Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Ira! chega ao Rio para show único em sua bela versão folk e acústica

ira credito carina zaratin 1 (1)-400x

Por Fabian Chacur

No finalzinho de 2013, Edgard Scandurra e Nasi encerraram um longo período de inimizade e distância com o retorno da parceria que iniciaram nos tempos de escola e que gerou o Ira!, um dos grupos mais bem-sucedidos da história do rock brasileiro. Como se essa boa notícia não bastasse, eles ainda criaram, no início de 2016, um projeto paralelo, o Ira! Folk, investindo em versões acústicas de seus grandes hits.

É com essa formação que esses bons e velhos amigos se apresentam no Rio de Janeiro neste sábado (27) às 22h no Teatro VillageMall (avenida das Américas, nº 3.900- loja 160 do Shopping VillageMall- Barra da Tijuca- fone 0xx21-3431-0100), com ingressos custando de R$ 40,00 a R$ 150,00.

A encarnação folk do Ira! traz apenas a essência da banda, com Nasi nos vocais e Edgard Scandurra nos vocais e violão. Os shows da dupla nesse formato se mostraram tão bacanas que geraram em 2017 o DVD e CD Ira! Folk Ao Vivo Em Sâo Paulo, lançado em parceria com o Canal Brasil. Esse registro conta com as participações especiais de Yamandu Costa e Fernanda Takai.

Neste show único no Rio de Janeiro, Scandurra e seu fiel parceiro de Vila Mariana (SP) mergulham em uma deliciosa geral em momentos muito significativos de sua trajetória, com direito a maravilhas perenes do cancioneiro rocker brasileiro do porte de Flores em Você, Dias de Luta, Envelheço na Cidade, Eu Quero Sempre Mais, Tolices, Tarde Vazia e Núcleo Base.

Ouça o álbum Ira! Folk ao vivo em streaming:

Foreigner lança álbum ao vivo gravado em Londres em 1978

foreigner live at the rainbow '78-400x

Por Fabian Chacur

Em 27 de abril de 1978, o grupo Foreigner subiu ao palco do lendário Rainbow Theatre em Londres para encarar uma casa cheia. E não era para menos. Seu autointitulado álbum de estreia, lançado em março de 1977, atingiu o 3º lugar na parada americana e rapidamente os impulsionou na cena do hard rock melódico mundial. Naquele dia, os caras fizeram um show repleto de energia e competência, que só agora pode ser conferido em registro oficial. Trata-se de Live At The Rainbow ’78, que a Warner Music está lançando no Brasil em CD e também disponibilizando nas plataformas digitais.

Tudo começou em 1976, quando o experiente músico inglês Mick Jones (guitarra, teclados, backing vocals), ex-integrante do Spooky Tooth e da banda de apoio de Leslie West (ex-Mountain) se viu desempregado. Incentivado por um empresário, resolveu montar um novo time, com os conterrâneos Ian McDonald (guitarras, teclados, sax, flauta, backing vocals, ex-integrante do King Crimson) e Dennis Elliott (bateria, backing vocals).

Logo a seguir, entraram no time os americanos Al Greenwood (teclados, sintetizador) e Ed Gagliardi (baixo, backing vocals). Só faltava o vocalista, que quase foi o ótimo Ian Lloyd, ex-Stories (do hit Brother Louie). Depois de dezenas de testes, Mick Jones se lembrou do LP da banda ianque Black Sheep que ganhou de seu cantor, um certo Lou Gramm anos antes. Finalmente ele o pôs na vitrola, e gostou do que ouviu. Resultado: outro americano na banda.

A química deu tão certo que o Foreigner (forasteiro em inglês, nome bem adequado para os britânicos do time) arrebentou em termos comerciais logo com seu primeiro álbum. E foi para divulgar este trabalho que o então sexteto foi a Londres. Tanto que o repertório do show e incluído em Live At The Rainbow ’78 traz as dez faixas desse LP, além de duas do álbum que eles lançariam em junho de 1978, Hot Blooded e Double Vision (esta, a faixa-título).

O repertório é uma verdadeira aula de hard rock melódico, com direito a teclados com pitadas progressivas, backing vocals impecáveis e alguma coisinha de Free, Bad Company e Beatles. A partir dali, o Foreigner teve algumas mudanças em sua escalação e atingiu seu auge em termos de popularidade na metade dos anos 1980, com hits românticos como Waiting For a Girl Like You e I Want To Know What Love Is, vendendo em torno de 80 milhões de discos.

Eis as faixas de Live At The Rainbow ‘78:

Long, Long Way From Home
I Need You
Woman Oh Woman
Hot Blooded
The Damage Is Done
Cold As Ice
Starrider
Double Vision
Feels Like The First Time
Fool For You Anyway
At War With The World
Headknocker

Cold As Ice (live)- Foreigner:

Luiza Casé investe na diversidade sonora em seu álbum Mergulho

LUIZA CASÉ Mergulho 1 crédito Peter Wrede-400x

Por Fabian Chacur

A carreira artística de Luiza Casé teve seu primeiro momento de destaque em 2010, quando ela venceu o reality show musical
Geleia do Rock, promovido pelo canal a cabo Multishow. No ano seguinte, estrelou a novela global adolescente Malhação, vivendo o papel de Lorelai. Desde então, essa atriz, cantora e compositora carioca trabalhou bastante em várias frentes, e agora apresenta o seu primeiro álbum, Mergulho, que a Universal Music disponibilizou nas principais plataformas digitais.

O álbum traz como produtores os experientes Arto Lindsay e Thiago Nassif, que deram à artista um apoio que ela avalia como decisivo. “No começo, fiquei ansiosa por trabalhar com eles, principalmente por meu lado compositora, mas eles foram muito generosos comigo, me deram o apoio de que eu precisava”.

Luiza encara o álbum como um trabalho com dois aspectos bem distintos. “Tem a ver com o meu momento atual, pois a sonoridade é bem múltipla, vai do orgânico ao eletrônico, e ao mesmo tempo reflete a minha personalidade musical como um todo”. Essa observação faz sentido pelo fato de ela ser frequentemente associada com o blues, ritmo que ela abraçou durante alguns anos. “O blues se encaixou em mim quando saí do Geleia do Rock; chorei bastante cantando blues nos primeiros shows, pois sentia muito aquelas canções”, relembra.

Atualmente, ela procura ser mais abrangente. “Com o tempo, ampliei os meus horizontes, pois uma só sonoridade não daria conta, o pop tem a flexibilidade de me abrir vários caminhos, como, por exemplo, eu fazer algo hip-hop no futuro, por exemplo; o título do álbum exemplifica bem essa minha intenção, é um mergulho em diversas possibilidades musicais”.

Canções autorais e letras elaboradas

Mergulho traz 10 faixas, sendo 8 escritas só por ela, uma em parceria com Lindsay e outra com Nassif. Além da sonoridade diversificada e pop, o repertório tem como característica o apuro das letras, bem acima da produção média atual no setor. “Sempre gostei de ler, de ver filmes, sempre me envolvi com a literatura e várias expressões de arte, tenho uma intimidade com essas linguagens, e procuro buscar um caminho próprio e original”.

Um bom exemplo dessa sensibilidade criativa é a faixa Jornais, que traz versos como “Não vou ter medo, Eu quero ver mudar, Não vou ter medo, Vou ter que enfrentar os jornais”. Ela explica o que a inspirou:

“Escrevi com a perspectiva de quem lê um jornal; as notícias atuais me chocam muito, eu tinha a tendência de fugir do noticiário, e a letra mostra como tenho me relacionado com isso, como lidar com um projeto de fuga; hoje me sinto apta para olhar para essa realidade e descobrir o que há de importante”.

A faixa título está sendo divulgada com um clipe gravado no parque aquático paulista Thermas Water Park. “Foi um dia bem intenso de gravações, umas cinco horas de trabalho; desci umas 50 vezes aquela toboágua”, relembra.

Minimalismo sustentável

Mergulho sai apenas no formato digital, e Luiza tem uma posição curiosa sobre esse tema. “Sou minimalista sustentável. Por mim, só lançaria digital, mesmo, embora ache legal se houvesse uma tiragem mais reduzida em vinil, acho legal ouvir vinil; Tenho problema com lixo, não coleciono mais nada”.

A ideia da artista carioca é manter a sua versatilidade, ela que é formada em Direito e já atuou como atriz em filmes, teatro e TV e gravou músicas para trilhas de filmes e minisséries televisivas. ” Pretendo continuar fazendo TV. Minha época adolescente não foi muito boa, eu ainda estudava quando fiz Malhação, hoje desfrutaria muito mais”, reflete. “Quando você entende a sua identidade e não foge, vê que um tipo de trabalho se encaixa com outro. É preciso foco em cada trabalho, mas não há limites”.

Luiza Casé já está com dois shows agendados para divulgar o seu álbum de estreia, nos quais será acompanhada por Mikhaila Copello (baixo), Pedro Garcia (bateria) e Felipe Fernandes (guitarra): dia 30 deste mês no Clube Manouche, no Rio, e dia 24 de agosto no Beco 203, em São Paulo, sendo que um terceiro em Belo Horizonte será divulgado em breve. Além das canções de Mergulho, ela também promete uma faixa autoral inédita, Coração na Mão. Ela tem perfis no Instagram, Twitter e Facebook.

Mergulho (clipe)- Luiza Casé:

Marcos Valle mostra em SP o repertório de Previsão do Tempo

marcos valle-400x

Por Fabian Chacur

A discografia do genial Marcos Valle é repleta de grandes momentos. Um deles é o álbum Previsão do Tempo (1973), recentemente relançado em vinil de 180 gramas pela Polysom, dentro da série Clássicos Em Vinil. O cantor, compositor e tecladista carioca ficou tão entusiasmado com essa reedição que montou um show no qual apresenta na íntegra o repertório desse LP. Ele se apresenta com esse repertório em São Paulo neste sábado (20) às 21h e domingo (21) às 18h no teatro do Sesc Pompeia (rua Clélia, nº 93- Água Branca- fone 0xx11-3871-7700), com ingressos de R$ 9,00 a R$ 30,00.

Previsão do Tempo traz uma criativa e envolvente fusão de bossa nova, jazz, soul, funk, rock e pop na qual a impressionante capacidade de Marcos Valle como músico e compositor se sobressai. Das 12 faixas, em nove ele é acompanhado pelo seminal grupo de soul-funk-bossa-jazz Azymuth, enquanto em duas a tarefa ficou a cargo dos roqueiros do Terço, liderados pelo guitarrista Sergio Hinds.

Marcos Valle (voz e piano Rhodes) terá a seu lado uma banda integrada por Patrícia Alvi (vocal), Paulinho Guitarra (guitarra), Donatinho (teclados), Alberto Continentino (baixo) e Renato Massa Calmon (bateria). Nem Paletó Nem Gravata, Os Ossos do Barão, Tira a Mão e a instrumental Previsão do Tempo são algumas das maravilhas que o público poderá ouvir nas duas performances.

Ouça Previsão do Tempo em streaming:

Slash lança em breve DVD/CD gravado ao vivo em Londres

slash capa cd dvd

Por Fabian Chacur

O retorno de Slash ao Guns N’ Roses após décadas longe de Axl Rose não levou a dupla a deixar de lado seus projetos individuais. Pelo visto, eles farão algo parecido com o que Mick Jagger e Keith Richards fazem nos Rolling Stones, intercalando projetos do grupo com incursões individuais. E é exatamente isso o que o guitarrista americano anuncia no momento. O selo Eagle Vision, em parceria com a Universal Music, promete para 20 de setembro o lançamento do DVD/CD duplo Living The Dream Tour.

O trabalho foi gravado ao vivo ao vivo no histórico Hammersmith Apollo, em Londres, perante uma plateia ensandecida que curtiu durante aproximadamente duas horas uma geral no repertório dos quatro álbuns solo de Slash, trazendo hits do hard rock atual como The Call Of The Wild, Driving Rain, By The Sword, Anastasia e World On Fire, entre outros.

O músico tem a seu lado a banda Myles Kennedy And The Conspirators, integrada por Myles Kennedy (vocal), Todd Kerns (baixo), Frank Sidoris (guitarra-base) e Brent Fitz (bateria) e parceira fiel dele nos últimos anos. O DVD (saiba mais sobre a pré-venda aqui) também inclui um mini-documentário com detalhes sobre a gravação do show e entrevistas com Slash e Myles. Eles atualmente encontram-se em meio a uma turnê pelos EUA e Canadá.

Eis as faixas de Living The Dream Tour:

The Call Of The Wild

Halo

Standing In The Sun

Ghost

Back From Cali

My Antidote

Serve You Right

Boulevard Of Broken Hearts

Shadow Life

We’re All Gonna Die

Doctor Alibi

Lost Inside The Girl

Wicked Stone

Mind Your Manners

Driving Rain

By The Sword

Nightrain

Starlight

You’re A Lie

World On Fire

Avalon

Anastasia

Anastasia (live)- Slash Feat. Myles Kennedy And The Conspirators:

Jão encerra primeira turnê e divulga clipe de Louquinho

jao clipe 2019-400x

Por Fabian Chacur

O cantor e compositor paulista Jão está a mil por hora na cena do pop brasileiro. O artista encerrou em junho sua primeira turnê nacional, que rendeu mais de 40 shows sempre com lotação esgotada. Ele divulgou nessas apresentações o seu primeiro álbum, Lobos, lançado pela Universal Music e que lhe rendeu a marca absurda de mais de 100 milhões de streams.

Como prova de que não está a fim de sentar em cima das glórias já conquistadas, ele acaba de divulgar um novo single, Louquinho, com direito a um clipe elaborado com ambiente de boxe que, em apenas quatro dias, já ultrapassou a marca de 1.3 milhão de visualizações no Youtube.

O artista explica que o clima da tour inspirou essa canção, que é puro r&b atual: “A turnê me modificou muito como artista e nas coisas que eu presto atenção. Fiquei um pouco viciado na minha conexão com os fãs, então minha cabeça se formatou para pensar em músicas que tragam essa sensação do show. Que a gente possa cantar junto, pular e possa ser aquele momento de catarse”.

Além do álbum, Jão também gravou anteriormente singles de sucesso com Ludmilla (A Boba Fui Eu) e a banda Lagum (Andar Sozinho).

Leia entrevista com este cantor e compositor aqui.

Louquinho (clipe)- Jão:

America celebra 50 anos de carreira com coletânea de hits

america 50 anos capa cd-400x

Por Fabian Chacur

Em 2020, o grupo America completará 50 anos de carreira. Como forma de antecipar a celebração desta data tão significativa, ainda mais se levarmos em conta que esta banda continua na estrada, a Warner Music está lançando uma nova coletânea com os hits dos caras. O título é America 50th Anniversary Golden Hits, e o bacana fica por conta de que teremos uma edição em CD no Brasil, além da habitual disponibilização nas plataformas digitais que marcam a atual era da música.

O repertório desta compilação inclui 15 faixas, sendo 12 delas as mesmas que integram a mais clássica compilação de hits do grupo formado na Inglaterra em 1970, entre os quais as maravilhosas A Horse With No Name, I Need You, Ventura Highway, Tin Man e Sister Golden Hair. Este álbum, intitulado History: America’s Greatest Hits, saiu em 1975 e vendeu milhões de cópias no mundo todo, inclusive no Brasil, onde já fizeram diversos shows.

As três faixas adicionais são o único hit da banda na década de 1980, a deliciosa You Can Do Magic (lançada na época pela Capitol Records), e duas outras que, embora não tenham sido propriamente sucessos, são muito legais: Amber Cascades, do CD Hideaway (1976) e God Of The Sun, do álbum Harbor (1977).

O America, apesar do nome, foi criado na Inglaterra por três filhos de militares americanos servindo por lá: os americanos Gerry Beckley e Dan Peek e o inglês Dewey Bunnel. Eles estouraram logo com o seu álbum de estreia, autointitulado (de 1971), que atingiu o primeiro lugar na parada americana e lhes rendeu um Grammy na categoria de artista revelação.

No currículo, o trio teve vários álbuns produzidos por ninguém menos do que George Martin, o mesmo dos Beatles, e uma inspirada fusão de rock, country, folk e pop. Em 1977, com a saída de Dan Peek (que investiu a partir daí em uma carreira-solo e nos deixou em 2011), o grupo prosseguiu como um duo e, se não teve muito sucesso em termos comerciais, continuou lançando discos de forma mais espaçada e fazendo turnês pelos quatro cantos do planeta.

Eis as faixas de 50th Anniversary: The Collection:

– A Horse With No Name
– I Need You
– Sandman
– Don’t Cross The River
– Ventura Highway
– Only In Your Heart
– Muskrat Love
– Tin Man
– Lonely People
– Daisy Jane
– Woman Tonight
– Sister Golden Hair
– Amber Cascades
– God Of The Sun
– You Can Do Magic

God Of The Sun– America:

The Mönic lança primeiro álbum com show no Centro Cultural SP

The Mönic-400x

Por Fabian Chacur

Contrariando as opiniões dos mais apressados, o rock brasileiro continua dando mostras de vigor e renovação. Novas formações surgem e mostram que esse popular gênero musical permanece atraindo as atenções de um segmento significativo de pessoas. A nova prova é a banda The Mönic, quatro garotas que estão lançando pela gravadora Deck o seu primeiro álbum, Deus Picio. O quarteto mostra o repertório deste trabalho em São Paulo com show neste sábado (13) no Centro Cultural São Paulo (rua Vergueiro, nº 1.000- Paraíso- fone 0xx11-3397-4002), com ingressos a R$ 25,00 (inteira).

A banda formada por Alê Labelle (vocal e guitarra), Dani Buarque (vocal e guitarra), Joan Bedin (baixo) e Daniely Simões (bateria) apresenta um rock energético e ardido, com nítidas influências de punk, grunge e hard rock. Deus Picio traz faixas bem bacanas, entre as quais Just Mad (veja o clipe aqui) e Mexico. Uma estreia das mais promissoras do tipo rock na veia.

No show, que não por acaso será realizado no Dia Internacional do Rock, as garotas mostram as músicas do álbum de estreia (ouça em streaming aqui ) e também os singles Buda e High, lançados em 2018. A abertura do show fica por conta da também ótima banda Violet Soda (leia mais sobre aqui), que atualmente divulga o seu novo EP, intitulado Tangerine.

Mexico (clipe)- The Mönic:

Of Monster And Men lança single e anuncia álbum para este mês

of monster and men-400x

Por Fabian Chacur

A banda islandesa Of Monster And Men está com som novo no pedaço. Trata-se do delicioso e energético pop-rock Alligator, que está sendo divulgado com um clipe caprichado. Trata-se da primeira faixa a ser divulgada do que será o terceiro álbum do grupo, Fever Dream, cujo lançamento está previsto para o dia 26 deste mês via Universal Music.

Integrada atualmente por Nanna Bryndís Hilmarsdóttir (vocal e violão), Ragnar “Raggi” Þórhallsson (vocal e violão), Brynjar Leifsson (guitarra), Arnar Rósenkranz Hilmarsson (bateria) e Kristján Páll Kristjánsson (baixo), a Of Monster And Men está na estrada há nove anos, e esteve no Brasil em março de 2013, participando com destaque do Lollapalooza Brasil (leia entrevista aqui).

O som desta deliciosa e despretensiosa formação mistura folk, rock e pop com eficiência. Seu álbum de estreia saiu em 2011 na Islândia e em 2012 no resto do mundo, o ótimo My Head Is An Animal, e atingiu o 6º lugar na disputada parada americana. Beneath The Skin (2015) foi ainda melhor nos EUA, batendo no nº 3. A banda possui muitos fãs no Brasil e Europa, e tem como charme a voz de Nanna, que se vira bem como front woman do time.

Alligator (clipe)- Of Monster And Men:

George Israel traz seu novo show para o palco do Blue Note SP

george israel-400x

Por Fabian Chacur

O cantor, compositor e saxofonista George Israel faz parte do primeiro time do pop-rock brasileiro. Como integrante do Kid Abelha, emplacou dezenas de hits nas paradas de sucesso e rodou o país com shows sempre lotados. Agora em uma produtiva carreira-solo, o talentoso artista carioca volta a São Paulo para apresentação nesta sexta-feira (12) às 22h30 no Blue Note São Paulo (Conjunto Nacional- Avenida Paulista, nº 2.073- 2º andar- fone 0xx11-3179-0050), com ingressos a R$ 45,00 (meia) e R$ 90,00 (inteira).

O novo show do artista foi batizado como O Baile do George, com intenções muito bem especificadas logo em seu título. Trata-se de uma atração repleta de canções dançantes e pra cima, entre as inúmeras compostas por ele e também com direito a algumas alheias. São clássicos dos repertórios de Kid Abelha, Cazuza (com quem compôs quase 20 músicas), Tim Maia, Jorge Ben Jor, Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho e outros.

A banda traz George Israel no vocal, violão e sax, além dos exímios músicos Kadu Menezes (bateria, tocou com o Kid Abelha, entre outros), Odeid (baixo, ex-Lobão e os Ronaldos) e Guilherme Schwab (guitarra, trabalhou com Ritchie, Sandra de Sá e Pepeu Gomes), além de um naipe de metais. George lançou recentemente o EP Agora, disponível nas plataformas digitais, além de gravar um especial para o canal a cabo especializado em música Music Box Brasil.

De Repente (ao vivo)- George Israel:

« Older posts

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑