Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: marina de la riva

Marina de La Riva e Bruna Caram são parceiras de baile em Sampa

Baile da Revanche 3 (c) MDLRdivulgac¸a_o-400x

Por Fabian Chacur

Em um momento no Brasil e no mundo repleto de tristeza, dor, confusão, intolerância e insegurança, que tal ir a um show em São Paulo que promete ser anticrise, anti-deprê, brasileiro, passional e necessário? Pois o convite é especificamente para o feriadão de primeiro de maio, que vai rolar este ano na próxima quarta-feira. As parceiras nesta apresentação, intitulada Baile da Revanche, são as ótimas cantoras Marina de La Riva e Bruna Caram, o início será às 16h, e a entrada, gratuita. O local escolhido é o Sesc Parque Dom Pedro II (Praça São Vito, s-nº- Brás- fone-0xx11-3111-7400).

Com participações especiais de Zé Ed (do Tarado Ni Você), Diego Moraes (do Não Recomendados) e Fabio Brazza (da Alana), além de outros músicos bacanas, Marina e Bruna selecionaram um repertório que se divide entre músicas de seus repertórios habituais e também do de gente como Roberto Carlos, Ara Ketu, Martinho da Vila, Nelson Cavaquinho, Tim Maia e Chitãozinho & Xororó. A ideia é homenagear a dor de cotovelo e a volta por cima de um jeito bem humorado.

Embora o Baile da Revanche seja o primeiro show das meninas em dupla, elas são amigas há um bom tempo, e possuem um registro fonográfico como cartão de apresentações dessa parceria. Trata-se de Segredo, composição clássica de Herivelto Martins e Marino Pinto que elas registraram no CD Será Bem Vindo Qualquer Sorriso (2012), de Bruna Caram.

Nascida no Rio de Janeiro e de origem cubana, Marina de La Riva tornou-se conhecida no meio musical com seu álbum de estreia, lançado em 2007 e autointitulado, um dos trabalhos mais elogiados no cenário da música brasileira naquele período. Depois, nos proporcionou o DVD Marina de La Riva Ao Vivo Em São Paulo (2010) e os CDs Idílio (2012) e Rainha do Mar- Marina de La Riva Canta Dorival Caymmi (2017). A moça já gravou com Chico Buarque, Ney Matogrosso., Danilo Caymmi e João Donato, nesses projetos individuais.

Por sua vez, Bruna Caram acumula experiências em diversas áreas. Em seus mais de dez anos atuando como cantora, tem no currículo os álbuns Essa Menina (2006), Feriado Pessoal (2009), Será Bem Vindo Qualquer Sorriso (2012) e Multi Alma (2017). Ela lançou o livro Pequena Poesia Passional e atuou como atriz na minissérie global Dois Irmãos. Bruna também compôs músicas em parceria com Zeca Baleiro, Roberta Sá, Chico Cesar e Pedro Luis.

Segredo– Bruna Caram e Marina de La Riva:

Evento Slow Movie: cinema, música e muito mais no CCSP

Marina-de-la-Riva-Créditos-Roberta-Goldfarb-400x

Por Fabian Chacur

Que tal ir a um evento que mescla em sua programação boa música, um filme clássico americano, oficinas, exposição fotográfica e mais, tudo ao ar livre? E de graça! Trata-se do Slow Movie, que será realizado em São Paulo neste sábado (7), das 15 às 21h, nos Jardins Suspensos do Centro Cultural São Paulo-CCSP (rua Vergueiro, nº 1.000), com patrocínio da Ticket como parte das comemorações dos 10 anos da Semana Ticket Cultural.

O Slow Movie foi idealizado pela produtora cultural Tatiana Weberman em 2010, e tem à sua frente a agência Respire Cultura, em parceria de video com a produtora Blue Canário Films. O evento já teve como local o Parque Burle Marx, os jardins do Museu da Casa Brasileira, a Praça do Pôr do Sol e o Parque da Água Branca, entre outros, e tem como objetivo despertar o interesse dos moradores de centros urbanos para as artes e a sustentabilidade, em um cenário natural e em meio à natureza.

A parte musical desta edição do Slow Movie fica por conta do grupo de rock-blues The Dollar Bills e da cantora Marina de La Riva (FOTO), conhecida por sua bela mistura de música brasileira, cubana, latinidade em geral e jazz, entre outros elementos. O filme é o incrível Noivo Neurótico Noiva Nervosa (Annie Hall-1978), um dos melhores trabalhos da carreira do consagrado diretor americano Woody Allen.

Também teremos uma exposição de fotos de homens de rua e seus cães, oficinas de reciclagem, um mini market com venda de discos e outros produtos e várias opções de comidas diferenciadas. Só existe um único problema: se por ventura chover, toda essa programação será suspensa. Ou seja, vamos torcer para que São Pedro colabore (como tem sido a regra nas edições do Slow Movie) e tudo possa correr bem.

Programação:

16h – show da banda “The Dollar Bills”
17h30 – show de Marina de La Riva
15h às 19h – Oficina de Reciclagem com Infinito Circular
15h às 21h – Mini Market
15h às 21h – SlowBikes: Townpioca, Bike Café, Brownie Affair, Los Mendozitos, A Torteria, Magrella e Instabike
19h30h – Exibição do filme Noivo Neurótico, Noiva Nervosa
21h – Encerramento

Mariposa– Marina de la Riva:

Juramento– Marina de la Riva:

Betting– The Dollar Bills:

Blue Suede Shoes– The Dollar Bills:

Marie Madeleine Music é belo segredo musical

Por Fabian Chacur

Tudo começou quando uma espécie de jingle conceitual feito para a boutique gourmet Marie Madeleine, situada em São Paulo e especializada em delícias de origem francesa como macarons, baguettes, croissants e outras maravilhas, mostrou-se bom demais. Interpretado pela cantora Blubell, acabou sendo a semente de um projeto maior, denominado Marie Madeleine Music.

Idealizado e coordenado por Junior Thonon, o projeto traz nove músicas inéditas, com melodias a cargo de Pedro Lima (também diretor musical da obra) e letras em francês escritas por Aymeric Frerejean (que também é vocal coaching). Todas as canções trazem como marca a sofisticação e a inspiração no clima musical francês, incluindo elementos de jazz, música latina, pop eletrônico e trip hop, só para citar algumas possibilidades.

Além da insinuante Blubell, foram convidadas a participar das gravações algumas das mais badaladas cantoras da nova geração da música brasileira, entre as quais Marina de la Riva (foto), Thaís Gulin, Luciana Mello e Fabiana Cozza. São intérpretes distintas entre si, e cada uma trouxe suas marcas registradas ao projeto, tornando-o ainda mais diversificado.

De quebra, Pedro Lima se valeu da presença de músicos competentes o suficiente para ajudar a concretizar a sofisticação exigida para a sonoridade escolhida, sem cair em escolhas “cabeça”, dando à musicalidade uma acessibilidade bastante elogiável, sem cair na vala comum. Sizão Machado, Beto Paciello, Bruno Cardozo e Jorge Saavedra são alguns desses ótimos músicos.

Por enquanto, Marie Madeleine Music só será disponibilizado (em formato físico com direito a bela embalagem e encarte com letras e ficha técnica) em ações promocionais da boutique gourmet Marie Madeleine, mas a ideia é em um futuro não muito distante incluir seu conteúdo para venda no iTunes. Ou seja, é uma belo segredo musical que precisa ser aberto a todos. Música da melhor qualidade!!! Veja um making of do projeto aqui .

Eis as músicas incluídas em Marie Madeleine Music:

C’est La Vie – Thaís Gulin
A paranaense radicada no Rio mergulha na latinidade de uma canção cuja letra brinca com aquelas palavras em francês que todos conhecemos, incluindo a personagem da canção.
Bohème– Anna Setton
A paulistana que foi acompanhada por Toquinho em badalados shows se mostra à vontade nessa quase valsa na qual questiona o porquê a infernizam pelo fato de ser boêmia.
Pas À Vendre – Blubell
A irreverente cantora paulistana com três CDs no currículo esbanja atitude nesse delicioso jazz dançante cujos versos reforçam sua independência amorosa, que “não está a venda”.
Danse Avec Moi – Luciana Mello
Essa jovem e consagrada veterana aposta no swing em uma espécie de bossa nova à francesa na qual chama seu objeto de desejo para o baile com ecos de Caetano Veloso na mistura.
Dans Le Noir – Anna Torres
A maranhense radicada com muito sucesso em Paris exala inspiração em uma canção introspectiva na qual relata uma paixão com sabor de primeira vez, de doçura, de jazz latino.
Sur Um Air de Jazz– Tabatha Fher
A capixaba que já desfilou seu talento pelos palcos do Brasil e Japão e prepara seu disco de estreia desliza sua voz em uma canção sobre a preparação para o namoro a la jazz anos 30.
Sans Bien Me Dire – Marina de La Riva
A carioca descendente de cubanos cultuada pelos fãs de música sofisticada e sensual canta sobre a força da comunicação não verbal no amor, tendo uma bossa latina como trilha sonora.
L’Afrique Est Em Moi– Fabiana Cozza
Uma das grandes intérpretes do samba atual e com quatro CDs e dois DVDs no currículo, essa paulistana esbanja swing em canção que fala sobre a conexão musical Brasil-África.
Mon Péché Mignon – Giana Viscardi
A premiada cantora e compositora paulistana canta, com moldura samba-jazz, a sedução que chocolates, bolos e outras delícias causam nela. Um jingle classudo como a Torre Eiffel.

Marina, com Marina de la Riva, ao vivo:

Para Marina de la Riva, o tempo da arte é outro

Por Fabian Chacur

Em quase 10 anos de carreira, Marina de la Riva chega, agora, a seu terceiro lançamento, o CD Idílio. Antes, tivemos o CD Marina de la Riva (2007) e o DVD Ao Vivo Em São Paulo (2010).

A cantora carioca explicou o porquê dessa aparentemente pequena quantidade de produtos lançados e também diversas outras questões em entrevista coletiva realizada na tarde desta segunda-feira (5) em São Paulo. Simpática e muito articulada, ela falou de seu novo trabalho, a ligação com Cuba e diversos outros temas.

Curiosidade: Marina atualmente estuda Direito, e pretende se especializar nas áreas de direitos humanos e direitos autorais.

MONDO POP – Você lançou, nesses quase dez anos de carreira, apenas três produtos, dois CDs e um DVD. O que a levou a demorar cinco anos para lançar um segundo álbum de inéditas?

MARINA DE LA RIVA – Acredito que o tempo da arte é outro, não é o tempo do relógio, tem o seu tempo próprio. Gosto de dormir em paz com o meu trabalho. Tento criar e me afastar do produto que crio para ter uma autocrítica. Isso não significa que o meu próximo trabalho vá demorar cinco anos para ser lançado.

MONDO POP – Como foi a gestação de Idílio, e como surgiu a ideia desse título para o CD?

MARINA DE LA RIVA – Gravei uma parte de Idílio e fui ouvir o resultado em diversos lugares, para avaliá-lo. Aí, resolvir mudar algumas coisas e acrescentei outras cores. Sou uma faminta musical, estou sempre procurando repertório, novas músicas. O início do repertório foi em 2009, e a continuação ocorreu em 2011. O título inicial era Ausência, mas acredito que Idílio é mais abrangente.

MONDO POP – Quais os critérios que a levam a escolher as músicas que grava, e como você classifica o seu estilo musical?

MARINA DE LA RIVA – Sou uma cantora que tem uma estrada pequena ainda, e não sou explícita como as coisas costumam ser atualmente. Minha peneira e meu termômetro são o coração do que faço. Vou descobrindo as coisas e as guardo para o momento certo. Não consigo muito classificar o meu trabalho, acho que seria restringi-lo. A gente está em todas as nossas escolhas, de forma consciente ou inconsciente, falam muito de quem eu sou. Acho que todos somos inclassificáveis.

MONDO POP – Você gravou uma música de Lulu Santos neste disco, sendo que você já participou de um trabalho dele e já havia incluído uma canção dele em seu DVD Ao Vivo Em São Paulo. Fale um pouco sobre essa parceria.

MARINA DE LA RIVA – É uma amizade muito legal. Em 2009, fui convidada para participar do programa Som Brasil (da Globo) dedicado ao Lulu. Cantei três músicas, e ele adorou. Comecei a cantar Adivinha o Quê nos meus shows, que entrou no meu DVD. Aí, ele me convidou para participar do Acústico MTV II dele. Aceitei, e foi uma experiência muito legal, aprendi muito com ele, que é um artista pop que trabalha de forma bem diferente da minha. O Lulu é muito generoso, o endosso de um artista como ele é muito importante para mim.

MONDO POP – Seu pai é cubano, e seu primeiro CD foi gravado lá, durante sua primeira visita àquele país. Como foi essa experiência?

MARINA DE LA RIVA – Para mim, minha primeira ida a Cuba foi uma volta, na verdade, por estranho que isso possa parecer. Fiquei muito emocionada ao pisar lá, sentir o cheiro dos charutos, ver os flamboyants. Vi que aquele mundo de que eu ouvia falar em minha casa era real. Eu cresci, e vi que fazer meu primeiro disco lá soaria mais verdadeiro. Foi um laboratório.

MONDO POP – Seus trabalhos até agora incluem basicamente releituras de composições de outros autores. Você também compõe?

MARINA DE LA RIVA– Eu componho sim, mas não mostro. Estou no meu processo de aprendizado, e quando for o momento certo, irei gravá-las.

Veja Adivinha o Quê?, com Marina de la Riva e Lulu Santos:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑