Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

RPM esbanja maturidade em show em SP

Por Fabian Chacur

A história do RPM daria um filme daqueles sensacionais. Uma história repleta de sucessos, fracassos, brigas, conquistas, altos e baixos e com direito a alguns dos melhores momentos do rock nacional.

De volta à ativa e com um novo álbum no mercado, o excelente Elektra (Building Records), o quarteto se encontra atualmente em turnê pelo Brasil, que os trouxe de novo a São Paulo na noite desta sexta-feira (18), na Via Funchal.

Tive a oportunidade de ver três shows do grupo anteriormente. O primeiro, em novembro de 1986, no estádio Palestra Itália, teve como marca a idolatria de milhares de fãs alucinados que consagraram o quarteto no melhor estilo Beatles. Um dos momentos marcantes da trajetória do rock brazuca. Um show perfeito em termos técnicos e artísticos.

A segunda, no ínicio de 1989, rolou na extinta danceteria Dama Xoc, perante público reduzido e em momento de despedida beirando a pura e triste decadência, após tanto sucesso. A terceira rolou durante a gravação do DVD que marcou a volta da formação original do time, em 2002, retorno seguido por mais uma daquelas brigas homéricas e nova separação, meses depois.

No show desta sexta, ficou claro que a relação entre Paulo Ricardo (baixo e vocal), Luiz Schiavon (teclados), Fernando Deluqui (guitarra) e P.A. Pagni (bateria) deve estar excelente, tal o grau de integração, camaradagem e pique que eles ofereceram aos fãs que praticamente lotaram a casa de shows paulistana.

Detalhe: sem nenhum músico de apoio. Só os quatro mesmo, ao contrário de outras bandas que com o decorrer dos anos vão incorporando novos músicos. Nada contra, mas é bem legal ver um grupo autossuficiente, dando conta do recado dependendo apenas deles próprios. Um banho de habilidade e talento.

O show teve início às 22h43 com duas músicas de Elektra, as vigorosas Muito Tudo e Dois Olhos Verdes. Elas ganharam o público, que entrou em êxtase a partir de Loiras Geladas.

Dois quase lados B do repertório da banda, Juvenília e Liberdade/Guerra Fria, empolgaram pela expressividade das interpretações, com direito a efeitos visuais belíssimos no caso da segunda. Aliás, a iluminação do show merece um capítulo à parte, tal a qualidadade, diversidade e criatividade dignas de um show internacional, perfil que o RPM ajudou o rock brasileiro a assumir, nos heroicos anos 80.

Paulo Ricardo soube preservar seu carisma, energia e ótima voz, e ainda é um dos grandes frontmans do rock brasileiro. Ele também continua incluindo trechos de clássicos do rock internacional no meio de suas músicas. Neste show, tivemos Ruby Tuesday e You Can’t Always Get What You Want, dos Rolling Stones e Light My Fire, dos Doors.

Na parte acústica do show, eles nos apresentaram um ótimo pot-pourry iniciado e encerrado com Wish You Were Here, do Pink Floyd, com Dois (o maior hit da carreira solo de Paulo Ricardo) e Easy, dos Commodores. London London marcou o auge desse momento mais intimista do show, com direito ao cantor sendo elevado ao teto do palco em um praticável.

A surpresa ficou por conta de uma versão inédita em português para Miss You,dos Rolling Stones, que conseguiu ótima repercussão por parte dos fãs. Teve também uma releitura de Exagerado, do saudoso Cazuza.

Aquele arsenal de hits que marcou a história do RPM foi oferecido ao público de forma vigorosa e sem cair em burocracia. Alvorada Voraz, Revoluções Por Minuto, Olhar 43, Rádio Pirata, um exocet após o outro. Delícia!

O show acabou após um bis com Ninfa e novamente Dois Olhos Verdes, às 00h19 deste sábado (19), deixando todos com aquele agradável gostinho de quero mais.

Com um ótimo álbum de inéditas lançado há pouco e um show impecável (que merece ser registrado em DVD), é de se esperar que o RPM tenha voltado para ficar, pois é óbvio que a banda tem muito mais a nos oferecer além dos velhos e bons hits dos anos 80. É uma banda com muita lenha para queimar, com um passado de glórias e um presente digno e elogiável.

Veja o clipe de Dois Olhos Verdes, com o RPM:

5 Comments

  1. SEMPRE ADIMIREI AGORA O SOM DO RPM TOCA NA MINHA ALMAAAAAA E TOCA O SOM QUE LEVA ME AO PASSADO ALVORADA VORAZ OLHAR 44

  2. MORO NO MORRRO DA LIBERDADE MAIS PENSE NUM CARA QUE É FÃ SOU EU DESSA BANDA QUE ARRASTA MULTIDÃOOOOOOOOOOOOO SOU FÃ DESDE DOS MEUS DEZ ANOS ATÉ NAMORADA EU ENCONTREI QUANDO ESSA BANDA TOCAVA GRANDE RECORDAÇÃO SOU DE MANAUS DO BAIRRO MORRO DA LIBERDADE

  3. admin

    May 26, 2012 at 2:38 pm

    É, caro Omar, o RPM realmente marcou época nos anos 80, com seus shows marcantes e músicas que ainda hoje são ouvidas por fãs nos quatro cantos do país. Tomara que você veja o grupo ao vivo nesta turnê atual, pois eles continuam esbanjando energia e carisma. Grande abraço, obrigado pela visita e um abração a todos aí em Manaus, cidade que ainda não tive a honra de visitar, mas que dizem que é linda!!!

  4. é muito bom saber que você foi ao show deles(por incrível que pareça,ainda não vi!) Assim como muitos, também é o som da minha infância….
    Saudações, Chacur!

  5. Eles estão em ótima fase, Carla, e ao contrário de outros grupos da sua geração, entram em cena sem músicos de apoio para encorpar o som, são só os quatro. E dá jogo!!!! Obrigado pela visita e volte sempre!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

*

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑