Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: rock nacional (page 1 of 3)

Eduardo Dussek faz show em SP no melhor estilo voz/piano

DUSSEK ALTA ao microfone by MARCIO RM-400x

Por Fabian Chacur

Eduardo Dussek é um artista que merece a denominação entertainer, termo em inglês cuja tradução aproximada seria “entretenedor”, digamos assim. Afinal de contas, o cara canta, compõe, toca piano e possui um carisma capaz de encantar os mais diferentes tipos de plateias. Ele estará em São Paulo neste sábado (27) às 20h no Tupi Or Not Tupi (rua Fidalga, nº 360- Vila Madalena- fone 0xx11-3813-7404) para um show cujo ingresso (que custa R$ 180,00) também dá direito a um jantar.

Boa prova dessa capacidade de envolver o público é o fato de, neste show, o astro carioca atuar no melhor estilo piano/voz. Assim, sozinho, ele dá mostras de sua maestria como músico e cantor, além de cativar a todos com um bom humor e simpatia irresistíveis. De quebra, tem a seu favor um repertório composto por hits certeiros como Aventura, Barrados no Baile, Rock da Cachorra, Brega Chique, Nostradamus e inúmeros outros. Jogo ganho e muito bem ganho, por sinal.

Nascido em 1º de janeiro de 1954, Eduardo Dussek começou a tocar piano ainda criança. Aos 16 anos, já participava de musicais, sendo contemporâneo e amigo da trupe Asdrúbal Trouxe o Trombone. No finalzinho dos anos 1970, teve músicas gravadas por Ney Matogrosso (Seu Tipo, faixa-título a um dos discos do cantor), Maria Alcina (Folia no Matagal, que Ney regravaria anos depois) e Frenéticas (Vesúvio).

Ao participar do festival MPB Shell, da Globo, em 1980, com a música Nostradamus, ele tornou-se conhecido no país todo, e logo a seguir lançou o seu primeiro álbum, Olhar Brasileiro. Em 1982, mergulhou no rock and roll com o impagável LP Cantando No Banheiro, que traz como destaques a faixa título e Rock da Cachorro.

Brega Chique/Chique Brega (1984) reforçou sua versatilidade, provada também por canções melódicas e românticas como Cabelos Negros e Aventura. Ele também atuou diversas vezes como ator, incluindo novelas como a global I Love Paraisópolis (2015). Em 2011, lançou o irresistível DVD Dussek é Show, no qual registra em uma mídia perene a extensão de seu enorme talento.

Aventura (ao vivo)- Eduardo Dussek:

Fernanda Takai faz shows em SP para lançar seu novo DVD

Foto: Bruno Senna

Foto: Bruno Senna

Por Fabian Chacur

Fernanda Takai é daquelas artistas que adora trabalhar. Em 2017, ela não só lançou um novo CD com o Pato Fu, o adorável Música de Brinquedo 2, como também foi para a estrada divulgar o álbum (leia mais sobre este disco aqui). De quebra, ainda lançou um novo DVD solo, o excelente Na Medida do Impossível- Ao Vivo No Inhotim (leia a resenha aqui).

E é exatamente para divulgar esse trabalho individual que a cantora, compositora e musicista radicada há muito tempo em Minas Gerais volta a São Paulo após três meses. Os shows serão neste fim de semana no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros (rua Paes Leme, nº 195- fone 0xx11-3095-9400), sendo sexta (19) e sábado (20) às 21h e domingo (21) às 18h, com ingressos custando de R$ 12,00 a R$ 40,00.

Acompanhada por Larissa Horta (baixo e vocais), Lenis Rino (bateria e vocais), Camila Lordy (teclados) e Tiago Borba (guitarra, violões e vocais), Fernanda dará uma geral no repertório do DVD, incluindo Seu Tipo, Quase Desatento, Doce Companhia, Fui Eu e I Don’t Want To Talk About It, canção do saudoso Danny Whiten (da banda Crazy Horse, conhecida por seu trabalho com Neil Young) que fez sucesso em gravações de Rod Stewart e Everything But The Girl. A releitura de Takai entrou na trilha da novela global O Outro Lado do Paraíso.

I Don’t Want To Talk About It– Fernanda Takai:

Blitz mostra muita vitalidade e swing em seu novo DVD

DVD Blitz Aventuras II_02_DIGIPACK.indd

Por Fabian Chacur

O ano de 2017 entrará para a história da Blitz como um dos melhores de sua bem-sucedida trajetória iniciada em 1982 com o estouro de Você Não Soube Me Amar. Além de terem divulgado com categoria seu mais recente álbum, Aventuras II, um excelente álbum comparável aos seus lançamentos clássicos dos anos 1980, fizeram inúmeros shows sempre lotados e com ótima repercussão por parte do público. O registro dessa atual fase iluminada da banda carioca acaba de sair, pela gravadora Deck em parceria com o Canal Brasil. Trata-se do DVD Blitz No Circo Voador, prova concreta de que esse time não vive só de seu passado de glórias.

O registro foi realizado ao vivo em abril deste ano no mitológico Circo Voador, mesmo espaço alternativo carioca no qual o grupo despontou rumo ao sucesso nacional. No time, temos três integrantes da formação clássica: Evandro Mesquita (vocal), Billy Forghieri (teclados) e o mitológico Roberto “Juba” Gurgel (bateria). Ao seu lado, uma das formações mais estáveis da história do grupo, que traz Cláudia Niemeyer (baixo), Rogério Meanda (guitarra), Andréa Coutinho (backing vocals) e Nicole Cyrne (backing vocals).

Ao contrário do que alguns fariam nesse momento, a Blitz mostrou ousadia e confiança no próprio taco ao incluir 11 das 13 faixas de Aventuras II no show. Boa oportunidade para se conferir o quanto essas novas músicas são boas, pois se encaixam muito bem em meio aos sete clássicos do período 1982-1985 e a um cover certeiro, Aluga-se (de Raul Seixas), sendo que One Love (Bob Marley) e País Tropical (Jorge Ben Jor) foram interpoladas respectivamente nos hits A Dois Passos do Paraíso e Mais Uma de Amor (Geme Geme).

As canções mais recentes da Blitz mantém o clima alto astral e swingado de seus bons tempos, com direito a maravilhas do naipe de Baile Quente (que abre a festança com tudo), Nu na Ilha, Estrangeiro Aventureiro e Chacal Blues. Todas poderiam se tornar hits radiofônicos, se vivêssemos tempos mais democráticos e afeitos ao pop rock.

Algumas participações especiais marcam o show, sendo a de maior destaque a de Alice Caymmi na assumidamente brega Noku Pardal e na releitura do hit Betty Frígida, nas quais ela faz duetos hilariantes com Evandro Mesquita. Afroreggae, Milton Guedes, George Israel, Diogo Albuquerque, Mafram do Maracanã e Silvio Charles também marcam presença, além de Zeca Pagodinho, este graças a uma gravação em áudio/vídeo exibida no telão em Fominha.

Blitz No Circo Voador mostra como é possível para uma banda com 35 anos de estrada ainda soar refrescante e renovada, sem renegar seu legado. Colabora para isso a excelente forma de Evandro, que aos 65 anos de vida aparenta no máximo uns 40, se tanto, além de continuar com voz afiada/afinada e aquela presença de palco simpática e desencanada que sempre o marcaram. Muito bom ver esses caras com esse gás todo. Sinal de que as aventuras estão longe de acabar…

Baile Quente (ao vivo)- Blitz:

Céu e Boogarins lançam vídeo e farão show no Rock in Rio

ceu boogarins videoclipe 2017-400x

Por Fabian Chacur

Uma das parcerias mais interessantes programadas para o Rock in Rio 2017 é a que reunirá o grupo goiano Boogarins e a cantora e compositora paulistana Céu. Em maio, eles se reuniram no Red Bull Studio em São Paulo para iniciar os ensaios de sua colaboração. De quebra, aproveitaram para gravar um clipe com a música Foi Mal, que acaba de ser divulgado. Você pode conferir o resultado no link que está aqui.

Foi Mal saiu em versão de estúdio no mais recente álbum do quarteto, Lá Vem a Morte, e equivale a uma boa amostra de como poderá ser intensa a performance desses talentos da cena musical brasileira atual. O show está programado para ocorrer no dia 15 (sexta-feira) no Palco Sunset, espaço do festival reservado para esse tipo de atração exclusiva.

Céu está na estrada há 15 anos, e se consolidou no cenário da música pop brasileira com sua mistura de reggae, rock, pop, folk e MPB na qual se destaca sua voz suave e melódica. Integrado por Fernandinho Dinho Almeida (vocal e guitarra), Benke Ferreira (guitarra), Raphael Vaz (baixo) e Ynaiã Benthroldo (bateria), o Boogarins está na estrada desde 2012, e já fez inúmeros shows por Brasil, América Latina, EUA e Europa, cativando fãs com sua versão abrasileirada da psicodelia.

Lá Vem a Morte- Boogarins (ouça em streaming):

Lulu Santos celebrará Rita Lee em álbum via Universal Music

lulu-santos-400x

Por Fabian Chacur

Após ler Rita Lee- Uma Autobiografia, Lulu Santos sentiu-se disposto a gravar um álbum só com releituras de clássicos do repertório da cantora e compositora paulistana. Arregaçou as mangas, começou a preparar o material e, agora, anuncia a parceria com a Universal Music, que lançará ainda este ano esta obra, provavelmente em CD e digital.

O repertório ainda não foi divulgado, mas uma música certamente estará no trabalho. Trata-se de Desculpe o Auê, pois segundo o informativo da gravadora foi exatamente a releitura desta música apresentado por Lulu que entusiasmou a Universal a querer participar do projeto. Como a influência de Rita aparece desde sempre no trabalho do cantor, compositor e guitarrista carioca, a expectativa é de que esse seja um álbum bem interessante e popular.

Vale lembrar que Lulu teve uma passagem anterior pela Universal, nos tempos em que esse selo ainda atendia pelo nome Polygram. Nesse curto período (entre 1992 e 1993), ele lançou o ótimo álbum Mondo Cane (1992), que trazia a belíssima Apenas Mais Uma de Amor, e o single Autoestima (1993), com a faixa-título então inédita e três faixas do álbum anterior. Os discos passaram batidos, e Lulu em 1994 iria para a BMG, na qual veria o ressurgimento de sua carreira em formato dance.

Curiosamente, Apenas Mais Uma de Amor e Autoestima se tornariam grandes sucessos ao serem regravadas em versões acústicas em 2000 no álbum Acústico MTV, que vendeu mais de 600 mil cópias na época. Em 2013, Lulu lançou outro trabalho de releituras de obras alheias, Lulu Canta & Toca Roberto e Erasmo, dedicado ao repertório de Roberto e Erasmo Carlos e um grande êxito de vendas.

Autoestima– Lulu Santos (clipe 1993):

Lô Borges canta em SP para a festa de 45 anos de estrada

0023267_O-400x

Por Fabian Chacur

Este ano marca a celebração de belas datas redondas na trajetória de Lô Borges. O cantor, compositor e músico mineiro comemora 65 anos de vida e 45 anos de carreira. Para partilhar esse momento de festa com seu público paulistano, ele toca na cidade neste sábado (1º/7) às 21h e domingo (2/7) às 18h no Sesc Belenzinho (rua Padre Adelino, nº 1.000- fone 0xx11-2076-9700), com ingressos de R$ 9,00 a R$ 30,00.

Tudo começou oficialmente em 1972 com aqueles dois discos históricos, respectivamente Clube da Esquina, gravado em parceria com o amigo de fé, irmão, camarada Milton Nascimento, e Lô Borges, o mundialmente conhecido como o “Disco do Tênis”. Aquele moleque de 20 anos mostrava logo de cara que não estava entrando naquela profissão para marcar bobeira ou enganar os tontos. As belas canções, as melodias deliciosas e as misturas bacanas já estavam lá.

Desde então, o sujeito amadureceu ainda mais, proporcionando aos fãs de boa música maravilhas do alto gabarito de Clube da Esquina nº 2, Paisagem da Janela, O Trem Azul, Tudo Que Você Podia Ser e Para Lennon e McCartney, só para citar algumas. Suas canções foram gravadas por unanimidades como Elis Regina, Milton Nascimento, Flávio Venturini, Beto Guedes, 14 Bis e muito, mas muito mais gente mesmo.

De quebra, ele sempre se mostrou aberto a novas parcerias, e fez projetos e escreveu canções com Samuel Rosa, Nando Reis, Arnaldo Antunes e Tom Zé, por exemplo. Neste show, intitulado Paisagem da Janela- Uma Retrospectiva da Carreira-45 Anos, parte do projeto Estação Brasileiro, ele será acompanhado por Henrique Matheus (guitarra), Telo Borges (teclados), Robinson Mattos (bateria) e Renato Valente (baixo), além dele próprio nos vocais e guitarra. Festa da boa!

Clube da Esquina nº2- Lô Borges:

Alucinação (Belchior) ganha a reedição em vinil via Polysom

CAPA_belchior.indd

Por Fabian Chacur

A Polysom, em parceria com a Universal Music, acaba de lançar uma reedição no formato vinil de 180 gramas de um dos grandes clássicos da nossa MPB. Trata-se de Alucinação, do saudoso Belchior, álbum que chegou originalmente às lojas em 1976 e foi responsável pelo estouro do cantor, compositor e músico cearense. O disco integra a série Clássicos em Vinil, que prioriza títulos essenciais da discografia brasileira.

Recentemente, a Universal Music relançou este mesmo título no formato CD, na caixa Três Tons de Belchior, que também inclui os álbuns Melodrama (1987) e Elogio da Loucura (1987). Trata-se de um desses trabalhos bons de ponta a ponta, e que é absolutamente necessário nas discotecas de quem gosta de boa música, seja em que formato for (leia a resenha do relançamento em CD aqui).

Fotografia 3×4– Belchior:

Pitty volta aos palcos com um show em Ribeirão Preto-SP

pitty-400x

Por Fabian Chacur

Após cerca de um ano e meio longe de cena, a data de retorno de Pitty aos palcos está chegando. Será neste sábado (10) em Ribeirão Preto (SP), no festival João Rock, do qual também participam nomes importantes como Capital Inicial, CPM 22, Nando Reis, Humberto Gessinger, Lenine, Alceu Valença, Nação Zumbi, Zé Ramalho e Armandinho. Os ingressos estão esgotados.

A volta da roqueira baiana será feita aos poucos, sem precipitação. Outras duas datas de sua programação para os próximos meses já foram divulgadas por sua assessoria. Serão no dia 7 de julho no WebFestValda, ao lado da banda Maneva, e no dia 30 de setembro, em Natal (RN), no Mada. Ela falou sobre o retorno:

“Vou fazer alguns shows especiais, baseados na saudade dos palcos, saudade dos fãs e vontade de ter esse encontro de novo. São apresentações montadas especialmente para esse momento, entre o disco Setevidas (Deck/ 2014) e um próximo álbum”.

Sete Vidas(clipe)- Pitty:

CPM 22 volta ao street punk no seu álbum Suor e Sacrifício

cpm 22-400x

Por Fabian Chacur

Foram seis longos anos sem lançar um álbum de estúdio de inéditas, mais precisamente desde 2011, quando saiu Depois de Um Longo Inverno. Nesse meio tempo, o CPM 22 nos proporcionou CPM 22 Acústico (2013) e Rock in Rio Ao Vivo (2016). O retorno aos CDs de estúdio ocorre com Suor e Sacrifício (Universal Music), também disponível no formato digital.

O guitarrista Luciano Garcia, no time desde 1999, define o novo álbum do grupo radicado em São Paulo (SP) como um trabalho 100% street punk. Esse CD marca a volta do baixista Fernando Takara, que havia saído em 2011 após seis anos de serviços prestados. Completam o grupo Badaui (vocal, fundador do time em 1995), Japinha (bateria, desde 1999 no grupo) e Phil Fargnoli (guitarra, entrou em 2014).

O retorno de Takara é explicado por Luciano. “Ele é o melhor baixista que já tivemos, e só saiu por problemas particulares dele, pois sempre se deu muito bem conosco. Quando o nosso baixista anterior saiu, pensamos em convidar o Fernandinho para voltar pro CPM 22, e por sorte ele já havia resolvido os problemas e estava doido para voltar; em um único ensaio, já estávamos entrosados de novo”.

O álbum já está pronto há algum tempo, mas demorou a ser comercializado e divulgado por causa do lançamento de Rock in Rio Ao Vivo, registro de sua marcante participação no megafestival de música. “Acho legal ter esse espaço entre os CDs de inéditas porque isso nos permite fazer trabalhos diferentes entre si; seguramos ele um pouco porque seria besteira lança-lo muito perto do CD/DVD do Rock in Rio”.

Por sinal, Luciano guarda ótimas recordações do show no festival carioca. “Olha, nunca mais vou ficar nervoso por causa de um show depois desse, pois tocamos só com bandas fortes, no palco principal, e com as mesmas condições técnicas das bandas internacionais, acho que colhemos os frutos que plantamos durante toda a nossa carreira”.

O repertório de Suor e Sacrifício traz 16 faixas autorais. Em Never Going To Be The Same, eles contam com a participação do americano Trever Keith, da banda Face To Face, uma das maiores influências no som do CPM 22. “Um puta orgulho para nós ter tido a participação do Trever no nosso CD. Tudo começou quando tocamos uma música do Face To Face no festival Planeta Atlântida, em 2008, e um fã nosso mandou para eles, que adoraram. Aí, resolvemos convidá-lo para participar do disco; demorou, mas aconteceu na hora certa e ficou perfeito”.

Outro momento importante do novo CD é Honrar Teu Nome, que Badauí fez em homenagem ao pai, que faleceu em 2016. “Foi a última música gravada para o disco, e a gente se emocionou muito com ela, pois gostávamos muito do pai dele”. O título do álbum, extraído de um dos versos da canção Conta Comigo, tem a ver com a dureza da vida de um rocker no Brasil. “É preciso engolir muita coisa para manter uma banda de rock no Brasil; passamos por muitas dificuldades, mas estamos aqui, e sem ter feito concessões, acreditando no nosso som”.

Já em plena turnê para divulgar o novo trabalho, Luciano não demonstra entusiasmo com os rumos do rock atual. “Não estou animado com nada do rock atual no Brasil ou no exterior, continuamos ouvindo os nossos ídolos. Hoje, todo mundo soa igual, é uma mesmice completa; quando surgimos, cada banda tinha a sua própria cara”.

Honrar Teu Nome– CPM 22:

Putos Brothers Band estreiam com um álbum visceral e cru

putos brothers-400x

Por Fabian Chacur

Aqui não há lugar para frescuras. Nada de elaboração excessiva, ou harmonizações bonitinhas, ou mesmo poesia lírica e impoluta. A opção da Putos Brothers Band foi cair de cabeça em um blues rock ardido, cru e repleto de papo reto, sem curvas nem nada do gênero, com direito a alguns palavrões aqui e ali. O resultado de sua estreia em CD, Tá Todo Mundo Puto Brother!, não poderia ser melhor, e transborda energia, personalidade e talento. Esse quarteto sabe das coisas!

Na estrada desde 2010, a Putos Brothers Band possui pedigree dos melhores, na figura de seu gaitista, Sylvio Passos. Sim, ele mesmo, fundador do Raul Rock Club e amigo pessoal do saudoso Maluco Beleza. O cara demorou a entrar no mundo das músicas autorais, pois há alguns anos integra a Raul Rock Club Band, especializada no repertório de Raulzito. Valeu a espera. E, não por acaso, os outros integrantes do time são dessa mesma banda.

Além de Sylvio, que de forma escrachada se classifica como o “Sid Vicious da gaita” (referindo-se ao péssimo baixista da fase final dos Sex Pistols), temos em campo (ou nos palcos) Agnaldo Araújo (vocal e guitarra), seu irmão Adriano Araújo (baixo) e André Lopes (bateria). Os quatro formam um grupo afiado, com os elementos fundamentais para uma banda de blues-rock dar certo: muita garra, talento e nenhum medo de errar, se o acerto geral for a meta.

O primeiro disco dos Putos Brothers Band ganha o ouvinte mesmo antes de começar a ser tocado. A apresentação visual do CD é simplesmente demais, com direito a capa desde já clássica, encarte com letras, informações e fotos bacanas e tudo o mais. Coisa de gente inteligente, consciente de que precisa oferecer algo mais ao público para justificar a aquisição do trabalho físico. Vá por mim: é melhor ter a versão em CD ou a em vinil, que sairá em breve.

Mas não adianta roupa bonita se o cara é feio, e aqui o som é na veia. Lógico que tem influências do autor de Ouro de Tolo, mas traz muito mais, como toques de Nasi & Os Irmãos do Blues, Barão Vermelho, Stevie Ray Vaughan, Jimi Hendrix e vários outros, muitas e boas influências. As letras são sempre simples, mas muito bem sacadas, apostando na inteligência do público e mergulhando em ironia, poesia direta e protesto sem panfletarismo.

As dez faixas incluídas neste CD são bem legais, mas algumas merecem destaque adicional, como a contagiante Tá Todo Mundo Puto Brother, a deliciosa A Busca (com brilhante participação especial do guitarrista Israel Che Hendrix, da banda Gangster), a incisiva Ela Vem de Trem e a homenagem Um Blues Para Raul. Tá Todo Mundo Puto Brother é para se ouvir a toda altura, aumentando o alto astral geral. Mister Seixas teria orgulho do seu pupilo!

Tá Todo Mundo Puto Brother!(streaming, CD completo):

Older posts

© 2018 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑