, que receberam novos arranjos e foram tocados com swing, categoria e sentimento pelo músico e uma banda afiadíssima.

Além do próprio Antonio no piano e arranjos, temos em cena Lula Galvão (guitarra), Jorge Helder (contrabaixo), Rafael Barata (bateria e percussão), André Siqueira (percussão), Jessé Sadoc (trompete), Marcelo Martins (sax tenor e soprano e flauta) e Serginho Trombone (trombone). Zé Renato (vocais) e Claudio Spiewak (violão) fazem participação especial. Um timaço, conduzido com a competência habitual pelo dono da festa, que dá espaço para que todos brilhem.

Além das oito composições, escolhidas principalmente da produção de Shorter da década de 1960, temos também uma obra própria, Afosamba. A ideia foi mesclar as belas melodias e o teor jazzístico de maravilhas como Deluge, Footprints, Speak No Evil, Beauty And The Beast e E.S.P. com elementos da nossa música, e o resultado não poderia ser melhor, renovando clássicos sem os violentar.

Vale lembrar que Wayne Shorter, conhecido por seu trabalho com Miles Davis e por ter criado o influente e bem-sucedido grupo Weather Report, sempre foi um fã confesso da música popular brasileira, vide o álbum que gravou em 1974 em parceria com Milton Nascimento, Native Dancer, só para citar uma dessas colaborações. Aos 83 anos, ele dificilmente não se encantará ao ouvir novas versões tão quentes de suas composições. Mais um golaço de Antonio Adolfo, e mais um post sobre ele em Mondo Pop. Que venham muitos outros!

Viralata- Antonio Adolfo (álbum em streaming):

Nico Rezende viaja com classe pelo repertório de Chet Baker

nico rezende canta chet baker-400x

Por Fabian Chacur

Nico Rezende tem várias afinidades com o saudoso cantor e trompetista americano Chet Baker (1929-1988). Ambos começaram como músicos, inserindo o canto em suas trajetórias logo a seguir, com sucesso. Outra característica: a pinta de galã. Sorte que Nico não seguiu outra marca do jazzista, o forte envolvimento com as drogas e bebidas e uma vida desregrada que o destruiu durante as duas últimas décadas de sua breve vida. Firme, forte e em plena forma, o músico brasileiro lança Nico Rezende Canta Chet Baker, belíssimo DVD com repertório de Baker.

Chet Baker viveu o auge de sua trajetória musical durante a década de 1950 e parte da de 1960. Seu trabalho seguia a linha do cool jazz, também chamado de West Coast pelo fato de ter sido predominante no oeste americano nos anos 1950. Músico refinado, elogiado até por feras como Charlie Parker, que o ajudou no início de sua carreira, ele começou a brilhar como cantor com o álbum Chet Baker Sings (1954).

Compositor não muito frequente, ele se valia bastante do repertório de standards da música americana, aquela coleção maravilhosa de composições assinadas por nomes como Cole Porter, George & Ira Gershwin, Sammy Cahn, Richard Rodgers & Lorenz Hart, Johnny Mercer e outros do mesmo altíssimo gabarito. A seleção de repertório feita por Nico enveredou por esse caminho, sendo que 8 das 17 faixas marcam presença no clássico Chet Baker Sings.

Para acompanha-lo nesta bela viagem musical, Nico, que se incumbiu dos vocais e do piano, convidou os excelentes Guilherme Dias Gomes (trompete), Fernando Clark (guitarra), Alex Rocha (contrabaixo acústico) e André Tandeta. A gravação foi feita durante o show que o quinteto realizou em Niterói (RJ), como parte do Tudo Blues Festival, no dia 5 de junho de 2016, no Teatro do Centro Artes UFF.

O timbre e o estilo de cantar de Nico se encaixaram feito luva neste repertório, e o entrosamento entre ele e os músicos de sua banda rendeu performances impecáveis, sempre abrindo espaços na hora certa para os improvisos e tratando com todo o carinho cada canção.

O registro visual, em tons mais escuros, cria um clima de casa noturna americana, como se estivéssemos nos EUA durante a década de 1950, ouvindo os reis do cool jazz. E o comandante da festa se mostra um ótimo mestre de cerimônias, com direito a uma bela interação com a plateia na parte inicial da música You’d Be So Nice To Come Home To.

Quando às 17 músicas incluídas no DVD, louvemos maravilhas como But Not For Me, Time After Time, Let’s Get Lost, You Don’t Know What Love is, There Will Never Be Another You, My Funny Valentine, As Time Goes By e That Old Feeling, canções que provam com veemência que o que é bom, é para sempre, não tem data nem época. Atemporais até a medula!

Nico Rezende Canta Chet Baker é uma bela forma que o cantor, compositor e músico nascido em São Paulo em 13 de outubro de 1961 e radicado há anos no Rio escolheu para comemorar os 30 anos do lançamento de seu primeiro álbum solo, autointitulado, do qual o hit Esquece e Vem saiu rumo às paradas de sucesso de todo o mundo. Ele também atuou como músico e arranjador para artistas do porte de Ritchie, Lulu Santos, Marina Lima, Roberto Carlos e Gal Costa.

There Will Never Be Another You– Nico Rezende:

Tommy LiPuma, um produtor lendário, morre aos 80 anos

tommy lipuma e paul mccartney-400x

Por Fabian Chacur

A primeira vez que eu li o nome Tommy LiPuma em um disco foi em um trabalho de George Benson, para ser mais preciso o compacto simples de vinil com a música Love Ballad (1978). Mal sabia eu que ainda ouviria muita coisa boa com o toque mágico de seu trabalho. Ele infelizmente nos deixou nesta segunda(13) aos 80 anos, em Nova York. Seu legado, no entanto, permanecerá eterno.

Nascido em 5 de julho de 1936, LiPuma começou o seu envolvimento no cenário musical como instrumentista, mas acabou enveredando para a área de divulgação no fim dos anos 1950. Após algumas experiências na área de produção, incluindo uma com o então ainda emergente trio de r&b The O’Jays, foi contratado pela gravadora A&M, onde ficou de 1965 a 1968 e assinou a produção de ao menos um grande hit, The More I See You, lançada em 1965 por Chris Montez.

Em 1968, resolveu se associar a outro profissional da área musical, Bob Krasnow (que por sinal nos deixou em 11 de dezembro de 2016), para criar o selo Blue Thumb Records. Até 1978, a gravadora lançaria discos de artistas como Sylvester (os dois primeiros, Sylvester & The Hot Band e Bazaar, ambos de 1973), Gerry Rafferty, Phil Upchurch, The Crusaders, Dave Mason e The Pointer Sisters, entre outros.

Sem se dedicar com exclusividade ao próprio selo, ele tirou a sorte grande em 1976, quando produziu Breezin’, álbum que tornou George Benson uma estrela pop, atingiu o primeiro lugar na parada ianque e rendeu a ele, LiPuma, o primeiro dos cinco troféus Grammy que conquistaria no decorrer de sua vida.

A parceria com Benson rendeu os também clássicos álbuns In Flight (1976), Livin’ Inside Your Love (1978) e o ao vivo Weekend In L.A. (1977, com aquela eletrizante releitura de On Broadway, dos Drifters). Eles voltariam a trabalhar juntos posteriormente em algumas ocasiões.

Em vários momentos de sua carreira, Tommy atuou como produtor e também como executivo de gravadoras, e dessa forma trabalhou com vários artistas brasileiros, como Eumir Deodato, Tom Jobim, João Donato e João Gilberto. Também trabalharam com ele Al Jarreau, Barbra Streisand, Michael Bublé, Willie Nelson e muitos outros.

Em 1991, ele assinou a produção de oito músicas de Unforgettable…With Love, tributo de Natalie Cole a seu pai Nat King Cole que se tornou um campeão de vendas e de Grammys.

Quando resolveu gravar um disco com releituras de standards de jazz, Paul McCartney acabou escolhendo Tommy LiPuma para a tarefa. A colaboração gerou o álbum Kisses On The Bottom (2012), que chegou ao top 5 da parada americana e posteriormente geraria também um belíssimo DVD gravado ao vivo com o seu repertório, que também incluiu duas composições inéditas do Macca seguindo o estilão do material compilado aqui por ele.

Não satisfeito, Tommy LiPuma também descobriu em 1995 uma jovem cantora, compositora e pianista canadense chamada Diana Krall. Naquele ano, produziu o segundo álbum da hoje megaestrela do jazz, Only Trust Your Heart, e assinou outros nove até 2009. Ela também participou do CD de McCartney produzido por ele. Aliás, seu último trabalho na produção marcou seu reencontro com a pupila, o álbum Turn Up The Quiet, que sairá nos EUA em 5 de maio deste ano.

Love Ballad– George Benson:

Al Jarreau, aos 76 anos, leva a sua belíssima voz para o céu

al jarreau-400x

Por Fabian Chacur

Do The Right Thing (Faça a Coisa Certa-1989), de Spike Lee, é um dos meus filmes favoritos. A sua parte final é bastante violenta. Após uma verdadeira carnificina capaz de abalar qualquer pessoa mais sensível, uma incrível surpresa. Enquanto passam os créditos, uma música doce, suave e envolvente intitulada Never Explain Love nos ajuda a recuperar o fôlego, a esperança e a paz. Seu intérprete, o talentosíssimo Al Jarreau, nos deixou neste domingo (12) aos 76 anos.

Este cantor americano nascido em 12 de março de 1940 em Milwaukee, Wisconsin (EUA) tem inúmeros pontos importantes em seu extenso currículo. Em 1985, por exemplo, ele não só se apresentou com destaque da primeira edição do Rock in Rio como também foi um dos cantores a participar de uma das gravações mais conhecidas de todos os tempos, a beneficente We Are The World, ao lado de Michael Jackson, Bruce Springsteen e dezenas de outras estrelas do seu mesmo calibre.

Filho de um pastor evangélico e de uma pianista de igreja, Alwin Lopez Jarreau (seu nome de batismo) se envolveu com a música desde o berço, portanto. Curiosamente, demorou um pouco a mergulhar de cabeça nessa carreira. Ele se formou em psicologia e trabalhou na área de reabilitação vocacional. Nas horas vagas, cantava com um trio de jazz liderado por um certo George Duke, que viraria um parceiro musical, também estrela do jazz e amigo para o resto da vida.

Em 1968, incentivado pela boa repercussão que vinha obtendo em pequenos shows, resolveu virar cantor em tempo integral. Fez inúmeras apresentações ao vivo e participou de programas de TV importantes, e em 1976, após marcar presença no hoje mitológico Saturday Night Live, recebeu o convite para gravar seu primeiro álbum solo, We Got By, lançado naquele mesmo ano. Ele já tinha 36 anos, mas soube aproveitar essa oportunidade rapidinho.

Em 1978, com o álbum Look To The Rainbow, ganhou o primeiro dos sete Grammy Awards que faturaria em sua carreira. Embora investindo basicamente em jazz, com destaque para scat singing, ele também não se furtava a gravar rhythm and blues, soul e canções românticas, mas sempre com muito bom gosto e sem concessões exageradas.

Em 1981, seu elogiado álbum Breakin’ Away o colocou na 9ª posição da parada pop americana, graças a belas canções pop. Ele sempre liderou os charts de jazz e também de r&b, graças a canções como a maravilhosa Mornin’, que também fez sucesso no Brasil.

Ele também marcou presença em várias trilhas sonoras. Além da do filme de Spike Lee citado logo na abertura deste texto, outro destaque fica por conta de Moonlighting, tema da série de TV A Gata e o Rato, que foi ao ar de 1985 a 1989 e era estrelada por Sybil Sheperd e Bruce Willis. Ele chegou a participar de um álbum da adorável Vila Sésamo, In Harmony: A Sesame Street Record.

Sua paixão pela música brasileira o levou a gravar as músicas Waters Of March e Girl From Ipanema, de Tom Jobim, no álbum A Twist Of Jobim (1997), do célebre guitarrista americano Lee Ritenour, e também da faixa Double Face, em 2010, em um álbum de Eumir Deodato. Ele homenageou o amigo Duke recentemente com o álbum My Old Friend: Celebrating George Duke (2014). Um de seus melhores trabalhos foi Givin’ It Up (2006), gravado em parceria com George Benson, outro grande amigo e que tocou naquele mesmo Rock in Rio de 1985.

Os problemas mais sérios com a saúde de Al Jarreau tiveram início em 2010, quando o astro chegou a ficar internado por bastante tempo na França, entre a vida e a morte. Mesmo assim, conseguiu se recuperar e continuou fazendo shows e gravando até quando isso foi possível. Ele inclusive tinha shows marcados para o Brasil em março deste ano, mas as apresentações foram canceladas por causa de seu estado de saúde, há alguns dias. Uma pena! Que descanse em paz!

Never Explain Love– Al Jarreau:

Diana Krall anuncia sua turnê e o álbum Turn Up The Quiet

diana krall capa cd novo 2017-400x

Por Fabian Chacur

Boas novidades para os fãs de Diana Krall. Deve sair no dia 5 de maio pelo selo Verve Records, hoje vinculado à Universal Music, o novo trabalho da cantora, compositora e pianista canadense, Turn Up The Quiet. O álbum será divulgado por extensa turnê mundial, prevista para durar de 2017 a 2018 e com o primeiro show marcado para 2 de junho, em Minneapolis, nos EUA. Ainda não foram divulgadas apresentações no Brasil.

A agenda da esposa de Elvis Costello vai ficar lotada em breve. Na América do Norte, já estão programados 32 datas, de junho a agosto. No dia 10 de setembro, terá início o braço europeu da turnê, com um show na Dinamarca e 25 outras apresentações em diversos países europeus. Como a tour está sendo divulgada como 2017/2018, os fãs brasileiros provavelmente terão uma boa surpresa nos próximos meses. Vale ficar com os dedos cruzados e na expectativa.

Turn Up The Quiet marca a volta de Diana ao universo do jazz e dos standards (o venerado Great American Songbook) após um período dedicada ao pop autoral. A produção do álbum ficou a cargo de um antigo parceiro, o premiado produtor Tommy LiPuma, com quem ela trabalhou pela primeira vez em 1995, no álbum Only Trust Your Heart. Ele atuou com astros do porte de George Benson, Paul McCartney, Barbra Streisand, Miles Davis e Natalie Cole, entre muitos outros.

The Look Of Love (live)- Diana Krall:

Livro serve como uma ótima e segura viagem pelo jazz world

capa-jazzaoseualcance-400x

Por Fabian Chacur

Jazz. Como todo grande patrimônio cultural da humanidade, é difícil de ser definido ou delimitado. O que é e o que não é jazz? Quem começou esse ritmo musical? Quem são seus nomes essenciais? O que deve ou não deve ser cultuado por quem deseja conhecer essa importante vertente da música? São muitas questões. Se você se interessa por essas e outras tantas, uma ótima dica é ler Jazz Ao Seu Alcance, de Emerson Lopes (editora Multifoco).

O livro surgiu do trabalho de pesquisa do jornalista Emerson Lopes para um site da internet. Sem ser inicialmente fã de jazz, ele como tempo foi se apaixonando pelo tema, e virou um especialista, mesmo que possa não se encarar dessa forma. Seu trabalho virou referência para muita gente, e a concepção de Jazz Ao Seu Alcance é bastante generosa, pois se propõe a dividir com o seu leitor esse conhecimento todo de forma metódica e bem organizada, no melhor estilo guia.

Vale, logo de cara, apontar a principal virtude do trabalho de Emerson. Ele não se deixa levar pela tentação de encaminhar o leitor rumo a uma visão definida e/ou definitiva do jazz. Pelo contrário. O escritor apresenta as mais importantes tendências, estilos e derivações do jazz, citando nomes essenciais e dando à oportunidade ao leitor da busca pelo aprofundamento nos campos que forem se tornando os seus favoritos.

Isso se mostra fundamental nas áreas do fusion e do smooth jazz, que sofrem muito preconceito por parte dos jazzistas mais radicais, que não só os abominam como preferem nem classifica-los como vertentes do jazz. Emerson não cai nessa armadilha, embora também não deixe de apresentar ao leitor a existência dessas correntes mais radicais e suas posições. Isso é democracia no melhor sentido da palavra, e serve como embasamento para o guia como um todo.

O conteúdo é dividido em vários capítulos, que podem ser apreciados separadamente ou na ordem. Temos aqui preciosas dicas de sites em português e outros idiomas sobre esse estilo musical, sites sobre a obra dos artistas mais importantes, rádios online e podcasts, os principais festivais, lojas de discos e DVDs, revistas, música instrumental brasileira, CDs fundamentais e músicos decisivos em cada instrumento.

Se os itens citados são úteis e importantes como um todo, vale como destaque o capítulo dedicado a entrevistas feitas especialmente para o livro, nas quais uma série de perguntas mais ou menos padronizadas é feita para vários especialistas, entre músicos, críticos musicais e radialistas, nas quais você poderá ter contato com pontos de vistas bem distintos entre si, e que certamente o ajudarão a criar a sua própria forma de encarar o jazz. Um banho de informação.

Com bela capa e apresentação visual, Jazz Ao Seu Alcance só peca pela revisão um pouco descuidada para um trabalho desse alto gabarito, assim como uma padronização também deficiente. Mas são pequenos pecados diante da consistência do guia como um todo, que tem como tempero o texto claro, simples e sem muitos rodeios de Emerson, que facilita a vida especialmente do neófito que tenta se iniciar no mundo do jazz. Livro essencial para novatos, mas que também pode acrescentar muito para quem conhece esse seminal gênero musical.

Vale a dica: Emerson também possui um ótimo blog com resenhas, informações sobre shows e outras informações bacanas, além de apresentar um podcast bem bacana, no qual apresenta maravilhas do mundo do jazz de forma abrangente e descolada. Confira os links abaixo:

https://www.mixcloud.com/podcastjazzy/novo-jazzy-89/

http://jazzaoseualcance.blogspot.com.br/2009/10/jazz-ao-seu-alcance.html

Take Five (live)- Dave Brubeck:

Cantora Akua Naru apresenta seu jazz hip hop em São Paulo

akua-naru-400x

Por Fabian Chacur

A cantora e compositora Akua Naru é mais uma prova de como a globalização tem efeito positivo na música. Natural de New Haven, Connecticut (EUA), ela é radicada em Colônia, Alemanha, e de lá vem consolidando uma carreira dedicada à mistura do rap e hip hop com elementos de jazz e soul music. Ela se apresentará em São Paulo nesta quinta-feira (6/10) às 22h30 no Bourbon Street (Rua dos Chanés, nº 194- Moema- fone 0xx11-5095-6100), com ingressos a R$ 50,00.

A carreira discográfica de Akua Naru teve início em 2011 com o álbum The Journey Aflame. O segundo trabalho, Live & Aflame Sessions, veio em 2012, gravado em parceria com a banda Digflo. Ela também tocou com o célebre baterista nigeriano Tony Allen, conhecido por seus trabalhos com o influente astro africano Fela Kuti, e fez uma bem-sucedida turnê com o grupo Lords Of The Underground.

Akua já colaborou com artistas importantes como Angelique Kidjo e Ahmir Questlove (do grupo The Roots), e com os brasileiros Kamau, Rael e Rashid. Além de músicas de seus trabalhos anteriores, a cantora americana também nos dará uma prévia de seu novo álbum The Miner’s Canary, que está previsto para sair em breve. Outro elemento importante em sua obra é a poesia, que se sobressai em alguns momentos de seus discos e shows.

How Does It Feel Now (live)- Akua Naru:

Larry Carlton, um dos craques da guitarra, faz show em SP

larry carlton 400x

Por Fabian Chacur

Não é qualquer um que pode ser considerado uma espécie de guitarrista dos guitarristas, e o americano Larry Carlton se encaixa feito luva nessa descrição.  Na estrada desde os anos 1970, ele se apresenta em São Paulo no dia 19 de julho no Bourbon Street (rua dos Chanés, nº 127- Moema- fone 0xx11-5095-6100), com ingressos de R$ 190,00 a R$ 270,00. Tipo do evento imperdível para quem curte jazz rock da melhor qualidade.

Nascido em 2 de março de 1948, Larry Carlton começou a ficar conhecido no meio musical como integrante da banda de jazz e soul The Crusaders, com quem tocou de 1971 a 1977. Em 1978, com o álbum Larry Carlton, incrementou uma carreira solo das mais significativas, que lhe rendeu 19 indicações ao Grammy, o Oscar da música, sendo que ele foi o vencedor em quatro ocasiões.

Como músico de estúdio, Carlton participou de mais de 100 álbuns que ganharam discos de ouro e de platina, gravados por astros do calibre de Michael Jackson, Steely Dan, Barbra Streisand, Billy Joel, Quincy Jones, Joni Mitchell e The Four Tops, só para citar alguns. O seu solo na música Kid Charlemagne, do Steely Dan (do álbum The Royal Scam, de 1976), sempre entra nas listas dos melhores de todos os tempos, tal a sua expressividade e criatividade.

Além do trabalho como session man e artista solo, ele também gravou e fez shows com outros guitarristas, notadamente Robben Ford, Lee Ritenour e Steve Lukather (do grupo Toto). No Bourbon Street, Larry será acompanhado por uma banda formada por Jota Morelli (bateria), Daniel Meza (baixo) e Colo Silva (teclados), além dele próprio pilotando sua célebre Gibson 1969 modelo ES-335. Ele, por sinal, lança seus discos por um selo próprio, o 335 Records.

Smiles And Smiles To Go– Larry Carlton:

Minute By Minute– Larry Carlton:

Kid Charlemagne– Steely Dan (solo: Larry Carlton):

Soundscape Big Band toca no Teatro Commune, São Paulo

SOUNDSCAPE FOTO vanessa oliveira-400x

Por Fabian Chacur

Toda Segunda é Dia de Big Band é um projeto muito interessante que abre espaços para que bandas com trabalhos consistentes e instigantes possam se apresentar em São Paulo, onde os espaços para esse tipo de formação não são dos maiores. Nesta segunda (6) às 21h, a atração será a Soundscape Big Band, e o local, o Teatro Commune (rua da Consolação, nº 1.218- Consolação-S.P. fone 0xx11-3476), com ingressos a R$ 10,00 (meia) e R$ 20,00 (inteira).

Na estrada desde 1999, a Soundscape Big Band investe na estrutura básica de cinco saxofones, quatro trombones, quatro trompetes, baixo acústico, bateria, piano e guitarra. Na sua escalação, músicos experientes que já tocaram com celebridades musicais do naipe de Ivan Lins, Tom Jobim, Lionel Hampton Orchestra, Lee Konitz, Milton Nascimento, João Bosco etc. Eles tocam arranjos e composições de diferentes sonoridades e texturas do jazz contemporâneo.

Em seu currículo, a big band tem os CDs Maybe September (2001),Uncle Charles (2007) e Cores Vol.1 (2011). Seu mais recente trabalho é Paisagens Sonoras. Eis a sua escalação:

Saxofones:
Josué dos Santos (líder) – sax alto/soprano/flauta/flauta alto.
Samuel Pompeo: sax alto/flauta/clarinete baixo.
Vitor Alcântara: sax tenor/soprano/flauta/sax alto.
Jefferson Rodrigues: sax tenor/flauta
Carlos Alberto Alcântara: sax tenor/flauta. (convidado especial)
Luiz Neto: sax barítono/flauta.

Trompetes:
Junior Galante (líder)
Daniel D’Alcântara
Sidmar Vieira
Paulo Jordäo

Trombones:
Paulo Malheiros Jr (líder)
Jorge Neto
Marcelo Boim
Jaziel Gomes – trombone baixo.

Guitarra: Djalma Lima.
Piano: Edson Sant’anna.
Baixo acústico: Bruno Migotto.
Bateria: Cuca Teixeira

Paisagens Sonoras– Soundscape Big Band:

Almirante Nelson– Soundscape Big Band:

Naked Soul– Soundscape Big Band:

Corina Magalhães explora do seu jeito a mineirice no samba

corina magalhaes capa cd-400x

Por Fabian Chacur

Tem mais uma mineira das boas no samba. Trata-se da cantora Corina Magalhães. Com 32 anos de idade e natural da cidade de Cambui (MG), a moça estreia em disco de forma segura e inspirada, mostrando que se preparou muito bem para executar essa tarefa, algo que infelizmente muitos artistas não fazem em seus primeiros trabalhos. O álbum, intitulado de forma simples e direta Tem Mineira no Samba, é um verdadeiro banho de swing, classe e sutileza. Bom demais da conta!

O conceito por trás do CD que abre a discografia desta intérprete é simples, mas muito bem desenvolvido. Ela selecionou 13 composições de autores mineiros de várias épocas, mais uma, Guerreira, escrita por dois cariocas (João Nogueira e Paulo Cesar Pinheiro), que, no entanto, foi feita e gravada pela mais famosa e bem-sucedida sambista mineira de todos os tempos, a saudosa Clara Nunes.

Com um repertório muito bem selecionado, o próximo passo foi criar uma moldura musical adequada e que se afastasse do óbvio, e nisso Corina mais uma vez se mostrou craque. Sua concepção musical temperou o baticum sambista com bons elementos de chorinho e especialmente de jazz, apostando na sutileza, nas nuances e em um delicioso diálogo entre voz e instrumentos em vários momentos, algo típico dos intérpretes jazzísticos mais bem dotados.

O resultado é um disco que flui gostoso a cada faixa. Uma grande qualidade desta mineirinha é o fato de se valer de um registro vocal doce e suave sem cair em uma mesmice, ou seja, sem se lambuzar de doçura e correr o risco de nos oferecer um trabalho sem variações e proibido para diabéticos. Nada disso. Corina prova que é possível ser suave e ao mesmo tempos nos oferecer variações de timbre e interpretação das mais expressivas, sem gritar ou exagerar.

Corina se porta bem na árdua missão de nos oferecer novas leituras para algumas músicas bem conhecidas, como Sem Compromisso (Geraldo Pereira-Nelson Trigueiro), Ai Que Saudade da Amélia (Ataulfo Alves-Mário Lago), Escurinho (Geraldo Pereira) e Falsa Baiana (Geraldo Pereira). Todas elas aparecem aqui de roupa nova, não se assemelhando a releituras anteriores e soando muito legais.

As três que ela pinçou da obra dos geniais João Bosco e Aldyr Blanc ficaram matadoras. São elas Casa de Marimbondo, Prêt-a-Porter de Tafetá e A Nível de…, esta última um dos momentos mais bem-humorados e sarcásticos da dupla mineiro-carioca. Em Aqui é o País do Futebol (Milton Nascimento-Fernando Brant), a intérprete dá uma aula no quesito suavidade-tensão, trocando de registros com uma categoria absurda.

Das novas gerações, boa representante é a deliciosa Galo e Cruzeiro, do versátil Vander Lee. E tem três do mestre Ary Barroso, Faceira, Camisa Amarela e Morena Boca de Ouro. E quer saber? Melhor você ir atrás e descobrir por si só esta bela obra, uma das estreias mais consistentes dos últimos anos. Muita cantora por aí tem se metido a cantar samba atualmente, mas poucas com esta consistência, esta categoria e essa fluência. Coisa muito, mas muito fina mesmo!

obs.: ah, e também merece muitos elogios a apresentação visual do CD, simplesmente espetacular, com direito a belíssima capa tripla no formato digipack, com direito a um belo encarte com as letras e ficha técnica. Coisa de primeiro mundo.

Aqui é o País do Futebol– Corina Magalhães:

Guerreira– Corina Magalhães:

Faceira– Corina Magalhães:

Older posts

© 2017 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑