Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: show (page 1 of 32)

The Who não morreu e chega à maturidade com categoria

the who-400x

Por Fabian Chacur

Ah, a juventude. Nela, dizemos coisas que nem sempre são realmente sinceras. Em 1965, Pete Townshend afirmou, na letra de seu hit My Generation: “hope I die before I get old” (espero morrer antes de ficar velho). Que bom esse “desejo” não ter se concretizado. Dessa forma, enfim os brasileiros puderam ver o seu grupo, o The Who, mais de 50 anos após o seu surgimento. E valeu a pena aguardar tanto. Que maturidade e que categoria!

Em São Paulo, na noite desta quinta-feira (21), o público presente ao Allianz Parque estava lá para ver o The Who. Antes, tivemos a eficiência insossa do hard rock grungeado do Alter Bridge e a vibração e pegada do hard gótico do The Cult. Este segundo agradou bastante, com hits como She Sells Sanctuary, Love Removal Machine, Phoenix, Sweet Soul Sister e Wild Flower. Fizeram um show compacto e ótimo. Mas eles já nos visitaram algumas vezes. A novidade era outra.

E pontualmente às 21h30, com I Can’t Explain (exatamente o primeiro single da carreira da banda, de 1965), enfim Roger Daltrey e Pete Townshend pisaram em um palco brasileiro. Infelizmente, Keith Moon e John Entwistle já não se encontram mais entre nós, mas seus ex-colegas sabem como carregar um legado tão poderoso como o desta banda britânica, acompanhados por um timaço que traz Simon Townshend (irmão de Pete) e Zack Starkey.

Zack, filho de Ringo Starr, é uma das explicações pela qual a atual encarnação do The Who está tão empolgante. Ele conseguiu pegar a essência do estilo do inimitável dínamo Keith Moon, e com a energia de quem tem 20 anos a menos do que seus dois patrões, equivale ao motorzinho do time, energizando os colegas e não deixando a peteca ir ao chão em momento algum.

O show deu um mergulho na história da banda de 1965 a 1982. A amostra dessa obra tão consistente é um ode ao talento de Townshend como compositor. Versátil, o cara começou com rocks ágeis e simples, precursores do que depois recebeu o rótulo de power pop.

Depois, mergulhou na psicodelia, ajudou a formatar as óperas-rock, flertou com o rock progressivo e o hard rock, inspirou o punk rock, escreveu baladas maravilhosas, e investiu em versos que vão do amor à filosofia, com direito ao atualíssimo protesto de Won’t Get Fooled again, por exemplo. Rock eletrônico, new wave, essa mistura é original e única.

Townshend é um compositor que usa a guitarra a favor das canções. Seu estilo de tocar é sem frescuras nem exibicionismos fúteis, embora capaz de empolgar com seus power chords ou solos envolventes. De quebra, ainda canta, e muito bem, por sinal, embora a concorrência na banda seja bastante desleal

Por outro lado, reafirmo pela milésima vez: Roger Daltrey é um dos vocalistas mais subestimados da história do rock. Dificilmente é citado entre os melhores. Uma baita injustiça. A capacidade que esse cara tem de emocionar os fãs com sua bela voz é algo de impressionar. E também sem exibicionismos ou tecnicismos bestas. A voz também a favor das canções. Coisa linda!

Em Sampa City, foram aproximadamente duas horas de rock and roll que simplesmente deixaram o público presente ao Allianz Parque de queixo caído. Sim, com seus celulares o tempo todo filmando e tirando fotos, costume às vezes irritante. Mas gostando e urrando, em especial durante as músicas mais conhecidas da maioria, como Who Are You, Baba O’Riley, Won’t Get Fooled Again, Pinball Wizard e See Me Feel Me.

O show deste sábado (23), no Rock in Rio, teve de ser reduzido em mais de 20 minutos devido ao fato de, horror dos horrores, esse time histórico e clássico ter sido escalado para ficar encaixotado entre o roquinho insosso do Sucubus e a milésima apresentação do Guns N’ Roses no Brasil. Mesmo assim, e diante de uma plateia que estava lá para ver Axl, Slash e sua turma, deram conta do recado com a categoria de quem soube envelhecer com honra. Baita show! Mas Medina e sua turma não deram a chance de nem um bis para o grupo. Vergonha!

Quem por ventura perdeu, que dê uma de Kleiton & Kledir: vá para Porto Alegre e tchau. Pete Townshend e sua trupe do bem tocam na cidade nesta terça (26). E quem perder, provavelmente vai ficar chupando o dedo, pois pelo teor do papo do guitarrista em entrevista ao Multishow logo após a sua excelente performance, a ideia dele é tirar um período sabático e cuidar de carreira solo. Mas mesmo que seja o fim, que fim para uma incrível jornada!

Setlist do show de São Paulo:
Início: 21h30

I Can’t Explain
The Seeker
Who Are You
The Kids Are Alright
I Can See For Miles
My Generation (com trechos de Cry If You Want)
Bargain
Behind Blue Eyes
Join Together
You Better You Bet
I’m One
The Rock
Love Reign O’er Me
Eminence Front
Amazing Journey
Sparks
Pinball Wizard
See Me, Feel Me
Baba O’Riley
Won’t Get Fooled Again

bis

5:15
Substitute final: 23h30 (aproximado)

Set List Rock In Rio

Início: 22h41

I Can’t Explain
Substitute
The Kids Are Alright
I Can See For Miles
My Generation (com trechos de Cry If You Want)
Bargain
Behind Blue Eyes
Join Together
You Better You Bet
I’m One
5:15
Love Reign O’er Me
Amazing Journey
Sparks
Pinball Wizard
See Me Feel Me
Baba O’Riley
Won’t Get Fooled Again
final: 00h17

Baba O’Riley (ao vivo-SP)- The Who:

Claudia Castelo Branco canta músicas do seu CD solo no Rio

claudia castelo branco credito Juliana Castelo Branco 2-400x

Por Fabian Chacur

Integrante do duo Gisbranco, Claudia Castelo Branco também tem uma carreira-solo das mais respeitáveis. Ele mostra um fruto dessa vertente de seu trabalho, o álbum Você na Nuvem, com uma apresentação no Rio de Janeiro nesta quinta-feira (14) às 19h30 no Centro de Referência de Música Carioca Artur da Távola (rua Conde de Bonfim, nº 824- Tijuca- fone 0xx21-3238-3831), com ingressos a R$ 10,00 (meia) e R$ 20,00 (inteira). O show faz parte do projeto Ciclo Internacional de Compositoras Sonora.

Cantando e tocando piano, Claudia terá a seu lado Marcos Campello (guitarra) e Rodrigo Maré Souza (percussão), com participação especial da cantora e pianista Michele Leal. Além de músicas de Você Na Nuvem, incluindo a ótima faixa-título, ela também apresentará composições inéditas escritas em parceria com Chico Cesar e Bianca Gismonti.

Por sinal, Bianca Gismonti é a sua parceira no duo Gisbranco, que já gravou dois CDs e um DVD em sua carreira até o momento. Em sua trajetória pelo mundo musical, Claudia Castelo Branco já teve a chance de dividir o palco com nomes importantes da nossa música, entre os quais Mônica Salmaso, Chico Cesar, Marcos Suzano,Jaques Morelenbaum, Carlos Malta, Na Ozzetti e Ava Rocha.

Você Na Nuvem– Claudia Castelo Branco:

Monique Kessous mostra seu novo CD com um show no Rio

monique kessous CREDITO FOTO PATRICK SISTER-400x

Por Fabian Chacur

Após mais de seis anos, Monique Kessous voltou ao mercado fonográfico com um novo álbum, o terceiro de sua trajetória musical. Valeu a espera. Dentro de Mim Cabe o Mundo é um trabalho delicioso, no qual esta cantora, compositora e instrumentista carioca dá um banho de talento e sensibilidade. Ele se apresenta no Rio neste sábado (16) às 20h no Espaço Furnas Cultural (rua Real Grandeza, nº 219- Botafogo- fone 0xx21-2528-5166), com ingressos gratuitos que devem ser retirados uma hora antes do show.

O mais recente álbum de Monique tem como um de seus destaques a ótima faixa Meu Papo é Reto, parceria dela com Chico Cesar que conta com a participação especial de Ney Matogrosso. Eu Sem Você, por sua vez, integra a trilha da novela global Pega Pega. Outras presenças especiais no CD: Paulinho Moska, Jesse Harris e Mamadou Diabar.

Além de músicas do novo trabalho, a artista carioca também resgatará algumas de seus discos anteriores, Com Essa Cor (2008) e Monique Kessous (2010), além de reler canções dos repertórios de Maysa, Caetano Veloso, Zeca Baleiro e Lady Gaga. Leia mais textos de Mondo Pop referentes a Monique Kessous aqui.

Meu Papo é Reto (clipe)- Monique Kessour e Ney Matogrosso:

Céu e Boogarins lançam vídeo e farão show no Rock in Rio

ceu boogarins videoclipe 2017-400x

Por Fabian Chacur

Uma das parcerias mais interessantes programadas para o Rock in Rio 2017 é a que reunirá o grupo goiano Boogarins e a cantora e compositora paulistana Céu. Em maio, eles se reuniram no Red Bull Studio em São Paulo para iniciar os ensaios de sua colaboração. De quebra, aproveitaram para gravar um clipe com a música Foi Mal, que acaba de ser divulgado. Você pode conferir o resultado no link que está aqui.

Foi Mal saiu em versão de estúdio no mais recente álbum do quarteto, Lá Vem a Morte, e equivale a uma boa amostra de como poderá ser intensa a performance desses talentos da cena musical brasileira atual. O show está programado para ocorrer no dia 15 (sexta-feira) no Palco Sunset, espaço do festival reservado para esse tipo de atração exclusiva.

Céu está na estrada há 15 anos, e se consolidou no cenário da música pop brasileira com sua mistura de reggae, rock, pop, folk e MPB na qual se destaca sua voz suave e melódica. Integrado por Fernandinho Dinho Almeida (vocal e guitarra), Benke Ferreira (guitarra), Raphael Vaz (baixo) e Ynaiã Benthroldo (bateria), o Boogarins está na estrada desde 2012, e já fez inúmeros shows por Brasil, América Latina, EUA e Europa, cativando fãs com sua versão abrasileirada da psicodelia.

Lá Vem a Morte- Boogarins (ouça em streaming):

Almir Sater mostra seus hits e solos no Rio e em São Paulo

almir sater-400x

Por Fabian Chacur

Quando a viola caipira é o tema, um nome que sempre vem à tona é o de Almir Sater. O cantor e compositor é considerado não só um dos grandes mestres desse instrumento musical, mas também um dos responsável pela sua popularização nos grandes centros urbanos. Ele mostra seus sucessos e seus solos incríveis em show nesta quinta (24) às 21h no Rio no Teatro Bradesco Rio (avenida das Américas, nº 3.900- loja 160- Shopping VillageMall- Barra da Tijuca- fone 0xx21-3431-0100),com ingressos de R$ 60,00 a R$ 200,00) e nesta sexta (25) e sábado (26) às 21h em São Paulo no Teatro Bradesco (Rua Palestra Itália, nº 500- 3º piso- Bourbon Shopping São Paulo- fone 4003-1212), com ingressos de R$ 45,00 a R$ 180,00.

E pensar que este artista natural de Campo Grande (MS) quase virou advogado… Ele estudou com este intuito no Rio durante quase três anos, mas acabou percebendo que a música era o melhor caminho para si. E em 1981, lançou o seu primeiro álbum, Estradeiro. Aos poucos, foi cativando o público urbano com sua mistura de música de raiz com MPB e até um pouquinho de country music na mistura.

Em 1988, participou do Free Jazz Festival. No ano seguinte, gravou em Nashville, a capital mundial da música country, seu álbum Rasta Bonito (1989). Sua atuação nas novelas Pantanal (1990) e A História de Ana Raio e Zé Trovão (1991) ajudou a impulsionar ainda mais sua popularidade, que atingiu um ponto bem alto com o lançamento do álbum Almir Sater ao Vivo (1992) pela Sony Music.

Além de seus discos solo, ele marcou presença em trabalhos de artistas como Sergio Reis, Roberto Carlos, Daniel e Chitãozinho & Xororó, além de ter uma música gravada pela estrela da MPB Maria Bethânia. Ele participou do DVD Emoções Sertanejas, do Rei, e gravou em 2015 o álbum AR em parceria com o velho amigo e parceiro Renato Teixeira.

O repertório dos shows de Almir Sater no Rio e em São Paulo trará em seu repertório músicas como Chalana, Um Violeiro Toca, Tocando Em Frente e outros sucessos desse mesmo naipe. Além do próprio artista, que se incumbirá dos vocais e da viola caipira, teremos a seu lado uma banda composta por Rodrigo Sater (violão), Guilherme Cruz (violão), Marcelus Anderson (acordeon) e Reginaldo Feliciano (baixo).

Um Violeiro Toca (ao vivo)- Almir Sater:

Leo Jaime celebra os anos 80 em apresentação única no RJ

LEO FOTO 2 1 mega-400x

Por Fabian Chacur

Embora goiano, foi no Rio de Janeiro que Leo Jaime viu sua carreira artística tomar vulto e conquistar o país. Vivíamos os anos 1980, era em que o rock se consolidou de vez no Brasil e invadiu as paradas de sucesso daqui, graças a uma produção local bastante fértil e diversificada. É isso o que o cantor, compositor e músico celebra em show único que rola nesta sexta (18) às 21h30 no Teatro Bradesco Rio (avenida das Américas, nº 3.900- loja 160- Shopping VillageMall- fone 0xx21- 3431-0100), com ingressos de R$ 80,00 a R$ 140,00.

O espetáculo é intitulado Leo “Guanabara” Jaime, apelido pelo qual o autor de hits como Nada Mudou e As Sete Vampiras era conhecido no início de sua trajetória carioca. De uma forma descontraída e divertida, suas marcas registradas, Leo contará histórias das músicas que irá cantar e também sobre os bastidores da sua geração roqueira. No repertório, releituras de canções da Legião Urbana, Cazuza, Rolling Stones, Raimundos, Leoni e The Cure, entre outros.

De seu próprio set list habitual, não ficarão de fora Sonia, Fórmula do Amor, Rock Estrela e Nada Mudou, além de alguma surpresa. Preciso Dizer Que Te Amo, que fez sucesso na década de 1980 com Marina Lima e que voltou às paradas de sucesso com o próprio Leo em 1995 também deve fazer parte do show. Leo resume tudo com esta frase: “esse é um show de rock. Se não gostar, não precisa nem ir”. Fica dado o recado!

Preciso Dizer Que Te Amo (ao vivo)- Leo Jaime:

Teresa Cristina canta Cartola em apresentação única no Rio

teresa cristina-400x

Por Fabian Chacur

Aos 49 anos de idade, Teresa Cristina não apareceu do nada no cenário da música brasileira. Precisou batalhar bastante para conquistar espaços dignos de seu grande talento. Nos últimos anos, no entanto, superou de longe esses percalços e hoje pode ser considerada uma de nossas melhores intérpretes. Ela mostra no Rio nesta quinta (17) às 21 no Teatro Bradesco Rio (avenida das Américas, nº 3.900- loja 160- Shopping VillageMall- Barra da Tijuca-RJ- fone 0xx21- 3431-0100), com ingressos de R$ 40,00 a R$ 160,00, o show Teresa Cristina Canta Cartola.

Baseado no repertório do CD que lançou em 2016 com o título Teresa Cristina Canta Cartola, a cantora e compositora carioca interpreta com personalidade e muita categoria clássicos do repertório do grande mestre Cartola. As belas melodias e as letras de rara poesia do clássico cantor e compositor carioca ganham nova vida na voz deliciosa dessa intérprete inspirada e que sabe respeitar as obras alheias com a devida reverência, sem deixar sua personalidade de lado.

A carreira de Teresa Cristina ganhou força a partir de 2002, quando lançou o álbum A Música de Paulinho da Viola ao lado do grupo Semente. A ótima repercussão deste CD abriu espaços para que ela relesse obras de Edu Lobo, Roberto Carlos, Tom Jobim, Caetano Veloso, Lenine e João Nogueira, além de suas próprias composições. Um de seus maiores sucessos é Beijos Sem, composição de Adriana Calcanhoto que ela gravou em dueto com Marisa Monte.

Alternando a gravação de composições próprias com releituras de obras alheias, Teresa Cristina se firmou no cenário musical brasileiro deste século. Uma bela prova desse reconhecimento é a recente turnê que ela fez em parceria com ninguém menos do que Caetano Veloso, série de shows realizada em território brasileiro e também no exterior. E isso, pelo visto, é só o começo. Muitas coisas boas de Teresa ainda virão.

As Rosas Não Falam (ao vivo)- Teresa Cristina:

Amilton Godoy e Léa Freire e seu show em SP do novo CD

amilton godoy e lea freire-400x

Por Fabian Chacur

Léa Freire e Amilton Godoy se conheceram quando a primeira era aluna do CLAM (Centro Livre de Aprendizagem em Música), escola da qual o segundo é um dos criadores. Desde então, surgiu uma grande amizade e admiração entre os dois que acaba de gerar um segundo álbum, A Mil Tons. O show de lançamento em São Paulo ocorre nesta terça-feira (15) às 21h no Tupi Or Not Tupi (rua Fidalga, nº 360- Vila Madalena- fone 0xx11-3813-7404), com ingressos a R$ 40,00.

O primeiro álbum em parceria de Léa e Amilton saiu em 2013. Intitulado Amilton Godoy e a Música de Léa Freire, traz apenas composições dela. Nesta segunda experiência, coube ao consagrado pianista assinar todas as composições e arranjos. A formação é na base do piano do autor das músicas com a flauta da parceira. O resultado é um trabalho delicioso que reúne 10 faixas, sendo uma inédita, Três Irmãos, e outras extraídas de várias fases da trajetória de Amilton, incluindo Teste de Som, que o Zimbo Trio tocava nas passagens de som de seus shows.

Amilton Godoy se tornou conhecido no Brasil e no mundo como integrante do Zimbo Trio, que criou em 1964 ao lado de Rubens Barsotti (bateria) e Luiz Chaves (baixo). Uma das grandes referências da música instrumental brasileira, o grupo gravou inúmeros trabalhos e fez shows pelos quatro cantos do planeta. Ele também foi um dos fundadores do CLAM, e desde 2013 lidera o Amilton Godoy Trio, que lançou seu primeiro CD naquele mesmo ano e promete o segundo para breve.

Por sua vez, Léa Freire estudou piano e violão até se envolver com a flauta, instrumento no qual é autodidata. Além de desenvolver uma sólida carreira solo e compor com desenvoltura, ela também é integrante do Quinteto Vento Em Madeira, que acaba de lançar um novo CD, Arraial. Há 20 anos, criou o selo Maritaca, que lançou quase 50 títulos dela e de outros artistas, sempre prezando pela qualidade artística. Ela é parceira da grande Joyce Moreno, que já gravou várias músicas compostas pelas duas.

Caucaia do Alto (ao vivo)- Amilton Godoy e Léa Freire:

Toninho Horta lança luxuoso songbook com show em SP

toninho horta 3-400x

Por Fabian Chacur

Virtuose é aquele termo que você só associa a grandes músicos, daqueles que tiram do instrumento que tocam aqueles sons impossíveis nas mãos dos medianos da vida. Toninho Horta mais do que merece esse adjetivo acoplado ao seu nome. Ele e seu quinteto tocam nesta terça (15) às 21h30 em São Paulo com o intuito de lançar o Songbook 108 Partituras. O local será o Bourbon Street (rua dos Chanés, nº 127- Moema- fone 0xx11-5095-6100), com ingressos a R$ 70,00.

Além de Toninho (guitarras elétrica e acústica), teremos no palco Marcelo Soares (contrabaixos acústico e elétrico), Sergio Machado (bateria), Lisandro Massa (teclados) e Marquinhos Sax (sax), além de convidados especiais cujos nomes não foram divulgados previamente. No repertório, clássicos do repertório do cantor, músico e compositor mineiro, com direito a vários momentos dedicados ao som instrumental. Tem tudo para ser uma noitada daquelas.

Nascido em Belo Horizonte em 2 de dezembro de 1948, Toninho Horta já era musico profissional aos 16 anos de idade, tocando em sua cidade natal. Lá, conheceu Milton Nascimento, com quem compôs logo de cara a música Segue Em Paz. No início dos anos 1970, mudou-se para o Rio de Janeiro. Integrou a banda de Elis Regina, e participou do álbum Ela (1971), aquele que traz como destaque o grande sucesso Madalena (Ivan Lins-Ronaldo Monteiro de Souza).

Em 1972, participou do seminal Clube da Esquina, do Bituca de Três Pontas, e também lançou um álbum com outros três amigos, o hoje histórico Beto Guedes, Danilo Caymmi, Novelli e Toninho Horta (1973). Após participar de vários projetos alheios, lançou em 1979 o seu primeiro LP solo, Terra dos Pássaros. A partir daí, lançaria diversos projetos, tanto individuais como em parceria com outros artistas.

Aprimorando seus conhecimentos teóricos no exterior, Toninho também se tornou bastante conhecido fora das nossas fronteiras, cativando fãs do calibre de Wayne Shorter, Pat Metheny, George Benson, Herbie Hancock e os brasileiros radicados no exterior Sergio Mendes, Eliane Elias, Flora Purim, Airto Moreira e outros. No Brasil, também gravou e tocou com Maria Bethânia, Edu Lobo, Gal Costa e Nana Caymmi, só para citar alguns.

Além de guitarrista e violonista com profundas e bem digeridas influências de bossa nova, jazz e MPB, Horta também é um desses compositores iluminados, sendo o autor de maravilhas do porte de Beijo Partido (regravada por Milton Nascimento, Nana Caymmi e muitos outros) e Manuel O Audaz, só para citar duas daquelas pérolas que nos cativam logo nos primeiros acordes.

O Songbook 108 Partituras traz, além de 108 músicas transcritas em partituras, textos bilíngues com breve histórico da vida e obra de Toninho, letras musicais, depoimentos sobre ele, discografia completa e encarte colorido com fotos. Equivale a uma bela viagem pela obra deste virtuose, além de trazer material para que os músicos possam aprender um pouco (um muito?) com esse marco da música brasileira.

Terra dos Pássaros/Beijo Partido– Toninho Horta:

Zé Brasil mostra seu primeiro disco solo com show em SP

Ze Brasil (cantor e compositor) - Foto Marcos Trojan 2017 PB (3)-400x

Por Fabian Chacur

Em sua canção Orra Meu, Rita Lee disse que “roqueiro brasileiro sempre teve cara de bandido”. Na verdade, eles tem é cara de heróis. Pelo menos, aqueles pioneiros, oriundos das décadas de 50, 60 e 70. Tipo o cantor, compositor e músico Zé Brasil. Na estrada há mais de 40 anos, o cara continua aí, firme e forte. Ele é a atração em São Paulo neste sábado (12) às 19h na Sala Olido (avenida São João, nº 473- Centro- fone 0xx11-3331-8399), com ingressos a módicos R$ 10,00 (meia) e R$ 20,00 (inteira).

Nesse show, Zé Brasil mostrará o repertório de seu 1º disco solo, autointitulado. O disco traz uma profissão de fé em rock consistente, ora energético, ora viajante, com direito a vocais na melhor linha Bob Dylan e letras que vão direto ao assunto em termos de amor, paz, rebeldia do bem e esperança em um futuro melhor. Ao seu lado, Julio Manaf (guitarra), Mário Baraçal (baixo), Jimmy Pappon (teclados) e Silvia Helena (voz e percussão), esta última esposa e talentosa parceira.

O álbum conta com participações especialíssimas de, entre outros, Edgard Scandurra (Ira!), Rolando Castello Junior (Patrulha do Espaço), Adriano Grineberg, Akira S e Billy Forghieri (Blitz). e traz 11 faixas bem bacanas, entre as quais Segredo da Vida, Borocoxô, Big Brother, Passarinho Rock And Roll, Victor e Louco de Rock, todas inéditas, além da releitura de Novo Eden, dueto do Zé com Silvia que é a faixa mais conhecida do artista em termos discográficos.

Embora só tenha lançado um álbum solo agora, Zé Brasil é figura conhecidíssima no cenário rocker brasileiro desde os anos 1970, tendo integrado bandas como Apokalypsis, Space Patrol (Patrulha do Espaço) e UHF. Ele também capitaneia o belo projeto 70 de Novo, que procura resgatar os elementos que tornaram o rock daquela era tão especial. E, além de tudo isso, é uma figuraça, um daqueles caras com quem você é capaz de conversar durante horas, sem sentir.

Zé Brasil-Zé Brasil (CD na íntegram em streaming):

Older posts

© 2017 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑