Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: maestro

Músico Lincoln Olivetti morre aos 60 anos e deixa saudade

robson jorge e lincoln olivetti 400x

Por Fabian Chacur

Considerado um dos mais influentes, bem-sucedidos e polêmicos maestros e arranjadores da história da MPB, morreu nesta quarta-feira (13) Lincoln Olivetti. Ele tinha 60 anos de idade, e foi vítima de um infarto, segundo informações divulgadas por sua assessoria de imprensa. Deixa como legado um trabalho que ajudou a mudar a sonoridade da MPB.

Natural de Nilópolis (RJ), Lincoln Olivetti começou sua trajetória no meio musical nos anos 1970. Talentoso como tecladista e arranjador (especialmente de metais), rapidamente incorporou o estilo adult contemporary, que surgiu nos EUA na segunda metade daquela década e que equivalia a uma mistura de soul, jazz e pop ao mesmo tempo sofisticada e com apelo radiofônico.

Olivetti aprendeu bastante com o que ouviu de artistas como George Benson, Earth Wind & Fire e Brothers Johnson (entre outros), e trouxe essas sonoridades recheadas de teclados eletrônicos, metais agitados e guitarras funk/jazzísticas para o universo da música brasileira. Teve grande e luxuosa ajuda do guitarrista Robson Jorge (1954-1993).

A partir do sucesso de seu trabalho com Rita Lee e Tim Maia, o som de Lincoln Olivetti tornou-se padrão na sonoridade da MPB e do pop brasileiro da primeira metade dos anos 1980. Embora tivesse seus (muitos) méritos, ele acabou caindo na repetição em diversos casos, devido ao excesso de artistas que requisitavam seus serviços, e virou grife, para o bem e para o mal.

Entre outros inúmeros artistas, valeram-se de seus serviços Rita Lee, Tim Maia, Roberto Carlos, Sandra de Sá, Jorge Ben Jor e Gal Costa. As músicas da dupla de compositores Michael Sullivan e Paulo Massadas frequentemente ganhavam seus arranjos, criando assim o que pode se chamar de “som adulto contemporâneo brasileiro”.

Como seria de se esperar, essa sonoridade acabou se desgastando, e com isso Mr. Olivetti viu seu prestígio cair a partir dos anos 1990. No entanto, continuou trabalhando com artistas como Lulu Santos e Marina Elali. Com esta última, por sinal, não só atuou em discos como também em shows ao vivo, como o realizado no extinto Palace em 2006.

Em 1982, Robson Jorge e Lincoln Olivetti lançaram um álbum autointitulado, repleto de composições próprias e releituras de material alheio com aquela levada característica que fazia com que alguns confundissem esse material com o de George Benson. Mas o álbum é bem legal, e inclui sua releitura instrumental de Baila Comigo que serviu como abertura para a novela global de 1981, além do ótimo hit Eva.

Eva– Robson Jorge & Lincoln Olivetti:

Coisas, de Moacir Santos, sairá em vinil

Por Fabian Chacur

O álbum Coisas, de Moacir Santos, será o próximo lançamento da ótima série Clássicos em Vinil, lançada pela Polysom e que tem como objetivo resgatar no formato vinil de 180 gramas grandes pérolas da discografia brasileira. Já chegaram às lojas com este selo maravilhas do naipe de Maria Fumaça, da Banda Black Rio, e Feito em Casa, de Antônio Adolfo, ambos de 1977, só para citar dois títulos bem bacanas desse catálogo.

Lançado originalmente em 1965 pelo selo Forma, Coisas é o primeiro trabalho solo do arranjador, compositor, maestro e multi-instrumentista pernambucano que trabalhou em rádio e TV no Rio de Janeiro e em São Paulo antes de se mudar na segunda metade dos anos 60 para Pasadena, nos EUA, onde atuou em trilhas para o cinema e outras atividades musicais bacanas.

Totalmente instrumental, o álbum Coisas traz dez faixas que tem como peculiaridade serem intituladas apenas por números (tipo Coisa nº1,2,3 etc). Algumas delas foram, posteriormente, letradas por parceiros do maestro. A produção do LP ficou a cargo do experiente Roberto Quartin. A nova versão remasterizada traz um texto assinado pelo músico Mario Adnet, figura importante no resgate da obra de Moacir Santos em seu país natal.

Ao lado de Zé Nogueira, Adnet produziu em 2001 o álbum Ouro Negro, homenagem a Moacir Santos que inclui participações especiais de feras da MPB como Milton Nascimento, João Bosco, Djavan e Gilberto Gil, entre outros. A repercussão foi tão boa que acabou gerando show e DVD do grande maestro por aqui. Ele faleceu no dia 6 de agosto de 2006, uma semana depois de completar 80 anos de idade, deixando um legado belíssimo em termos musicais.

Ouça Coisa Nº9, com Moacir Santos:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑