Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: julho 2018

Griswolds dá um toque punk a hits das trilhas de animações

griswolds-promo2-400x

Por Fabian Chacur

Várias das músicas mais populares de todos os tempos saíram das trilhas das animações, antigamente chamadas de “desenhos animados”. São aquelas melodias que todos conhecem, e cujas letras acompanhamos juntos. Pois o grupo Griswolds teve a ideia de reunir 12 desses petardos em seu novo CD, Punkidz. O título entrega a intenção do trio: os hits aparecem em inusitadas versões punk rock.

Criada e sediada na cidade de Jaú (SP), a Griswolds pensou inicialmente em Punkidz como um show, mas durante sua gestação, ficou claro que o resultado merecia virar um CD, o que ocorreu após um ano e meio do início de tudo. E outra coisa ficou clara nesse processo criativo: o ideal seria gravar as versões em português das músicas, e não as originais em inglês, como costumam fazer em seus discos e shows.

“Até gravamos You’ll Be In My Heart (da trilha de Tarzan, hit de Phil Collins), mas logo percebemos que a maioria das pessoas conhece e canta essas músicas nas versões dubladas em português das animações, e ficou legal, pois é algo diferente do que a gente faz habitualmente”, explica o vocalista e guitarrista Fernando Lazzari, que integra o grupo com o irmão Alexandre (bateria) e o cunhado Naka (baixo).

Além da música do ex-cantor e baterista do Genesis (cuja versão em inglês encerra o álbum, como faixa-bônus), temos canções de animações desde clássicos dos anos 1960 até os atuais, incluindo A Bela e a Fera, Mogli, Toy Story e O Rei Leão. A curiosidade é a divertida A Canção dos Gatos Siameses, de A Dama e o Vagabundo. “Queríamos uma canção de vilões, e essa se encaixou perfeitamente”, justifica Fernando.

O show de lançamento de Punkidz, que teve uma bela prévia no último dia 26 de julho no Cinema Municipal de Jaú, com casa cheia e ótima acolhida por parte do público, traz músicas do novo CD, algumas dos anteriores e uma ou outra ainda não gravada pelo trio. “Cada uma é ilustrada por um vídeo com cenas das animações”, explica o músico.

Criado em 2010, o grupo, que foi batizado com o sobrenome da família do filme Férias Frustradas, surgiu como um projeto paralelo do grupo de canções próprias e covers Estado de Shock, que lançou um LP/CD em 1993 e durou de 1990 a 2011. Inicialmente, o trio apenas gravava as músicas, até que realizou seu primeiro show em maio de 2011.

A Griswolds fica numa espécie de fronteira entre banda cover e de material próprio, pois se só toca canções alheias, sempre faz isso com arranjos originais, criativos e distantes dos gravados originalmente por seus criadores. “Não ligo de nos chamarem de banda cover, mas a gente procura fazer as nossas versões, com a nossa pegada, fugindo do óbvio e trazendo coisas inusitadas”, comenta Fernando.

Durante esses oito anos de existência, a Griswolds conseguiu criar um público fiel em sua cidade natal, e também tem no currículo várias apresentações no estado de São Paulo, em cidades como Campinas, Bertioga, Registro e Presidente Prudente, além de conseguir boa repercussão através das redes sociais.

Para saber mais sobre a banda, entre aqui.

A Bela e a Fera (clipe)- Griswolds:

Karla Bonoff lançará disco de estúdio com boas novidades

karla bonoff-400x

Por Fabian Chacur

A excelente cantora, compositora e musicista americana Karla Bonoff (saiba mais sobre ela aqui) divulgou em seu site oficial que em breve lançará um novo trabalho. Trata-se de Carry Me Home, CD independente que será o seu primeiro trabalho de estúdio desde New World (1988) e em qualquer configuração desde o duplo ao vivo Karla Bonoff Live (2007).

Carry Me Home trará 16 faixas, sendo 13 delas releituras de músicas importantes do repertório da artista, entre as quais Home, Someone To Lay Down Beside Me, All My Life e Tell Me Why , e três novidades. São elas a releitura de Something Fine, lançada pelo autor Jackson Browne em seu autointitulado álbum de estreia, de 1972, Carry Me Home, composição inédita de Karla, e On My Way To Heaven, do saudoso Kenny Edwards (1946-2010), que trabalhou com ela por mais de duas décadas.

O formato da gravação foi bem minimalista. Além da protagonista nos vocais e piano, temos a guitarrista Nina Gerber, e em alguns momentos os vocais de Glenn Phillips, cantor e líder da banda de rock alternativo Toad The Wet Sprocket, que fez sucesso especialmente durante a década de 1990. Vale informar que Bonoff tem feito vários shows nesse formato voz, piano e guitarra em sua fase mais recente, sempre com ótima repercussão por parte do público.

Conheça as faixas de Carry Me Home:

Home

All My Life

Carry Me Home

Tell Me Why

Rose In the Garden

Something Fine

Wild Heart of the Young

All the Way Gone

New World

On Your Way To Heaven

Daddy’s Little Girl

Restless Nights

Goodbye My Friend

Someone To Lay Down Beside Me

Lose Again

The Water Is Wide

All My Life- The Best Of Karla Bonoff (em streaming):

Jorge Ailton lança o seu 3º CD solo com “arembi” elegante

Jorge Ailton 4-400x

Por Fabian Chacur

O cantor, compositor e músico carioca Jorge Ailton iniciou a sua trajetória profissional há 19 anos, tocando na banda de Sandra de Sá. Desde então, além de acompanhar artistas do calibre de Mart’nália, Toni Garrido, Paula Toller e Lulu Santos (com quem toca há oito anos), ele também investe em uma carreira solo que acaba de gerar seu terceiro fruto, o álbum Arembi, lançado pela gravadora Lab 344.

O título do CD (também disponível nas plataformas digitais), uma transcrição fonética adaptada do original r&b (rhythm and blues) é uma forma criativa de explicitar o desejo de Ailton em termos musicais.

“O título do álbum parece um nome suburbano, aquela coisa colaborativa. O r&b, o soul, são na verdade sotaques, como o samba; ouvi isso a vida inteira, frequentei os bailes, os ambientes, curti as variações desse estilo musical, via o pessoal dançar, aí surgiu naturalmente a minha forma de mostrar essa sonoridade”, explica.

Arembi traz 11 músicas, sendo cinco só dele e outras seis escritas com parceiros como Lulu Santos, Ronaldo Bastos, Fernanda Abreu e Hyldon. “Esse disco é como se eu tivesse chegado em casa, enquanto nos discos anteriores (O Ano 1, de 2010, e Canções em Ritmo Jovem, de 2013) eu ainda estava no caminho. Agora eu me sinto mais à vontade”.

O baixista considera muito importante as experiências que teve integrando bandas de apoio de outros artistas. “Acho que o mais bacana do artista é manter a antena sempre ligada. Procuro pegar o que cada artista que acompanhei tem de bom, como a explosão da Sandra e da Mart’nália, a organização do Lulu… Peguei um pouquinho de como cada um deles lida com as suas carreiras e procurei aprender, além de trazer coisas para a minha própria”.

A ideia de Jorge Ailton é conciliar a carreira solo com o trabalho com outros artistas enquanto for possível. “Acho uma tendência normal no futuro ser só artista solo, mas continuo fazendo as duas coisas. O escritório do Lulu é muito bem organizado, e ele sempre dá muito espaço para quem toca com ele, sabe reconhecer talentos. O Davi Moraes, por exemplo, também concilia o trabalho solo com atuação em bandas de outros cantores”.

As onze faixas de Arembi investem em várias tendências da black music de forma envolvente. “Acho que o meu som tem uma sensualidade elegante que mistura sons eletrônicos e orgânicos; esse é um disco feito com amigos, todos os envolvidos tem uma vida pregressa comigo, como o Mondego (produtor do CD), que conheço há mais de 20 anos”.

Isso Que Não Tem Nome (clipe)- Jorge Ailton:

Chico Lobo /Zé Alexandre em show de lançamento de CD

chico lobo e ze alexandre-400x

Por Fabian Chacur

Há não muito tempo, o cantor, compositor e violeiro Chico Lobo iniciou uma parceria com o cantor, compositor e violonista Zé Alexandre. O encontro gerou a música Esperança. Era o pontapé inicial do que viria a ser o CD Tempo de Paz, lançado pela gravadora Kuarup. Eles vão mostrar o repertório desse trabalho em pocket show nesta quinta-feira (26) em São Paulo às 19h30 na Livraria da Vila (rua Fradique Coutinho, nº 915- Pinheiros- fone 0xx11-3814-5811), com entrada gratuita.

Centrado em sonoridades da música rural brasileira e essencialmente acústico, Tempo de Paz traz 11 faixas, sendo três parcerias de Lobo e Alexandre, seis composições deles (solo ou com outros parceiros) e duas releituras. Uma é Bandolins, de Oswaldo Montenegro, que Zé Alexandre apresentou ao lado do autor no Festival da Tupi de 1979 com grande sucesso, e a outra é Cruzada, dos craques mineiros integrantes do Clube da Esquina Tavinho Moura e Márcio Borges.

Delicioso, o álbum flui com facilidade nos ouvidos, com destaque para a endiabrada viola de Chico e para as belas vozes dos dois parceiros. Suas composições em dupla são muito boas: Esperança, Tempo de Paz e Estradar. As letras trazem poesia de primeira. Participam do álbum músicos como Milton Guedes (gaita), Carlinhos Ferreira (percussão) e Sérgio Chiavazolli (violão de 12 cordas e bandolim).

Com mais de 30 anos de carreira e natural de São João Del Rey (MG), Chico Lobo tem mais de 20 CDs, dois DVDs e um livro lançados, além de ter feito shows pelo Brasil e vários outros países. De quebra, ainda tem no currículo trabalhos com Maria Bethânia, que escolheu sua composição Criação para o DVD Abraçar e Agradecer e ainda participou do álbum Viola de Mutirão, do músico, interpretando a canção Maria, feita em homenagem à estrela baiana.

Nascido no Rio de Janeiro e criado em Brasília, Zé Alexandre tornou-se conhecido nacionalmente ao interpretar Bandolins com Oswaldo Montenegro, de quem virou parceiro em inúmeros shows e projetos. A seguir, mergulhou em uma carreira solo que já rendeu quatro álbuns, entre os quais Alma de Músico e Zé Alexandre Ao Vivo. Recentemente, lançou o CD e livro infantil Pedrinho e o Formigueiro, do qual participaram Sandra de Sá, Luis Melodia, Oswaldo Montenegro e Eduardo Dussek, entre outros.

Caipira (ao vivo)- Chico Lobo:

Groundation anuncia singles e uma extensa turnê pelo Brasil

groundation banda de reggae-400x

Por Fabian Chacur

A banda californiana Groundation, uma das mais bem-sucedidas formações do reggae americano, tem boas notícias para seus fãs brasileiros. Eles acabam de lançar dois novos singles, Fossil Fuels e My Shield (veja o clipe aqui), e também anunciam uma extensa turnê pelo Brasil, a ser realizada em novembro e com 12 datas já devidamente confirmadas.

Os shows serão realizados nas cidades de São Paulo, Fortaleza, Porto Alegre, Salvador, Vitória, Maceió e Recife, e marcam o retorno do grupo à ativa após um hiato de quase quatro anos. As duas novas faixas são uma prévia de The Next Generation, seu 9º álbum de estúdio, que tem previsão de lançamento em setembro no exterior.

A banda liderada por Harrison Stafford (vocal e guitarra) estreia uma nova formação, que inclui além de seu líder os músicos Will Blades (teclados), Isaiah Palmer (baixo), Jake Shandling (bateria), Brady Shammar (vocais), Aleca Smith (vocais), Eduardo Gross (guitarra), Craig Berletti (teclados e trompete) e Roger Cox (sax).

Celebrando 20 anos de estrada, a banda Groundation tem como base o roots reggae, com direito a elementos de jazz, soul e música latina. Eles já fizeram shows em mais de 25 países, além de tocarem ao lado de nomes seminais para a história do reggae, entre os quais Jimmy Cliff, Alpha Blondy, Ziggy Marley e Burning Spear. Seu CD de estreia, Young Tree, saiu em 1999, e eles também tem dois CDs ao vivo no currículo.

Fossil Fuels (clipe)- Groundation:

Marcelo Quintanilha mostra CD Caju em Santo André-SP

Marcelo Quintanilha - Foto Patricia Ribeiro 02-400x

Por Fabian Chacur

Cazuza nos deixou em 1990, mas o poder de sedução e encantamento de sua obra se mostra mais forte do que nunca. Isso explica as releituras de suas eternas canções. O cantor Marcelo Quintanilha mergulhou nesse universo com o CD Caju- Canções de Cazuza, cujo repertório ele mostra em show em Santo André (SP) neste sábado (21) às 20h no Teatro do Sesc Santo André (rua Tamarutaca, nº 302- Vila Guiomar- fone 0xx11-4469-1200), com ingressos de R$ 6,00 a R$ 20,00.

Quintanilha, que também é músico e compositor, terá a seu lado uma banda afiada composta pelo incrível Rogério Rochlitz (teclados e programações, saiba mais sobre ele aqui), Simon Abbud (guitarra e violões), Danilo Viana (baixo acústico) e Peu Del Rei (guitarra). Os arranjos musicais, exceto o de Faz Parte do Meu Show, de Xinho Rodrigues, foram feitos por Quintanilha em parceria com o maestro Rodrigo Petreca, produtor do álbum.

O CD reúne 11 clássicos do repertório de Cazuza, entre os quais Blues da Piedade, Um Trem Pras Estrelas, Pro Dia Nascer Feliz , Ideologia e Exagerado, e também uma composição de Marcelo Quintanilha intitulada Caju, uma bela homenagem ao ex-cantor do Barão Vermelho e um dos maiores nomes da história do rock brasileiro.

Com mais de 25 anos de carreira, Marcelo Quintanilha tem em seu currículo dez álbuns, entre os quais Pierrot & Colombina (2006), gravado em parceria com a sua esposa, a cantora e compositora Vânia Abreu. Suas canções já foram gravadas por nomes famosos do universo musical brasileiro, como Nando Reis, Daniela Mercury (irmã de Vânia), Belô Veloso e o Padre Fábio de Melo, entre outros.

Caju- Canções de Cazuza- Marcelo Quintanilha (streaming):

Rafa Castro lança Fronteira e faz um show em São Paulo

Rafa Castro - Foto Lorena Dini 2018 HZ (3)-400x

Por Fabian Chacur

Com menos de dez anos de carreira, o pianista, compositor e cantor mineiro Rafa Castro já possui um currículos bastante respeitável. Radicado em São Paulo há um ano, ele mostra o resultado dessa sua nova fase com o CD Fronteira. O lançamento do álbum será em sua atual cidade, com show nesta quinta (5) às 20h no Teatro Unibes (rua Oscar Freire, nº 2.500- fone 0xx11-3065-4333), com ingressos a R$ 20,00(meia) e R$ 40,00 (inteira).

No caso específico de Rafa e deste trabalho, a palavra fronteira significa uma junção que une o que está separado para tornar algo novo. “Fronteira é um momento de descobrimento, no qual trago a carga afetiva das minhas influências; consegui juntar dois pilares, a ‘música de Minas’ e meu trabalho de trilhas sonoras, num trabalho que faz sentido para mim”, define o artista. Marcam presença no CD artistas como Monica Salmaso, Teco Cardoso, Léa Freire e Neymar Dias, bons amigos dessa sua nova fase paulistana.

Nascido em São João Nepomuceno (MG), Rafa inicialmente descobriu o prazer de tocar um instrumento musical através do violão. O piano só entrou em sua vida aos 19 anos, mas com força suficiente para se tornar seu pilar criativo e profissional a partir daquele momento. Ele estudou na Universidade de Música Popular Bituca (Barbacena-MG), e depois mergulhou de vez na profissão com força total.

Rafa Castro é autor de trilhas sonoras para cinema (Cacos de Vitral-2015 e Modorra-2016) e teatro. Ele também gravou o DVD/CD Teias (2013) em parceria com o consagrado tecladista mineiro Túlio Mourão, conhecido por suas trilhas para o cinema e com Milton Nascimento. Túlio é só elogios para com ele. “Fiquei impressionado com a jovialidade e o destemor tanto harmônico como melódico dele”, comenta o músico.

Além de músicas de Fronteira, o show desta quinta-feira também trará releituras de músicas de Milton Nascimento (Vera Cruz), Caetano Veloso (O Quereres) e Lô Borges (Trem Azul), entre outros. Ele terá a seu lado uma banda composta por Vinícius Gomes (guitarra), Igor Pinheiro (baixo) e Gabriel Alterio (bateria).

Fronteira (clipe)- Rafa Castro:

Bixiga 70 toca Quebra Cabeça em 3 shows no Sesc Pompeia

Bixiga 70 - créditos Nicole Heiringer-400x

Por Fabian Chacur

A música instrumental brasileira continua efervescente, com artistas de várias gerações firmes, fortes e criativos mostrando seus incríveis talentos. Um dos grupos mais bacanas surgidos nesta década atende pelo nome de Bixiga 70. Oriundos do célebre bairro paulistano, eles lançarão seu 4º álbum, Quebra Cabeça, com shows de 19 a 21 de julho (quinta a sábado), sempre ás 21h30, no Sesc Pompeia (rua Clélia, nº 93- Pompeia- fone 0xx11-7700), com ingressos de R$ 9,00 a R$ 30,00.

Quebra Cabeça, na definição deles, baseia-se na própria história da banda, que já tocou nesses anos todos em inúmeros lugares bacanas no Brasil e no exterior e se desenvolveu enquanto time musical no Traquitana, estúdio que equivale a uma espécie de casa para os rapazes. O produtor Gustavo Lenza é seu parceiro na produção musical deste novo álbum, enquanto o trabalho gráfico da capa mais uma vez fica por conta do talentoso Maurício Zuffo Kuhlmann (MZK).

O Bixiga 70 é integrado por Décio 7 (bateria), Marcelo Dworecki (baixo), Cris Scabello (guitarra), Mauricio Fleury (teclado e guitarra), Rômulo Nardes e Gustávo Cék (percussão), Cuca Ferreira (sax barítono), Daniel Nogueira (sax tenor), Douglas Antunes (trombone) e Daniel Gralha (trompete). Sua sonoridade instrumental mescla a música brasileira em suas várias vertentes com música africana, jazz e o que mais pintar, com muito groove e pegada dançante contagiante.

Bixiga 70 (2013)- Bixiga 70 (ouça em streaming):

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑