Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: 70 anos (page 2 of 3)

Debbie Harry aos 70 continua a eterna pin up do rock ‘n’ roll

s62j-400x

Por Fabian Chacur

A “classe de 1945” é repleta de grandes nomes da música. Estão chegando aos 70 anos (em vida ou em memória) gênios do porte de Eric Clapton, Raul Seixas, Elis Regina, Ivan Lins, Bob Marley e Pete Townshend, só para citar alguns. Neste 1º de junho, chegou a vez da pin up do rock and roll, a genial cantora e compositora americana Debbie Harry. Outro ícone da música pop.

Nascida em Miami e criada em New Jersey e Nova York, Debbie demorou a mergulhar de cabeça na carreira de cantora. Antes de isso ocorrer, foi vocalista de apoio, dançarina de boates e até mesmo coelhinha da Playboy, atuando em um dos clubes de Hugh Hefner. Aí, conheceu o guitarrista e compositor Chris Stein, e sua vida enfim tomaria o rumo certo, já aos 30 anos de idade.

Com ele, que se tornaria seu parceiro musical e afetivo, criou a banda Blondie, que se tornou conhecida atuando em lugares como o célebre CBGB e conseguiu um contrato com a Chrysalis Records, lançando o primeiro álbum em 1976. Em plena efervescência do punk rock, o Blondie aproveitou o som energético daquele movimento para ir além.

Pode-se dizer que Harry, Stein e sua turma foram fundamentais na criação da new wave, estilo roqueiro que propunha uma mistura de rock, funk, o então ainda incipiente rap, pop e o que mais pintasse com uma roupagem sacudida e calcada em boas melodias e batidas rítmicas. Como ponta de lança, a ótima voz e o visual blonde ambition de Harry.

Em pouco tempo, Debbie Harry se tornou um dos rostos mais marcantes do rock and roll. Lógico que só a beleza não conseguiria tornar a loira fatal tão marcante. Além de ótima voz, seu carisma nos palcos e as ótimas composições feitas por ela em parceria com Stein e os outros colegas de banda foram os responsáveis por tanto sucesso.

O catálogo do grupo americano inúmeras maravilhas. One Way Or Another, por exemplo, é o punch do punk lapidado rumo a uma pegada rocker mais tradicional. Rapture traz o rap para o olho do furacão pop em 1980, enquanto The Tide Is High faz o mesmo com uma releitura pop deliciosa do reggae. Heart Of Glass, por sua vez, com a então no auge disco music. E por aí vai. e vai muito bem.

E outros hits devem ser citados: Atomic, Call Me (bela parceria com Giorgio Moroder), Union City Blues, Picture This… Após 18 anos longe dos palcos, o grupo voltou à cena em 1999 com outro sucesso explosivo, Maria, e desde então vem se mantendo na ativa, tendo lançado um novo trabalho em 2014.

Como artista solo, Miss Harry também lançou alguns trabalhos bacanas, entre os quais Koo Koo (1981), produzido por Nile Rodgers e incluindo a ótima Backfired. Ela também atuou como atriz em diversos filmes, incluindo o perturbador Videodrome. Caso típico de incrível beleza externa e interna. Parabéns!!!

Heart Of Glass– Blondie:

One Way Or Another– Blondie:

Rapture– Blondie:

Call Me– Blondie:

Backfired– Debbie Harry:

Raul Seixas viveu 10 mil anos em apenas 44 no mundo real

raul seixas-400x

Por Fabian Chacur

Neste domingo (28), um certo Raul Santos Seixas completaria 70 anos de idade. Infelizmente, ele nos deixou com apenas 44, em um triste 21 de agosto de 1989. Na teoria, porém, porque na prática esse genial cantor, compositor e músico baiano viveu artisticamente os 10 mil anos que apregoava em um de seus maiores sucessos. Criou um legado eterno, e sua música sempre viverá em nossas mentes.

Enumerar os méritos de Raul Seixas enquanto criador é tarefa difícil, pois você sempre corre o risco de esquecer alguma coisa. De cara, foi um dos primeiros caras a provar que, sim, rock and roll podia ser feito com grande qualidade se valendo do português como idioma. Sozinho ou com parceiros como Paulo Coelho e tantos outros, foi mestre em mensagens fortes e profundas.

Também é um dos pioneiros de gravações de qualidade em termos técnicos do rock brasileiro. Ouça as cinco músicas postadas aqui e perceba como todas elas não soam datadas ou fraquinhas. Elas tem peso, abrangência, destaque suficiente nos vocais e padrão internacional. Nelas fica claro o talento de Raul como produtor, ofício que exerceu nos estúdios da gravadora CBS trabalhando com Jerry Adriani e outros artistas de sucesso.

Como cantor, ele sempre soube utilizar seu timbre inconfundível de forma impecável, imprimindo energia e doçura nas doses necessárias solicitadas por cada canção. Nunca entrou em exibicionismos tolos, e por isso elevou as faixas de seus álbuns a alturas pouco igualadas pela concorrência. Até os discos menos felizes dele são dignos de serem estudados e curtidos.

Como poucos, o astro baiano soube misturar o rock and roll com as sonoridades brasileiras do baião, forró, samba e também do bolero, latinidades mil e o que mais pintasse. Nunca teve medo de ousar, mas também tinha o bom gosto de buscar sonoridades que pudessem ser apreciadas pelo ouvinte médio, sem cair em experimentalismos tolos.

Dessa forma, realizou a façanha de atingir todo tipo de público, desde os mais intelectualizados até aquele povão mais inculto e fã de música brega. Sabia falar com todos os tipos de ouvintes, sem perder a personalidade jamais. Sua obra é exponencial em todos os quesitos, e precisa ser sempre reverenciada.

Lamente-se apenas que seu lado amador, o de ser humano que não soube se cuidar e mergulhou em drogas lícitas e ilícitas, o levou tão cedo. E também é triste pensar que há muitos fãs que louvam exatamente essa faceta de sua personalidade, o do “doidão inconsequente”, o que explica porque há quem tenha preconceitos em relação a Raul Seixas, pois associa o artista a esses fãs malas e sem noção. Nada a ver.

Nos 10 mil anos que viveu em termos artísticos, Raul Seixas provou que é possível fazer um rock brasileiro, consistente, vibrante e inteligente, que informa, entretém e emociona o tempo todo, dia após dia, ano após ano, década após década. Muita saudade de você, Raulzito. Sua música continua nos emocionando, e permanecerá sempre aqui, firme e forte.

Você Ainda Pode Sonhar– Raul e os Panteras:

Let Me Sing Let Me Sing– Raul Seixas:

Não Pare Na Pista– Raul Seixas:

Mosca na Sopa– Raul Seixas:

Só Pra Variar– Raul Seixas:

Aos 70 anos, Ivan Lins é astro ainda produtivo e essencial

ivan lins-400x

Por Fabian Chacur

Ivan Lins completa nesta terça-feira (16) 70 anos de idade. É mais um integrante célebre da incrível “safra de 1945”, que deu ao mundo músicos fantásticos como Eric Clapton, Bob Marley, Gonzaguinha, Renato Teixeira, Pete Townshend e Elis Regina, só para citar alguns dos essenciais dessa geração incrível. Um grande nome da MPB mais reverenciado no exterior do que aqui. Uma vergonha!

Entre os inúmeros fãs ilustres desse cantor, compositor e pianista carioca, encontram-se gente do alto gabarito de Quincy Jones, George Benson, Patty Austin, Sting, Ella Fitzgerald e inúmeros outros, atraídos por sua incrível musicalidade, mistura preciosa de música brasileira, jazz, soul music e música pop repleta de riqueza melódica e artística.

Elis Regina (1945-1982) foi uma de suas melhores intérpretes, assim como Simone. Por alguma razão estranha, setores da crítica musical brasileira sempre torceram seus narizes para a sua obra, algo inexplicável se a analisarmos com calma e justiça. Enfim, gosto não se discute, embora às vezes seja digno de lamentação. A obra dele fala por si, e seus fãs bem qualificados também.

Do início nos festivais universitários nos anos 1960, Ivan estourou nacionalmente com o sucesso de Madalena, na voz de Elis, e de O Amor é Meu País, com ele próprio. No início, mergulhou fundo na mistura da MPB com a soul music a la Blood Sweat & Tears e Jimmy Webb, tempos em que seu principal parceiro era Ronaldo Monteiro de Souza.

Em 1974, conhece o poeta paulista Vitor Martins, que se torna seu maior parceiro. Sua primeira composição em dupla já mostrava o que viria a seguir: Abre Alas, lançada naquele mesmo ano no álbum Modo Livre. A partir de então, a música brasileira ganhava uma dupla de sensibilidade impressionante, repleta de grandes momentos.

As melodias intensas e interpretadas de forma apaixonada por Ivan ganharam versos ora líricos, ora agressivos, falando das idas e vindas do amor e também da terrível situação política vivida no Brasil daqueles anos 1970. Entre 1977 e 1980, quando esteve na gravadora EMI Odeon, viveu seu momento maior, com produção simplesmente perfeita.

Nesse período, lançou quatro álbuns hoje considerados clássicos: Somos Todos Iguais Nesta Noite (1977), Nos Dias de Hoje (1978), A Noite (1979) e Novo Tempo (1980). São discos pop por excelência, na qual o samba surge somado a soul, música nordestina, bossa nova, jazz, rock e o que mais pintar, sempre com muita intensidade, criatividade, bom gosto e paixão. Música com alma, muita alma.

Nos anos 1980, com o fim dos anos de chumbo, sua produção enveredou mais para o lado romântico, mas sem perder a qualidade, como comprovam canções maravilhosas do naipe de Depois dos Temporais, Iluminados, Vieste, Daquilo Que Eu Sei, Eu Ainda Te Procuro e Vitoriosa, só para citar algumas das mais conhecidas.

No finalzinho dos anos 1980, cria com Vitor Martins a gravadora Velas, que abriu espaços para grandes nomes da MPB e também lançou alguns títulos muito importantes da carreira de Ivan, entre os quais o fantástico Awa Yiô (1990), no qual se destacam faixas como Meu País, a canção que dá título ao CD e Ai Ai Ai Ai Ai. Vale também destacar sua trilha para o belo filme Dois Córregos (1999).

Se tivesse encerrado a carreira no fim dos anos 1990 seu lugar no panteão dos mestres da MPB já estaria garantido, mas o cara se manteve extremamente produtivo, lançando bons discos de inéditas e também relendo canções de seu acervo em parcerias com artistas dos mais diferentes estilos e nacionalidades. É conhecido e respeitado no mundo todo, merecidamente.

A música feita por ele nos últimos tempos se tornou mais contemplativa e menos empolgante do que a dos anos 1970 e 1980, mas ainda assim muito efetiva e apreciável, assim como seus shows. Em pleno 2015, é um artista relevante, para a felicidade de quem curte música brasileira com gabarito. Abram alas, que o cara continua firme e forte por aí!

Quaresma– Ivan Lins:

Cantoria– Ivan Lins:

Quadras de Roda– Ivan Lins:

Velas Içadas– Ivan Lins:

Somos Todos Iguais Nesta Noite– Ivan Lins:

Pete Townshend, 70 anos, um músico que dignificou o rock

pete townshend 400x

Por Fabian Chacur

Completa 70 anos de idade nesta terça-feira (19) um dos caras que mais dignificou o rock and roll enquanto vertente musical em sua ainda ativa carreira musical. Trata-se do guitarrista, compositor e cantor britânico Pete Townshend, genial artista cuja obra é uma verdadeira enciclopédia repleta de obras seminais e emocionantes. Um artista na acepção da palavra.

Boa parte da trajetória de Townshend está ligada ao The Who, banda que criou e na qual continua tendo como parceiro o carismático vocalista Roger Daltrey. Um grupo que começou fazendo um som ao mesmo tempo melódico, agressivo e conciso, hoje considerado uma das origens de um dos estilos mais bacanas do rock, o glorioso power pop.

Com o tempo, ampliou seus horizontes e se encaminhou para o hard rock e para o rock progressivo, sendo também um dos responsáveis pela criação e consolidação do formato ópera rock, que no caso dele gerou maravilhas do naipe de Tommy (1968) e Quadrophenia (1973), momentos maiúsculos da história do rock.

Ainda com sua formação clássica, que incluía também o exponencial baixista John Entwistle e o baterista alucinado (e talentosíssimo) Keith Moon, também lançou álbuns capazes de reunir repertórios abrangentes e excepcionais, como os poderosos Who’s Next (1971) e Who Are You (1978), este último com as performances finais de Moon.

No The Who, Pete era responsável pela maior parte das composições e também pela guitarra, instrumento no qual nunca quis dar uma de virtuose, sempre jogando a favor das canções. Lógico que, dessa forma, acabou se firmando como um dos ases do instrumento, mas nunca foi de ficar jogando notas fora ou sendo exibicionista. Ah, e canta bem pacas.

Como artista solo, lançou trabalhos bem bacanas, entre os quais o ótimo Who Came First (1972) e os extremamente interessantes Empty Glass (1980) e White City (1985). Músicas dessa faceta de seu trabalho como Face To Face e Give Blood são tão boas como as melhores do The Who.

A quantidade incrível de boas canções no currículo de Townshend chega a assustar, indo muito além dos “temas de C.S.I.” Who Are You, Won’t Get Fooled Again e Baba O’Riley. Maravilhas como The Song Is Over, Sister Disco, The Real Me e Squeeze Box são apenas algumas provas dessa genialidade sem limites do cara. Vasculhar sua obra é delicioso.

Para alguns, sua insistência em manter o The Who na ativa em vários momentos, mesmo após as mortes de Keith Moon e de John Entwistle, pode ser considerado um pecado, mas não dá para negar que o núcleo básico do grupo sempre foi formado por ele e Daltrey, independente da grande importância de Moon e Entwistle. E eles tem honrado a camisa.

Vide o recente DVD Quadrophenia Live In London (2014), no qual a atual formação da banda toca na íntegra o repertório de sua célebre ópera rock e de quebra manda ver no bis seis clássicos, entre eles as dos C.S.I.s. No time, o irmão Simon Townshend (guitarra e vocais), o célebre baixista Pino Palladino e outros músicos ótimos.

Face To Face – Pete Townshend:

Give Blood – Pete Townshend:

The Song Is Over– The Who:

Sister Disco– The Who:

The Real Me– The Who:

Site oficial de Elis Regina será posto no ar dia 17 de março

foto elis regina - arquivo-400x

Por Fabian Chacur

Boa notícia para os fãs de Elis Regina. No próximo dia 17 de março, data na qual a saudosa Pimentinha completaria 70 anos de vida, será posto no ar seu site oficial, repleto de novidades e conteúdo exclusivo para celebrar a carreira desta verdadeira lenda da nossa música brasileira, reverenciada em todo o planeta Terra.

Além de trazer todo o conteúdo apresentado na exposição Viva Elis, apresentada em algumas cidades brasileiras em 2013, o site (www.elisregina.com.br) trará uma grande quantidade de material inédito. Por exemplo, teremos mais de 500 fotos, vídeos desconhecidos do grande público e áudios exclusivos com raridades da intérprete de O Bêbado e a Equilibrista.

Uma bela novidade será a oportunidade de se baixar gratuitamente o livro Viva Elis, biografia artística centrada na carreira musical da estrela gaúcha e escrita por Allen Guimarães. O internauta também terá acesso à discografia completa de Elis e muita informação. Nada mal, em um ano no qual a cantora foi tema do desfile vencedor da Vai-Vai, por exemplo.

“Decidimos criar o site com o objetivo de alimentar a memória de Elis, a obra e a pessoa, através de seus discos, apresentações ao vivo, entrevistas, fotos, reportagens e depoimentos. O lançamento será no dia 17 de março, seu aniversário, é um presente dos filhos. E um movimento de gratidão aos fãs, aqueles que a mantém tão presente” – disse João Marcello Bôscoli, produtor musical e filho da cantora.

Vídeo teaser sobre o site de Elis Regina:

Caxangá– Elis Regina e Milton Nascimento em 1976:

As aventuras do setentão Rod “The Mod” Stewart, o crooner

Rod-Stewart-400x

Por Fabian Chacur

Tá bom, tá bom, Mondo Pop vacilou e se esqueceu de publicar no dia 10 de janeiro uma matéria comemorando os 70 anos de idade de Rod Stewart. Como por aqui a gente segue a velha máxima “antes tarde do que nunca”, eis a homenagem a este grande personagem do nosso amado rock and roll, agora com 70 anos e cinco dias de idade. Essa é a sua vida, Rod The Mod!

Nascido em 10 de janeiro de 1945, Rod Stewart lançou seu primeiro trabalho fonográfico em 1964, um single com Good Morning Little Schoolgirl. No entanto, ele se concentrava mesmo era em trabalhos ao lado de artistas como Long John Baldry e a banda Steampacket. Até que, em 1967, tirou a sorte grande ao entrar na banda pós-Yardbirds do guitarrista Jeff Beck.

Com o Jeff Beck Group, Rod gravou dois álbuns, os ótimos Truth (1969) e Beck-Ola (1969), nos quais podemos uma banda explosiva, da qual também fazia parte Ron Wood, que investia em releituras pesadas de blues que ajudaram a pavimentar o caminho para o hard rock e o heavy metal. Truth é discoteca básica de rock.

Encerrado o Jeff Beck Group em sua formação original, Rod e Wood se juntaram aos músicos do também extinto The Small Faces, surgindo daí outra banda lendária, The Faces. Paralelamente, Rod também passou a investir em uma carreira solo, sendo contratado da Mercury nessa empreitada e da Warner como integrante dos Faces.

The Mod viveria aqueles que alguns consideram seus anos de ouro. Com os Faces, mergulhou em um rock básico vibrante e ardido. Na carreira solo, a vibração vinha somado a uma visão um pouco mais pop, gerando clássicos como Maggie May, Every Picture Tells a Story e Reason To Believe. Sozinho, fazia mais sucesso do que com os Faces. Aí, já viu….

Rod resolveu sair fora dos Faces e passar a se dedicar à carreira individual em tempo integral. De quebra, assinou um contrato milionário com a Warner para a nova empreitada. A estreia da nova fase ocorreu com o álbum Atlantic Crossing (1975), que marcou o início de um período mais eclético na sonoridade do astro britânico.

As baladas, como Sailing, Tonight’s The Night e I Don’t Want To Talk About It, passaram a ganhar maiores espaços em seu repertório, assim como experiências com outras sonoridades então emergentes, como disco music, new wave e funk. O eterno espírito de crooner, aquele intérprete que não se limita a um único estilo, tomaria conta dele.

Se os críticos torceram o nariz para essa nova orientação do trabalho de Rod Stewart, o público abraçou com entusiasmo, tornando canções como Do Ya Think I’m Sexy, Tonight I’m Yours, Passion, Hot Legs, Baby Jane e Lost In You grandes sucessos comerciais. Como todo astro pop, ele viveu também alguns momentos menos felizes em termos comerciais, mas soube se virar e dar a volta por cima.

Em 1993, por exemplo, voltou com força ao topo dos charts com seu Unplugged…And Seated, álbum acústico no qual voltou a tocar com Ron Wood, que desde 1976 integra os Rolling Stones. No início dos anos 2000, aceitou o conselho do produtor Clive Davis e gravou It Had To Be You- The Great American Songbook (2002), que vendeu milhões de cópias e deu origem a uma série de álbuns dedicados aos standards da música americana, todos com muito sucesso.

Em 2006, voltou ao rock lançando o excelente Still The Same…Great Rock Classics Of Our Time, no qual inclusive releu It’s a Heartache, música lançada nos anos 1970 pela cantora Bonnie Tyler e que muitos pensavam ser um novo hit de Rod The Mod, tal a semelhança vocal entre os dois. A voz de Rod ao vivo não é a mesma há décadas, mas o cara continua levando multidões a seus shows pelo mundo afora.

No Brasil, Rod veio pela primeira vez nos anos 1970, mas apenas para divulgar seus discos. Shows de fato foram rolar há exatos 30 anos, na primeira edição do Rock in Rio. Depois, voltaria em 1990 para shows vibrantes, entre os quais um no Olympia e outro no estádio Palestra Itália, ambos em São Paulo. Vi o do Olympia, simplesmente excelente.

Versátil, carismático e de voz inconfundível, Rod Stewart possui uma obra bastante relevante, repleta de hits legais e canções interpretadas com um estilo próprio que influenciou muita gente por aí. Que continue ativo e nos surpreendendo de alguma forma. Mas seu lugar na história do rock e da música pop já está garantido há muito tempo.

Maggie May – Rod Stewart:

Twistin’ The Night Away – Rod Stewart:

Tonight I’m Yours– Rod Stewart:

This Old Heart Of Mine – Rod Stewart e Ronald Isley:

Tonight’s The Night– Rod Stewart:

Edu Lobo celebra aniversário com DVD histórico e classudo

edu lobo 70 anos dvd-400x

Por Fabian Chacur

Se há uma palavra que define Edu Lobo é discreto. Ao contrário de colegas de geração como Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Milton Nascimento, este genial cantor, compositor e músico carioca sempre se manteve o mais distante possível do burburinho da mídia. Mantendo essa postura, ele comemorou 70 anos de vida com um ótimo DVD, Edu 70 Anos (Biscoito Fino). Coisa de craque, de quem põe a música sempre em primeiro lugar.

Desde o início de sua carreira, na década de 1960, Edu Lobo sempre se pautou por uma abordagem bastante particular e criativa da música brasileira, misturando com muita classe bossa nova, samba e especialmente ritmos nordestinos, valendo-se de elementos de jazz e música erudita oriundos de seu aprendizado formal como músico. Popular e sofisticado ao mesmo tempo.

Nessa trajetória, proporcionou ao público discos de alto gabarito e trilhas para teatro, balé e cinema. Compondo sozinho ou em parcerias com gente do naipe de Chico Buarque, Capinan, Aldyr Blanc, Paulo Cesar Pinheiro e Torquato Neto, entre outros, concretizou uma obra repleta de clássicos, canções que entraram para o cancioneiro nacional e de lá não sairão jamais.

Em Edu 70 Anos, o mestre relê 26 músicas acompanhado por uma orquestra de cordas e um grupo liderado pelo sempre inspirado tecladista e diretor musical Cristóvão Bastos. Os arranjos são classudos, e as interpretações de Edu, que se concentra nos vocais por não tocar mais violão ao vivo, são doces, precisas e bem melódicas.

Algumas participações especiais marcam o show, que foi gravado ao vivo em 29 de agosto de 2013 no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Maria Bethânia marca presença em Ciradeiro e Pra Dizer Adeus. O parceiro fiel Chico Buarque é a atração em A História de Lily Braun, Lábia e Choro Bandido. A cantora Monica Salmaso está em A Mulher de Cada Porto, Coração Cigano e Valsa Brasileira.

Completa o time o filho de Edu, Bena Lobo, que mostra muito talento em No Cordão da Saideira e Ponteio. Os convidados também marcam presença na última faixa do show, Na Carreira. O repertório também inclui maravilhas como Chegança, Vento Bravo, Zanzibar, Frevo Diabo e Ave Rara. Lógico que faltam alguns clássicos, entre os quais Lero-lero e Viola Fora de Moda, mas Edu 70 Anos celebra com categoria uma carreira repleta de brilho.

Veja cenas do DVD Edu Lobo 70 Anos:

Stephen Stills, Captain Many Hands, completa 70 anos

stephen stills-400x

Por Fabian Chacur

Nada melhor para começar a movimentação de 2015 em Mondo Pop do que comemorar os 70 anos de idade de um dos grandes nomes da história do rock. Neste sábado (3), Stephen Stills vira setentão, ele que possui um daqueles currículos mais do que invejáveis. Felizmente, continua na ativa e fazendo coisas legais para seus inúmeros fãs mundo afora.

Stills é completo. Canta muito bem, sabe encaixar feito luva sua voz em vocalizações com feras como David Crosby, Graham Nash e Neil Young, toca violão e guitarra como poucos e é compositor de clássicos do rock do naipe de Suite: Judy Blue Eyes, Love The One You’re With, Carry On, Helplessy Hoping e Rock & Roll Woman, só para citar alguns. Cara iluminado mesmo.

Suas influências musicais são o rock, folk, country e mesmo música latina, esta última fruto dos anos que morou na América Latina na infância/adolescência. Após várias experiências, fez sucesso pela primeira vez ao integrar a banda Buffalo Springfield ao lado de Neil Young. É dele o maior sucesso do grupo, For What It’s Worth. Gravaram só três álbuns, todos recomendáveis.

Com a separação prematura do Buffalo em 1968, Stills inicialmente se preparou para uma carreira solo, além de gravar o álbum Super Session ao lado de Mike Bloonfield e Al Kooper naquele mesmo ano. Mas um encontro com David Crosby (ex-Byrds) e Graham Nash (ex-The Hollies) levou sua vida em direção a um novo rumo: o trio Crosby, Stills & Nash.

Lançado em 1969, o autointitulado álbum de estreia do CSN pode ser colocado entre os melhores trabalhos da história do rock, impulsionando o trio rumo ao estrelato, especialmente após sua brilhante atuação no festival de Woodstock. Neil Young acabou entrando no time, criando uma segunda possibilidade, o CSN&Y, que em 1970 lançou seu álbum Dèja Vu, outra obra-prima.

Naquele mesmo 1970, Stills lançou também seu primeiro álbum solo, Stephen Stills, com direito a participações especiais de Jimi Hendrix e Eric Clapton e um repertório impecável. Como o CSN e o CSN&Y trabalhavam com o conceito de liberdade para que seus integrantes fizessem trabalhos paralelos, o músico manteve a carreira solo ativa.

Mais: lançou dois discos com um novo grupo, o Manassas, no qual o outro destaque era mais um ex-integrante dos Byrds, o baixista, cantor e compositor Chris Hilman. Também fez em 1976 o ótimo Long May You Run, LP gravado em dupla com Neil Young. O CSN e o CSN&Y volta e meia voltam à tona, com ele sempre aparecendo com o devido destaque.

Sua versatilidade como músico lhe valeu, durante a gravação do primeiro álbum do CSN, o apelido de Captain Many Hands, pois o cara tocava guitarra, violão, teclados, percussão e o que mais pintasse na sua frente. Ele também participou de diversos trabalhos alheios, sendo o mais surpreendente tocando percussão em You Should Be Dancing, dos Bee Gees, em 1976.

Nos últimos anos, além de fazer turnês com o CSN (a de 2012 os trouxe ao Brasil pela primeira vez), também lançou um CD em 2013 com o projeto The Rides, ao lado dos badalados e jovens enny Wayne Sheperd e Barry Goldberg. Também lançou em 2009 o CD e DVD gravados ao vivo Live At Shepherd’s Bush, no qual relê de forma acústica e elétrica hits de toda a carreira.

Em 2013, chegou às lojas Carry On, caixa com quatro CDs contendo material oriundo de todas as fases da carreira de Stephen Stills, incluindo material inédito e raro, além de um livreto repleto de fotos bacanas, textos informativos e muitas fotos. Um verdadeiro tesouro para quem é fã desse craque do rock, e bela forma de descobrir a importância de seu trabalho.

Valeu pelo toque, Cláudio Foá, este post é dedicado a você!

Black Queen – Stephen Stills:

Stephen Stills (1970)- ouça o álbum em streaming:

Manassas -ouça o álbum em streaming:

Esse Keith Richards que me faz tão “Happy”

Por Fabian Chacur

Em 1972, pedi de presente de aniversário ao meu padrinho um compacto simples dos Rolling Stones que trazia como destaque uma faixa que estava na época tocando nas rádios brasileiras abertas ao rock and roll, tipo Excelsior e Difusora. E ganhei. A tal música era Happy, um dos destaques do seminal álbum Exile On Main St. (saiba mais sobre esse álbum maravilhoso aqui), e pode-se dizer que teve início ali minha relação com os Rolling Stones.

Demorou um pouco para eu saber que o cantor naquela faixa não era Mick Jagger, e sim o guitarrista da banda, Keith Richards. Esse mesmo, que nesta ensolarada quarta-feira (18) completa 70 anos de idade. Uma efeméride no mínimo curiosa, pois durante muito tempo, o músico e coautor dos grandes clássicos dos Stones com Mick Jagger liderou as listas sobre quem seria o novo astro do rock a morrer ainda jovem, seguindo Janis Joplin, Jim Morrison e o ex-colega de banda Brian Jones.

Aliás, chega a ser curioso pensar que, se fosse perguntado a alguém naquele mesmo 1972 sobre quem morreria primeiro, Keith ou outro guitarrista lendário também nascido em 1943, George Harrison, todos apostariam no primeiro. Pois o saudável ex-beatle nos deixou há 12 anos, enquanto “Keef” completa sete décadas sem dar mostras de que sairá de cena tão cedo. Um típico sobrevivente do rock.

Keith Richards é um dos maiores ícones do rock and roll em todos os aspectos, desde o visual de pirata, os instrumentos sempre marcantes, a atitude cool (contraponto irreverente ao mais midiático Jagger) e um estilo musical que conseguiu extrair elementos do blues e do rhythm and blues original para criar alguns dos mais fantásticos riffs de guitarra de todos os tempos.

Tive a honra de ver os Rolling Stones ao vivo no Brasil em sua primeira passagem por aqui, como atração máxima do Hollywood Rock em janeiro de 1995. Três dias de chuva, mas compensados por performances simplesmente endiabradas das Pedras Rolantes, com direito a ouvir Keith interpretando ali na minha frente com muita garra a minha amada Happy.

Sem se caracterizar como um solista dos mais refinados, Richards sempre nos proporcionou riffs poderosos como os de Jumpin’ Jack Flash, (I Can’t Get No) Satisfaction, Start Me Up e tantos outros copiados e reciclados por legiões de guitar players nos quatro cantos do Planeta. E sua voz rouca sempre foi benvinda entre uma penca e outra de interpretações certeiras de Mick Jagger, um dos cantores mais carismáticos da história da música.

Fora da banda, lançou ao menos um disco solo antológico, Talk Is Cheap, que completou 25 anos de seu lançamento em 2013 e inclui maravilhas como Take It So Hard. Outro marco foi ter produzido e sido o band leader no show que homenageou seu grande ídolo, Chuck Berry, nos anos 80, espetáculo que gerou um dos filmes mais legais de rock and roll, o documentário Hail! Hail! Rock N’Roll (1987).

Ainda bastante ativo, Keith Richards viveu um pirata na franquia Piratas do Caribe ao lado de Johnny Depp, e atualmente sua a camisa nos shows comemorativos dos 50 anos de carreira dos Rolling Stones. Só nos resta desejar ao Homem Caveira muita saúde, muitos anos de vida e ainda muitos riffs certeiros para que nós, fãs, possamos nos deleitar com eles. Valeu, fera, por make me happy all these years!!!

Ouça Happy, com os Rolling Stones:

Ouça Take It So Hard, com Keith Richards:

Joni Mitchell, a autora das canções atemporais

Por Fabian Chacur

Nesta quinta-feira (7/11), uma certa Joni Mitchell atinge a marca de 70 primaveras completadas. E quem é ela para ser tão reverenciada, tão relembrada, tão citada, sempre por gente com estatura suficiente para ter suas opiniões respeitadas? Quem é essa loira de feições duras, embora com um quê de doçura, mas que certamente intimida muitas pessoas? Eis algumas pistas.

Não sei se gostaria de conhece-la pessoalmente. Às vezes, é melhor manter distância dos ídolos. E quem já leu sobre essa cantora, compositora e musicista canadense sabe que a mulher tem um temperamento bastante peculiar. Ou pelo menos aparenta isso. Mas o que de fato importa é que Miss Mitchell merece todos os elogios que pudermos fazer a ela na área da música popular. E vamos a alguns deles.

Joni Mitchell é uma das pioneiras nessa história de mulher merecer o respeito no meio do rock, folk e música pop e trincar o até então eterno Clube do Bolinha. Ao lado de Laura Nyro e Carole King, forma a santíssima trindade do pioneirismo e da força feminina nos anos 60/70. Lógico que temos Janis Joplin, Grace Slick e outras, mas aqui nessa trinca temos um caso de autossuficiência total e de influência total sobre quem veio depois.

No caso específico da nossa agora setentona, a moça começou na cena folk, proporcionando a nós canções incríveis como Both Sides Now, The Circle Game e Woodstock. Nos anos 70, foi aos poucos ampliando seus horizontes e incorporando doses de rock, jazz e experimentalismo na sua receita, sem nunca deixar de lado o bom gosto, a ousadia e a paixão pelas canções.

Em 1974, lançou um álbum simplesmente espetacular, Court And Spark, que inclui diamantes do mais alto quilate como Help Me (a música que me fez virar fã dela), Free Man In Paris e tantas outras. Aqui, o jazz, os ritmos quebrados e os arranjos elaborados já haviam tomado a ponta da coisa, mas sem deixar a sensibilidade pop ser engolida.

A partir daí, a vida da moça só nos proporcionou coisas boas. Aliás, como já vinha proporcionando desde aquele impressionante começo nos anos 60, com direito a disco de estreia produzido pelo seletivo David Crosby, namoro e parceria com Graham Nash etc. Sempre com uma voz de timbre lírico e agridoce e um violão simplesmente cativante para acompanhar suas canções. Gravou até com Charles Mingus, um dos grandes mestres do jazz.

Nos anos 80, alguns fãs de mente menos aberta torceram o nariz para seu mergulho na sonoridade eletrônica de então, que gerou o espetacular Dog Eat Dog (1985), que inclui uma das faixas mais belas de todo o seu brilhante repertório, Impossible Dreamer. E nos anos 90, a obra da moça teve o retorno às paradas de sucesso e aos Grammys da vida que merecia com o estupendo Turbulent Indigo (1994).

E tem também as letras, sempre profundas e investindo em temas relevantes e universais como as inúmeras curvas e retas dos relacionamentos afetivos, o medo do futuro, a insegurança quanto aos caminhos que seguimos, as paixões, os maravilhosos gatos… Acho que eu tremeria feito vara verde na frente dessa mulher, pelo tamanho de sua obra e a emoção que algumas de suas canções me proporcionam.

Curta cinco canções inesquecíveis desse maravilhoso acervo que é a obra de Joni Mitchell. Que ela possa viver com saúde por muitos e muitos anos mais. Uma coisa, no entanto é fato: estamos por aí, vivendo e dando voltas e voltas nesse “circle game”.

Impossible Dreamer – Joni Mitchell

Help Me- Joni Mitchell

Big Yellow Taxi- Joni Mitchell

Both Sides Now – Joni Mitchell

The Circle Game – Joni Mitchell

Older posts Newer posts

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑