Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: os novos baianos

Polysom relança em vinil raro compacto dos Novos Baianos

Novos Baianos capa-400x

Por Fabian Chacur

A Polysom lança mais um item bacana em vinil para os colecionadores de trabalhos raros e importantes da MPB, parte integrante de sua ótima série Clássicos Em Vinil. Desta vez, trata-se de um compacto duplo dos Novos Baianos, raridade lançada nos anos 1970 e cobiçado pelos colecionadores do trabalho do grupo, um dos campeões da mistura de rock e MPB.

O compacto duplo traz as faixas Psiu, 29 Beijos, Globo da Morte e Mini Planeta Íris, e foi lançado entre os álbuns É Ferro Na Boneca (1970) e Acabou Chorare (1972). Na época, era comum esse tipo de lançamento, trazendo músicas que não seriam posteriormente incluídas nos LPs, tornando-se, assim, exclusivas desse formato.

O som dos Novos Baianos, na época, era bem mais roqueiro do que o desenvolvido a partir do álbum Acabou Chorare, no qual a influência de João Gilberto, fã confesso da banda, se mostrou de forma mais clara.

Globo da Morte– Os Novos Baianos:

29 Beijos– Os Novos Baianos:

Psiu– Os Novos Baianos:

Mini Planeta Iris– Os Novos Baianos:

Ouça o compacto duplo dos Novos Baianos, na íntegra:

É Ferro Na Boneca, álbum dos Novos Bahianos, volta em LP

CAPA_novos.indd

Por Fabian Chacur

Não, meu caro e estimado leitor. Mondo Pop não marcou bobeira. A grafia do célebre grupo de rock à brasileira era escrito dessa forma, Os Novos Bahianos, quando eles lançaram seu primeiro álbum, É Ferro Na Boneca!. Só depois passariam a ser “Os Novos Baianos”. Pois bem. Esse trabalho acaba de ser relançado em vinil de 180 gramas pela Polysom.

Novo item da coleção Clássicos em Vinil, do selo, É Ferro Na Boneca! foi lançado originalmente pela extinta gravadora RGE em 1970, e mostra o grupo na capa com a seguinte formação: Moraes Moreira, Galvão, Baby Consuelo e Paulinho Boca de Cantor. Pepeu Gomes toca no disco inteiro, mas ainda no papel de músico de apoio, integrante do The Leifs com o irmão Jorginho Gomes. Logo após ele entraria de vez no time.

O álbum traz 13 músicas, parcerias de Moraes com Galvão, e traz como marca o rock psicodélico misturado a ritmos regionais. Entre outras, a faixa título, Baby Consuelo, Curto de Véu e Grinalda, O Samba Me Traiu, Juventude Sexta e Sábado e De Vera, esta última apresentada no V Festival de Música Popular Brasileira da Record de 1969.

É Ferro na Boneca- Os Novos Baianos (ouça o CD em streaming):

Acabou Chorare é relançado em vinil de luxo

Por Fabian Chacur

Está chegando às lojas mais um item da imperdível série Clássicos em Vinil, que está relançando no formato LP de 180 gramas com conteúdo remasterizado e embalagem luxuosa seminais álbuns da história da MPB. Desta vez, a pérola escolhida pela Polysom é Acabou Chorare, lançado originalmente em 1972 e trabalho mais badalado da riquíssima discografia dos inesquecíveis Novos Baianos.

O grupo na época vivia o auge de sua trajetória, com sua escalação mais famosa: Baby Consuelo (vocal e percussão), Paulinho Boca de Cantor (vocal e percussão), Moraes Moreira (vocal, violão e arranjos), Pepeu Gomes (guitarra, violão, craviola e arranjos), Dadi Carvalho (baixo) e Jorginho Gomes (bateria), além das letras do poeta Galvão. Um time criativo e instigante, que revolucionou com sua mistura de rock, MPB, latinidade e muito mais.

Acabou Chorare, cuja faixa-título surgiu a partir de uma frase da então criança Bebel Gilberto, inclui grandes momentos do songbook da nossa música popular como essa canção belíssima e também Preta Pretinha, A Menina Dança, Mistério do Planeta, Tinindo Trincando, a instrumental Um Bilhete Para Didi e a fantástica releitura de Brasil Pandeiro, de Assis Valente. Um álbum que parece coletânea por incluir tantos hits.

Ouça A Menina Dança, com Os Novos Baianos:

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑