Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: richard page

Ringo e seus amigos agitam o Credicard Hall

Por Fabian Chacur

Se há um grupo que merece o nome que tem é certamente a All Starr Band. Em seus 24 anos de existência, sempre capitaneada pelo ex-Beatle Ringo Starr, teve em suas fileiras alguns dos mais importantes e talentosos músicos da história do rock. E a atual formação, que tocou nesta terça-feira (29) no Credicard Hall (SP) manteve a excelência habitual. Entretenimento de primeira linha.

Durante as quase duas horas de show, Ringo e sua turma nos ofereceram um hit atrás do outro, extraídos do repertório dos Beatles, da carreira solo de Mr. Starkey e também do currículo dos ilustres músicos presentes. Tudo tocado com muita garra, swing e disposição. Delicioso ver o empenho de cada um deles para tornar o momento solo do colega muito especial. Um luxo.

Lógico que seria muito complicado fazer uma análise bacana do show em bases tradicionais. Então, tive a ideia de encarar o espetáculo como se fosse um jogo de futebol, especificamente naquele capitulo de dar notas individuais a cada jogador, detalhando suas atuações. Lógico que nesta adaptação musical, a nota de todos é a máxima. Vamos aos detalhes, então.

Ringo Starr – O ex-Beatle deu um banho como baterista, tocando em parceria com Greg Bissonette, e também como cantor, naquele estilo descompromissado e sacudido. Simpático, soube cativar a plateia, além de dar generosos espaços para seus colegas de time brilharem. Entre outras, ele cantou Boys, Don’t Pass Me By, Photograph, It Don’t Come Easy, Matchbox, Yellow Submarine, I Wanna Be Your Man, With a Little Help From My Friends e duas de Ringo 2012, Wings e Anthem. Em forma aos 73 anos, é uma lenda mais viva do que nunca.

Todd Rundgren– Integrante das bandas Nazz e Utopia e um artista solo dos mais consistentes, esse cara soube como poucos em sua trajetória misturar rock, pop, soul, rock progressivo, power pop e o que mais pintasse na sua frente. Um gênio, que também tem belíssimo currículo como produtor e que nos visitou pela primeira vez. Na All Starr Band, ele tocou basicamente guitarra e violão, com grande presença de palco, correndo o tempo todo. Ele trouxe, de seu repertório, a pérola power pop I Saw The Light, a fantástica balada Love Is The Answer e a agitadíssima Bang The Drum All Day, na qual cantou e tocou percussão. Ah como eu queria ver um show solo dele! Mas valeu a amostra.

Richard Page– Baixista, cantor e compositor do Mr. Mister, boa banda de pop rock dos anos 80, ele mostrou o porque é tão procurado para fazer vocais em discos alheios. Toca baixo com precisão e muito swing, e canta que é uma beleza. Do repertório do seu extinto grupo, trouxe os megahits Kyrie e Broken Wings, além de uma música inédita. Para quem não o conhece, recomendo com entusiasmo o álbum Welcome To The Real World (1985), que inclui os dois hits e também Is It Love (tema do filme Tocaia), um belo álbum de pop rock. Pat Mastelotto, o baterista do grupo, depois foi integrar o King Crimson de Robert Fripp.

Steve Lukather – Além de guitarrista e vocalista do Toto, uma das mais bem-sucedidas bandas de pop rock dos anos 70/80, esse cara participou de mais de mil discos como músico de estúdio, entre eles um certo Thriller, de um tal de Michael Jackson. Ao vivo, esbanjou carisma, técnica, pegada e bom gosto, deixando no ar a pergunta: porque dificilmente seu nome é citado no Brasil quando o tema é melhores guitarristas de pop rock de todos os tempos? O cidadão é um monstro! Ele interpretou com categoria três hits de sua ex-banda, apoiado vocalmente pelos colegas: Rosanna, Africa e Hold The Line, três petardos que incendiaram a festa roqueira em Sampa City.

Mark Rivera – Além de diretor musical da All Starr Band há quase 20 anos, esse saxofonista, percussionista, vocalista e tecladista tem no currículo trabalhos com gente do naipe de John Lennon, Daryl Hall & John Oates, Simon & Garfunkel, Billy Joel e um caminhão de outros. Ele não tem momentos solo, mas ajuda de forma efetiva nas performances de todos os outros. Tipo do músico “pau pra toda obra”, esbanjando simpatia, boa voz e excelente desempenho nos instrumentos de sopro. Craque.

Greg Rollie – Esse cantor e tecladista integrou a Santana Band em sua espetacular fase inicial, que rendeu álbuns do naipe de Abraxas (1970) e Santana III (1971), e também fundou e integrou durante anos o Journey. Além de arrasar no Hammond e no teclado convencional, capitaneou performances de três clássicos do repertório da banda que o tornou conhecido mundialmente: Evil Ways, Oye Como Va e Black Magic Woman, que deram aos músicos a chance de improvisar de forma swingada e vibrante. Gerou os momentos latinos e salerosos do show. Vamos bailar la salsa!

Greg Bissonette – Baterista que tocou com Dave Lee Roth, Steve Lukather, Duran Duran, Richard Marx, Andy Summers e inúmeros outros, é um verdadeiro dínamo, esbanjando energia e muita técnica, sem perder um único beat. Não é nada fácil tocar ao lado de um mito como Ringo Starr, mas Bissonette se mostrou mais do que aprovado nesse desafio, dividindo com generosidade e categoria o espaço com o chefinho famoso. Versátil, encarou rock básico, hard, latinidade, baladas e pop com desenvoltura de quem sabe tudo. Fera demais!!!

obs.:a foto que ilustra esse post foi feita por Raul Bianchi, com quem tive a honra de ver esse show maravilhoso e sem o qual… Valeu, grande amigo!!!

Ouça o álbum Ringo (1973), de Ringo Starr, na íntegra:

Welcome To The Real World- Mr. Mister (1985)

Por Fabian Chacur

Para os desanimados que acreditam ser a sorte um cavalo que só passa pela gente uma única vez na vida, e que se não o montarmos na hora certa é caixão e vela preta, a trajetória de Richard Page merece ser conferida.

O cantor, baixista e compositor americano nascido na cidade de Phoenix teve sua primeira experiência mais séria em música com a banda Pages, ao lado do tecladista e vocalista Steve George.

O Pages lançou três discos entre 1979 e 1981 em uma linha de jazz rock com pitadas pop. Não deu certo. Enquanto isso, a dupla participava de gravações de estúdio e shows com Village People, Andy Gibb, Al Jarreau e outros.

Em 1982, juntaram-se a outros veteranos de trabalhos em estúdios e shows, o guitarrista Steve Farris e o baterista Pat Mastelotto, e criaram uma nova banda, denominada Mr. Mister.

Enquanto batalhavam por um contrato de gravação, surgiu uma bela chance para Page. Ele foi convidado para substituir Bobby Kimball como vocalista do Toto, banda que vivia o seu auge naquela época.

Richard pensou bem e preferiu continuar apostando em seu próprio projeto. Em 1984, o Mr. Mister foi contratado pela RCA e lançou o álbum Wear The Faces, que vendeu muito pouco e não emplacou um único hit.

Lembram do tal cavalo selado? Pois surgiu um segundo passando por ele. O Chicago ficou sem Peter Cetera, que resolveu ser artista solo, e convidou Richard Page para a vaga.

De novo, ele disse não, ainda acreditanto em seu próprio projeto.

O que diria um observador comum? “Ah, esse cara brincou com a sorte e não foi para lugar algum”. Pois bem. Em 1985, chegou a vez de Richard Page enfim rir por último. E como riu melhor!

Welcome To The Real World, segundo álbum do Mr. Mister, provou ser o disco certo na hora certa. Demorou um pouquinho para pegar no breu em termos comerciais, mas quando isso ocorreu, foi um banho.

Das dez faixas, três fizeram muito sucesso. A espetacular e climática balada eletrônica/pop Broken Wings e a pop/gospel Kyrie chegaram ao número um na parada americana, enquanto a sacudida Is It Love, tema do filme Tocaia, chegou ao oitavo posto.

Impulsionado por esses três singles certeiros, Welcome To The Real World atingiu o topo da parada ianque em março de 1986. Bela façanha para uma banda que há pouco era considerada sem futuro.

O disco é excepcional, uma aposta em tecnopop, rock, baladas e funk, com melodias bacanas e timbres instrumentais que não soam datados mesmo neste 2010. Os caras tocavam muito e tinham bom gosto.

As dez canções são legais. As vibrantes e contundentes Black/White e Uniform Of Youth e a sacudida faixa-título são outros destaques de um trabalho pop equilibrado, com doses precisas de qualidade instrumental e vocal, sofisticação e acessibilidade.

Pena que a coisa ficou por aí. Eles lançaram em 1987 o álbum Go On, que fez pouco sucesso. Em 1989, após ter um novo disco rejeitado pela RCA, que o considerou muito “progressivo”, o quarteto saiu de cena.

Richard Page continuou atuando como vocalista de apoio e compositor em diversos projetos bem-sucedidos, e é o coautor de um grande sucesso de Madonna, I’ll Remember.

Os outros integrantes também se viraram bem no mercado pop como session men, sendo que o baterista Pat Mastelotto entrou no consagrado grupo de rock progressivo King Crimson em 1994.

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑