Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: train

Ouça Hey Soul Sister, da banda americana Train

Por Fabian Chacur

Há 16 anos na estrada, a banda Train surgiu em San Francisco, California, e lançou em 2009 seu quinto álbum, o bom Save Me San Francisco.

O grupo deve tocar no Brasil em março de 2011, em festival que será encabeçado pela cantora colombiana Shakira.

Já comentei o CD por aqui.

Para quem ainda tem dúvidas de que se lançam ótimas músicas inéditas em pleno século XXI no mundo do rock, confira abaixo a maravilhosa Hey Soul Sister, uma das faixas do mais recente trabalho do Train.

Train arrepia com Save Me, San Francisco

Por Fabian Chacur

Drops Of Jupiter (Tell Me) é para mim uma das músicas mais deliciosas da primeira decada do século 21. Ela integra o álbum Drops Of Jupiter, segundo lançamento da banda americana Train. Uma espécie de balada balançada no melhor estilo Elton John dos anos 70.

Vou ser sincero: há poucos dias, era tudo o que este apaixonado por música conhecia do trio formado por Patrick Monahan (vocal), Jimmy Strafford (guitarra) e Scott Underwood (bateria). Shame on me, ou que vergonha, em português claro.

Até que caiu nas minhas mãos Save Me, San Francisco, quinto ítem na discografia dos rapazes da mitológica cidade americana que dá nome ao trabalho e que marca o retorno após três anos de férias.

E qual a razão que me levou a ficar tão entusiasmado com esse Train de três? Simples. Eles não reinventaram a roda ou coisa que o valha, mas em alguns momentos soam como banda de primeira divisão. Melhor: nos oferece canções, canções e mais canções, pelo menos quatro delas antológicas.

O milk shake musical deles inclui doses do rock setentista americano, pop rock a la (de novo!) Elton John do mesmo período (1970-1976) e também elementos do rock arena na linha Bon Jovi.

O disco tem início com uma trinca fantástica: o rock que dá nome ao álbum, daqueles compassados e que dá vontade de acompanhar batendo palmas ou dançando, a deliciosa canção com tempero country (e direito a banjo) Hey Soul Sister (o primeiro hit extraído do disco) e a maravilhosa I Got You.

Esta última faz uma coisa difícil, que é aproveitar elementos (incluindo o refrão, mas tudo creditado como se deve) de um clássico da magistral banda ianque The Doobie Brothers, a marcante Black Water, e nos oferecer uma outra obra, tão empolgante (e balançada) quanto.

Lógico que seria difícil manter esse altíssimo nível até a faixa 11. Então, entra a simpática balada rock a la Bon Jovi intitulada Parachute, que de repente pode até virar sucesso se tocada em rádios.

Utilizada como trilha sonora pelo Universal Channel em um de seus comerciais, a balada This Ain’t Goodbye beira o brega, mas não se escancara, e certamente embalará corações apaixonados por aí afora.

If It’s Love é balançada e tem a letra meio declamada, parecendo faixa perdida de algum álbum do Matchbox Twenty. Passa na média, assim como o compassado rock romântico bonjoviano You Already Know.

Words começa com violões e clima romântico-country até a medula, com melodia melosa e arranjo de cordas ao fundo. Também beira o brega, e fica bem pertinho disso, mas nada que machuque demais os ouvidos.

Brick By Brick é um momento bem próximo do Bed Of Roses daquela banda que já citei várias vezes nesta resenha, e da qual por sinal gosto, obviamente não tanto como de outros compatriotas americanos (Byrds, Doobie Brothers, Jefferson Airplante, Tom Petty And The Heartbreakers, a lista vai longe).

Breakfast In Bed é mais sutil e tem um tempero que lembra algumas coisas dos Eagles, ou da carreira solo do Don Henley, ou até de alguns momentos de Bruce Springsteen em seu lado mais doce… Em resumo: adorei!

A delicada e acústica (só voz e violão) Marry Me encerra o álbum que passa na média como um todo, mas que tem momentos iluminados em quantidade suficiente para considerar o Train uma banda relevante.

obs.: a capa, como você já viu aí em cima, é uma graça!

© 2021 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑