Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: titãs (page 1 of 2)

Paulo Miklos mostra as suas canções em show voz e violão

Paulo_Miklos.Foto_de_Divulgacao_-400x

Por Fabian Chacur

Durante 34 anos, Paulo Miklos foi um dos Titãs. Nesse período, aproveitou uma ou outra brecha para se dedicar a uma esparsa carreira solo. No entanto, o tempo tornou essa atividade paralela, assim como outras do tipo atuar como ator, apresentador etc, mais atraentes do que ficar no consagrado grupo. Atualmente, ele segue longe dos antigos colegas, e nenhum tipo de show seria melhor para mostrar essa nova fase do que um do tipo voz e violão. É o que vai rolar em São Paulo no dia 29 (segunda-feira) às 19h30 no Sesc Carmo (rua do Carmo, nª 147- Sé- fone 0xx11-3111-7000), com ingressos custando de R$ 6,00 a R$ 20,00.

O título do novo espetáculo do cantor, compositor, músico, ator etc é o mesmo de seu terceiro e mais recente álbum solo, A Gente Mora no Agora, lançado em 2017. O repertório terá músicas desse CD, mas também incluirá uma viagem pelo repertório dos Titãs, com pérolas do porte de Pra Dizer Adeus, Flores, Comida, É Preciso Saber Viver e Sonífera Ilha, esta última o hit que colocou o grupo paulistano pela primeira vez nas paradas de sucesso.

Com ótima voz e presença de palco elogiável, Paulo Miklos sempre se destacou nos Titãs. Ele completou 60 anos em janeiro, e seu primeiro trabalho solo, autointitulado, saiu em 1994. O segundo, Vou Ser Feliz e Já Volto, veio em 2001. Seu trabalho como ator já lhe rendeu muitos elogios e ótima repercussão perante o público, especialmente nos filmes O Invasor (2001, sua estreia no cinema), Boleiros 2- Vencidos e Vencedores (2006) e É Proibido Fumar (2009).

Vou Te Encontrar (clipe)- Paulo Miklos:

Paulo Miklos celebra seus 60 anos com dois shows em SP

paulo miklos-400x

Por Fabian Chacur

Nesta segunda-feira (21), Paulo Miklos completou 60 anos de idade. Como forma de celebrar essa bela efeméride com seus fãs paulistanos, o cantor, compositor e músico fará shows nesta sexta (25) às 18h e sábado (26) às 21h no Sesc Belenzinho (rua Padre Adelino, nª 1.000- Belenzinho- fone 0xx11-2076-9700), com ingressos custando de R$ 6,00 a R$ 20,00.

A base para o repertório será o seu mais recente trabalho solo, A Gente Mora no Agora (2017), que inclui pelo menos um grande sucesso, Vou Te Encontrar, composição do ex-colega de Titãs Nando Reis que integrou com destaque a trilha sonora da novela global O Outro Lado do Paraíso. Também teremos composições escritas por ele em parceria com Emicida (A Lei Desse Troço), Guilherme Arantes (Estou Pronto) e Céu (Risco Azul).

Lógico que farão parte do set list canções de seus tempos de Titãs, e entre elas estão escaladas É Preciso Saber Viver (clássico de Roberto e Erasmo Carlos que a banda trouxe de volta às paradas nos anos 1990), Pra Dizer Adeus, Sonífera Ilha e Vossa Excelência, esta última lançada há mais de dez anos e mais atual do que nunca. Paulo, que cantará e tocará violão e guitarra, terá a seu lado Michelle Abu (bateria), Michelle Cordeiro (guitarra) e Otávio Carvalho (baixo).

Vou Te Encontrar (clipe)- Paulo Miklos:

Nando Reis toca em SP com a Orquestra Petrobrás Sinfônica

nando reis e isaac karabtchevsky 400x

Por Fabian Chacur

Nando Reis é aquele tipo de artista que gosta de experimentar todas as configurações possíveis em termos musicais. Já são bem conhecidas e elogiadas as suas performances no melhor estilo voz e violão. No outro extremo, ele também já se apresentou ao lado de orquestra. E é esta segunda opção que o cantor, compositor e músico abraçará na apresentação que realizará nesta sexta (18) às 21h30 em São Paulo com a Orquestra Petrobrás Sinfônica no Espaço das Américas (rua Tagipuru, nª 795- Barra Funda- fone 0xx11-3868-5861), com ingressos custando de R$ 40,00 a R$ 380,00.

A Orquestra Petrobrás Sinfônica, na ativa há 46 anos, tem como diretor artístico e regente titular ninguém menos do que Isaac Karabtchevsky, um verdadeiro mito no setor. Ele comandará um total de 45 músicos, que na parte inicial do espetáculo irão executar obras do repertório erudito: Quadros de uma Exposição- A Grande Porta de Kiev, do autor russo Modest Mussorgsky (1839-1881), e Bachiana nª 4- Prelúdio, do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959).

Após a parte inicial, o ex-baixista dos Titãs entra em cena, interpretando 13 sucessos de sua carreira com o grupo e como artista solo. Entre outras, teremos no repertório clássicos do porte de Os Cegos do Castelo, O Segundo Sol, All Star e Por Onde Andei. Uma boa e diferente forma de se conferir a beleza e a qualidade das melodias de Nando, acompanhadas por arranjos concebidos por Rafael Smith, Alexandre Caldi e Jessé Sadoc.

Os Cegos do Castelo (ao vivo)- Nando Reis e Orquestra Petrobrás Sinfônica:

Paulo Miklos deixa Titãs para seguir o seu próprio caminho

paulo miklos-400x

Por Fabian Chacur

Os Titãs anunciaram na manhã desta segunda-feira (11) mais uma alteração em sua formação. Desta vez, quem sai do time é o cantor, compositor e músico Paulo Miklos, por razões pessoais e com o intuito de se dedicar em tempo integral a seus próprios projetos. O trio de fundadores ainda restantes (Sérgio Britto, Tony Bellotto e Branco Mello) seguirão adiante com a banda, e terão como músicos convidados o guitarrista Beto Lee (filho de Rita Lee e Roberto de Carvalho) e o baterista Mário Fabre.

Não chega a ser uma surpresa a decisão de Paulo Miklos. Sua agenda tem ganho cada vez mais tarefas desde que começou a se dedicar com sucesso ao cinema, como ator, em filmes como O Invasor (2001), Boleiros 2 (2006), É Proibido Fumar (2009) e Dá Licença de Contar (2015). De quebra, estreou no teatro em 2015 como protagonista do espetáculo Chet Baker: Apenas Um Sopro, além de atuar em programas de TV e rádio e também em publicidade. O cara é fera!

Como artista solo, paralelamente à atuação nos Titãs, ele lançou os CDs Paulo Miklos (1994) e Vou Ser Feliz e Já Volto (2001), além de fazer shows temáticos, como um dedicado ao repertório de Noel Rosa. Nos Titãs, tocava sax, baixo e guitarra, além de ser vocalista de voz poderosa, destacada em sucessos como Diversão, Bichos Escrotos e É Preciso Saber Viver. Vai ser duro para seus colegas seguirem em frente sem ele.

Desde o início de sua carreira, há 34 anos, os Titãs já sobreviveram a várias alterações. O primeiro a sair, antes mesmo do lançamento de seu álbum de estreia, foi Ciro Pessoa. Em 1985, André Jung (bateria) iria para o Ira! e seria substituído pelo ex-baterista daquela mesma banda, Charles Gavin. A estabilidade no time se manteria até 1992, quando Arnaldo Antunes bateria suas asas, rumo a uma carreira solo.

Em 2001, uma tragédia se incumbiu de gerar nova mudança na formação da banda, com a morte de Marcelo Fromer. No ano seguinte, o baixista Nando Reis resolveu seguir os passos de Arnaldo Antunes rumo a uma carreira individual de muito sucesso. Charles Gavin deixou os amigos em 2010 para se dedicar a outros projetos, e agora, é a vez de Paulo Miklos. Boa sorte para Britto, Mello e Bellotto, e que eles sejam bem-sucedidos em manter bem cotado o nome dessa ótima banda.

Diversão– Titãs:

Bichos Escrotos– Titãs:

Vou Tirar Você Desse Lugar– Titãs:

Nando Reis mostra seu álbum voz e violão com show em SP

nando reis-400x

Por Fabian Chacur

Há quase um ano, Nando Reis aproveitou um show em São Paulo para gravar um novo trabalho ao vivo. Pois agora ele volta ao mesmo local, o palco do Citibank Hall (avenida das Nações Unidas, nº 17.955- fone 0xx11-4003-5588), para mostrar neste sábado (20) às 23h, com ingressos de R$ 35,00 a R$ 260,00 o repertório desse álbum, gravado de forma crua, no melhor estilo voz e violão.

Intitulado Voz e Violão- No Recreio Volume 1 e lançado nos formatos CD e LP de vinil, trata-se de uma oportunidade de se ver a performance deste cantor, compositor e músico paulistano sem sua ótima banda de apoio, os Infernais, apresentando canções em sua estrutura mais básica e direta. Ele aproveita para soltar a voz e especialmente apresentar sua habilidade com o violão, um de seus instrumentos favoritos.

O ex-baixista dos Titãs produziu o novo álbum, com a mixagem tendo sido feita em Seattle (EUA) a cargo do produtor americano Jack Endino, conhecido por sua atuação com o Nirvana e a ex-banda de Nando. O repertório inclui clássicos do repertório do artista como Relicário, All Star, Luz dos Olhos, Sei, Espatodéa e O Segundo Sol, entre outros.

All Star (ao vivo voz e violão)- Nando Reis:

Sei (ao vivo voz e violão)- Nando Reis:

Luz dos Olhos (ao vivo voz e violão)- Nando Reis:

Nando Reis lançará em breve álbum ao vivo de voz e violão

nando reis-400x

Por Fabian Chacur

Nando Reis lançará em breve um novo álbum. Nando Reis- Voz e Violão- No Recreio Volume 1 chegará ao mercado nos formatos CD e digital pela gravadora Deck em parceria com o selo do artista, o Relicário, e também deverá ser lançado em vinil pela Polydisc no início de 2016. O trabalho será o sucessor de Sei, lançado há três anos com gravações de estúdio.

O repertório de No Recreio conta com 14 faixas, com direito a hits e lados B, todas com a assinatura do ex-baixista e cantor dos Titãs. Entre outras, temos Diariamente, Relicário e All Star. A gravação ocorreu no último mês de abril no Citibank Hall (SP), e traz Nando no melhor estilo voz e violão, sem ser acompanhado pela sua banda Os Infernais.

O novo trabalho de Nando Reis foi produzido por ele próprio, com produção executiva a cargo de Fernando Furtado e Diogo Damascena. A mixagem ficou nas mãos do experiente produtor americano Jack Endino (Nirvana, Titãs), sendo a masterização realizada pelo também americano Chris Hanzsek. São releituras mais cruas e diretas.

O Segundo Sol (voz e violão)- Nando Reis:

All Star (voz e violão)- Nando Reis:

Relicário (voz e violão)- Nando Reis:

Titãs lançam o CD Nheengatu em show no Citibank Hall (SP)

titas foto nova-400x

Por Fabian Chacur

Uma das razões pela qual os Titãs se mantém na elite do rock nacional é o fato de não dormirem nos louros conquistados no passado. Com 32 anos de estrada, continuam atrás de novos álbuns, novas canções, novos shows. A novidade agora é Nheengatu, seu 18º álbum, que será lançado em São Paulo com show único neste sábado (13) às 22h no Citibank Hall (avenida das Nações Unidas, 17.955- Santo Amaro- 4003-5588- www.tff.com.br ), com ingressos de R$ 40,00 a R$ 250,00.

Paulo Miklos, Sérgio Britto, Tony Bellotto e Branco Mello, que se desdobram nos vocais e instrumentos musicais e que contam com o auxílio luxuoso do baterista Mário Fabre, fizeram recentemente alguns shows dando uma prévia das novas canções, e agora as lançam de forma oficial. Um trecho do press-release que divulga o novo CD o define como “crônica ácida do Brasil em carne viva, com as angústias e mazelas que estão bem do nosso lado”.

As 14 músicas formam um coletivo nervoso, urbano e roqueiro até a medula, embora também repleto de outros elementos musicais aqui e ali. Fardado, a primeira música a despontar nas paradas, teve inspiração nos protestos ocorridos no Brasil em junho de 2013, especialmente na turbulenta relação entre os policiais e o público, observada de forma original, humana e inesperada.

Cadáver Sobre Cadáver é uma parceria de Paulo Miklos com o ex-integrante da banda, Arnaldo Antunes. O CD também traz faixas fortes como Mensageiro da Desgraça, Pedofilia, Quem São Os Animais?, Nâo Pode, Flores Pra Ela, Fala Renata e República dos Bananas, além de uma ótima releitura de Canalha, clássico de Walter Franco lançada originalmente em 1979 em um festival na extinta TV Tupi.

Nheengatu é o nome de uma língua derivada do Tupi-Guarani criada pelos jesuítas no século XVII para unir as tribos naturais do Brasil e os brancos recém-chegados, e acabou sendo resgatada como título do novo trabalho da banda que nos proporcionou clássicos como Cabeça Dinossauro, Ô Blesq Blom, Domingo e tantos outros do rock nacional.

Lógico que alguns dos inúmeros clássicos gravados e lançados pela banda em suas mais de três décadas de estrada também estarão no repertório, para alegria dos fãs, que hoje incluem aqueles que eram adolescentes nos anos 80 e também aqueles que são adolescentes hoje, em plena era das redes sociais. Os Titãs continuam mais atuais do que nunca, como Nheengatu prova à exaustão.

Ouça Nheegatu, dos Titãs, na íntegra, em streaming:

Ao vivo, mais Titãs do que nunca

Por Fabian Chacur

Com 31 anos de uma carreira repleta de grandes momentos, os Titãs não parecem dispostos a dormir em cima dos louros conquistados. Boa prova é o show que a banda paulista mostrou nesta quinta-feira (10) na choperia do Sesc Pompeia, que será repetido nesta sexta-feira (11), com ingressos já esgotados. Uma hora e meia de garra, vibração, criatividade, vitalidade e carisma. O pulso ainda pulsa. Mesmo!

Titãs Inédito é um espetáculo corajoso, pois mostra em sua parte inicial dez canções inéditas em uma enfiada só. Essas músicas poderão estar presentes no próximo álbum de inéditas do hoje quinteto, previsto para sair em 2014. A safra é boa, tendo como marcas a urgência, a concisão e a simplicidade bem trabalhada. Mensageiro de Desgraça, República de Bananas e Não Pode são destaques, mas a rigor nenhuma delas merece ser rejeitada.

Após a première do novo repertório, os Titãs deram um mergulho em seu passado, com direito ao petardo de 1987 (embora atualíssimo) Desordem, a divertida (e pouco tocada ao vivo) Dona Nenê, a encantadora pop-rock Flores, as energéticas Bichos Escrotos e Polícia, a infalível Sonífera Ilha e a evocativa Domingo. Predominaram faixas do antológico Cabeça Dinossauro (1986), marco do rock brasileiro que eles releram em CD/DVD ao vivo em 2012.

Poucas bandas de rock ou de qualquer outro estilo no mundo conseguiriam se manter firmes e fortes após as saídas de integrantes do naipe de Nando Reis, Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer e Charles Gavin. E é exatamente isso o que a atual encarnação dos Titãs está conseguindo, e com louvor. As explicações para esse êxito não são tão difíceis de serem descobertas, especialmente após vê-los ao vivo em seu momento presente.

Começa pela atual autossuficiência do time, que incorporou o baterista Mário Fabre na vaga de Charles Gavin. Branco Mello assumiu o baixo, Toni Belotto se mantém na guitarra e Sérgio Britto e Paulo Miklos investem em guitarra, baixo e teclados. O resultado é uma sonoridade urgente, compacta e sem muitos rodeios e filigranas. Rock na veia, botando os ia-iás para fora o tempo todo de forma contagiante.

E o charme do tipo “cereja do bolo” fica com os três cantores. Paulo Miklos e Sérgio Britto com seus vozeirões e carismas particulares, com o primeiro mais teatral e o segundo visceral por natureza. Branco é o contraponto, com boa voz mais contida e efeito cênico marcante no melhor espírito new wave. Juntos, equivalem a um daqueles ataques goleadores que devastam as defesas adversárias sem dó nem piedade.

O mais legal é constatar que o entrosamento e a fome de bola dos Titãs em seu ano 32 equivale ao de uma banda iniciante talentosa tentando se firmar no competitivo mundo da música de 2013. Não é de se estranhar que eles possuam na plateia de seus shows um número significativo de garotos que nem eram nascidos quando Cabeça Dinossauro dominava as paradas de sucesso nos anos 80.

Como diria aquele clássico lançado por Paul Simon em 1975, esses caras ainda estão doidos, apesar de todos esses anos (Still Crazy After All These Years). Vale a pena conferir seus próximos passos, especialmente esse álbum de inéditas que irá suceder o ótimo Sacos Plásticos, de 2009. Tudo leva a crer que o epitáfio do grupo ainda está longe de ser cravado.

Veja o clipe de Desordem, com os Titãs:

Cabeça Dinossauro gera bom DVD ao vivo

Por Fabian Chacur

Virou uma interessante tendência entre grupos de rock do mundo todo a execução ao vivo, na exata ordem em que foram gravados, do repertório na íntegra de seus discos mais importantes. Os Titãs dedicaram seus esforços nessa direção com uma ótima releitura ao vivo de Cabeça Dinossauro (1986), seu álbum mais importante e frequente vencedor na categoria melhor disco de rock brasileiro de todos os tempos.

A banda apresentou essa releitura algumas vezes durante 2012, sendo uma delas como atração do programa Álbuns Clássicos da Mix FM (leia a crítica aqui). Agora, chega ao mercado o DVD com o registro da performance realizada no Circo Voador (RJ) em 9 de junho de 2012.

Cabeça Dinossauro Ao Vivo 2012 é um belo DVD, e começa a agradar logo de cara, graças à captação de imagens feita em preto e branco, o que proporciona uma atmosfera vintage totalmente adequada ao conteúdo agressivo, minimalista e sacudido do álbum original, com direito a sutil reinterpretação da capal do LP original.

Branco Mello (voz e baixo), Paulo Miklos (voz e guitarra), Sérgio Britto (voz, teclados e baixo) e Toni Bellotto (guitarra) contam com a ajuda de apenas mais um músico (o baterista Mario Fabre) para dar conta, com categoria, do que antes era feito por oito integrantes. Uma bela aula de auto-suficiência da banda paulistana.

O pique e a energia que marca o álbum original se manteve, e a atual encarnação do grupo mostra que continua com dentes no país banquela do atual rock brasileiro, que infelizmente não tem o vigor e a criatividade daqueles intensos anos 80.

O único senão ao DVD fica por conta de o mesmo não incluir um making of e entrevistas com os músicos falando sobre esse álbum sublime. Um trabalho tão bacana como Cabeça Dinossauro Ao Vivo 2012 merecia extras à altura. Enfim, ainda assim o DVD é indispensável para quem curte rock brasileiro na veia.

Ouça Cabeça Dinossauro, ao vivo, do novo DVD dos Titãs:

Titãs farão show comemorativo de 30 anos

Por Fabian Chacur

Os Titãs irão comemorar 30 anos de carreira com um show especial que será realizado no dia 6 de outubro (sábado) às 22h30 no Espaço das Américas (rua Tagipuru, 795- Barra Funda -fone 0xx11-2027-0777 – www.ticket360.com.br). Os ingressos já estão à venda, e custam R$ 120 (pista) e R$ 200 (pista premium).

A novidade ficará por conta das participações especiais de dois ex-integrantes da banda, o baterista Charles Gavin e o vocalista Arnaldo Antunes. Dos ex-integrantes da formação clássica da banda ainda disponíveis, só Nando Reis não estará por lá. O saudoso guitarrista Marcelo Frommer nos deixou há 11 anos, morto em um trágico acidente.

A atual escalação da grupo de rock paulistano traz Sérgio Britto (vocal, teclados e baixo), Branco Mello (vocal e baixo), Paulo Miklos (vocal, baixo e guitarra) e Toni Bellotto (guitarra) do line up original, além do baterista Mário Fabre, que entrou na vaga de Charles Gavin.

O repertório do show irá incluir os grandes sucessos da banda, cujo repertório conta com clássicos do porte de O Que, Polícia, Flores, Enquanto Houver Sol, Epitáfio, Televisão e Miséria, só para citar algumas de suas canções mais marcantes.

Veja o clipe de Flores, com os Titãs:

Older posts

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑