Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: rock anos 1980 (page 1 of 4)

Paralamas do Sucesso fazem a sua primeira live neste sábado

paralamas live 2020-400x

Por Fabian Chacur

Em meio à enxurrada de lives realizadas nos últimos meses em função da suspensão da agenda de shows presenciais exigida pela quarentena para enfrentar a disseminação do novo coronavírus, alguns astros permaneciam longe dessa nova forma de se divulgar a música. Neste sábado (29) às 20h, um nome será acrescido ao extenso elenco. Trata-se dos Paralamas do Sucesso, que apresentarão no seu canal oficial do youtube (neste link aqui) o show Paralamas Clássicos.

Como o título já entrega logo de cara, Paralamas Clássicos será uma espécie de deliciosa e substancial viagem que Herbert Vianna (vocal e guitarra), Bi Ribeiro (baixo) e João Barone (bateria) farão por seus quase 40 anos de estrada. Teremos músicas representativas de todas as fases dessa brilhante carreira, sendo que de quebra eles prometem algumas surpresas para deliciar seus inúmeros fãs.

Entre muitas outras, teremos Aonde Quer Que Eu Vá, Óculos, Lanterna dos Afogados e Cuide Bem do Seu Amor, chegando até seu álbum mais recente, Sinais do Sim, incluindo sua ótima faixa-título. Certamente, uma boa forma de se ficar em casa e ter uma noite de sábado bem animada.

Sinais do Sim (clipe)- Paralamas do Sucesso:

Prince terá Sign O’ The Times relançado com faixas-bônus

prince sign o the times 400x

Por Fabian Chacur

Durante seus quase 58 anos de vida, Prince (1958-2016) teve como uma de suas marcas a incrível produtividade. Além de nos deixar uma discografia extensa e com direito a trabalhos muito bons, o cantor, compositor e multi-instrumentista americano ainda tinha um vasto material guardado em seus arquivos. Aos poucos, a gravadora Warner está disponibilizando este tesouro. No dia 25 de setembro, será a vez de uma versão remasterizada Super Deluxe Edition de seu álbum Sign O’ The Times, lançado originalmente em 1987.

Previsto para sair no Brasil apenas nas plataformas digitais, o trabalho nos oferece uma versão remaster do álbum original e todas as faixas adicionais lançadas em singles na época. De quebra, temos 45 gravações de estúdio realizadas entre 1979 e 1987 e uma apresentação ao vivo registrada no dia 20 de junho de 1987 na cidade de Utrecht, na Holanda, na qual ele interpreta músicas do então novo álbum mescladas a hits como Purple Rain.

Para dar uma adoçada na boca dos fãs, a gravadora já disponibilizou uma das 45 faixas inéditas, o funk racha-assoalho Witness 4 The Prosecution (Version 1). Uma faixa em particular que deixará os colecionadores e pesquisadores com a curiosidade atiçada é Can I Play With U?, que conta com a participação de ninguém menos do que o saudoso ícone do jazz Miles Davis.

Sign O’ The Times marcou o inicio de uma nova fase de Prince, acompanhado por uma nova banda, e teve um desempenho comercial não tão bom como o dos trabalhos imediatamente anteriores, mas, ainda assim, atingiu o 6º posto na parada americana e o 4º lugar no Reino Unido, no formato álbum duplo de vinil. A vigorosa faixa-título, a ótima If I Was Your Girlfriend e o rockão U Got The Look são os pontos altos de um disco muito bom como um todo.

Eis as faixas de Sign O’ The Times – Super Deluxe Edition:

Álbum original remasterizado:

Sign O’ The Times
Play In The Sunshine
Housequake
The Ballad Of Dorothy Parker
It
Starfish And Coffee
Slow Love
Hot Thing
Forever In My Life
U Got The Look
If I Was Your Girlfriend
Strange Relationship
I Could Never Take The Place Of Your Man
The Cross
It’s Gonna Be A Beautiful Night
Adore

Single Mixes & Edits:

Sign O’ The Times (7” single edit)
La, La, La, He, He, Hee (7” single edit)
La, La, La, He, He, Hee (Highly Explosive) (7” single edit)
If I Was Your Girlfriend (7” single edit)
Shockadelica (“If I Was Your Girlfriend” B-side)
Shockadelica (12” long version)
U Got The Look (Long Look) (12” edit)
Housequake (7” edit)
Housequake (7 Minutes MoQuake) (12” edit)
I Could Never Take The Place Of Your Man (Fade 7” edit)
Hot Thing (7” single edit)
Hot Thing (Extended Remix)
Hot Thing (Dub Version)

Dos Baús, Parte 1:

I Could Never Take The Place Of Your Man (1979 version)
Teacher, Teacher (1985 version)
All My Dreams
Can I Play With U? (featuring Miles Davis)
Wonderful Day (original version)
Strange Relationship (original version)
Visions
The Ballad Of Dorothy Parker (with horns)
Witness 4 The Prosecution (version 1)
Power Fantastic (live in studio)
And That Says What?
Love And Sex
A Place In Heaven (Prince vocal)
Colors
Crystal Ball (7” mix)
Big Tall Wall (version 1)
Nevaeh Ni Ecalp A
In A Large Room With No Light

Dos Baús, Parte 2:

Train
It Ain’t Over ‘Til The Fat Lady Sings
Eggplant (Prince vocal)
Everybody Want What They Don’t Got
Blanche
Soul Psychodelicide
The Ball
Adonis And Bathsheba
Forever In My Life (early vocal studio run-through)
Crucial (alternate lyrics)
The Cocoa Boys
When The Dawn Of The Morning Comes
Witness 4 The Prosecution (version 2)
It Be’s Like That Sometimes

Dos Baús, Parte 3:

Emotional Pump
Rebirth Of The Flesh (with original outro)
Cosmic Day
Walkin’ In Glory
Wally
I Need A Man
Promise To Be True
Jealous Girl (version 2)
There’s Something I Like About Being Your Fool
Big Tall Wall (version 2)
A Place In Heaven (Lisa vocal)
Wonderful Day (12” mix)
Strange Relationship (1987 Shep Pettibone Club Mix)

Live In Utrecht – June 20, 1987:

Intro/Sign O’ The Times
Play In The Sunshine
Little Red Corvette
Housequake
Girls & Boys
Slow Love
Take The “A” Train/Pacemaker/I Could Never Take The Place Of Your Man
Hot Thing
Four
If I Was Your Girlfriend
Let’s Go Crazy
When Doves Cry
Purple Rain
1999
Forever In My Life
Kiss
The Cross
It’s Gonna Be A Beautiful Night

Witness 4 The Prosecution (Version 1)– Prince:

Suzanne Vega lança segunda prévia de futuro álbum ao vivo

suzanne vega capa album 2020-400x

Por Fabian Chacur

Em fevereiro, Suzanne Vega divulgou a primeira faixa de An Evening Of New York Songs And Stories, uma deliciosa releitura de Walk On The Wild Side, de Lou Reed (ouça aqui). Para atiçar os ouvidos dos fãs, chega agora a segunda amostra grátis do disco, New York Is My Destination, além da divulgação da lista de músicas que estará no trabalho, a ser lançado pela Amanuensis/Cooking Vinyl.

An Evening Of New York Songs And Stories foi gravado ao vivo no icônico Cafe Carlyle, onde artistas como Woody Allen e sua banda de jazz, Bobby Short e outros se apresentaram. O álbum reúne 16 faixas, entre canções da própria Suzanne e de outros autores, que ou falam da cidade americana ou tem suas tramas ambientadas por lá. Em comunicado enviado à imprensa, a artista fala um pouco sobre o disco, que será lançado em uma data significativa, 11 de setembro, a mesma dos ataques às Torres Gêmeas:

“É sempre um prazer tocar no Café Carlyle, em Nova York. É um pequeno clube exclusivo que já recebeu lendas de Eartha Kitt a Judy Collins, e também é conhecido por ser o lugar onde Jackie Kennedy conheceu Audrey Hepburn. Adoro o glamour boêmio do velho mundo! Eu decidi que seria divertido fazer um show lá com músicas inspiradas na cidade de Nova York ou para as quais Nova York forneceu o pano de fundo, incluindo Walk on the Wild Side do meu falecido e grande amigo Lou Reed – música que eu raramente o ouvi cantar.”

Eis as faixas de An Evening Of New York Songs And Stories:

1. Marlene on the Wall
2. Luka
3. New York is a Woman
4. Frank and Ava
5. Gypsy
6. Freeze Tag
7. Pornographer’s Dream
8. New York Is My Destination
9. Walk on the Wild Side
10. Ludlow Street
11. Cracking
12. Some Journey
13. Tom’s Diner
14. Anniversary
15. Tombstone
16. Thin Man

New York Is My Destination (live)- Suzanne Vega:

The Waterboys lançam single e prometem álbum para agosto

the waterboys capa album 2020-400x

Por Fabian Chacur

Após a boa repercussão de Where The Action Is (2019), álbum que chegou ao posto de nº 21 na parada britânica, o grupo The Waterboys não deixa a poeira baixar e nos oferece um novo single. Trata-se do rockão épico com mais de sete minutos de duração intitulado My Wanderings In The Weary Land. Coisa finíssima, bela prévia de um novo álbum, Good Luck, Seeker, que o selo britânico Cooking Vinyl lançará no dia 21 de agosto nos formatos digital e também físicos (veja detalhes aqui).

Criado em 1981 pelo cantor, compositor e músico escocês Mike Scott, único integrante a se manter no time desde o seu início, os Waterboys fizeram o seu nome com uma mistura de rock vigoroso, música folk e ecos de Bob Dylan, Patty Smith e John Lennon, só para citar algumas de suas ótimas e bem digeridas influências. Álbuns como This Is The Sea (1985) e Fisherman’s Blues (1988) são sublimes, e canções como The Whole Of The Moon, Medicine Ball e Fisherman’s Blues tornaram-se clássicos perenes dos anos 1980.

Hoje um septeto, o grupo traz como músico mais antigo além de Scott, o ótimo Steve Wickham (violino elétrico e mandolin), que esteve nos Waterboys entre 1985 e 1990 e depois voltou em 2001 para não mais sair fora. Ex-integrantes famosos são Anthony Thistlethwaite (sax, baixo, mandolin e harmônica), que depois fez parte do grupo The Saw Doctors, e Karl Walinger (teclados), posteriormente líder do ótimo grupo World Party.

Good Luck, Seeker será o 14º álbum de estúdio da banda britânica, sendo que Mike Scott também lançou dois discos solo nos anos 1990 (Bring ‘Em All In-1985 e Still Burning-1987). Seu álbum de maior sucesso comercial foi a ótima coletânea The Best Of The Waterboys 81-90 (1991), que atingiu o 2ª posto na parada britânica na época de seu lançamento.

Eis as faixas de Good Luck, Seeker:

1. The Soul Singer
2. (You’ve Got To) Kiss A Frog Or Two
3. Low Down In The Broom
4. Dennis Hopper
5. Freak Street
6. Sticky Fingers
7. Why Should I Love You?
8. The Golden Work
9. My Wanderings In The Weary Land
10. Postcard From The Celtic Dreamtime
11. Good Luck, Seeker
12. Beauty In Repetition
13. Everchanging
14. The Land Of Sunset

Ouça My Wanderings In The Weary Land, dos Waterboys:

Roxette lança versão acústica de Help! gravada em Abbey Road

roxette single 400x

Por Fabian Chacur

Marie Fredriksson infelizmente nos deixou aos 61 anos no dia 9 de dezembro de 2019. Seu trabalho musical, especialmente o realizado ao lado de Per Gessle no grupo sueco Roxette, felizmente permanecerá sempre vivo na memória de seus inúmeros fãs. E são eles que irão vibrar com uma boa notícia. Em breve, teremos o lançamento de Bag Of Trix- Music From The Roxette Vaults. Será uma série de álbuns que sairão em breve através da gravadora Warner Music, contendo material inédito oriundo de gravações nunca antes lançadas.

A primeira amostra foi disponibilizada nesta sexta-feira (8). Trata-se de uma releitura acústica, com Marie no vocal e Per no violão, de um grande clássico dos Beatles. Trata-se de Help!, música lançada originalmente em 1965 que intitulou seu segundo filme e também a trilha sonora do mesmo. A gravação ocorreu em novembro de 1995, e teve como local nada menos do que o Abbey Road Studios, onde os Beatles fizeram quase todas as suas lendárias gravações.

Help!– Roxette:

Sting- A Free Man (2017) é um documentário bastante eficiente

a free man sting doc-400x

Por Fabian Chacur

Abordar uma carreira de mais de 45 anos como a de Sting em apenas 52 minutos parece uma tarefa difícil, senão impossível de se realizar. O diretor francês Julie Veille, no entanto, mesmo sem ter esgotado o tema, proporciona uma interessante e muito bem realizada amostra do que de melhor o grande cantor, compositor e músico britânico fez nesses anos todos. Sting- A Free Man (2017), o resultado desse projeto, está disponível na programação do Canal Bis e também em sua plataforma de streaming.

Feito para um canal de TV francês, o filme tem como base uma ótima entrevista feita com o astro da música especialmente para a atração. Também temos bons depoimentos de pessoas ligadas a ele, entre os quais o guitarrista Dominic Miller, que toca há muito tempo em sua banda de apoio e é seu parceiro em algumas composições, e também o italiano Zucchero, o baterista Vinnie Colaiuta, Will.I.am (do grupo Black Eyed Peas) e Bob Geldof. Este último surpreende pelo aparente profundo conhecimento da vida e obra do colega de profissão.

A opção foi por ter foco principal na carreira solo de Sting, passando por alto por seus anos no The Police, incluindo uma justificativa pela qual ele saiu da banda: “Não queria repetir as mesmas fórmulas, eu queria a liberdade que me seria ditada pelas músicas, e não pelo grupo”.

Sting fala sobre o desafio de contar histórias relevantes em um formato tão compacto como o das canções pop, e de como escreveu alguns de seus clássicos, como Shape Of My Heart, Desert Rose e do repertório do álbum The Soul Cages (1991), este último feito em homenagem ao seu pai.

O envolvimento do músico com questões humanitárias e ecológicas também é abordado, entre eles sua ligação com o cacique brasileiro Raoni e as mães das vítimas da ditadura de Pinochet no Chile (que rendeu a bela canção They Dance Alone). O show que fez em Toscana, Itália, no mesmo dia dos ataques às torres gêmeas em Nova York em 11 de setembro de 2001, está na pauta, assim como a inspiração das belas canções Russians e Inshala.

Pontuado por um bem selecionado material de arquivo, Sting- A Free Man equivale a uma concisa e bem realizada viagem na obra de um artista que soube como poucos trafegar por gêneros musicais como rock, reggae, jazz, pop, world music, folk etc com desenvoltura, criatividade e muito talento. E pensar que, no relato do próprio Sting, tudo começou quando ele herdou o violão de um tio que se mudou para o Canadá…

Veja o trailer de Sting- A Free Man:

Michael Stipe lança versão demo de uma nova e belíssima canção

michael stipe 2020-400x

Por Fabian Chacur

Neste domingo (29), Michael Stipe colocou no ar uma versão demo de uma nova canção. E que canção! No Time For Love Like Now é daquelas faixas que, mesmo assim, aparentemente inacabada, já soa como clássica logo em seus primeiros acordes. Gravada com uma câmera caseira no que parece ser um cômodo de sua residência, o ex-cantor do R.E.M. nos emociona com uma balada linda cuja letra registra tudo o que precisamos nesses tempos cinzentos.

No Time For Love Like Now foi composta em parceria com o cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista americano Aaron Dessner, conhecido por integrar as bandas The National e Big Red Machine.

Essa maravilha é a terceira faixa que o astro nos proporciona desde outubro de 2019. Após o anunciado fim do R.E.M. em 2011, as expectativas em torno de como a carreira de Stipe seguiria adiante eram enormes.

Foram anos e anos de expectativa. A primeira amostra conpleta foi a deliciosa Your Capricious Soul (ouça aqui), disponibilizada no dia 5 de outubro de 2019 e com os direitos doados ao grupo de ativistas ambientais Extinction Rebellion.

Como forma de celebrar seus 60 anos de idade, ele lançou no dia 4 de janeiro um segundo single, Drive To The Ocean (ouça aqui), uma canção envolvente de clima árabe e com belos vocais de apoio. Seus direitos foram doados pelo prazo de 365 dias para a Pathway To Paris, organização sem fins lucrativos que apoia iniciativas inovadoras relativas ao meio ambiente.

Em entrevista concedida em 2019, Stipe afirmou ter 18 canções prontas, mas não deu detalhes de como serão lançadas, se em um álbum em formato convencional ou apenas em singles.

Para mim, a lógica deve ser o lançamento de um ou outro single a seguir e, depois, um álbum completo. Seja como for, é ótimo ver um artista do seu calibre novamente na ativa, e com três músicas tão boas. Que venham logo as outras!

No Time For Love Like Now (demo)- Michael Stipe:

Titãs lançam um novo clipe de Sonífera Ilha com celebridades

titas trio acustico 2020 400x

Por Fabian Chacur

Com nove integrantes logo no seu início e oito em sua fase clássica, os Titãs foram diminuindo até chegarem ao formato atual, com Sergio Britto, Branco Mello e Toni Bellotto. Após uma turnê bem-sucedida com essa formação, eles anunciam que lançarão em breve o álbum Titãs Trio Acústico, relendo seus hits. A primeira amostra saiu hoje. Trata-se de Sonífera Ilha, seu primeiro hit, que está sendo divulgada com um clipe ótimo e repleto de convidados especiais.

Cenas da banda feitas em estúdio são intercaladas com registros de Rita Lee e Roberto de Carvalho, Fernanda Montenegro, Lulu Santos, Elza Soares, Os Paralamas do Sucesso, Casagrande, Andreas Kisser, Edi Rock, Fábio Assunção, Cyz Mendes, Alice Fromer e Érika Martins, que dublam os versos da canção.

Embora intitulado Trio Acústico, vemos no clipe o grupo se valendo de instrumentos elétricos como guitarra e baixo, além de piano, este, sim, acústico de fato. Cantada por Paulo Miklos na versão original de 1984, desta vez Sonífera Ilha contou com o vocal principal de Branco Mello.

Sonífera Ilha (clipe)- Titãs:

The Pretenders liberam 2ª faixa de seu futuro álbum de inéditas

Pretenders por Matt Holyoak-400x

Por Fabian Chacur

Os fãs dos Pretenders tem boas razões para sorrir. Acaba de ser disponibilizada nas plataformas digitais a faixa-título de seu novo álbum, Hate For Sale, previsto para sair no dia 17 de julho pela gravadora BMG Brasil (não confundir com o selo criado nos anos 1980 e cujo conteúdo hoje é parte do conglomerado Sony Music). Trata-se de um punk rock áspero e curto, com menos de três minutos de duração, embora nele a voz da líder da banda, Chrissie Hynde, soe melódica e suave. Trata-se da segunda música divulgada deste trabalho, que será o 11º da discografia da banda criada em 1978 e com uma carreira bastante relevante.

A outra faixa conhecida do álbum é The Buzz (ouça aqui), um rock balada com ecos dos anos 1960 e com aquela assinatura típica que levou a banda a vender milhões de álbuns e a lotar seus shows nos quatro cantos do mundo.

A produção do disco ficou a cargo do bem-sucedido produtor Stephen Street, conhecido por seus trabalhos com The Smiths, Morrisey na carreira-solo, Kaiser Chiefs e The Cranberries e que que atuou com os Pretenders nos álbuns Last Of The Independents (1994) e !Viva El Amor! (1999).

Será o 1º álbum desde Alone (2016), creditado aos Pretenders mas a rigor um trabalho solo de Chrissie. Desta vez, ela se dedica aos vocais e guitarra-base e tem a seu lado o baterista Martin Chambers (o outro integrante da formação original da banda a se manter em cena), Nick Wilkinson (baixo) e James Walbourne (guitarra), este último seu parceiro nas novas composições.

Sobre a inspiração que a motivou a escrever a letra da faixa que deu nome ao novo CD, ela deu uma declaração bem-humorada:

“Juro que essa música não é sobre Donald Trump, Boris Johnson ou Bolsonaro. Nenhuma das minhas músicas fala diretamente de política, em geral elas falam sobre ex-relacionamentos mesmo”, garante. A inspiração punk ela garante vir de uma de suas bandas favoritas, os britânicos do The Dammed.

Hate For Sale– The Pretenders:

Ira! apresenta uma amostra do conteúdo de seu novo trabalho

ira 2020-400x

Por Fabian Chacur

Já está disponível nas plataformas digitais, com distribuição a cargo da Ditto Music, o novo single do Ira!, intitulado O Amor Também Faz Errar. A faixa é a primeira prévia de Ira (isso mesmo, sem ponto de exclamação), primeiro álbum de inéditas da consagrada banda paulistana desde Invisível DJ (2007) e com previsão de lançamento para maio, ainda sem a divulgação dos formatos em que estará disponível. A produção ficou a cargo do badalado Apollo 9, e foi registrado no estúdio A9, em São Paulo, eterna sede desse grupo criado nos idos de 1981 na Vila Mariana.

O grupo voltou à cena em maio de 2014 após anos de brigas na justiça e muitas desavenças. O retorno ocorreu mantendo a penas a essência do time, com os fundadores Nasi (vocal) e Edgard Scandurra (guitarra e vocal). Ricardo Gaspa e André Jung, os outros parceiros da formação clássica, deram suas vagas a, respectivamente, Johnny Boy (baixo) e Evaristo Pádua, que, no entanto, não aparecem nas fotos de divulgação da nova fase dos caras.

O single, com mais de quatro minutos de duração, flagra Nasi e Edgard (este, o autor da canção) em ótima forma, com uma levada clássica da banda e aquele sabor de rock balada com temática afetiva e existencial que sempre marcou seus trabalhos de maior sucesso. Ira será o 15º álbum do Ira!, englobando gravações ao vivo, e vem após o projeto Ira! Folk (2016-2017), no qual o grupo releu seus hits em formato centrado em vozes e violões.

O Amor Também Faz Errar– Ira!:

Older posts

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑