Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: samba de rainha

Samba de Rainha lança clipe caseiro de Fé Não é Pequena

samba de rainha capa single 400x

Por Fabian Chacur

Como forma de dar uma espairecida nesses tempos estranhos e ao mesmo tempo inspirar sentimentos positivos nas pessoas, o grupo Samba de Rainha acaba de disponibilizar o clipe com uma gravação inédita. Trata-se de Fé Não é Pequena, composição de Aidée Cristina gravada pelas garotas por via remota. As cenas registram cada uma delas em suas residências, com gravações feitas a partir de celulares.

A música é um sambão contagiante, que a vocalista Núbia Maciel defende com a categoria habitual, muito bem acompanhada por suas atuais parceiras. A letra é bem otimista e traz palavras e expressões muito utilizadas por nós desde o início do isolamento social no Brasil. O Samba de Rainha (leia mais sobre esse grupo incrível aqui) curtiu tanto realizar este clipe que promete novidades por aí.

A ideia é lançar novas canções uma a uma. Teremos faixas autorais e também a releitura de um clássicos dos Novos Baianos cujos direitos autorais estão sendo devidamente acertados. Elas pretendem, futuramente, fazer uma gravação mais elaborada em termos técnicos de Fé Não é Pequena. Como diria outro samba clássico de um certo Martinho da Vila “canta, canta minha gente, deixa a tristeza pra lá, canta forte, canta alto, que a vida vai melhorar”.

Fé Não é Pequena (Aidée Cristina)

Não deixo ser de medo
O meu bom dia
Vou vibrando na alegria
Isso logo vai passar
Compartilhando
Mesmo que seja de longe
Meu tambor e seu canto
Põe amor no mundo
Chama para somar
Canto pra mostrar
Que a minha fé
Não é pequena
Só vejo Luz na janela
Da minha quarentena…
Canto pra mostrar
Que a minha fé
Não é pequena
Só vejo Luz na janela
Da minha quarentena…

Participaram do clipe:
Aidée Cristina – surdo
Erica Japa – rebolo
Karinah Oliveira – violão
Luana Souza – pandeiro
Marina Marques – bateria
Núbia Maciel – voz
Sandra Gamon – percussão
Thais Musachi – cavaco

Fé Não é Pequena (clipe)- Samba de Rainha:

Samba de Rainha põe boa energia no domingo (20) dos paulistanos

Por Fabian Chacur

Que tal um programa musical de primeira para quem mora em São Paulo? Pois anote na agenda: neste domingo (20) a partir das 16h no Z-Largo da Batata (avenida Brigadeiro Faria Lima, nº 724- Pinheiros- fone 0xx11-2936-0934), com ingressos a R$ 15,00 (antecipado) e R$ 25,00 (na porta). Trata-se da Festa de Domingo, que terá como atrações uma roda de samba com clássicos do gênero e participação aberta à plateia presente e, logo após, uma apresentação do sensacional grupo paulistano Samba de Rainha.

Com mais de 15 anos de estrada, o grupo feminino de samba liderado pela carismática vocalista Nubia Maciel desenvolve um trabalho sólido que já rendeu três ótimos CDs, shows ao lado de grandes nomes da música como Jorge Aragão, Benito di Paula, Leci Brandão, Jair Rodrigues e Tia Surica e a música Não Me Amarra Não ter sido incluída na trilha sonora do remake da novela global O Astro. É som pra levantar o astral e sacudir a poeira, sem medo de ser feliz.

Leia outros textos de Mondo Pop sobre esse grupo maravilhoso aqui .

Não Me Amarra Não (ao vivo)- Samba de Rainha:

Samba de Rainha mostra o seu gingado irresistível em São Paulo

SONY DSC

SONY DSC

Por Fabian Chacur

Anda pra baixo? Triste? Puto da vida com o noticiário cotidiano, que, convenhamos, está uma verdadeira bosta? Ora, bolas, tenho um paliativo bem bacana para te sugerir, se por ventura você morar em São Paulo. Muito melhor do que uma aspirina da vida. E melhor: sem contra-indicações. Trata-se do show que o grupo Samba de Rainha fará neste sábado (31) a partir das 21h no Z-Largo da Batata (avenida Brigadeiro Faria Lima, nº 724- Pinheiros- fone 0xx11-2936-0934), com ingressos a R$ 20,00 (antecipado) e R$ 30,00. É pra sair com a alma lavada e acreditar que, sim, o mundo não é tão horripilante assim.

Com 15 anos de estrada, o Samba de Rainha traz como marca ser composto só por mulheres. Com três álbuns no currículo, entre eles os excelentes Vivendo do Samba (2008) e Contrariando a Regra (2011), caracteriza-se por uma energia contagiante que, especialmente ao vivo, cativa quem estiver por perto. O repertório de seus shows mescla repertório próprio com releituras de material alheio sempre sob uma perspectiva autoral e de assinatura forte e própria.

O destaque fica por conta de Nubia Maciel, uma cantora carismática que aborda o samba com uma atitude roqueira, gerando uma mistura única e bacana até a medula. Ela também investe em uma carreira solo paralela que já nos proporcionou o ótimo álbum Uma Qualquer (2014), no qual ela abre o leque e investe em outros ritmos com a mesma categoria.

O grupo teve a música Não Me Amarra, Não incluída na trilha sonora da novela global O Astro (2011), e já dividiu o palco com gente do calibre de Jorge Aragão, Benito di Paula, Leci Brandão, Sandra de Sá, Jair Rodrigues e Tia Surica, além de participar de eventos grandiosos como a Virada Paulistana. São uma escolha perfeita da programação intitulada Budweiser Apresenta, que leva ao Z-Largo da Batata destaques da música brasileira atual.

Leia mais sobre o Samba de Rainha e Nubia Maciel aqui .

Contrariando a Regra-Samba de Rainha- álbum completo em streaming:

Duo Oui Madame dá uma aula de tecnopop no CD Inflamável

oui madame inflamavel cd-400x

Por Fabian Chacur

A “Família Samba de Rainha” esbanja criatividade. O melhor grupo feminino de samba do Brasil (leia mais sobre elas aqui e aqui) cativa fãs pelo Brasil afora há mais de dez anos. E suas integrantes também nos proporcionam trabalhos paralelos bem bacanas e interessantes.

A vocalista Nubia Maciel lançou recentemente seu primeiro CD solo, Uma Qualquer (leia a resenha aqui). Nele, gravou quatro faixas compostas por ou em parceria com o duo paulistano Oui Madame, formado por outra integrante do Samba de Rainha, Sandra Gamon, junto com Catarina Bris.

Pois finalmente chegou a hora de Mondo Pop mergulhar de cabeça no segundo álbum do Oui Madame, o excelente Inflamável. Antes tarde do que nunca, pois o CD já saiu há quase dois anos… Mas música boa não tem prazo de validade, ainda mais em um mundo que não oferece espaços justos para trabalhos independentes de qualidade.

Na estrada desde 2010, Sandra e Catarina se dividem entre diversos instrumentos e programações, e investem basicamente em música eletrônica. As influências que podem ser sentidas em seu som são bem abrangentes e refinadas, com direito a eurodisco (Giorgio Moroder, Silver Convention), tecnopop (Yazoo, Erasure, Depeche Mode, as bandas de Vince Clarke), Kraftwerk e umas pitadas de pós-punk a la The Cure e Siouxsie And The Banshees.

E a lista não termina por aqui. Temos também o Roxy Music do período 1979/1982 (de músicas como The Main Thing e Same Old Scene). Em termos de Brasil, aponto a Rita Lee dos anos 1980 (especialmente a de músicas como Atlântida e On The Rocks) e algo dos grupos Metrô e Kid Abelha. Ufa!!! Tudo bem digerido e personalizado.

oui madame grupo musical 2-480x

O som do Oui Madame é bem urbano e noturno, e suas letras esbanjam uma poesia direta e bem elaborada na melhor tradição de Cazuza, por exemplo. Relacionamentos afetivos em seus vários estágios (do desejo inicial ao final triste, com tudo mais no meio) sem cair no tradicionalismo ou nas limitações exigidas pelos conservadores. Aqui, amor é na base do “qualquer maneira de amor vale a pena”, como dizia a clássica Paula e Bebeto, hit do Milton Nascimento.

Do começo, com a hipnótica Cápsula do Amor, à abrasiva Etílica, que fecha o CD, temos um total de 16 faixas diversificadas, com vocais que dizem coisas ardidas de forma doce em potente esquema bittersweet. Alice, com ótima melodia e clima tecnopop dos anos 1980, tocaria nas rádios dia e noite, se dependesse de mim. Pop inteligente e acessível.

Faça de Mim O Que Eu Quero vai em uma vibração eletrorock simplesmente sensacional, para sacudir a cabeça durante a audição. Bem No Seu Jeans é agitada e bem dançante, clima que também prevalece em Pular de Um Carro Em Movimento, cuja letra fala sobre o tédio das rotinas tradicionais e de como fazer para deixa-las para trás.

O coprodutor do álbum, Rod Trevis, incumbiu-se de cirúrgicos solos de guitarra, que proporcionam um tempero roqueiro mais do que bem vindo em momentos estratégicos de diversas faixas. Aliás, louve-se a qualidade da produção e também da masterização, feita no estúdio Sterling Sound, de Nova York, por Greg Calibi.

Inflamável é a prova concreta de que dá para se fazer tecnopop com letras em português sem perder nada para a produção internacional. Com direito a capricho e diversidade nos timbres instrumentais, o álbum é um banho de criatividade pop. A trilha sonora para a sua balada eletrônica. Atualmente, elas preparam um novo trabalho. Só pode vir coisa boa daí!

Bem No Seu Jeans– Oui Madame:

Capsula do Amor – Oui Madame:

Nubia Maciel mergulha muito bem em outros sons em CD

nubiamacielumaqualquercapa-400x

Por Fabian Chacur

Nubia Maciel é, há dez anos, a vocalista do Samba de Rainha, grupo feminino que lançou os ótimos CDs Vivendo Samba e Contrariando a Regra e possui público cativo em seus shows, especialmente em São Paulo. Como forma de ampliar seus horizontes musicais, a cantora e compositora lança seu primeiro disco solo, Uma Qualquer, e dá um banho de versatilidade e bom gosto.

A vocação de Nubia enquanto artista sempre me pareceu ser não cair em clichês e não repetir posturas alheias. No Samba de Rainha, seu jeitão de cantar o mais brasileiro dos ritmos apresenta uma forte atitude roqueira, que me levou a apelida-la de “Cássia Eller do samba”. Neste primeiro trabalho solo, ela novamente surpreende o ouvinte com uma abordagem original.

O objetivo deste CD era um mergulho na música pop, com direito a elementos de rock, música latina, soul e o que mais pintasse, inclusive algumas pitadas de samba aqui e ali. Nubia optou por uma postura mais sutil em termos vocais se comparada com o seu trabalho no Samba de Rainha, e nos oferece um outro lado da sua voz que soa muito legal e muito cativante também.

Os arranjos das nove faixas primam pela irreverência, no sentido de não seguir cânones rígidos para cada estilo. O envolvente pop-rock Eu Amei, que abre o CD, por exemplo, traz uma participação marcante de trombone, instrumento inesperado para este tipo de música. Tal riqueza de detalhes permeia cada canção, com originalidade e consistência.

O repertório, que se divide entre composições de Nubia com vários parceiros e obras de pessoas do seu círculo de amizades musicais, é certeiro, primando pelo bom gosto. Como é Bom Esse Amor, Às Vezes Não, Uma Qualquer, Alvo Errado, é uma faixa mais bacana do que a outra, com direito a letras simples falando sobre temas com os quais todos podemos nos identificar, especialmente as tais idas e vindas do amor.

A produção, a cargo do badalado Gustavo Ruiz, deu o toque perfeito para que esse projeto pudesse se tornar tão bem resolvido, e permite que a inclusão de ritmos tão distintos entre si (incluindo bolero) não se choquem ou naufraguem na primeira esquina. Os músicos participantes apostam na simplicidade sofisticada, agregando muito valor ao CD.

Se torcemos para que o Samba de Rainha continue firme e forte pelos anos que virão, esta primeira investida solo de Nubia Maciel prova que ela pode perfeitamente levar uma carreira paralela de grande importância, e na qual dá vasão a estilos que não poderia explorar no grupo. Um plano perfeito, que abre horizontes para os dois lados.

Às vezes não (clipe)- Nubia Maciel:

Já Não Te Quero Mais– Nubia Maciel:

Samba de Rainha esbanja maturidade e criatividade em Contrariando a Regra

Por Fabian Chacur

Você já leu sobre o Samba de Rainha aqui em Mondo Pop.

Fiz resenha do excepcional show feito por elas na Virada Cultural de 2007 e também sobre seu ótimo segundo CD, Vivendo Samba, de 2008.

Ambiciosas, as “Spice Girls do Samba”, como as apelidou meu amigo Alexandre Damiano, voltam mostrando fome de bola em seu novo trabalho.

Contrariando a Regra, terceiro álbum de Aidée Cristina (surdo e vocais), Erica Japa (rebolo), Gadi Pavezi (pandeiro), Naná Spogis (violão), Núbia Maciel (vocal), Sandra Gamon (percussão geral e vocais) e Thais (cavaco e vocais) é um petardo.

A comparação com o grupo pop britânico só se faz válido em termos visuais, pois as garotas são todas lindas e estilosas, sem exceção.

No quesito música, no entanto, o SDR está milênios à frente de Victoria Beckham e sua turma. Milênios!

Como o nome já deixa claro, o samba é o principal ingrediente musical que a banda coloca na mesa.

Mas nada de se manter em uma única direção. Temos samba rock, samba funk, bossa nova, rock, pop e até dance music na mistura, resultando em um trabalho personalizado e único.

Tudo é o máximo no septeto, inclusive a atitude roqueira da vocalista Núbia Maciel, cuja voz equivale a uma mistura das de Cassia Eller e Zélia Duncan.

Adoro chamá-la, carinhosamente, de a Cassia Eller do pagode, o que considero um baita de um elogio.

As 12 faixas do terceiro CD das meninas são excelentes sem exceção.

Tem de tudo. A festa começa com o samba rasgado que dá nome ao disco, seguida pela incisiva Sem Moral, ambas assinadas pelo craque Chiquinho dos Santos, bem conhecido no meio do samba.

Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua, maior clássico do cantor e compositor Sérgio Sampaio e sucesso nos anos 70, surge em releitura inspirada.

A seguir, temos o delicioso samba dolente Samba de Ninar, composição que tem como um dos autores o mestre Djalma Pires, sambista que fez muito sucesso nos anos 70.

Assinada por Núbia, Não Me Amarra Não é um sambão de letra forte e refrão contagiante. Coisa fina!

Bem Casual, do ótimo músico Walmir Borges (arranjador de 11 das 12 faixas do CD), é uma efervescente mistura de samba e rock and roll.

Esperando Você (Gabriel Moura) e Dia de Alegria (Andrea Lafa/ Aidée Cristina) são dois sambões para colocar fogo na roda.

É Preciso Crer (Aidée Cristina/Erica Japa) equivale ao momento mais delicado do álbum, bossa nova com direito a violinos e muita sutileza.

Samba funk total, Que Mal Que Tem? (Sandra Gamon/Núbia Maciel) possui refrão matador e letra incisiva.

Pessoa Interessante (Aidée Cristina) também tem pegada roqueira, além de arranjo bem percussivo.

O álbum é encerrado com a quase disco music Paracumque (Aidée Cristina), momento mais funkeado e dance de Contrariando a Regra, um fecho brilhante para um álbum realmente sensacional.

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑