Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: músicos brasileiros

José Neto, guitarrista, é tema de documentário sobre sua carreira

jose neto doc poster 2020-400x

Por Fabian Chacur

O guitarrista paulistano José Pires de Almeida Neto saiu do Brasil em 1978, quando tinha 24 anos, com o objetivo de investir em uma carreira na cena musical dos EUA. Antes, tinha se formado em violão clássico, dado aulas na escola CLAM, de Amilton Godoy, e tocado com vários músicos. No ano seguinte, foi recrutado pelo cantor e ator americano Harry Belafonte para integrar sua banda de apoio. Era o início de uma trajetória brilhante, que inspirou o documentário The Man Behind The White Guitar, dirigido pelo inglês Richard Michael e produzido pela americana Barbara McVeigh, que será lançado para o grande público em 2020.

Filmado na Califórnia, Nova York, Reino Unido e Brasil, este filme traz cenas de shows, entrevistas com o artista em foco e também com alguns dos grandes nomes com os quais trabalhou, entre os quais Belafonte, Airto Moreira e Steve Winwood, que ressaltam não só o seu talento musical, mas também sua capacidade de encantar e cativar as pessoas com uma filosofia de vida positiva e repleta de tiradas inteligentes e inspiradoras.

José Neto (como é mais conhecido na cena musical) tocou durante 30 anos com Harry Belafonte, do qual chegou a ser diretor musical. Ele atuou ao lado de outros dois brasileiros que fizeram fama no exterior, a cantora Flora Purim e o percussionista Airto Moreira. Os três criaram o grupo Fourth World, que lançou cinco álbuns na década de 1990 e cativou o público internacional com sua mistura de jazz, música brasileira e latina.

Em seu currículo extenso, Neto trabalhou com o consagrado produtor, compositor e artista Narada Michael Walden, George Benson e a pianista, cantora e compositora brasileira Tânia Maria, e também lidera há mais de 25 anos a Netoband, que integra ao lado de Gary Brown, Frank Martin, Celso Alberti e Café e cujos shows já percorreram os EUA e o Reino Unido, atraindo as atenções do público e também dos músicos.

Aliás, foi em um show da Netoband em Londres lá pelos idos de 1995 que José Neto conheceu Jim Capaldi, ex-integrante da banda britânica Traffic, que ficou apaixonado por seu trabalho. Não demorou para que Capaldi apresentasse o brasileiro a outro ex-Traffic, o cantor, compositor e músico Steve Winwood. Logo a seguir, Neto participaria tocando violão na faixa Plenty Lovin’, do álbum Junction Seven (1997), de Winwood.

Quando resolveu criar um projeto musical que teria como base um trio composto por órgão, bateria e guitarra, Winwood pensou na hora em José Neto e o convidou. Os dois e mais o baterista cubano radicado nos EUA Walfredo Reyes Jr., aliados a alguns acréscimos de sopros e percussão, gravaram About Time (2003), espetacular álbum solo de Steve Winwood.

Neste CD, Neto não só tocou guitarra e violão como também inaugurou sua parceria com Winwood, assinando com ele as músicas Cigano (For The Gypsies), Domingo Morning e Silvia (Who Is She?).

Em 2003, um show de Winwood com Neto na guitarra foi gravado, exibido na TV pública americana PBS e depois lançado em DVD com o título Sound Stage- Steve Winwood- Live in Concert (saiu aqui pela extinta Indie Records). Além de músicas de About Time, também temos releituras de clássicos da carreira do artista como Can’t Find My Way Home, Dear Mr. Fantasy e Back In The High Life Again. A performance é matadora.

Essa parceria renderia novos e belos frutos no álbum de estúdio seguinte de Winwood, Nine Lives (2008), com as músicas escritas por eles Fly, Raging Sea, Hungry Man, Secrets, At Times We Do Forget e Other Shore.

The Man Behind The White Guitar foi exibido em 2019 em festivais e eventos privados, e será disponibilizado para o público em algum momento de 2020. No Brasil, possivelmente em um festival do tipo In-Edit, aquele dedicado aos documentários musicais. Um dos apoiadores foi o Banco Fator, de São Paulo.

Veja o trailer de The Man With The White Guitar:

Caçulinha celebra 60 anos de carreira com show entre amigos

caculinha 2019-400x

Por Fabian Chacur

Além de um grande músico, Caçulinha é considerado uma das figuras mais simpáticas e acessíveis do nem sempre muito simpático e acessível mundo do entretenimento no Brasil. Esse artista de grande naipe, plenamente ativo aos 79 anos de idade, celebrará 60 anos de uma carreira brilhante com um show em São Paulo no dia 6 de novembro (quarta-feira) às 21h no Teatro Itália (avenida Ipiranga, nº 344- Edifício Itália- Centro- fone 0xx11-3255-1979), com ingressos a R$ 50,00 (meia) e R$ 100,00 (inteira).

Com produção a cargo do talentoso e empreendedor Thiago Marques Luiz, o show terá no palco o multi-instrumentista que normalmente tem no piano seu parceiro mais constante e também uma boa amostra dos inúmeros amigos talentosos que fez nesses anos todos. Eis a escalação do time: Agnaldo Rayol, Wanderléa, Ronnie Von, Claudette Soares, Monica Salmaso, Simoninha, Zé Luiz Mazziotti, Luciana Mello, Ayrton Montarroyos, Tom Cavalcanti, Sérgio Reis, Vanda Cavalheiro, Tobias da Vai Vai e Edmilson Capelupi.

O show, que será gravado para posterior lançamento em CD e no formato digital pela gravadora Kuarup, trará uma seleção de grandes canções. Só para atiçar a curiosidade, vale revelar algumas delas, com seus respectivos intérpretes: Começaria Tudo Outra Vez (Gonzaguinha), com Agnaldo Rayol, A Saudade Mata (João de Barro e Antonio Almeida), com Wanderléa, A Praça (Carlos Imperial), com Ronnie Von, e Da Cor do Pecado (Bororó), com Luciana Mello.

Nascido em Piracicaba (SP) em uma família de músicos, Rubens Antonio da Silva (seu nome de batismo) tocou com Elis Regina, Clara Nunes, Luiz Gonzaga e Roberto Carlos, só para citar alguns mitos que fazem parte de seu currículo. Sua trajetória como músico na TV é impressionante, com direito a 25 anos no Domingão do Faustão e passagens por programas como Sai de Baixo e Todo Seu.

Começaria Tudo Outra Vez (ao vivo)- Caçulinha:

Cinepiano Tony Berchmans é atração de novo na Europa

tony berchmans cinepiano-400x

Por Fabian Chacur

Iniciado em 2010, o projeto Cinepiano Tony Berchmans se consolidou como um sucesso de proporções mundiais. Novamente ele vai à Europa, em temporada com seis datas que começou no último dia 29 de maio em Pisa, Itália, prosseguiu no dia 1º na Romênia e seguirá adiante neste sábado (4) em Arcos de Valderes, Portugal, dia 11 em Lisboa, Portugal (aqui, com direito a um workshop), dia 17 em Hexham, Inglaterra e será encerrada em Londres, Inglaterra, no dia 25.

Cinepiano é um belo tributo ao cinema mudo, período em que os filmes eram apresentados ao público com trilha sonora feita por músicos ao vivo. Tony Berchmans, ao piano, improvisa sons para cada ocasião/filme, valendo-se de temas musicais compostos por ele e também alguns trechos clássicos, sempre com a preocupação primordial de não perder a sincronia com as imagens. Os estilos musicais utilizados são costumeiramente o ragtime, o jazz tradicional e outros estilos típicos daqueles anos iniciais do século 20.

Os filmes acompanhados por Berchmans variam a cada apresentação, sendo que estão na atual programação uma homenagem a Alfred Hitchcock e o clássico Nosferatu, de Murnau. A ligação dele com o cinema é antiga, sendo que em seu currículo temos o livro A Música do Filme- Tudo o Que Você Gostaria de Saber Sobre a Música do Cinema.

Berchman é um pianista, compositor e cinéfilo brasileiro radicado em São Paulo que atua desde 1992 no cenário musical, criando e produzindo sons para rádio, TV, cinema e internet. Em 2007, foi o curador do badalado evento Música Em Cinema- 1º Encontro Internacional de Música de Cinema, realizado no Rio e com a presença dos consagrados Ennio Morricone e Gustavo Santaolalla.

Saiba mais sobre Cinepiano- Tony Berchmans:

Cinepiano Tony Berchmans- Cops (clipe):

Cinepiano Tour 2012- Trechos:

Aos 70 anos, Ivan Lins é astro ainda produtivo e essencial

ivan lins-400x

Por Fabian Chacur

Ivan Lins completa nesta terça-feira (16) 70 anos de idade. É mais um integrante célebre da incrível “safra de 1945”, que deu ao mundo músicos fantásticos como Eric Clapton, Bob Marley, Gonzaguinha, Renato Teixeira, Pete Townshend e Elis Regina, só para citar alguns dos essenciais dessa geração incrível. Um grande nome da MPB mais reverenciado no exterior do que aqui. Uma vergonha!

Entre os inúmeros fãs ilustres desse cantor, compositor e pianista carioca, encontram-se gente do alto gabarito de Quincy Jones, George Benson, Patty Austin, Sting, Ella Fitzgerald e inúmeros outros, atraídos por sua incrível musicalidade, mistura preciosa de música brasileira, jazz, soul music e música pop repleta de riqueza melódica e artística.

Elis Regina (1945-1982) foi uma de suas melhores intérpretes, assim como Simone. Por alguma razão estranha, setores da crítica musical brasileira sempre torceram seus narizes para a sua obra, algo inexplicável se a analisarmos com calma e justiça. Enfim, gosto não se discute, embora às vezes seja digno de lamentação. A obra dele fala por si, e seus fãs bem qualificados também.

Do início nos festivais universitários nos anos 1960, Ivan estourou nacionalmente com o sucesso de Madalena, na voz de Elis, e de O Amor é Meu País, com ele próprio. No início, mergulhou fundo na mistura da MPB com a soul music a la Blood Sweat & Tears e Jimmy Webb, tempos em que seu principal parceiro era Ronaldo Monteiro de Souza.

Em 1974, conhece o poeta paulista Vitor Martins, que se torna seu maior parceiro. Sua primeira composição em dupla já mostrava o que viria a seguir: Abre Alas, lançada naquele mesmo ano no álbum Modo Livre. A partir de então, a música brasileira ganhava uma dupla de sensibilidade impressionante, repleta de grandes momentos.

As melodias intensas e interpretadas de forma apaixonada por Ivan ganharam versos ora líricos, ora agressivos, falando das idas e vindas do amor e também da terrível situação política vivida no Brasil daqueles anos 1970. Entre 1977 e 1980, quando esteve na gravadora EMI Odeon, viveu seu momento maior, com produção simplesmente perfeita.

Nesse período, lançou quatro álbuns hoje considerados clássicos: Somos Todos Iguais Nesta Noite (1977), Nos Dias de Hoje (1978), A Noite (1979) e Novo Tempo (1980). São discos pop por excelência, na qual o samba surge somado a soul, música nordestina, bossa nova, jazz, rock e o que mais pintar, sempre com muita intensidade, criatividade, bom gosto e paixão. Música com alma, muita alma.

Nos anos 1980, com o fim dos anos de chumbo, sua produção enveredou mais para o lado romântico, mas sem perder a qualidade, como comprovam canções maravilhosas do naipe de Depois dos Temporais, Iluminados, Vieste, Daquilo Que Eu Sei, Eu Ainda Te Procuro e Vitoriosa, só para citar algumas das mais conhecidas.

No finalzinho dos anos 1980, cria com Vitor Martins a gravadora Velas, que abriu espaços para grandes nomes da MPB e também lançou alguns títulos muito importantes da carreira de Ivan, entre os quais o fantástico Awa Yiô (1990), no qual se destacam faixas como Meu País, a canção que dá título ao CD e Ai Ai Ai Ai Ai. Vale também destacar sua trilha para o belo filme Dois Córregos (1999).

Se tivesse encerrado a carreira no fim dos anos 1990 seu lugar no panteão dos mestres da MPB já estaria garantido, mas o cara se manteve extremamente produtivo, lançando bons discos de inéditas e também relendo canções de seu acervo em parcerias com artistas dos mais diferentes estilos e nacionalidades. É conhecido e respeitado no mundo todo, merecidamente.

A música feita por ele nos últimos tempos se tornou mais contemplativa e menos empolgante do que a dos anos 1970 e 1980, mas ainda assim muito efetiva e apreciável, assim como seus shows. Em pleno 2015, é um artista relevante, para a felicidade de quem curte música brasileira com gabarito. Abram alas, que o cara continua firme e forte por aí!

Quaresma– Ivan Lins:

Cantoria– Ivan Lins:

Quadras de Roda– Ivan Lins:

Velas Içadas– Ivan Lins:

Somos Todos Iguais Nesta Noite– Ivan Lins:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑