Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: smokey robinson

Smokey Robinson relê hits ao lado de amigos bem famosos

smokey-and-Friends-400x

Por Fabian Chacur

Smokey Robinson é o tipo do artista que merece a alcunha de lenda viva. E não é para menos. Um dos fundadores da Motown Records ao lado de Berry Gordy, ele é um cantor excepcional, compositor repleto de clássicos no currículo e uma das figuras mais simpáticas do meio musical. É o seu legado que é celebrado neste excelente Smokey & Friends (Universal Music), no qual relê 11 de suas canções mais famosas ao lado de amigos bastante conhecidos. Uma aula de música pop.

Com produção a cargo do experiente Randy Jackson, que muitos conhecem como um dos jurados do reality show musical American Idol, Smokey & Friends apresenta cada canção com classe, sendo que os convidados não escondem a emoção de gravar com um cara que foi considerado o grande poeta da música pop por ninguém menos do que Bob Dylan, e que foi homenageado por George Harrison (um beatle!) na bela música Pure Smokey, de 1976.

O CD abre com tudo, em dueto com Elton John na sublime The Track Of My Tears. Steven Tyler, do Aerosmith, é o convidado em You Really Got a Hold On Me, que muita gente conheceu na bela regravação dos Beatles e cuja versão original é do grupo que consagrou o astro da Motown, Smokey Robinson & The Miracles. Os garotões Miguel, Aloe Blacc e JC Chasez fizeram bonito em My Girl, aquela maravilhosa canção imortalizada pelos Temptations.

Cruisin’, um dos momentos mais bem-sucedidos da carreira solo de Smokey Robinson, aparece aqui em dueto com Jessie J. John Legend incorporou bem a ótima Quiet Storm, canção tão importante e influente que deu nome a um tipo de programação de rádio nos EUA dedicado a canções de black music ao mesmo tempo suaves e intensas.

O habitualmente exagerado CeeLo Green aparece mais contido e estiloso ao lado de Smokey na releitura de The Way You Do The Things You Do, lançada pelos Temptations nos anos 60 e com uma belíssima gravação do grupo britânico UB 40 nos anos 1980. A diva Mary J. Blige dá um banho em Being With You, enquanto James Taylor se entrosa às mil maravilhas com o dono da festa na ótima Ain’t That Peculiar.

Sheryl Crow é a parceira do homenageado na maravilhosa The Tears Of a Clown, enquanto a ótima Ledisi mostra muita personalidade na intensa Ooh Baby Baby. O álbum é encerrado com uma releitura bem pra cima de Get Ready, sucesso com os Temptations e o Rare Earth, desta vez na voz de Gary Barlow, conhecido como integrante da boy band Take That.

Smokey & Friends atingiu o 12º lugar na parada americana logo na semana de seu lançamento por lá, o melhor desempenho de um álbum do artista. Nada mais merecido, pois aos 74 anos seu falsete continua único, e o entrosamento que demonstrou com os amigos convidados para esse projeto é coisa de quem sabe unir arte e profissionalismo em doses perfeitas. Uma delícia de CD!

The Track Of My Tears – Smokey Robinson e Elton John:

You Really Got a Hold On Me- Smokey Robinson e Steven Tyler:

Saiba mais sobre as trilhas de Água Viva

Por Fabian Chacur

O canal a cabo Viva está reprisando Água Viva, de Gilberto Braga, uma das melhores novelas globais de todos os tempos. Nesta segunda-feira (13) às 22h45, a emissora exibirá um especial tendo como tema sua trilha sonora nacional, com direito a entrevistas com Baby Consuelo, Angela Ro Ro e Guto Graça Mello, entre outros (saiba mais aqui).

As duas trilhas da atração global exibida em 1980 e estrelada por Betty Faria, Reginaldo Faria e um elenco recheado de grandes nomes da teledramaturgia brasileira são muito boas. Ao contrário do que acontecia no início das novelas por aqui, quando gente como Roberto Carlos, Toquinho & Vinícius e Antônio Carlos & Jocafi eram convidados a escrever as canções especialmente para as atrações, aqui os temas já eram selecionados a partir de discos já lançados ou em via de.

O repertório de Água Viva Nacional reúne alguns integrantes da nata da MPB interpretando sucessos marcantes, como Maria Bethânia (Grito de Alerta, de Gonzaguinha), Simone (Desesperar Jamais, de Ivan Lins e Vitor Martins), Gilberto Gil (Realce) e João Gilberto (Wave, de Tom Jobim). Elis Regina comparece com uma belíssima (embora não tão conhecida) canção, Altos e Baixos, enquanto a Divina Elizeth Cardoso solta a voz na nostálgica No Tempo dos Quintais, parceria de Sivuca com Paulinho Tapajós.

Em plena ascensão profissional e também atuando como ator na trama global, Fábio Jr. aparece na trilha com um de seus maiores sucessos, 20 e Poucos Anos (cuja letra é muito afinada com seu personagem na trama), enquanto a então ainda desconhecida Angela Ro Ro mergulhou rumo ao estrelato com a maravilhosa balada blues Amor Meu Grande Amor. Gal Costa relê com muita categoria o clássico do chorinho Noites Cariocas, de Jacob do Bandolim.

O momento curioso fica por conta da participação da então mais conhecida voz de sua família Araújo, Lucinha Araújo, que interpreta com sobriedade e sensibilidade a maravilhosa Peito Vazio, de Cartola e Elton Medeiros. Poucos anos depois, no entanto, Lucinha perderia o cetro para o filho, um certo Cazuza, que não por coincidência sempre se confessou grande fã de Cartola, tendo gravado O Mundo é um Moinho com propriedade. Mamãe certamente amou.

A trilha internacional de Água Viva se dividiu entre baladas de várias vertentes e momentos mais dançantes, vários oriundos da disco music, então ainda na crista da onda. É dessa praia que vieram as sacudidas Mandolay (do grupo americano La Flavour), D.I.S.C.O. (do duo Ottawan) e The Second Time Around (do ótimo trio vocal americano Shalamar).

Perseguida por um movimento preconceituoso intitulado Disco Sucks e também prejudicada por uma superexposição na mídia, a disco music vivia então seus últimos momentos de glória, e alguns de seus expoentes tentavam buscar novas sonoridades. O grupo europeu Voyage, por exemplo, aparece na trilha de Água Viva com o rock dançante I Don’t Want To Fall In Love Again, faixa de seu terceiro álbum, uma fuga do formato disco que lhe rendeu hits como From East To West e Scotch Machine, entre outros.

No setor baladas, temos como destaque supremo a soul ballad Cruisin’, escrita e interpretada pelo genial Smokey Robinson, um dos criadores da Motown Records e dono de um dos falsetes mais envolventes da história da música pop, como bem exemplificam hits de seu repertório como The Track Of My Tears, Quiet Storm, You Really Got a Hold On Me e dezenas de outros.

Barry Manylow, o rei das power ballads, relê com categoria Ships, de Ian Hunter, mais conhecido como cantor e líder da banda britânica Mott The Hoople (apadrinhada por David Bowie e famosa pelo hit All The Young Dudes, do Camaleão do Rock). Os lábios envolventes da cantora americana Carly Simon deram vida à suave e deliciosa Just Like You Do, um dos maiores hits da ex-mulher de James Taylor.

A doce Lead Me On, na voz de Maxime Nightingale, abre o álbum, e fez tanto sucesso como a balada rock Babe, que tornou o grupo americano de rock progressivo Styx e seu então vocalista Dennis DeYoung conhecidos mundialmente. Memories, instrumental interpretada por Bianchi, e Never (Gonna Let You Go), com Charme, são os piores momentos do álbum.

A balada de letra muito triste e sentimental Just When I Needed You Most aparece no álbum na versão de Tony Wilson. Outra gravação, na voz de Randy VanWarmer (coautor da música com Wilson) foi lançada na mesma época e teve sucesso equivalente nas rádios e paradas de sucesso. Os arranjos e as interpretações são bem semelhantes.

Não é o caso de Do That To Me One More Time. Por alguma razão, entrou no LP de Água Viva a apenas correta regravação creditada a Susan Case & Sound Around. Mas a versão original desse hit é muito melhor, gravada pela dupla e casal Captain (Darryl Dragon, ex-integrante dos Beach Boys e renomado músico de estúdio) & Tenille (Tony Tenille, cantora de voz doce e cativante e com vários hits no repertório ao lado do marido, como Love Will Keep Us Together e Muskrat Love).

Vale lembrar que a música teve destaque em dois momentos importantes da novela assinada por Gilberto Braga (o mesmo autor de Dancin’ Days). Uma é um show de Maria Bethânia, após o qual os personagens de Betty Faria e Reginaldo Faria acabaram se conhecendo, e outro é a participação especial de ninguém menos do que o reggae man Peter Tosh, tocando violão e cantando em uma festa na qual o pau acabou comendo entre os personagens de Fabio Jr e Kadu Moliterno, para horror do astro jamaicano.

Tosh estava no Brasil participando de um festival de jazz, e aceitou o convite para cantar em um capítulo da atração, como se fosse amigo do personagem da eterna diva Tônia Carreiro. O curioso é que ele não está na trilha, e sim seu conterrâneo Jimmy Cliff, cuja sacudida e percussiva Love I Need ilustrou algumas cenas bacanas em uma espécie de latin reggae (essa música também foi tema de um comercial de cigarros no Brasil).

A trilha nacional de Água Viva foi relançada no formato CD em 2001, com uma faixa a menos do que em LP: Cais, de Milton Nascimento, ficou de fora por alguma razão. Já Água Viva Internacional nunca chegou ao formato CD. A gravadora Som Livre alega que não conseguiu autorização para que essas e outras trilhas dos anos 70 e 80 saíssem em CD. Uma pena!

Ouça Cruisin’, com Smokey Robinson:

Ouça Amor, Meu Grande Amor, com Angela Ro Ro:

Smokey Robinson grava com Randy Jackson

Por Fabian Chacur

Após deixar a bancada de jurados do reality show musical American Idol, Randy Jackson retomará a carreira de produtor em grande estilo. Segundo notícia veiculada pelo site americano da Billboard, ele irá o produzir o próximo álbum de ninguém menos do que Smokey Robinson, um dos grandes gênios da história da música pop.

E não será um álbum qualquer. O trabalho marcará a estreia de Robinson no selo Verve, da Universal Music, e tem como conceito a reunião do cantor com grandes nomes da música pop da atualidade e de outras gerações. A contratação ocorreu em março via David Foster, atual presidente do selo e também experiente produtor musical.

Os nomes que irão cantar com Smokey no álbum ainda não foram divulgados, mas a expectativa é de que o trabalho seja lançado ainda em 2013. O repertório terá composições do astro gravadas anteriormente por ele mesmo e também por The Miracles, Temptations e Marvin Gaye. Só clássicos do pop.

Nascido em 19 de fevereiro de 1940, Smokey Robinson foi o braço direito de Berry Gordy quando da fundação da Motown Records, e integrou o grupo vocal The Miracles até a metade dos anos 70, gravando com eles hits inesquecíveis como The Track Of My Tears, I Second That Emotion e Going To a Go-Go, entre inúmeros outros.

Ao sair do grupo, mergulhou em uma bem sucedida carreira solo que rendeu sucessos certeiros do naipe de Quiet Storm, Cruisin’, Just To See Her e One Heartbeat. Além de ter um dos falsetes mais belos da história da música, ele também é um grande compositor, tendo como fãs gente do gabarito de Bob Dylan.

Ouça One Heartbeat, com Smokey Robinson, hit de 1987:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑