Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: titãs (page 1 of 2)

Titãs: clipe com marionetes para remake de Enquanto Houver Sol

enquanto houver sol titas 400x

Por Fabian Chacur

Prosseguindo a mil por hora em sua formação trio (que poderia ser apelidada “Tritãs”), os Titãs estão em pleno processo de lançamento de um novo projeto. Trata-se de Titãs Trio Acústico, álbum que será disponibilizado ao público no formato de três EPs. O primeiro saiu no início de abril, com oito faixas. O segundo deve chegar às plataformas digitais em 3 de julho, sendo que a primeira amostra já pode ser conferida, a releitura da belíssima Enquanto Houver Sol.

Concebido por Otavio Juliano, que o dirigiu em parceria com Luciana Ferraz, o clipe desta nova, despojada e caprichada releitura de um dos grandes sucessos dos Titãs na década passada traz como grande atrativo o uso de marionetes. Virgilio Zago foi o marionetista e escultor de títeres, enquanto Guilherme Pires se incumbiu da modelagem de bonecos e personagens. O resultado é encantador.

Enquanto Houver Sol foi lançada originalmente como faixa do álbum Como Estão Vocês? (2003), o primeiro da banda sem as presenças de Nando Reis e do saudoso Marcelo Fromer. Com uma melodia envolvente e uma letra inspirada, serve como alento em dias tão difíceis como os vividos por todos nós nesse cinzento e angustiante ano de 2020.

Enquanto Houver Sol (clipe 2020)- Titãs:

Ciro Pessoa, 62 anos, o eterno Pete Best dos Titãs e algo mais

ciro pessoa-400x

Por Fabian Chacur

Quase todo grupo musical de grande sucesso tem em sua história algum ex-integrante que saiu do time bem na hora em que as coisas começaram a dar certo. Essa situação pode ser rotulada como “síndrome de Pete Best”, o célebre baterista que foi mandado embora dos Beatles logo quando eles iriam gravar o seu primeiro single, em 1962. Guardadas as devidas proporções, esse foi o papel exercido por Ciro Pessoa nos Titãs. O cantor, compositor e musico paulistano nos deixou na madrugada desta terça-feira (5), possivelmente vítima da Covid-19.

Nascido em 12 de junho de 1957, Ciro integrou a formação original dos Titãs em 1981, e se manteve no grupo até 1983, quando resolveu sair para se dedicar a outros projetos. Ele, no entanto, teve músicas com sua coautoria gravadas pela banda, os hits Sonífera Ilha, Babi Indio, Toda Cor, Dona Nenê e Homem Primata, além de Sonho Com Você, que lhe renderam direitos autorais.

Ciro voltou à tona em 1987 com uma banda que ele tocava paralelamente aos Titãs, a Cabine C, que lançou seu primeiro e único disco naquele mesmo ano. O LP tem como título Fósforos de Oxford, e foi o único lançado pelo selo RPM Discos, montado pela banda de Paulo Ricardo. Com pouca divulgação e distribuição, o disco passou meio batido.

Com uma sonoridade inspirada no pós-punk de bandas como The Cure, o disco não teve uma recepção muito favorável por parte da imprensa. O crítico Marcelo Orosco Velehov fez uma resenha ácida, com direito a uma frase que dizia mais ou menos isso: “a voz monocórdia de Ciro fez com que músicas já bastante parecidas entre si soassem como a mesma”.

Posteriormente, Pessoa investiu em outros projetos, incluindo trabalhos solo como No Meio da Rua Eu Grito Help (2003), e também teve músicas gravadas pelo Ira!, além de publicar nas redes sociais opiniões políticas polêmicas, incluindo elogios a um certo Olavo de Carvalho.

obs.: valeu pelo toque em relação ao fato de o Cabine C já estar na ativa quando Ciro Pessoa ainda estava nos Titãs, meu caro Raphael Rodrigues! Correção devidamente feita!

Homem Primata– Titãs:

Titãs lançam um novo clipe de Sonífera Ilha com celebridades

titas trio acustico 2020 400x

Por Fabian Chacur

Com nove integrantes logo no seu início e oito em sua fase clássica, os Titãs foram diminuindo até chegarem ao formato atual, com Sergio Britto, Branco Mello e Toni Bellotto. Após uma turnê bem-sucedida com essa formação, eles anunciam que lançarão em breve o álbum Titãs Trio Acústico, relendo seus hits. A primeira amostra saiu hoje. Trata-se de Sonífera Ilha, seu primeiro hit, que está sendo divulgada com um clipe ótimo e repleto de convidados especiais.

Cenas da banda feitas em estúdio são intercaladas com registros de Rita Lee e Roberto de Carvalho, Fernanda Montenegro, Lulu Santos, Elza Soares, Os Paralamas do Sucesso, Casagrande, Andreas Kisser, Edi Rock, Fábio Assunção, Cyz Mendes, Alice Fromer e Érika Martins, que dublam os versos da canção.

Embora intitulado Trio Acústico, vemos no clipe o grupo se valendo de instrumentos elétricos como guitarra e baixo, além de piano, este, sim, acústico de fato. Cantada por Paulo Miklos na versão original de 1984, desta vez Sonífera Ilha contou com o vocal principal de Branco Mello.

Sonífera Ilha (clipe)- Titãs:

Andy Gill, do Gang Of Four, um guitarrista dos mais influentes

Andy_Gill-400x

Por Fabian Chacur

Dos grupos surgidos no pós-punk britânico, na segunda metade dos anos 1970, o Gang Of Four certamente foi um dos melhores e mais influentes. Nele, a guitarra de Andy Gill sempre se mostrou um marco, com sua performance agressiva, incisiva e criativa, mesclando influências e sendo várias coisas ao mesmo tempo, de forma original. Não é de se estranhar que tenha influenciado tanta gente. Neste sábado (1º), infelizmente o site oficial da banda anunciou a morte do músico aos 64 anos, vítima de pneumonia. Sua última turnê com o Gang Of Four, que só tinha atualmente ele da formação original, ocorreu em novembro de 2019.

Nascido em Manchester, Inglaterra, em 1º de janeiro de 1956, Andrew James Dalrymple Gill criou sua banda em 1976, quando cursava artes na Leeds University, ao lado de Jon King (vocal e letras), David Allen (baixo) e Hugo Burnham (bateria). Seu primeiro single, Damaged Goods, saiu em 1978, belo e suculento aperitivo para o álbum de estréia, Entertainment! (1979), do qual se destaca a marcante At Home He’s a Tourist.

O rock nervoso, vibrante, altamente urbano e original gerou a seguir o álbum Solid Gold (1981), após o qual David Allen saiu, substituído pela baixista e vocalista Sara Lee. Com a nova formação, veio Songs Of The Free (1982), no qual elementos de funk entraram com mais força na mistura, gerando clássicos do rock oitentista como Call Me Up e I Love a Man In a Uniform.

Após a saída de Hugo Burnham, o grupo voltou ao estúdio e gravou Hard (1983), seu trabalho mais próximo do pop, trazendo o hit Is It Love e a participação nos vocais de apoio de Alfa Anderson (do grupo Chic) e Brenda White King (que participou de discos do Chic, Luther Vandross e muitos outros). Aliás, na época havia um boato (não confirmado) de que Nile Rodgers produziria esse álbum.

Depois desse disco, o grupo ficaria sete anos fora de cena. O retorno rolou em 1991 com Gill e King e outros parceiros, no álbum Mall. A partir daí, a banda teria idas e vindas, com direito a alguns lançamentos e a shows. Entre 2004 e 2006, sua formação original voltou a se reunir, e foi exatamente nesta época que eles tocaram no Brasil pela primeira vez, em 2006 (leia a resenha do show aqui).

O grupo voltaria a se apresentar em nosso país em 2011 (no Cultura Inglesa Festival) e 2018. Em 2012, Gill veio a São Paulo para participar de um show ao lado de integrantes da Legião Urbana, que nunca esconderam a influência que o trabalho do Gang Of Four teve em seu som.

Titãs, Ira! e diversas outras bandas brasileiras foram influenciadas por eles, e o Ultraje a Rigor regravou uma das músicas da banda britânica, I Found That Essence Rare, em seu disco de releituras Por Que Ultraje a Rigor? (1990).

Além de músico, Andy Gill também produziu trabalhos de diversos grupos e artistas importantes, entre os quais o Red Hot Chili Peppers (seu autointitulado álbum de estreia, de 1984), Killing Joke (um autointitulado álbum de 2003) e Michael Hutchence (seu autointitulado álbum póstumo, lançado em 1999).

Call Me Up (live)- Gang Of Four:

Titãs fazem show no Rio com músicas do CD Acústico MTV

titas 2019 400x

Por Fabian Chacur

E então, agora somos três. Parafraseando de certa forma o título do álbum And Them There Were Three (1978), do Genesis, os Titãs, que já tiveram oito integrantes, atualmente são um trio. E é essa trinca remanescente que está celebrando os 22 anos do lançamento de seu álbum comercialmente mais bem-sucedido, Acústico MTV (1997), com uma série de shows que passa pelo Rio de Janeiro nesta sexta (14) no Teatro VillageMall (avenida das Américas, nº 3.900- loja 160 do Shopping VillageMall- Barra da Tijuca- fone 0xx21-3431-0100, com ingressos de R$ 50,00 a R$ 200,00.

Sérgio Britto, Toni Bellotto e Branco Mello, a atuação encarnação da banda paulistana que está há quase quatro décadas na estrada, darão uma geral no repertório de seu CD mais famoso, sem o acompanhamento orquestral e sem a montoeira de músicos de apoio daquela época. Desta vez, a coisa será bem mais intimista, em um espaço que comporta no máximo 1.000 pessoas. No repertório, musicas daquele trabalho, como Pra Dizer Adeus, e outras posteriores que se encaixam nesse espírito, como Epitáfio e Isso.

Esse show ocorre enquanto duas outras turnês do trio estão sendo preparadas. Uma comportará a execução, na íntegra, das músicas contidas no mais recente lançamento dos Titãs, o CD-DVD Doze Flores Amarelas, uma ambiciosa ópera-rock, cujo roteiro terá como palco teatros. A outra tour, intitulada Enquanto Houver Sol, mesclará músicas do novo disco com os clássicos desses anos todos. Em ambas, teremos a participação de músicos de apoio.

Pra Dizer Adeus (ao vivo)- Titãs:

Paulo Miklos mostra as suas canções em show voz e violão

Paulo_Miklos.Foto_de_Divulgacao_-400x

Por Fabian Chacur

Durante 34 anos, Paulo Miklos foi um dos Titãs. Nesse período, aproveitou uma ou outra brecha para se dedicar a uma esparsa carreira solo. No entanto, o tempo tornou essa atividade paralela, assim como outras do tipo atuar como ator, apresentador etc, mais atraentes do que ficar no consagrado grupo. Atualmente, ele segue longe dos antigos colegas, e nenhum tipo de show seria melhor para mostrar essa nova fase do que um do tipo voz e violão. É o que vai rolar em São Paulo no dia 29 (segunda-feira) às 19h30 no Sesc Carmo (rua do Carmo, nª 147- Sé- fone 0xx11-3111-7000), com ingressos custando de R$ 6,00 a R$ 20,00.

O título do novo espetáculo do cantor, compositor, músico, ator etc é o mesmo de seu terceiro e mais recente álbum solo, A Gente Mora no Agora, lançado em 2017. O repertório terá músicas desse CD, mas também incluirá uma viagem pelo repertório dos Titãs, com pérolas do porte de Pra Dizer Adeus, Flores, Comida, É Preciso Saber Viver e Sonífera Ilha, esta última o hit que colocou o grupo paulistano pela primeira vez nas paradas de sucesso.

Com ótima voz e presença de palco elogiável, Paulo Miklos sempre se destacou nos Titãs. Ele completou 60 anos em janeiro, e seu primeiro trabalho solo, autointitulado, saiu em 1994. O segundo, Vou Ser Feliz e Já Volto, veio em 2001. Seu trabalho como ator já lhe rendeu muitos elogios e ótima repercussão perante o público, especialmente nos filmes O Invasor (2001, sua estreia no cinema), Boleiros 2- Vencidos e Vencedores (2006) e É Proibido Fumar (2009).

Vou Te Encontrar (clipe)- Paulo Miklos:

Paulo Miklos celebra seus 60 anos com dois shows em SP

paulo miklos-400x

Por Fabian Chacur

Nesta segunda-feira (21), Paulo Miklos completou 60 anos de idade. Como forma de celebrar essa bela efeméride com seus fãs paulistanos, o cantor, compositor e músico fará shows nesta sexta (25) às 18h e sábado (26) às 21h no Sesc Belenzinho (rua Padre Adelino, nª 1.000- Belenzinho- fone 0xx11-2076-9700), com ingressos custando de R$ 6,00 a R$ 20,00.

A base para o repertório será o seu mais recente trabalho solo, A Gente Mora no Agora (2017), que inclui pelo menos um grande sucesso, Vou Te Encontrar, composição do ex-colega de Titãs Nando Reis que integrou com destaque a trilha sonora da novela global O Outro Lado do Paraíso. Também teremos composições escritas por ele em parceria com Emicida (A Lei Desse Troço), Guilherme Arantes (Estou Pronto) e Céu (Risco Azul).

Lógico que farão parte do set list canções de seus tempos de Titãs, e entre elas estão escaladas É Preciso Saber Viver (clássico de Roberto e Erasmo Carlos que a banda trouxe de volta às paradas nos anos 1990), Pra Dizer Adeus, Sonífera Ilha e Vossa Excelência, esta última lançada há mais de dez anos e mais atual do que nunca. Paulo, que cantará e tocará violão e guitarra, terá a seu lado Michelle Abu (bateria), Michelle Cordeiro (guitarra) e Otávio Carvalho (baixo).

Vou Te Encontrar (clipe)- Paulo Miklos:

Nando Reis toca em SP com a Orquestra Petrobrás Sinfônica

nando reis e isaac karabtchevsky 400x

Por Fabian Chacur

Nando Reis é aquele tipo de artista que gosta de experimentar todas as configurações possíveis em termos musicais. Já são bem conhecidas e elogiadas as suas performances no melhor estilo voz e violão. No outro extremo, ele também já se apresentou ao lado de orquestra. E é esta segunda opção que o cantor, compositor e músico abraçará na apresentação que realizará nesta sexta (18) às 21h30 em São Paulo com a Orquestra Petrobrás Sinfônica no Espaço das Américas (rua Tagipuru, nª 795- Barra Funda- fone 0xx11-3868-5861), com ingressos custando de R$ 40,00 a R$ 380,00.

A Orquestra Petrobrás Sinfônica, na ativa há 46 anos, tem como diretor artístico e regente titular ninguém menos do que Isaac Karabtchevsky, um verdadeiro mito no setor. Ele comandará um total de 45 músicos, que na parte inicial do espetáculo irão executar obras do repertório erudito: Quadros de uma Exposição- A Grande Porta de Kiev, do autor russo Modest Mussorgsky (1839-1881), e Bachiana nª 4- Prelúdio, do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959).

Após a parte inicial, o ex-baixista dos Titãs entra em cena, interpretando 13 sucessos de sua carreira com o grupo e como artista solo. Entre outras, teremos no repertório clássicos do porte de Os Cegos do Castelo, O Segundo Sol, All Star e Por Onde Andei. Uma boa e diferente forma de se conferir a beleza e a qualidade das melodias de Nando, acompanhadas por arranjos concebidos por Rafael Smith, Alexandre Caldi e Jessé Sadoc.

Os Cegos do Castelo (ao vivo)- Nando Reis e Orquestra Petrobrás Sinfônica:

Paulo Miklos deixa Titãs para seguir o seu próprio caminho

paulo miklos-400x

Por Fabian Chacur

Os Titãs anunciaram na manhã desta segunda-feira (11) mais uma alteração em sua formação. Desta vez, quem sai do time é o cantor, compositor e músico Paulo Miklos, por razões pessoais e com o intuito de se dedicar em tempo integral a seus próprios projetos. O trio de fundadores ainda restantes (Sérgio Britto, Tony Bellotto e Branco Mello) seguirão adiante com a banda, e terão como músicos convidados o guitarrista Beto Lee (filho de Rita Lee e Roberto de Carvalho) e o baterista Mário Fabre.

Não chega a ser uma surpresa a decisão de Paulo Miklos. Sua agenda tem ganho cada vez mais tarefas desde que começou a se dedicar com sucesso ao cinema, como ator, em filmes como O Invasor (2001), Boleiros 2 (2006), É Proibido Fumar (2009) e Dá Licença de Contar (2015). De quebra, estreou no teatro em 2015 como protagonista do espetáculo Chet Baker: Apenas Um Sopro, além de atuar em programas de TV e rádio e também em publicidade. O cara é fera!

Como artista solo, paralelamente à atuação nos Titãs, ele lançou os CDs Paulo Miklos (1994) e Vou Ser Feliz e Já Volto (2001), além de fazer shows temáticos, como um dedicado ao repertório de Noel Rosa. Nos Titãs, tocava sax, baixo e guitarra, além de ser vocalista de voz poderosa, destacada em sucessos como Diversão, Bichos Escrotos e É Preciso Saber Viver. Vai ser duro para seus colegas seguirem em frente sem ele.

Desde o início de sua carreira, há 34 anos, os Titãs já sobreviveram a várias alterações. O primeiro a sair, antes mesmo do lançamento de seu álbum de estreia, foi Ciro Pessoa. Em 1985, André Jung (bateria) iria para o Ira! e seria substituído pelo ex-baterista daquela mesma banda, Charles Gavin. A estabilidade no time se manteria até 1992, quando Arnaldo Antunes bateria suas asas, rumo a uma carreira solo.

Em 2001, uma tragédia se incumbiu de gerar nova mudança na formação da banda, com a morte de Marcelo Fromer. No ano seguinte, o baixista Nando Reis resolveu seguir os passos de Arnaldo Antunes rumo a uma carreira individual de muito sucesso. Charles Gavin deixou os amigos em 2010 para se dedicar a outros projetos, e agora, é a vez de Paulo Miklos. Boa sorte para Britto, Mello e Bellotto, e que eles sejam bem-sucedidos em manter bem cotado o nome dessa ótima banda.

Diversão– Titãs:

Bichos Escrotos– Titãs:

Vou Tirar Você Desse Lugar– Titãs:

Nando Reis mostra seu álbum voz e violão com show em SP

nando reis-400x

Por Fabian Chacur

Há quase um ano, Nando Reis aproveitou um show em São Paulo para gravar um novo trabalho ao vivo. Pois agora ele volta ao mesmo local, o palco do Citibank Hall (avenida das Nações Unidas, nº 17.955- fone 0xx11-4003-5588), para mostrar neste sábado (20) às 23h, com ingressos de R$ 35,00 a R$ 260,00 o repertório desse álbum, gravado de forma crua, no melhor estilo voz e violão.

Intitulado Voz e Violão- No Recreio Volume 1 e lançado nos formatos CD e LP de vinil, trata-se de uma oportunidade de se ver a performance deste cantor, compositor e músico paulistano sem sua ótima banda de apoio, os Infernais, apresentando canções em sua estrutura mais básica e direta. Ele aproveita para soltar a voz e especialmente apresentar sua habilidade com o violão, um de seus instrumentos favoritos.

O ex-baixista dos Titãs produziu o novo álbum, com a mixagem tendo sido feita em Seattle (EUA) a cargo do produtor americano Jack Endino, conhecido por sua atuação com o Nirvana e a ex-banda de Nando. O repertório inclui clássicos do repertório do artista como Relicário, All Star, Luz dos Olhos, Sei, Espatodéa e O Segundo Sol, entre outros.

All Star (ao vivo voz e violão)- Nando Reis:

Sei (ao vivo voz e violão)- Nando Reis:

Luz dos Olhos (ao vivo voz e violão)- Nando Reis:

Older posts

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑