Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: resenha

Ricardo Bacelar mostra swing e bom gosto em Sebastiana

Bacelar6@FernandoHerrera-400x

Por Fabian Chacur

Ricardo Bacelar ficou mais de uma década longe da música, após ter integrado por 11 anos o grupo Hanói Hanói e lançado o CD solo In Natura (2001). O também advogado voltou à sua paixão eterna com força total, com o excelente DVD/CD Concerto Para Moviola- Ao Vivo (2016, leia entrevista sobre o álbum aqui). Agora, ele nos apresenta o CD (também lançado em vinil) Sebastiana, uma bela sequência lógica do trabalho anterior, com a mesma alta qualidade artística.

Em Concerto Para Moviola- Ao Vivo, Bacelar nos ofereceu uma elogiável e gostosa releitura do som fusion/jazz rock dos anos 1970 e 1980. Aquela sonoridade ao mesmo tempo bastante sofisticada e acessível ao ouvido médio do público se mantém presente em Sebastiana, só que desta vez com um pouco mais de ênfase em brasilidade e tempero latino, além de abertura para vocais em quatro das quinze faixas presentes neste trabalho.

Para concretizar este álbum, o artista cearense contou com o velho amigo Cesar Lemos como braço direito, incumbindo-o da produção, guitarra e baixo. Também foram convocados artistas oriundos de vários países, como os americanos Steve Hinson (pedal steel guitar) e Maye Osorio (vocal), os venezuelanos Anderson Quintero (bateria e percussão) e Andrea Mangiamarchi (vocal) e o argentino Gabriel Fernandez (bandoneon), entre outros.

O repertório traz composições de Ivan Lins, Milton Nascimento, Luiz Gonzaga, Gilberto Gil e Tom Jobim, entre outros, além de duas parcerias Bacelar/Lemos e três de Bacelar sozinho. A performance do time escalado para o álbum não poderia ter sido melhor, esbanjando entrosamento, qualidade artística e swing, ajudando a dar ao conjunto desta obra uma consistência admirável.

Influências de lounge e new bossa também podem ser identificadas ao longo do álbum. Com vocais, Nothing Will Be As It Was (versão de Nada Será Como Antes, de Milton Nascimento e Ronaldo Bastos), e Somewhere In The Hills (de Tom Jobim e Vinícius de Moraes) receberam roupagem eletrônica envolvente, enquanto o balanço afro de Toda Menina Baiana, de Gilberto Gil, ganha nuances jazzísticas bem bacanas.

Sebastiana equivale a uma mais do que agradável viagem pelo mundo da fusion, bossa nova, easy listening, lounge, jazz, pop, new bossa e latin music, comandada pela mão hábil de Ricardo Bacelar. A Volta da Asa Branca, Partido Alto, Depois dos Temporais e Sambadouro são bem elogiáveis, mas o repertório é muito equilibrado e bom, como um todo.

O álbum no seu formato físico também será lançado na América Latina, EUA, Japão e Europa, algo bastante lógico, pois é muito provável que consiga melhor repercussão no mercado internacional do que por aqui. Bom por um lado, ruim pelo outro, pois o brasileiro deveria abraçar com mais entusiasmo e carinho um trabalho tão bom e tão representativo do melhor da nossa música como esse aqui.

Obs.: a embalagem do CD é deslumbrante, com direito a belíssima capa digipack e um caprichado encarte recheado de fotos e informações sobre a concepção do álbum, além de ficha técnica completa. Prova de que o formato físico é insuperável para os verdadeiros fãs de música, se desenvolvido com o nível de excelência deste ótimo Sebastiana.

Nothing Will Be As It Was– Ricardo Bacelar:

Tears For Fears mostra como fazer show para encantar fãs

tears for fears 2017-400x

Por Fabian Chacur

No mundo da música pop, mais especialmente no das grandes estrelas do gênero, uma das fórmulas mais garantidas para conseguir conquistar uma plateia é oferecer a ela um repertório de sucessos com arranjos bem próximos daqueles presentes nas gravações de estúdio. E foi exatamente isso que o Tears For Fears mostrou na noite desta quinta (22) no Rock in Rio, em um show quase impecável com pouco mais de uma hora de duração.

Acompanhados por ótimos músicos de apoio, Roland Orzabal (guitarra e vocal) e Curt Smith (baixo e vocal) entraram em cena com um de seus megahits, Everybody Wants To Rule The World, mostrando a estratégia que durante toda a apresentação os levariam a conquistar os fãs. Os arranjos, as programações, os vocais e até os solos foram sempre iguais aos das gravações originais, sendo que o bom estado da vozes dos integrantes da dupla ajudou e muito nesse plano.

O repertório foi bem escolhido, embora possa ser contestado por alguns fãs. Eles trouxeram quatro faixas de seu álbum de estreia, mas curiosamente não a sua excepcional faixa-título, The Hurting. Do CD que os tornou conhecidos mundialmente, Songs From The Big Chair (1985), tivemos os três maiores hits, mas Broken, I Believe e Mother’s Talk seriam outras candidatas bem recebidas, se fossem tocadas.

A ausência de Woman In Chains certamente foi a mais lamentada pelo público presente à Cidade do Rock, mas a explicação por sua não inclusão é simples: o grupo não tinha uma cantora que pudesse fazer as vezes de Oleta Adams, e ficaria esquisito ouvir um homem se incumbir daquelas passagens vocais marcantes. Eles poderiam eventualmente convidar alguma cantora brasileira para dar conta do recado, mas acho que ninguém teve essa ideia.

Para quem achar uma viagem tal possibilidade, vale lembrar que, nos anos 1990, Peter Gabriel fez shows no Brasil e quem se incumbiu da parte de Kate Bush na música Don’t Give Up e da de Sinead O’Connor em Blood Of Eden foi a nossa Jane Duboc. Muito bem, por sinal.

Também se mostrou inferior ao resto do repertório a releitura de Creep, primeiro sucesso do grupo britânico Radiohead, que poderia perfeitamente ter dado lugar a outra música própria deles, ou, se fosse o caso de um cover, a interessante releitura que o próprio Tears For Fears fez de Ashes To Ashes, do saudoso mestre David Bowie, incluída na coletânea da banda Saturnine Martial & Lunatic (1996).

Mas chega de “se, se, se”. Vale analisar o show exatamente como foi, e nesse caso a nota é muito alta. O desfile de hits foi matador, e a inclusão de duas ótimas faixas de seu álbum de retorno de 2004, a faixa título Everybody Loves a Happy Ending e Secret World, mostra como esse excelente trabalho não merecia ter sido praticamente ignorado pela mídia e pelo grande público. Discaço!

A curiosidade ficou por conta da inclusão de Break It Down Again, a única música do show extraída de um dos discos que Orzabal gravou com o nome Tears For Fears sem a presença de Curt Smith, o interessante Elemental (1993). Simples, sem invenções e com alma, o show da clássica banda oitentista ganhou o público e mereceu ser considerado um dos melhores do festival. E nada de “mero apelo nostálgico” ou colocações tolas do gênero. Música boa é para sempre!

Set list Tears For Fears Rock in Rio- 22.9.2017

início: 22h43

Everybody Wants To Rule The World (Songs From The Big Chair– 1985)

Secret World (Everybody Loves a Happy Ending-2004)

Sowing The Seeds Of Love (The Seeds Of Love-1989)

Advice For The Young At Heart (The Seeds Of Love– 1989)

Everybody Loves a Happy Ending (Everybody Loves a Happy Ending-2004)

Change (The Hurting– 1983)

Mad World (The Hurting– 1983)

Memories Fade (The Hurting– 1983)

Creep (cover do Radiohead)

Pale Shelter (The Hurting-1983)

Break It Down Again (Elemental– 1993)

Head Over Heels (Songs From The Big Chair-1985)

bis: Shout (Songs From The Big Chair– 1985) final 23h42

Shout (ao vivo Rock in Rio)- Tears For Fears:

Avançando rumo ao passado: show da Legião Urbana- 1994

legiao-urbana-1994-live-400x

Por Fabian Chacur

Tive as minhas primeiras matérias publicadas no já jurássico 1985. Desde então, milhares de textos com a minha assinatura marcaram presença em publicações as mais diversas- jornais, revistas, fanzines e internet (sites, blogs etc). Como boa parte desse material acaba se perdendo quando as publicações fecham, fica difícil encontrar uma boa parte desses trabalhos. Alguns, convenhamos, é até melhor mesmo que não sejam encontrados…

Mas é lógico que valeria a pena resgatar uma parte deles, até por uma razão de registro de momentos importantes da música no Brasil e no mundo sob a ótica de alguém que acompanha esse cenário com interesse desde criança, e profissionalmente desde a fase de “jovem adulto”. Então, a partir de agora, Mondo Pop trará a vocês, sem periodicidade regular, o resgate de alguns desses textos afogados na poeira do passado. E já começaremos com polêmica.

Sou um raro caso de jornalista da minha geração que nunca morreu de amores por Renato Russo e a sua Legião Urbana. Hoje, essa ojeriza pela banda de Brasília até se aplacou um pouco, mas na época eu realmente detestava a banda. E isso obviamente se refletiu nos textos que escrevi sobre eles, especialmente os de teor opinativo, tipo resenhas de shows ou de discos. Esta aqui eu fiz para o extinto Diário Popular no dia 17 de junho de 1994.

O show ocorreu no Ginásio do Ibirapuera em 16 de junho daquele ano. Como forma de dar a vocês, neste caso específico, a chance de ler uma visão diferente da minha, ofereço o link postado no site oficial da banda com texto referente ao evento, aqui.

O meu você poderá ler abaixo, transcrito sem alterações ao que saiu naqueles anos já distantes:

“A pregação do Pastor Russo levou 6.500 pessoas ao Ginásio do Ibirapuera na noite de quinta feira (16/6/1994). O pastor, também conhecido pelo nome de Renato Russo e por ser vocalista da banda Legião Urbana, abusou do direito de pregar suas ideias confusas. “Não aguento ligar a televisão e ouvir ‘morreram 14 em Manaus!’, o país está numa situação horrível”, ou então “Acho que vai dar tudo certo, nós crescemos, deixem esses babacas para lá”. Um horror! Ah, também teve uma tentativa de show de rock, com resultados não muito favoráveis.

A Legião Urbana é Renato Russo, como todos sabem. Seus colegas de banda facilitam a tarefa. O guitarrista Dado Villa-Lobos esbanja indigência no instrumento, enquanto o baterista Marcelo Bonfá equivale a um burocrata da percussão, tal a sua falta de swing. Sobram o baixista Jean e o tecladista-violonista Fred Nascimento, que tentam segurar a onda, sem grandes resultados. Ou seja, eles não fazem nada para tirar do pastor o cetro de dono da festa.

Usando bata branca e calça preta, Renato Russo começou o show com sua turma às 21h35. Após algumas músicas de O Descobrimento do Brasil, como Perfeição e A Ponte, e também Que País é Esse e Eduardo e Mônica, o cantor soltou as suas primeiras abobrinhas da noite. “Estou puto, esse idiota da luz fez tudo errado. Não tem nada a ver com vocês, que são maravilhosos. Passei mal em Friburgo, fiquei todo empelotado!”, discursou, para delírio dos fieis, digo, fãs. “Não foi por causa de drogas, não porque não uso mais, nem bebo, mas tudo isso passou”. E mandou ver Os Barcos, do novo disco.

Ao reviver sucessos antigos como O Petróleo do Futuro, O Teatro dos Vampiros, Quase Sem Querer e Há Tempos, sem falação no meio, o cantor e sua turma até que não encheram muito a paciência. Mas no inevitável bis, eis que o pastor número um do rock tupiniquim voltou a pregar. “A gente quer ter esperanças no futuro, mas o Brasil passa pela pior crise de sua história, está horrível, ainda bem que vocês estão aqui”, comentou. Em seguida, a banda surpreendeu quem acredita nas entrevistas contraditórias que Russo dá e tocou Pais e Filhos, que ele prometera nunca mais cantar em shows.

Ao final dessa música, certamente a mais aplaudida pelo público, que não arrumou encrencas nem gerou nenhuma ocorrência médica ou policial que merecessem destaque, nosso pastor roqueiro se contradisse de novo. “Olha, acho que vai dar tudo certo, nós crescemos, deixem esses babacas para lá”, e puxou Será, um de seus maiores sucessos. No final, a banda distribuiu margaridas, que por sinal aparecem na capa de O Descobrimento do Brasil, ao público. Não por coincidência, com Ave Maria, de Gounot, tocando ao fundo. Eram 23h20.”

Será (ao vivo)- Legião Urbana:

CD Involution equivale a boa estreia da banda Primator

primator-involution

Por Fabian Chacur

O início ocorreu em 2009. A partir daquele ano, a banda paulistana Primator entrou naquele circuito básico de shows na cidade, locais abertos ao rock pesado como Manifesto, Blackmore e Gillan’s Inn, entre outros. Em 2012, lançaram uma demo-EP. Desta vez, chega a hora de estrear com um álbum completo, no caso este Involution. E o conteúdo desse trabalho nos leva a prever uma carreira muito bacana para o quinteto.

As inspirações mais evidentes e assumidas em termos musicais do Primator remetem ao heavy metal dos anos 80 e 90.O vocalista Rodrigo Sinopoli, por exemplo, solta a voz no melhor estilo Bruce Dickinson, indo dos tons mais graves aos mais agudos com muita garra. Os guitarristas Marcio Dassié e Diego Lima alternam riffs poderosos e solos sem muitos preciosismos, enquanto a cozinha rítmica formada por André dos Anjos (baixo) e Alexandre Birão (bateria) segura todas as ondas.

As dez faixas de Involution se desenvolvem de forma vigorosa e competente, alternando andamentos lentos e mais acelerados, abrindo espaços para os instrumentos e também para a voz de Sinopoli, sempre de forma concatenada e bem ensaiada, sem “trombadas”. Esse tempo todo de estrada antes de gravar o álbum de estreia certamente contou a favor dos caras, algo a ser bastante elogiado.

A potente Playing For Nothing, com direito a bela linha de baixo na abertura e o uso do clássico pedal wah wah, a envolvente Involution, o rockão Black Tormentor e a quase épica Flames Of Hades são momentos do CD que merecem destaque. Se continuar nessa linha e com essa elogiável disposição para acertar, o Primator certamente nos oferecerá novos trabalhos ainda melhores em sua trajetória.

Involution– Primator (ouça em streaming):

Antonio Adolfo mescla samba e jazz no CD Tropical Infinito

antonio-adolfo-tropical-infinito-capa-cd-400x

Por Fabian Chacur

Na ativa desde a década de 1960, o pianista, produtor, compositor e arranjador Antonio Adolfo faz parte da elite da música desde sempre. No setor música instrumental, então, é daqueles que não erram uma. Para felicidade de quem segue sua brilhante carreira, a partir de 2005 ele engatou uma terceira marcha em termos de produtividade fonográfica, lançando desde então 10 CDs, sendo três deles em parceria com a filha, a ótima Carol Saboya. Seu novo álbum, Tropical Infinito, é outra aula de swing, bom gosto e criatividade.

Nada disposto a dormir sobre os louros do passado, Antonio Adolfo sempre traz novidades em seus trabalhos. Tropical Infinito tem como surpresa o uso de metais, algo que ele não fazia em sua discografia desde o álbum Viralata, lançado em 1979.

Participam do CD três craques dos sopros no Brasil. São eles Jessé Sadoc (trompete e flugelhorn), Marcelo Martins (sax tenor e soprano) e Serginho Trombone (trombone). Eles somam forças com Leo Amuedo (guitarra), Jorge Helder (baixo), Rafael Barata (bateria e percussão) e André Siqueira (percussão), além do dono da festa, no piano e arranjos. Um verdadeiro timaço, que entra em cena e goleia mesmo!

Como habitualmente, Adolfo improvisa e abre espaços para seus músicos improvisarem sem, no entanto, cair no mero tecnicismo ou em sonoridades excessivamente intrincadas que só façam sentido para os próprios músicos. Aqui, quem manda é a música, com cada melodia e cada harmonia sendo desenvolvidas com requinte e dando ao ouvinte um prazer absoluto em suas audições.

A entrada dos metais na mistura deu ao álbum uma sonoridade brejeira, meio de gafieira, com um forte tempero de samba, bossa nova e jazz. E o legal é que temos no repertório cinco clássicos do jazz, que ganharam novas roupagens que, sem roubar suas características essenciais, as renovaram: Killer Joe e Whisper Not (ambas de Benny Golson), Stolen Moments (Oliver Nelson), Song For My Father (Horace Silver) e All The Things You Are (Jerome Kern e Oscar Hammerstein).

Além dessas, quatro composições de Antonio Adolfo foram incluídas, duas inéditas (Yolanda Yolanda, homenagem à sua mãe, Yolanda Maurity, a primeira mulher violinista da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, e Luar da Bahia) e duas já gravadas anteriormente (Cascavel, em 1979, e Partido Leve, em 1994). Elas se encaixaram feito luva no espírito deste novo trabalho do autor de Sá Marina.

Outro aspecto altamente elogiável dos CDs desse brihante músico carioca é o cuidado com a apresentação visual deles. Este novo traz novamente capa digipack dupla e um design impecável assinado por Julia Liberati, que aproveita com finesse as belíssimas ilustrações de Bruno Liberati. Tipo do combo “embalagem perfeita para conteúdo perfeito”. Coisa fina, como se dizia antigamente.

Quem encara música instrumental como “algo difícil de se ouvir” deveria ouvir urgente Tropical Infinito. Se depois dessa audição continuar com a mesma opinião. é de se lamentar até o fim dos tempos…

Killer Joe– Antonio Adolfo:

Yolanda Yolanda– Antonio Adolfo:

Song For My Father– Antonio Adolfo:

Eric Clapton nos traz mistério e belas canções em I Still Do

eric-clapton-i-still-do-400x

Por Fabian Chacur

Logo de cara, I Still Do, novo álbum de Eric Clapton, propõe um desafio aos fãs. Nos créditos de músicos que participaram do trabalho, está listado como violonista e vocalista na faixa I Will Be There um certo Angelo Mysterioso. Os fanáticos por Beatles sabem que um pseudônimo quase idêntico (L’Angelo Mysterioso) foi usado em 1968 por George Harrison em sua participação especial na faixa Badge, do grupo Cream, do qual Eric Clapton era um dos integrantes.

Nem é preciso dizer que isso criou um frisson em torno da mídia especializada. Seria I Will Be There uma faixa gravada antes da morte do ex-Beatle (em 2001) e somente resgatada agora por Clapton, um grande amigo do autor de Something? A verdade é que o astro britânico se recusa a revelar quem é o artista que se valeu desse pseudônimo. E surgiram novos candidatos. Um é Dhani Harrison, filho de George.

Outro candidato é o astro pop Ed Sheeran, que por sinal participou do show de Clapton no dia 13 de abril no Budokan Hall, no Japão, interpretando exatamente essa música. E aí? Bem, a voz não parece a de Dhani, estando mais próxima do timbre de Sheeran. Seja como for, a assessoria de Clapton garante que ele não irá revelar quem é o tal “anjo misterioso”. E quer saber? O importante é que I Will Be There, uma espécie de folk-ska-reggae-balada, é linda!

Essa canção serve como bom chamariz para I Still Do, que atingiu o sexto lugar nas paradas dos EUA e do Reino Unido em sua semana de lançamento, algo habitual na carreira deste genial cantor, compositor e guitarrista britânico. Trata-se de um trabalho “Clapton per se”, ou seja, sem novidades ou influências diferenciadas do que estamos habituados. Temos várias variações de blues, tempero rock e folk, um pouco de pop, e por aí vai. E vai bem. O tal do bife com fritas bem feito.

O mais legal é a sutileza da coisa. A voz de Clapton está cada vez mais apurada e deliciosa, sem toda essa potência mas repleta de paixão. Cercado por músicos que o acompanham há muitos anos, como Andy Fairweather Low, Simon Climie, Chris Stainton e Henry Spinetti, o cara desliza sua guitarra com a categoria de quem sabe todos os atalhos para chegar ao ponto G dos seus ouvintes. São 12 faixas deliciosas.

O repertório traz apenas duas canções assinadas por Clapton, a quase pop Catch The Blues e a ótima Spiral. Entre os autores, alguns dos favoritos do ex-integrante do Blind Faith e Derek And The Dominoes, como Bob Dylan, JJ Cale e Robert Johnson. O clima vai do blues ardido em Alabama Woman Blues, que abre o álbum, à quase jazzística e delicada I’ll Be Seeing You, que pôe fim à festa. Tipo do álbum muito bom de se ouvir, descomplicado e simples.

Em entrevista recente, o músico afirmou que está sofrendo de neuropatia periférica, que lhe provoca dormência e dores nas mãos e nos pés, dificultando, portanto, o seu trabalho. Como ele já está com 71 anos, nos resta torcer para que Eric Clapton possa domar essas dificuldades físicas e continue em cena, fazendo shows pelo mundo e gravando discos deliciosos como este I Still Do. Se isso é “apenas mais do mesmo”, eu amo esse “mais do mesmo”!

I Will Be There– Eric Clapton e “Angelo Mysterioso”:

Catch The Blues– Eric Clapton:

Can’t Let You Do It– Eric Clapton:

Stones In My Passway– Eric Clapton:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑