Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: ney matogrosso

Ney Matogrosso continua um craque da música brasileira

bloco na rua ney matogrosso capa-400x

Por Fabian Chacur

Se há um artista que personifica com perfeição o pop à brasileira, ele sem sombra de quaisquer dúvidas é Ney Matogrosso. Em seus quase 50 anos de trajetória musical, ele nos oferece uma mistura dos mais diversos elementos sonoros, propondo-nos, dessa forma, um som ao mesmo tempo universal, pelo acréscimo de fortes elementos da música originada no exterior, e essencialmente brasileiro, pela forma como tempera essa obra. Eis o que podemos conferir em Bloco na Rua, seu mais recente trabalho, disponível desde o fim do anos passado no formato digital e agora também em CD duplo e, em breve, em DVD físico.

Bloco na Rua é o registro do show que estreou no Rio de Janeiro em 11 de janeiro de 2019 e que, desde então, passou por diversos palcos brasileiros. A gravação ocorreu em julho do ano passado, no palco do Teatro Bradesco (SP), totalmente ao vivo, mas sem a presença de público. Chega a ser irônico se pensarmos na atual situação do show business mundial, uma atitude quase premonitória do que viria adiante.

O repertório nos oferece 20 músicas, sendo nove já gravadas anteriormente pelo artista na carreira-solo e com os Secos & Molhados, e 11 estreando em seu set list e discografia. Uma única dessas músicas é totalmente inédita, a sensacional Inominável, do compositor paulistano Dan Nakagawa. No entanto, a forma como Ney abordou cada canção dá a elas um molho de ineditismo que só quem é muito do ramo consegue fazer.

Para isso, ele contou com uma banda de apoio incrível que o acompanha há cinco anos, liderada pelo diretor musical, arranjador e tecladista Sacha Amback e que traz também os excelentes Marcos Suzano e Felipe Roseno (percussão), Maurício Negão (guitarra e violão), Dunga (baixo), Everson Moraes (trombone) e Aquiles Moraes (trompete e flugelhorn). Na faixa Postal de Amor, foi acrescentada a participação da Orquestra de Cordas de São Petesburgo.

O entrosamento entre o cantor e os músicos é impecável, fruto das diversas apresentações anteriores à gravação, e o registro da performance é padrão Ney Matogrosso, com iluminação esplêndida e detalhes cênicos que variam de canção a canção, sempre com o bom gosto e a ousadia habituais. Ney entra no palco usando uma máscara meio assustadora, que acabou sendo registrada na capa do CD duplo e que ele tira durante a primeira música.

Aliás, a apresentação visual do disco é maravilhosa, com direita a capa digipack luxuosa trazendo encarte com todas as letras das canções, fichas técnicas e fotos, além de dez deliciosos depoimentos de fãs referentes às performances do artista selecionados nas redes sociais.

Pode parecer redundante dizer isso, mas nada dessa produção toda valeria alguma coisa se a estrela da companhia não tivesse um desempenho à altura, e o ex-vocalista dos Secos & Molhados brilha com muita, mas muita intensidade mesmo. Aos 78 anos, ele se mostra mais apaixonado do que nunca por seu ofício, e mergulha com paixão e rigor técnico no repertório, tornando-o seu, mesmo que não tenha escrito nenhuma dessas músicas.

O set list de Bloco na Rua traz composições lançadas desde os tempos dos Secos & Molhados até esta década, mas elas soam com uma unidade, repletas de odes à liberdade, à coragem, à irreverência e ao lirismo (aqui e ali). O título, extraído da clássica Eu Quero é Botar Meu Bloco da Rua, de Sérgio Sampaio, reflete mesmo essa atitude de ir à luta, mesmo em tempos tão cinzas como os atuais.

Embora o show seja bom como um todo, vale destacar alguns de seus pontos altos, como a psicodélica Álcool (Bolero Filosófico), lançada em 2003 pelo autor, o DJ Dolores, a já citada Inominável, a sempre contundente Pavão Mysteriozo, hit máximo do cearense Ednardo, os clássicos de Tia Rita Lee Jardins da Babilônia e Corista de Rock, a tocante A Maçã, de Raul Seixas, e a envolvente Já Sei, de Itamar Assumpção. Sangue Latino e Mulher Barriguda, hits dos Secos & Molhados, surgem com novos e vibrantes arranjos roqueiros.

Bloco na Rua é a prova contundente de que Ney Matogrosso continua mais relevante do que nunca, mostrando que, como poucos, pode cantar os versos do grande Ednardo “não tenha minha donzela nossa sorte nessa guerra, eles são muitos mas não podem voar” sem medo de ser retrucado. Ele, pode, pelo menos em termos musicais e artísticos em geral.

Álcool (Bolero Filosófico)– Ney Matogrosso:

Lucina festeja 50 anos de sua carreira com um show em SP

lucina foto-400x

Por Fabian Chacur

Não é fácil chegar a 50 anos de carreira fonográfica no Brasil. Ainda mais se a artista em questão nunca se rendeu aos ditames impostos pelas grandes gravadoras ou aos modismos. Então, nada mais justo para a cantora, compositora e musicista mato-grossense radicada no Rio Lucina do que celebrar essa bela efeméride. Ela faz um show em São Paulo nesta quinta-feira (31) às 18h no Sesc Santana (avenida Luiz Dumont Villares, nº 579- Santana- fone 0xx11-2971-8700), com ingressos de R$7,50 a R$ 25,00.

Lucina (voz, violão nylon e tambores) será acompanhada neste show por uma banda composta por Décio Gioielli (percussão – marimbola, steel drums e chifres de antílope),Gustavo Cabelo (baixo, cavaquinho e violão aço), Peri Pane (cello, vocal) e Otávio Ortega (acordeon e piano).

O repertório trará várias canções de Canto de Árvore (2017), o quinto e mais recente álbum solo de sua trajetória artística. Também teremos a participação especial do Poeta Arruda, coautor da faixa-título do álbum. Lógico que não faltarão outras canções importantes do repertório da artista, como Bandolero, por exemplo.

A carreira de Lucina teve inicio como integrante do grupo Manifesto, que teve grande destaque em um festival em 1967. Em 1972, ela iniciou uma dupla com Luhli que durou até 1998 e rendeu trabalhos até hoje bastante cultuados pelos fãs da MPB. Artistas importantes como Ney Matogrosso e Zélia Duncan gravaram suas composições, e ela fez vários shows no exterior. Em 2014, chegou ao público o documentário Yorimatã, do diretor Rafael Saar, enfocando a carreira de Luhli & Lucina.

Veja cenas de um show recente de Lucina:

Monique Kessous mostra seu novo CD com um show no Rio

monique kessous CREDITO FOTO PATRICK SISTER-400x

Por Fabian Chacur

Após mais de seis anos, Monique Kessous voltou ao mercado fonográfico com um novo álbum, o terceiro de sua trajetória musical. Valeu a espera. Dentro de Mim Cabe o Mundo é um trabalho delicioso, no qual esta cantora, compositora e instrumentista carioca dá um banho de talento e sensibilidade. Ele se apresenta no Rio neste sábado (16) às 20h no Espaço Furnas Cultural (rua Real Grandeza, nº 219- Botafogo- fone 0xx21-2528-5166), com ingressos gratuitos que devem ser retirados uma hora antes do show.

O mais recente álbum de Monique tem como um de seus destaques a ótima faixa Meu Papo é Reto, parceria dela com Chico Cesar que conta com a participação especial de Ney Matogrosso. Eu Sem Você, por sua vez, integra a trilha da novela global Pega Pega. Outras presenças especiais no CD: Paulinho Moska, Jesse Harris e Mamadou Diabar.

Além de músicas do novo trabalho, a artista carioca também resgatará algumas de seus discos anteriores, Com Essa Cor (2008) e Monique Kessous (2010), além de reler canções dos repertórios de Maysa, Caetano Veloso, Zeca Baleiro e Lady Gaga. Leia mais textos de Mondo Pop referentes a Monique Kessous aqui.

Meu Papo é Reto (clipe)- Monique Kessour e Ney Matogrosso:

Sai a primeira amostra da bela parceria Ney+Nação Zumbi

ney e jorge du peixe-400x

Por Fabian Chacur

Desde que foi anunciada, a parceria entre Ney Matogrosso e Nação Zumbi se tornou uma das mais esperadas no cenário musical brasileiro de 2017. E não é para menos. Estarão juntos o vocalista do mais bem-sucedido grupo de rock do Brasil dos anos 1970, os Secos & Molhados, com a banda que chacoalhou o limoeiro nos anos 1990, a Nação. E acaba de ser divulgado o primeiro registro dessa bela dobradinha desde já histórica, Amor, que você pode ouvir e conferir aqui.

A gravação de Ney com a Nação foi realizada no Red Bull Studio São Paulo, durante ensaios que os caras fazem para o show. O resultado captou uma bela amostra do quão explosiva promete ser essa combinação, cujos termos foram explicados pelo baterista Puppilo, da Nação, para o site da Red Bull: “A gente propôs mexer com os dois discos do Secos e Molhados e o Ney falou que quer as músicas mais porrada da Nação. Então foi bacana porque houve uma troca de desejos”.

Puppilo se refere aos dois primeiros álbuns de estúdio dos Secos & Molhados, autointitulados e lançados respectivamente em 1973 e 1974. Por sua vez, Ney afirmou ao mesmo site que fazer algo com a Nação Zumbi era um desejo antigo, e que o projeto também vai englobar o que ele definiu como as faixas mais explosivas do grupo pernambucano.

Ney Matogrosso e Nação Zumbi estarão juntos no palco Sunset do Rock in Rio no dia 22 de setembro, em apresentação concebida especialmente para o evento. Tomara que isso seja registrado e lançado nos formatos físicos e digitais, pois já soa histórico mesmo antes de sua concretização.

Prévia sobre o show Ney Matogrosso + Nação Zumbi:

Monique Kessous grava dueto com o cantor Ney Matogrosso

monique keissous ney matogrosso-400x

Por Fabian Chacur

Em fase de preparação de seu terceiro CD, cujo título poderá ser Dentro de Mim Cabe o Mundo e sairá em breve, a cantora e compositora carioca Monique Kessous dá uma mostra de seu novo repertório. E não é uma mostra qualquer. A canção Meu Papo é Reto é um dueto com ninguém menos do que Ney Matogrosso, em parceria que se mostrou bem produtiva.

Meu Papo é Reto é uma parceria de Monique com Chico Cesar, e sua letra relata a paquera entre dois homens. “Acho interessante poder brincar com os personagens nas músicas. E ser intérprete traz uma liberdade muito grande. Estou num momento de querer ousar mais no meu trabalho, e mais do que tudo, quero falar sobre o meu tempo, sobre as possibilidades de relações entre pessoas e sobre o medo de amar que se reverte em envolvimento efêmeros, sem vínculos”.

A canção teve arranjo inicial feito pela cantora e seu irmão, o guitarrista Denny Kessous. O consagrado Berna Ceppas é o produtor do seu terceiro álbum, sucessor dos elogiados Com Essa Cor (2010) e Monique Kessous (2010). Ela já teve músicas em trilhas de novelas globais como Cordel Encantado (Coração, em 2011), Sangue Bom (Calma Aí, em 2013) e Geração Brasil (Volte Pra Mim, de 2014).

Meu Papo é Reto– Monique Kessous e Ney Matogrosso:

Festival Natura Musical será a atração de BH em setembro

ney matogrosso 400x

Por Fabian Chacur

Será realizada no dia 14 de setembro em Belo Horizonte (MG) a quarta edição do Festival Natura Musical. Durante aproximadamente 12 horas, mais de 20 atrações irão tocar ao vivo nas praças da Liberdade, JK e da Estação na capital mineira, com entrada gratuita e expectativa de 50 mil pessoas por local. O elenco está recheado de grandes nomes da nossa música.

O elenco inclui artistas importantes de várias gerações, entre os quais Ney Matogrosso, Nação Zumbi, Karina Buhr 5 a Seco e Felipe Cordeiro. Também teremos parcerias, como as de Fernanda Takai e Samuel Rosa (do grupo Skank) e Elba Ramalho e Mariana Aydar. Os escolhidos para realizar o espetáculo de encerramento, na praça da Estação, serão divulgados até o início de setembro.

Desde o seu início, o Festival Natura Musical trouxe em seu elenco uma mescla de astros consagrados da MPB como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Milton Nascimento e Paulinho da Viola com destaques das novas gerações da nossa música popular como o cantor Marcelo Jeneci e o rapper Flávio Renegado, numa democrática integração entre o que há de melhor nesse segmento artístico.

A ideia do projeto, iniciado em 2011, é tornar acessível ao grande público o trabalho de artistas patrocinados pelo projeto Natura Musical, que há nove anos apoiou mais de 220 projetos que geraram mais de mil produtos, entre CDs, DVDs, shows, websites, livros e outras iniciativas culturais bacanas de artistas de todo o país.

Pra Curar Essa Dor (Heal The Pain), com Fernanda Takai e Samuel Rosa:

Sai 2ª caixa com a obra de Ney Matogrosso

Por Fabian Chacur

Em 2008, a Universal Music lançou a caixa Camaleão, contendo 15 discos de carreira, 1 CD coletivo e 1 coletânea de raridades de Ney Matogrosso. O material abrangia obras colocadas no mercado fonográfico entre 1975 e 1991, abrangendo todas as gravadoras pelas quais o intérprete passou.

Três anos depois, a gravadora completa o serviço com Metamorfoses, box set que nos traz 15 CDs de carreira e uma coletânea de raridades, além de um livreto dando detalhes sobre a produção de cada álbum. O material abrange o período entre 1993 e 2009.

Com apresentação visual deslumbrante, a caixa prova que a obra deste genial cantor nunca se pautou pela repetição ou pelas obviedades. Ney sempre quis ir além do rotineiro, e conseguiu em todos os períodos de uma carreira que se iniciou com os Secos & Molhados e hoje completa 40 anos, sendo 36 deles em trajetória individual.

Nesses álbuns, temos discos dedicados a compositores específicos (Chico Buarque, Tom Jobim, Villa-Lobos, Cartola), ao repertório de grandes intérpretes (Carmen Miranda, Ângela Maria), parcerias com talentos das novas gerações e também releituras de canções gravadas anteriormente.

Sua versatilidade o levou do rock ao erudito, do pop ao chorinho, do samba à bossa nova, sempre pinçando seu repertório com um bom gosto exemplar, e incorporando cada canção ao seu jeito próprio e inimitável de interpretar.

De quebra, ajudou a quebrar tabús e a se firmar como um dos grandes performers da música brasileira, cativando os fãs com apresentações ousadas e criativas nos palcos. De quebra, ainda se tornou um dos maiores iluminadores de shows do país. O RPM que o diga!

Poucos artistas conseguiram se manter tão relevantes nesse período como Ney Matogrosso, a ponto de ser difícil acreditar que ele tenha completado 70 anos de idade neste 2011.

O mais legal é perceber que certamente virá mais coisas por aí. Ou seja, quem comprar as duas caixas ainda terá de adquirir novos e futuros lançamentos, pois o ex-cantor dos Secos & Molhados não parece disposto a se aposentar em um futuro muito próximo. Que bom!

Ouça Cavaleiro de Aruanda, com Ney Matogrosso:

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑