Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Lana Del Rey divulga uma nova música e lança álbum em 2023

lana del rey cd 400x

Por Fabian Chacur

Após lançar os álbuns Blue Banisters e Chemtrails Over The Country Club em 2021, Lana Del Rey parecia que iria passar em branco neste ano. Apenas parecia. Ela acaba de disponibilizar nas plataformas digitais uma belíssima canção inédita. Trata-se de Did you know that there’s a tunnel under Ocean Blvd, faixa título do álbum que lançará pela Universal Music em 10 de março de 2023.

A nova canção é uma balada tocante, com direito a um inspirado arranjo de cordas e a vocais de apoio também emocionantes. A canção foi escrita pela própria cantora e compositora estadunidense em parceria com Mike Hermosa, cineasta que também é namorado da estrela pop.

Did you know that there’s a tunnel under Ocean Blvd será o 9º álbum de estúdio de Lana Del Rey, que tem 37 anos de idade, e estará disponível nas plataformas digitais e em vários formatos físicos (saiba mais aqui).

Did you know that there’s a tunnel under Ocean Blvd– Lana Del Rey:

Garbage lança coletânea dupla Anthology com faixa inédita

garbage anthology 400x

Por Fabian Chacur

Enquanto prepara material para um novo álbum, a banda americana Garbage nos oferece uma nova compilação com seus maiores hits em versões remasterizadas. Trata-se de Anthology, que a gravadora BMG disponibilizou nas plataformas digitais e também nos formatos CD duplo e LP de vinil duplo amarelo transparente, sendo que as versões físicas não tem previsão de chegar ao mercado brasileiro.E uma das faixas é de especial interesse para os fãs mais fiéis.

Trata-se de Witness To Your Love, delicioso rock ardido com elementos eletrônicos e psicodélicos. Esta faixa, em sua versão original, saiu apenas na coletânea beneficente com vários artistas Give Listen Help (2008), bancada pela Urban Outfitters e a Filter Magazine.

A versão remasterizada de Witness To Your Love é inédita, e está sendo divulgada por um divertido videoclipe inspirado em filmes vampirescos de safras mais recentes, com direito até a assalto a um banco de sangue. No total, são 35 hits, entre elas Happy When It Rains, Stupid Girl e I Think I’m Paranoid, da banda de Shirley Manson e Butch Vig.

Eis as faixas de Anthology e os álbuns das quais foram extraídos:

CD 1:

1. Vow (from Garbage)
2. Subhuman (stand-alone single)
3. Only Happy When It Rains (from Garbage)
4. Queer (from Garbage)
5. Stupid Girl (from Garbage)
6. Milk (from Garbage)
7. #1 Crush (from the Romeo + Juliet soundtrack)
8. Push It (from Version 2.0)
9. I Think I’m Paranoid (from Version 2.0)
10. Special (from Version 2.0)
11. When I Grow Up (from Version 2.0)
12. The Trick Is to Keep Breathing (from Version 2.0)
13. You Look So Fine (single edit; from Version 2.0)
14. The World Is Not Enough (from The World Is Not Enough soundtrack)
15. Androgyny (from Beautiful Garbage)
16. Cherry Lips (Go Baby Go!) (from Beautiful Garbage)
17. Breaking Up the Girl (from Beautiful Garbage)
18. Shut Your Mouth (from Beautiful Garbage)

CD 2

1. Why Do You Love Me (from Bleed Like Me)
2. Bleed Like Me (from Bleed Like Me)
3. Sex Is Not the Enemy (from Bleed Like Me)
4. Run Baby Run (from Bleed Like Me)
5. Tell Me Where It Hurts (from Absolute Garbage)
6. Witness to Your Love (from the Give Listen Help: Volume 5 compilation)
7. Blood for Poppies (from Not Your Kind of People)
8. Battle in Me (from Not Your Kind of People)
9. Automatic Systematic Habit (from Not Your Kind of People)
10. Big Bright World (from Not Your Kind of People)
11. Control (from Not Your Kind of People)
12. Empty (from Strange Little Birds)
13. Magnetized (from Strange Little Birds)
14. Even Though Our Love Is Doomed (from Strange Little Birds)
15. No Horses (stand-alone single)
16. The Men Who Rule the World (from No Gods No Masters)
17. No Gods No Masters (from No Gods No Masters)

Witness To Your Love (clipe)- Garbage:

Tony Babalu faz show gratuito e distribuirá CDs para o público

tony babalu 400x las altieri

Por Fabian Chacur

O Natal vai chegar mais cedo para quem curte rock instrumental de primeira linha. Em um único dia, você poderá ganhar dois belíssimos presentes. É que o grande guitarrista Tony Babalu fará um show gratuito neste sábado (10) às 20h30 no Centro Cultural São Paulo- Sala Adoniran Barbosa (rua Vergueiro, nº 1.000= fone 11-3397-4002). Se já não fosse suficiente, o público presente também levará pra casa uma cópia autografada no formato CD de seu mais recente trabalho, o magnífico EP No Quarto de Som… (leia a resenha aqui).

Acompanhado por uma banda afiadíssima composta por Adriano Augusto (teclados), Leandro Gusman (baixo) e Carlos Contreras (bateria), este brilhante guitarrista e compositor dará uma geral em grandes momentos de seu ótimo repertório autoral, com direito a uma ênfase nas faixas de No Quarto de Som…, sem exageros um dos melhores trabalhos de música instrumental dos últimos tempos.

Babalu tem grandes méritos, e um deles é fazer música instrumental na qual não perde tempo com exageros estilísticos ou técnicos, sempre dando preferência àquilo que soa melhor e cativa a emoção das pessoas. Com mais de quatro décadas na estrada, merece ser descoberto por mais pessoas pelo mundo afora, pois seu trabalho é de uma rara consistência e inspiração. Vai perder esse duplo presente de natal?

Reflexo– Tony Babalu:

Sandra Pêra canta grandes hits de Belchior em show em Sampa

Sandra Pêra-400x_Foto Maria Abraços

Por Fabian Chacur

Em 2021, Sandra Pêra quebrou um hiato de 38 anos e lançou o seu segundo álbum solo. Não que ela não tenha trabalhado e muito nesse período, como atriz e em eventuais reuniões com o grupo que a revelou, As Frenéticas. Mas desta vez a carreira individual ganhou um novo e importante item. E é para divulgar esse álbum, Sandra Pêra em Belchior, que ela se apresenta nesta sexta (9) às 21h em São Paulo mais precisamente no teatro do Sesc Belenzinho (rua Padre Adelino, nº 1.000- saiba mais aqui).

No álbum, a irmã da saudosa Marília Pera relê clássicos do songbook do não menos saudoso Belchior, entre eles A Palo Seco, Paralelas, Medo de Avião, Mucuripe, Velha Roupa Colorida, Sujeito de Sorte e Todo Sujo de Batom.

Além das músicas do álbum, ela também interpretará composições de Gonzaguinha, Fernando Lobo, Dominguinhos e Djavan, além de uma composição autoral (Se Pode Criar), esta última escrita em parceria com Guilherme Lamounier. Ela será acompanhada por Mimi Lessa (guitarra), Lourival Franco (teclados), Pedro Peres (baixo) e Flavio Santos (bateria)

A Palo Seco (lyric video)- Sandra Pêra:

The Rolling Stones lança álbum ao vivo gravado no ano de 2012

the rolling stones grrr live 400x

Por Fabian Chacur

Nos últimos anos, os Rolling Stones estão oferecendo à sua imensa legião de fãs um número enorme de lançamentos extraídos de seus arquivos de áudio e vídeo. Desta vez, eles acabam de divulgar que sairá no dia 10 de fevereiro de 2023 Grrrr Live!, que será disponibilizado nas plataformas digitais e também sairá em CD duplo, LP triplo de vinil e pacotes DVD+CD duplo e Blu-Ray+CD duplo, com algumas variações atraentes para os colecionadores.

Para quem acha que já ouviu esse título antes, você está certo. Grrr! é o nome de uma coletânea dupla de hits da banda lançada em 2012. E o novo material lançado por Mick Jagger e seus asseclas foi gravado ao vivo naquele mesmo ano, mais precisamente em dezembro, em show realizado no Previdential Centre de Newark, New Jersey, durante a turnê 50’s & Counting, que celebrou os 50 anos de estrada do grupo.

Dando uma bela geral nos seus maiores hits, os Stones também contaram com participações mais do que especiais no show, entre elas as de Bruce Springsteen, Lady Gaga, The Black Keys e John Mayer.

Eis as faixas incluídas em GRR Live!:

CD1

Get Off Of My Cloud
The Last Time
It’s Only Rock ‘n’ Roll (But I Like It)
Paint It Black
Gimme Shelter (with Lady Gaga)
Wild Horses
Going Down (with John Mayer and Gary Clark Jr)
Dead Flowers
Who Do You Love? (with The Black Keys)
Doom And Gloom
One More Shot
Miss You
Honky Tonk Women
Band Introductions

CD2

Before They Make Me Run
Happy
Midnight Rambler (with Mick Taylor)
Start Me Up
Tumbling Dice (with Bruce Springsteen)
Brown Sugar
Sympathy For the Devil
You Can’t Always Get What You Want
Jumpin’ Jack Flash
(I Can’t Get No) Satisfaction

Veja o trailler do DVD/Blu-Ray de Grrr Live!:

Christine McVie, 79 anos, uma integrante do Fleetwood Mac

christine-McVie-400x

Por Fabian Chacur

Em junho deste ano, foi lançada a coletânea Songbird- A Solo Collection (leia sobre este álbum aqui), a primeira dedicada à carreira-solo de Christine McVie. Infelizmente, foi o último trabalho lançado pela também cantora e compositora da banda Fleetwood Mac, que nos deixou nesta quarta-feira (30/11) aos 79 anos.

A informação foi divulgada nas redes sociais através de seus familiares, dizendo que ela partiu em paz após um período de internação e vitima de uma curta doença não revelada aos seus fãs.

Nascida em 12 de julho de 1943 na Inglaterra. ela começou a se tornar conhecida na cena musical do Reino Unido ao integrar a banda Chicken Shack, com quem gravou dois álbuns entre 1967 e 1969. Ela saiu do grupo e começou um flerte com outra banda que vivia seus primeiros tempos de sucesso na mesma época. o Fleetwood Mac. A ligação foi musical e afetiva, pois ela se casou em 1968 com seu baixista, John McVie.

Antes de entrar efetivamente na banda, ela lançou o seu primeiro álbum solo, que levou o seu nome de solteira, Christine Perfect (1970), trabalho no qual regravou o clássico do blues I’d Rather Go Blind, hit de Etta James que ela já havia gravado com a sua banda anterior, sendo a vocalista principal.

Christine participou como convidada dos álbuns Mr. Wonderful (1968) e Kiln House (1970), sendo que neste último foi a autora da pintura que ilustra a sua capa. No trabalho seguinte, Future Games (19710, Christine McVie foi enfim efetivada como tecladista e vocalista do FM. Embora tenha base blueseira também, ela certamente ajudou e muito a banda na sua transição para uma sonoridade um pouco mais pop e melódica.

Ela topou, junto com os fundadores da banda, o marido John e o baterista Mick Fleetwood, a encarar a mudança em 1974 para os EUA. E foi lá que o grupo encontrou o guitarrista e vocalista Lindsey Buckingham e a cantora Stevie Nicks, que com os três britânicos integrou a formação mais bem-sucedida do grupo em termos comerciais e para muitos também artística (estou entre os que pensam assim).

Entre 1975 e 1987, o Fleetwood Mac se tornou uma das mais bem-sucedidas bandas de rock do mundo, graças a álbuns impactantes como Fleetwood Mac (1975), Rumours (1977). Tusk (1979) e Mirage (1982). Neles, Christine se destacou como cantora e compositora, em hits como Say You Love Me, You Make Loving Fun, Songbird, Hold Me e Everywhere, além de encaixar com categoria seus vocais e teclados nas canções dos colegas.

Além do trabalho com a banda, ela lançou mais dois discos solo, Christine McVie (1984), com o hit Got a Hold On Me, e In The Meantime (2004), este seu único lançamento em um longo período longe do Fleetwood Mac, entre 1998 e 2013. Ela também lançou um excelente álbum em parceria com o Lindsey Buckingham em 2017 (leia a resenha aqui).

Depois de se separar de John McVie em 1976, Christine ainda conseguiu trabalhar com o ex-marido, mesmo tendo alguns perrengues com ele, alguns inspiradores de canções do célebre álbum Rumours, o mais famoso da banda. Um dos pontos altos da recente coletânea é uma versão de Songbird, um de seus clássicos do Fleetwood Mac, acrescido de um belíssimo arranjo de cordas, que acaba soando como uma bela despedida dela de cena.

Songbird (nova versão)- Christine McVie:

Edy Star lança single, livro e uma biografia virá em 2023

edy star-400x

Por Fabian Chacur

Edy Star continua a mil por hora. Aos 84 anos muito bem vividos, o cantor, performer, artista plástico e dramaturgo acaba de lançar dois novos produtos culturais. Um é o EP Outro Olho no Escuro, já disponível nas plataformas digitais e com duas ótimas faixas. O outro é o livro Diário de Um Invertido: Escritos Líricos, Aflitos e Despudorados (Salvador, 1956-1963), disponibilizado pela editora Noir.

O EP (também chamado de single duplo) traz duas faixas bem distintas entre si, mas ambas com a interpretação irreverente e visceral desse grande artista, que tem no currículo a gravação do incrível álbum Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das Dez (1971) em parceria com Raul Seixas, Miriam Batucada e Sérgio Sampaio.

Homens, um blues visceral com tempero roqueiro, é de autoria de Moisés Santana, excelente cantor, compositor e jornalista com ótimos álbuns solo lançados e músicas gravadas por artistas do porte de Gal Costa. Esta música foi interpretada pela cantora Jussara Silveira em shows nos anos 1990, e gravada posteriormente pelo próprio autor.

Por sua vez, ?A Quién Le Importa? (ouça aqui) ganhou um arranjo que mescla pop e música de cabaré e foi lançada originalmente pelo grupo espanhol Alaska y Dinarama, sendo relida com muito sucesso em 2002 pela cantora e atriz Thalia. É considera um dos maiores hinos gays em língua espanhola.

E o livro Diário de um Invertido é na verdade o registro de um diário que Edy escreveu no fim da adolescência e início da fase adulta sobre as suas experiências sexuais e como lidava com o homossexualismo. Os textos foram descobertos pelo historiador Ricardo Santhiago, que prepara uma biografia sobre Edy prevista para ser lançada em 2023.

Santhiago percebeu que o diário tinha uma material muito rico para a história do universo LGBTQIA+ no Brasil, e que merecia ser lançado à parte. Ele se incumbiu de organizar o material, que traz textos, poesias e até anedotas, além de fotos do artista e de personagens deste diário.

Além da Grã-Ordem Kavernista, Edivaldo Souza (seu nome de batismo) lançou dois excelentes álbuns-solo. Sweet Edy (1974) traz composições feitas para ele por autores do quilate de Roberto & Erasmo Carlos, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Jorge Mautner.

Mais recente, Cabaré Star saiu em 2017 com produção a cargo de Zeca Baleiro e um repertório matador. Ele também foi tema de um ótimo documentário, Antes Que Me Esqueçam Meu Nome é Edy Star (2019). Vão te esquecer nada, seo Edy!

Homens– Edy Star:

Keith Urban acerta em cheio com single Street Called Main

keith urban clipe 400x

Por Fabian Chacur

Nascido na Nova Zelândia, criado na Austrália e radicado há 30 anos nos EUA, Keith Urban é um daqueles artistas cujo talento é indiscutível. Sua capacidade de criar boas canções com tempero country rocker parece infindável, assim como sua bela voz e uma habilidade rara de encaixar seus solos de guitarra sempre nos momentos exatos. E temos tudo isso em seu novo single, Street Called Main, que acaba de ser lançado com um belo clipe.

Street Called Main é daquele tipo de canção pra cima, que gruda imediatamente nos seus ouvidos e te traz uma energia positiva deliciosa. Uma bela amostra do trabalho que atualmente este cantor, compositor e músico prepara em estúdio para suceder seu lançamento mais recente, o álbum The Speed Of Now Part 1 (2020).

Nascido em 26 de outubro de 1967, Keith Urban teve de batalhar muito para se firmar na cena musical, mas conseguiu realizar o seu sonho de forma completa. Após gravar em 1991 um disco na Austrália e tocar com gente do porte de Garth Brooks nos EUA, ele criou a banda The Ranch, com quem lançou um álbum em 1997. Em 1999, retomou a carreira-solo, e aos poucos se consolidou na cena country ianque.

Embora tenha sua base no som country, Urban é bastante versátil e aberto a outras influências, como rock, pop e black music, e isso se reflete nas parcerias que fez com artistas tão diversos entre si como Pink, Nile Rodgers, Nelly Furtado, Jason Derullo, Dolly Parton, Dixie Chicks e Taylor Swift. Ele se casou em 2006 com a atriz Nicole Kidman, com quem teve duas filhas.

Street Called Main (clipe)- Keith Urban:

Irene Cara, 63 anos, a cantora dos hits Fame e Flashdance

IreneCara-400x

Por Fabian Chacur

Com apenas 3 anos de idade, Irene Cara foi finalista do concurso Little Miss America. Era uma indicação do que viria pela frente em sua vida. Ela se tornou mundialmente conhecida como cantora e atriz, especialmente graças às músicas Fame e Flashdance…What a Feeling. Ela nos deixou aos 63 anos no dia 25, de causas não reveladas, sendo o fato divulgado no dia 26 pela sua assessora de imprensa, Judith Mosse.

Nascida no Bronx, Nova York, em 18 de março de 1963, filha de um imigrante porto riquenho e de uma imigrante cubana. Irene sempre dizia em entrevistas que nunca pensou em ser outra coisa que não fosse artista.

Ainda criança, participava de vários programas de TV e gravou seu primeiro álbum, Esta Es Irene (1967). Com dez aninhos, marcou presença em um show em homenagem ao grande jazzista Duke Ellington no icônico Madison Square Garden ao lado de Stevie Wonder, Sammy Davis Jr. e Roberta Flack.

Aos poucos, foi se fortalecendo enquanto atriz e cantora, atuando em espetáculo da Broadway, séries e filmes televisivos. Ou seja, estava bem preparada quando recebeu o convite para atuar no filme Fama, de Alan Parker. Ela viveu o papel de Coco Hernandez, uma aspirante a atriz que iniciava o seu treinamento em uma badalada escola em Nova York.

Em uma época em que Hollywood buscava um sucessor para Os Embalos de Sábado à Noite e Grease, Fama conseguiu atingir essa expectativa com louvor. É um filme delicioso, que mostra toda a trajetória de jovens aspirantes ao estrelato na escola, desde os momentos sonhadores do início até as dificuldades, os amores, as vitórias iniciais…

Se a atuação de Irene como atriz foi excelente, é como cantora que ela brilhou, pois os dois grandes sucessos da trilha sonora foram gravados por ela. Fame, a eletrizante música-título, e a canção romântica Out Here On My Own (ouça aqui), atingiram os primeiros postos nas paradas de sucesso do mundo todo. Esta última fez muito sucesso no Brasil em 1981 na voz da ainda criança Nikka Costa, filha do célebre maestro Don Costa, que trabalhou com Frank Sinatra e outros mestres da música.

Mesmo com esse embalo todo, Irene não fez muito sucesso com o seu primeiro álbum na fase adulta, Anyone Can See (1982), que não passou do número 39 na parada ianque. A coisa mudou em 1983, quando foi convidada a gravar a música-tema de outro filme, Flashdance, desta vez estrelado pela atriz Jennifer Beals e de certa forma uma derivação de Fama.

O público, no entanto, gostou e muito, e também curtiu muito as duas principais músicas da trilha. Uma é Maniac, rock eletrônico interpretado por Michael Sembello, músico que já havia tocado com Donna Summer, Stevie Wonder e outros luminares da música. A outra é exatamente Flashdance…What a Feeling, que Irene escreveu em parceria com o grande Giorgio Moroder e Keith Forsey.

Na verdade, a parceria entre Irene e Giorgio foi bem curiosa, pois desde o seu estouro com Fame a voz de Irene Cara era comparada com a da estrela maior daquela época, Donna Summer, e Moroder foi exatamente o descobridor da moça. Se teve receio das comparações, Cara acabou topando trabalhar com o genial músico e compositor italiano. E deu muito certo!

Flashdance… What a Feeling atingiu o primeiro lugar na parada americana, ficando nesse posto por seis longas semanas e ajudando a impulsionar a trilha sonora do filme para o mesmo posto. De quebra, a moça acabou abocanhando um Oscar como coautora desta canção, somando-se a prêmios Grammy, American Music e Globo De ouro. E isso tudo com apenas 24 anos!

A expectativa em torno de um novo álbum da moça era enorme, e esse álbum, intitulado What a Feelin’, saiu em 1983. Além da faixa-título, emplacou mais dois hits, Why Me? (ouça aqui), que chegou ao 13º lugar nos EUA e fez sucesso no Brasil, e Breakdance (ouça aqui ), que chegou ao nº8, ambas parcerias com Giorgio Moroder.

O álbum completo, no entanto, decepcionou, não indo além do 77º posto na parada americana. E aí começaram os problemas de Irene, que em 1985 resolveu processar o dono da gravadora que lançou este trabalho, a Network Records, o empresário Al Coury. Essa disputa judicial durou oito longos anos, e ela venceu, mas não levou, pois o selo alegou falência e não pagou os cerca de 1.5 milhão de dólares que devia. Ela acredita que isso atrapalhou e muito a sua carreira, pois afastou os empresários e gravadoras.

Seja como for, ela ainda teve uma boa oportunidade em 1987 para dar a volta por cima quando lançou o álbum Carasmatic, desta vez pela gravadora Elektra. Mas mesmo tendo contado com as participações de nomes do porte de George Duke, Carole King, George Johnson, Bonnie Raitt e Patrice Rushen, o álbum foi um fracasso de vendas e marcou o fim do seu auge.

Antes, ela participou do single beneficente Cantaré, Cantarás, em 1985, ao lado de Roberto Carlos, Gal Costa, Simone, Placido Domingo, Julio Iglesias, Jose Feliciano, Sergio Mendes e Lucho Gatica, entre outros, em prol de ações da Unicef na América Latina (veja o clipe aqui) e com o nome Hermanos.

Além disso, teve músicas incluídas em quase 20 trilhas sonoras de filmes, e participou de produções como City Heat (1984), este contracenando com os consagrados Clint Eastwood e Burt Reynolds.

Mesmo com muito menos repercussão, Irene Cara se manteve na ativa, fazendo turnês nos anos 1990 pela Europa e Ásia. Ela lançou alguns singles de dance music, compilados no hoje bastante raro álbum Precarious 90’s. Ela também gravou uma releitura de What a Feeling em 2001 com o cantor suíço Peter René Baumann, mais conhecido pelo nome artístico DJ Bobo.

Além de eventuais aparições em TV, Irene Cara lançou o seu último álbum em 2011, Irene Cara Presents Hot Caramel, CD duplo com o grupo que criou em 1999, o Hot Caramel. Você também a encontrará em discos de Lou Reed, George Duke, Evelyn Champagne King e Oleta Adams fazendo backing vocals. Bem, apesar dos altos e baixos, foi uma bela carreira.

Fame (clipe)- Irene Cara:

City and Colour lança um single com um forte apelo emocional

colour and city 400x

Por Fabian Chacur

Além de liderar há duas décadas a Alexisonfire, excelente banda de rock alternativo que já se apresentou com sucesso no Brasil, o cantor, compositor e músico canadense Dallas Green também desenvolve um projeto paralelo cujo título brinca com o seu nome de batismo. Trata-se do City and Colour, também repleto de coisas boas. Seu mais recente lançamento é particularmente tocante. Trata-se da linda balada rock Meant To Be, a primeira faixa que lança desde 2019. Valeu a espera!

A canção homenageia o produtor Karl Barehan, morto por afogamento em setembro de 2019 e o melhor amigo de Dallas. Para piorar, o músico ainda teve de identificar no necrotério o corpo de Karl, uma daquelas experiências terríveis. “Esse foi o mometo mais difícil que tive em toda a minha vida. Isso me mudou para sempre”, relembra o artista em texto enviado à imprensa.

Com 42 anos de idade, Dallas é um dos mais talentosos artistas da sua geração, e já recebeu três prêmios Juno, o mais importante da cultura pop canadense, além de lançar trabalhos bastante interessantes com o Alexisonfire e com o City and Colour. Ele também tem forte atuação na área filantrópica em prol do ensino de música no seu país de origem.

Meant to Be (visualizer)- City and Colour:

« Older posts

© 2022 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑