Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: samuel rosa

O fim do Skank e a ditadura dos eternos fiscais de carreira alheia

Copyright-©-diegoruahn-88-400x

Por Fabian Chacur

A notícia mais bombástica do último fim de semana não teve relação com a política, como na maior parte do tempo no Brasil e no mundo atual. Trata-se da divulgação da futura separação de uma banda. Em comunicado oficial publicado em seu site (leia aqui), o Skank anunciou que sairá de cena, após a realização, em 2020, de uma turnê de despedida, intitulada 30 Anos. Será, portanto, o ponto final em uma das mais bem-sucedidas trajetórias do pop-rock brasileiro.

O anúncio, seguido por extensa entrevista publicada neste fim de semana do vocalista e guitarrista do grupo mineiro, Samuel Rosa, à coluna de Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo, causou rebuliço nos “tribunais de feicebuque” da vida. Claro que cada um tem o direito de opinar da forma que achar melhor. Mas fica difícil encarar aqueles que exprimem frases como “já deveriam ter acabado há muito tempo” ou mesmo “já deram o que tinham que dar”.

Cada dia fica mais claro para mim que o tempo de duração de uma carreira, seja lá qual for, deve ser definido única e exclusivamente por quem está envolvido com ela. Se é relevante, se tem público, se tem boa repercussão, se é decadente, cada um que pague o preço por suas decisões. Não há um único caminho para te levar à felicidade. Por que esse desejo de impor uma regra rígida para todos os casos? Que cada um trabalhe naquilo que quiser pelo tempo que quiser. Quem somos nós para definir isso?

E esse pito vale até para o próprio Samuel Rosa, que durante a entrevista à Folha sugeriu que diria aos cantores Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, e Rogério Flausino, do Jota Quest, para fazerem o mesmo, deixando suas bandas para se dedicar a outros projetos. Se esse é o desejo dele, que vá em frente, mas sem querer dar uma de fiscal de carreira alheia.

O anúncio logicamente tem um ar oportunista, pois não se concretizará de imediato. Antes, teremos uma turnê celebrando os 30 anos de carreira do quarteto. Normalmente, esse tipo de tour costuma render uma baita de uma grana, atraindo fãs de todos os cantos devidamente atraídos pelo teor de “um dia, um adeus” criado nessas situações. Ainda mais se levarmos em conta que o repertório terá 30 hits e uma canção inédita, reunidas em um álbum que servirá como uma espécie de souvenir.

Pelas declarações dadas pelos outros integrantes do time a ser desfeito- Henrique Portugal (teclados), Lelo Zaneti (baixo) e Haroldo Ferretti (bateria), a coisa está sendo feita de comum acordo, e ninguém pensa em dar continuidade ao Skank sem seu vocalista e guitarrista, obviamente o detonador desse processo de separação.

Eles decidiram o que era melhor para eles. Nada mais legítimo. Isso não precisa ser modelo para outros grupos ou artistas. Uns duram pouco, outros tem carreiras longas. Uns estouram e ficam trilionários, outras catam moedinhas nas ruas. Uns concebem obras inesquecíveis e indispensáveis, outros vomitam porcarias inomináveis. É assim que a vida é.

E tem também aqueles que se despedem com toda a pompa e que, depois de alguns anos, acabam voltando à ativa. Como será, no caso específico do Skank, só saberemos com o tempo. Mas que também ninguém os avacalhe se por ventura tivermos futuramente uma turnê com o título Te Ver de Novo ou coisa que o valha. Afinal, nada como ter algum trabalho que te permita pagar as contas. Quem me dera que eu tivesse um desse mesmo tipo…

Te Ver (clipe original)- Skank:

Vespas Mandarinas traz boas parcerias em seu novo álbum

Vespas Mandarinas por Rui Mendes 400x

Por Fabian Chacur

Daqui Pro Futuro, segundo álbum do grupo paulistano Vespas Mandarinas, já tem data para chegar ao mercado. Será a partir do dia 10 de março, quando o trabalho será disponibilizado em formato digital nas principais plataformas disponíveis. Depois, também teremos o disco nos formatos CD, LP de vinil e, acredite, fita K7! Um dos apelos interessantes fica por conta de diversas parcerias bacanas da banda com músicos famosos.

A ótima faixa-título, por exemplo, com forte influência do tecnopop dos anos 1980 e já com clipe disponível, conta com Samuel Rosa, do Skank, nos vocais, e Leoni na coautoria. Edgard Scandurra, do Ira!, marca presença em diversas faixas com sua guitarra diferenciada. Ex-integrante da banda O Rappa, Marcelo Yuka é um dos autores das músicas Fica Comigo e Que Esse Dia Seja Meu.

Hoje um duo formado por Thadeu Meneghini e Chuck Hipolitho, o grupo Vespas Mandarinas traz outro parceiro importante em seu novo álbum. Trata-se de Adalberto Rabelo, que trabalha com eles desde sempre e é o coautor de 11 das 14 faixas do disco. Destacado na cena indie brasileira, Fabio Cascadura assina junto com os integrantes da banda Lambe-lambe. A expectativa em torno de Daqui Pro Futuro é muito grande.

Daqui Pro Futuro– Vespas Mandarinas:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑