IRELAND-MUSIC-HEALTH-OCONNOR-FILES

Por Fabian Chacur

Em 1990, a gravação de Nothing Compares 2 U tornou Sinéad O’Connor sucesso mundial, mantendo-se por 4 semanas na ponta da parada dos EUA e impulsionando o seu 2º álbum, Do Not Have What I Haven’t Go, a liderar os charts ianques por 6 semanas. A excelente cantora não conseguiu lidar muito bem com tanta atenção da mídia, também atraída por seu visual de cabeça raspada e seus lindos olhos. Ela nos deixou nesta quarta-feira (26) aos 56 anos, de causa ainda não revelada.

Sinéad O’Connor nasceu em 8 de dezembro de 1966, e iniciou a carreira solo na metade dos anos 1980, após integrar o obscuro grupo Ton Ton Macoute. Seu álbum de estreia, The Lion and The Cobra (1987), obteve boa repercussão, especialmente graças ao rockão Mandinka (ouça aqui). Houve quem a definisse como um misto de Kate Bush e Siouxsie.

Seguindo o conselho de um empresário, que ironicamente deixou de trabalhar com ela antes de colher os frutos, Sinéad resolveu regravar Nothing Compares 2 U, então obscura composição de Prince gravada em 1985 pelo grupo The Family. Com nova roupagem e um clipe impactante que ressaltava seu visual rebelde e sua linda voz, a canção se tornou um super hit.

A faixa impulsionou o seu 2º álbum, I Do Not Have What I Haven’t Got (1990), a atingir o topo da parada dos EUA, do Reino Unido e de diversos outros países. Outra canção deste trabalho que obteve alguma repercussão foi o ótimo pop rock The Emperor New Clothes (ouça aqui).

No entanto, a cantora não soube lidar muito bem com toda essa exposição, e o fato de ter rasgado uma foto do Papa João Paulo II em outubro de 1992 no programa Saturday Night Live, um dos mais populares da TV americana na época, ajudou a gerar um clima pesado em torno dela, algo ajudado por entrevistas sempre erráticas que infelizmente evidenciavam sérios problemas psicológicos.

Seu 3º álbum, Am I Not Your Girl? (1992), não chegou nem perto das vendagens do anterior, e a partir daí seus álbuns passaram a atrair ainda menos atenções, embora tivessem material de qualidade. Seus momentos de maior visibilidade passaram a ocorrer nas participações em trabalhos alheios, como no álbum The Wall Live In Berlin (1990), de Roger Waters, no qual cantou Mother (ouça aqui).

Ela marcou presença com brilhantismo em 1992 no álbum Us, de Peter Gabriel, mais precisamente nas ótimas faixas Blood Of Eden (ouça aqui) e Come Talk To Me (ouça aqui).

Outro momento marcante foi sua releitura de Sacrifice (ouça aqui), de Elton John, incluída no álbum-tributo Two Rooms: Celebrating The Songs Of Elton John & Bernie Taupin (1991).

Ela também trabalhou com Bono, The Edge, Massive Attack e Moby entre outros. Em 2005, foi lançada a coletânea Collaborations, que reúne 17 dessas gravações feitas por ela com outros artistas. A 7ª temporada da série de ficção científica Outlander, estreando neste ano, inclui Sinéad interpretando a música The Skye Boat Song (ouça aqui).

A cantora sofreu um forte golpe em janeiro de 2022, quando seu filho Shane, de apenas 17 anos, foi encontrado morto. Ela até deixou de lado um álbum que já estaria pronto e mesmo uma turnê, como forma de se dedicar à saúde, muito abalada por tamanha perda. Sinéad deixou outros três filhos, todos oriundos de relações distintas.

Nothing Compares 2 U (clipe)- Sinéad O’Connor: