Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: anos 70 (page 2 of 2)

Caixa de DVDs mergulha na Disco Music

Por Fabian Chacur

A Disco Music é um dos estilos musicais mais marcantes da história da música pop. Amada por muitos e odiada por muitos, também, surgiu e viveu seu auge em termos de popularidade nos anos 70, permanecendo até hoje como garantia de trilha sonora animada em festas e influenciando novos trabalhos musicais.

Como forma de dar uma geral nos anos de ouro da disco, chegou às lojas a caixa The Best Of Disco Music, que traz três DVDs com videoclipes e um contendo um documentário sobre o mais popular estilo jamais surgido no amplo universo da dance music de todos os tempos.

Os três DVDs de clipes nos trazem 58 registros feitos nos anos 70 (alguns, nos anos 80) de nomes importantes da disco, como Donna Summer, Village People, Gloria Gaynor, Silver Convention, Penny McLean, Tina Charles e LaBelle, junto a outros perdidos na lata de lixo da história, como Aneka, Peter Kent e Cherry Laine.

Grande parte desse material foi extraído de apresentações em programas de TV da época, nos quais os artistas habitualmente apenas dublavam suas gravações. Mesmo assim, é legal ver esses astros da época, as roupas, as coreografias, o público presente (alguns visivelmente contrariados) e as músicas, em versões originais.

A qualidade de áudio e vídeo, se não é perfeita, pode ser considerada bastante satisfatória, com a trinca de DVDs podendo servir como uma espécie de trilha sonora para uma festa temática, mesmo sem incluir nomes chave dessa era como Chic, Kool & The Gang, Bee Gees, Voyage e Patrick Juvet, só para citar alguns.

Mas o grande destaque dessa coleção fica por conta do DVD que inclui um documentário com mais de uma hora de duração sobre a Disco Music. Com ótima narração a cargo de Gloria Gaynor, o filme dá uma bela geral na história do movimento, indo desde as raízes do mesmo até sua decadência, no início dos anos 80.

Além da utilização de ótimo material de arquivo, temos entrevistados de alto gabarito, como Tom Moulton, Nile Rodgers (do Chic), Giorgio Moroder, Telma Houston, Randy Jones (do Village People), George Clinton (Funkadelic/Parliament) e Mike Chapman. Até Peter Frampton, que admite odiar a disco music, dá suas opiniões (furadas, por sinal).

Trata-se de um dos melhores documentários que já vi sobre o tema, altamente indicado tanto para novatos como para conhecedores de disco music, pois é repleto de informações pertinentes. Para a caixa merecer nota máxima, só faltou mesmo um encarte colorido com mais fotos e informações. Mesmo assim, recomendo com entusiasmo.

Veja compilação de clipes de Disco Music (não estão na caixa):

DVD conta a história dos Doobie Brothers

Por Fabian Chacur

Se há um grupo que amo e que acompanho desde o seu início, ele atende pelo nome The Doobie Brothers. Conheci essa fantástica banda americana logo em seu primeiro compacto simples, Nobody (de 1971), adquirido por meu saudoso irmão Victor. Curiosamente, essa música só fez sucesso aqui no Brasil, passando batido nos EUA e arredores.

Com seu segundo álbum (Toulose Street-1972), impulsionado pelo certeiro single Listen To The Music, os Doobies invadiram as paradas de sucesso de todo o mundo, protagonizando uma história de sucesso contada no excelente documentário Let The Music Play- The Story Of The Doobie Brothers, que a distribuidora ST2 acaba de lançar por aqui. E que história!

Tudo começou quando Tom Johnston (vocal e guitarra) e Patrick Simmons (vocal e guitarra) se conheceram em um barzinho de má reputação chamado Chateau Liberté, na região de Santa Cruz/San Jose (California). Ali surgia o núcleo básico do grupo, que com o decorrer dos anos passou por várias formações. Seu som fundiu rock básico, folk, country e soul de forma única.

O documentário traz entrevistas recentes com os músicos que integraram/integram a banda, o manager Bruce Cohn (o único da história deles, algo raro no show business), críticos e DJs, além de contar com registros feitos nos shows e bastidores da banda nesses 40 anos de estrada.

O início difícil, o sucesso, a importância de cada álbum e as diversas fases vividas por eles são detalhadas de forma consistente e leve. A surpreendente saída de cena de Johnston em 1975 e a entrada em cena ainda mais inesperada do então desconhecido Michael McDonald, que os impulsionou a um rumo totalmente diferente e de grande sucesso comercial, são explicadas.

A separação do grupo em 1982 e a forma como shows beneficentes anuais com seus ex-integrantes acabou sendo a semente que gerou o retorno em 1987 também estão no filme, assim como a carreira da banda após esse retorno, capitaneado por Johnston e Simmons (o único que nunca saiu dos Doobies durante sua existência).

Se a história do grupo é bem legal, a música que eles fizeram nesses anos todos é ainda melhor, com direito a maravilhas como as canções já citadas e também Long Train Runnin’, Rockin’ Down The Highway, China Grove, Black Water, It Keeps You Runnin’, Takin’ It To The Streets, What a Fool Believes, The Doctor e tantas outras.

Nos extras, temos nove músicas gravadas ao vivo nos anos 70, 80 e 90 e apresentadas na íntegra, servindo como uma boa introdução à fantástica obra dessa banda que merece muito mais reconhecimento do que tem aqui no Brasil.

O que dizer de um grupo que chegou a ter três vocalistas/guitarristas e dois bateristas ao mesmo tempo, por exemplo? E por aí vai. Esse DVD certamente ajudará muita gente a descobrir essa fantástica banda de rock. Mergulhe de cabeça sem susto!

Veja um trailer de Let The Music Play- The Story Of The Doobie Brothers:

Toulouse Street-The Doobie Brothers (1972-Warner)

Por Fabian Chacur

Em 1972, a sacudida e contagiante Listen To The Music abriu as portas do sucesso em termos mundiais para os Doobie Brothers. Esse single, assim como o álbum que a contém, Toulouse Street, venderam milhões de cópias e apresentaram a muita gente o trabalho dessa banda oriunda da cidade de San Jose, no estado americano da California.

O início de tudo ocorreu no fim dos anos 60, quando o cantor, compositor e músico Skip Spence, ex-Jefferson Airplane e Moby Grape, conheceu o cantor, compositor e guitarrista Tom Johnston. Logo a seguir, ele apresentou ao novo amigo o baterista e percussionista John Hartman. A ideia inicial era montar uma nova versão do Moby Grape, mas logo Spence saiu de cena.

Após alguns meses, Johnston e Hartman conheceram o cantor, compositor e guitarrista Patrick Simmons, que se juntou ao time, assim como o baixista Dave Shogren. Com essa escalação, após tocarem em bares na chamada Bay Area, eles atraíram as atenções da Warner Brothers, e gravaram em 1971 um auto-intitulado álbum de estreia.

Embora contivesse uma música espetacular que ironicamente só fez sucesso aqui no Brasil, a contundente Nobody, o álbum não conseguiu obter a repercussão que merecia. Mesmo assim, a gravadora continuou acreditando na banda, e deu a eles a oportunidade de gravar um novo trabalho, em meio a mudanças em sua formação.

Dave Shogren participou de duas músicas do novo álbum, mas acabou saindo fora. Ele foi substituído por um antigo conhecido de Patrick Simmons, o baixista e vocalista Tiran Porter. De quebra, o time ganhou um segundo baterista, Michael Hossack, o que deu à banda uma de suas marcas registradas e aumentou o seu poder de fogo.

Graças ao estouro de Listen To The Music, Toulouse Street invadiu as paradas de sucesso e mostrou as armas da banda: um vocalista e guitarrista-solo carismático (Tom Johnston), vocalizações personalizadas, uma segura e criativa mistura de rock and roll, soul, country, folk e pop e um guitarrista, cantor e compositor que funcionava como ótimo contraponto à excelência de Johnston, o também ótimo Patrick Simmons.

O segundo álbum dos Doobies quase foi produzido por um amigo ilustre, Pete Townshend, mas o líder do The Who estava particularmente enrolado na época, e a tarefa acabou ficando nas mãos de Ted Templeman, que se incumbiu com extrema categoria da função, que exerceu posteriormente em vários outros trabalhos da banda.

O lado rock and roll do álbum aparece em petardos como Rockin’ Down The Highway e Disciple, enquanto o gospel rock é a marca de Jesus Is Just Alright, que já havia sido gravada anteriormente pelos Byrds no álbum Ballad Of Easy Rider (1969), mas que aqui encontra a sua versão definitiva.

A faceta folk da banda surge na animada Mamaloi e na introspectiva e belíssima Toulouse Street, enquanto o blues dá o tom nas releituras de Cotton Mouth, do duo Seals & Crofts, e Don’t Start Me To Talkin, de Sonny Boy Williamson.

Bom como um todo, Toulouse Street tem uma curiosidade: na parte interna do CD e da capa dupla da versão original em vinil, temos uma foto dos integrantes da banda pelados e envolvidos por um interessante elenco de legítimas “garotas da vida nada fácil”. Cada um esconde o “mr. dick” do seu jeito, com Johnston colocando um chapéu em cima do mesmo.

Listen To The Music, ao vivo nos anos 2.000, com os Doobie Brothers:

Toulouse Street, com os Doobie Brothers:

Rockin’ Down The Highway, com os Doobie Brothers:

Jesus Is Just Alright, ao vivo nos anos 2.000, com os Doobie Brothers:

Mutantes formação 1974 voltam em dezembro

Por Fabian Chacur

A formação 1974-1976 dos Mutantes voltará a se apresentar ao vivo em dezembro como principal atração do festival Psicodália 2013-Festival de Ano Novo. O evento será realizado na Fazenda Evaristo, na cidade de Rio Negrinho, em Santa Catarina.

O grupo incluirá como grande atração em seu set list a execução, na íntegra, do álbum Tudo Foi Feito Pelo Sol (1974), que marcou a adesão da banda ao rock progressivo, abandonando o psicodelismo roqueiro e tropicalista dos tempos de Rita Lee e Arnaldo Baptista.

A escalação da banda naquele período incluía o fundador Sérgio Dias (guitarra e vocal), Túlio Mourão (teclados, tocou depois com Milton Nascimento e outros), Antonio Pedro (baixo, depois da Blitz) e Rui Motta (bateria, tocou com Ney Matogrosso, Sá & Guarabira, Veludo Elétrico, Sociedade Anônima e outros).

Segundo depoimento de Sérgio Dias ao site do evento, os quatro músicos estão ansiosos pelo reencontro, que deve ser intensificado mais para o fim do ano, quando os músicos se encontrarão na casa de Antonio Pedro para ensaiar. Ele também diz que Tudo Foi Feito Pelo Sol foi gravado em um único take, e acabou sendo o disco mais vendido da carreira da banda, além de gerar um grande número de shows pelo Brasil.

O show será realizado em 30 de dezembro, no terceiro dia do festival, programado para ocorrer entre 28 de dezembro a 2 de janeiro de 2013. Mais informações no site www.psicodalia.mus.br . Outra atrações já confirmadas são Blues Etílicos, Hermeto Pascoal, Confraria da Costa e Vlad D, entre outros. O evento inclui música, teatro, cinema e temas ligados à ecologia e saúde.

Ouça Tudo Foi Feito Pelo Sol, com os Mutantes, na íntegra:

CD flagra Iggy e Bowie ao vivo em 1977

Por Fabian Chacur

Há várias amizades históricas no rock and roll, capazes de gerar frutos que proporcionaram (e proporcionam) aos fãs muito prazer auditivo. A dobradinha David Bowie/Iggy Pop é certamente uma delas.

Fã incondicional dos Stooges, uma das bandas consideradas pioneiras do que se convencionou chamar de punk rock, Bowie deu uma força ao grupo e produziu seu terceiro álbum, Raw Power (1973). Quando a banda acabou, o eterno Ziggy Stardust mais uma vez se fez presente, ajudando o amigo a lançar seus dois primeiros álbuns solo, os seminais The Idiot e Lust For Life, ambos em 1977.

Não satisfeito, Bowie ainda integrou a banda de apoio que tocou com Iggy Pop durante uma histórica turnê em 1977. Já havia sido lançado anteriormente material registrado nessa turnê, mas nada com a qualidade de áudio de Iggy & Ziggy – Sister Midnight- Live At The Agora, que a ST2 acaba de lançar no Brasil em formato digipack.

O CD foi gravado ao vivo no dia 21 de março de 1977 no Agora Ballroom, em Cleveland, Ohio, EUA. Para acompanhar o amigo Iggy, Bowie se incumbiu dos teclados e escalou três outros músicos de primeira linha para cumprir a missão.

O guitarrista escocês Ricky Gardiner (na época com 29 anos) tinha acabado de participar com destaque do álbum Low (1977), de Bowie, e dá um verdadeiro banho de garra, riffs bem colocados e solos criativos durante o show com Iggy.

Completam o time os irmãos Tony (baixo) e Hunt Sales (bateria), que 12 anos depois estariam ao lado de Bowie e do guitarrista Reeves Gabrels na banda Tin Machine, que lançou três simpáticos álbuns de rock básico entre 1989 e 1992.

Esse verdadeiro timaço esbanjou entrosamento e garra nas faixas registradas em Sister Midnight – Live At The Agora. Temos aqui 12 faixas, com as seguintes origens:

I Wanna Be Your Dog, 1969 e No Fun são de The Stooges, álbum de estreia dos Stooges, de 1969;
TV Eye e Dirt integram Fun House, álbum de número 2 dos Stooges, de 1970;
Search And Destroy, Raw Power, I Need Somebody e Gimme Danger estrearam em Raw Power (1973), terceiro LP dos Stooges;
Sister Midnight e Funtime estão em The Idiot, estreia solo de Iggy Pop em 1977;
Turn Blue completa o repertório, sendo faixa de Lust For Life, também de 1977.

A qualidade de áudio é realmente surpreendente, se levarmos em conta que foi gravado há 35 anos, e a da performance da banda é simplesmente eletrizante. Iggy canta muito bem e com aquela personalidade forte que o tornou um dos melhores cantores de rock de todos os tempos.

Os riffs precisos de Ricky Gardiner pontuam a performance segura da cozinha rítmica dos irmãos Sales, enquanto Bowie se mostra um tecladista discreto e eficiente, além de dar uma força nos vocais de apoio.

Do pique resfolegante de Raw Power, TV Eye, No Dog e No Fun, passando pelo clima funk eletrônico de Sister Midnight e do blues a la Doors em Dirt, Sister Midnight – Live At The Agora é um dos melhores ao vivo que ouvi nos últimos tempos, especialmente pelo fato de ir além do simples registro histórico do encontro de dois mitos do rock and roll, com belo resultado artístico. Muito, mas muito bom mesmo. Vale cada centavo que você pagar nele.

Ouça Sister Midnight Live At The Agora na íntegra (a versão em CD é mais legal, mas esta é bem bacana também):

Uma noite com KC & The Sunshine Band

Por Fabian Chacur

Durante a minha infância e adolescência, tive a oportunidade de ver nascer, crescer e entrar na eternidade a disco music, uma das ramificações mais polêmicas, bem-sucedidas e criativas da história da música pop.

Entre os grandes expoentes da disco figurou a KC & The Sunshine Band, grupo criado em Miami e liderado pelo cantor, compositor e músico Harry Wayne Casey e pelo baixista e compositor Richard Finch.

Entre 1973 e 1979 os caras simplesmente arrebentaram, criando um som contagiante e de assinatura própria que rendeu hits como (Shake Shake Shake) Shake Your Booty, Get Down Tonight, Keep It Comin’ Love, I’m Your Boogie Man e That’s The Way (I Like It), entre vários outros.

Nos anos 80, com a saída de Richard Finch e de outros músicos importantes, Casey perdeu o faro para os hits, e passou a viver dos shows nostálgicos para saudosistas dos good disco times.

Tive a oportunidade de participar de uma entrevista coletiva com Casey lá pelos idos de 1995, e fiquei tão irritado com a arrogância do cara que nem pedi a ele o autógrafo que pretendia. Nem sempre é bom conhecer pessoalmente um ídolo…

Agora, quase 16 anos depois, ele e os 14 músicos da atual encarnação da Sunshine Band, que só mantém o percussionista Fermyn Goytisolo dos bons tempos, voltou ao Brasil para mais um show.

Confesso que relutei e muito em marcar presença por lá. Mas, no fim das contas, a vontade de ouvir algumas daquelas canções que encheram pistas de dança em todo o mundo me venceu. Foi nesta terça-feira (8/11).

O início foi esquisito, com a música I Gotta Feeling, do Black Eyed Peas, tocando no intuito de criar um clima perante a plateia, que preencheu pouco mais da metade da lotação da Via Funchal, em São Paulo.

Em seguida, a boa banda entrou em cena, com direito a dez músicos e quatro cantoras/dançarinas, e criou a expectativa da entrada do líder e dono do time.

Ao som de (Shake Shake Shake) Shake Your Booty, Harry Casey entrou no palco, muitos quilos acima do peso dos bons tempos e com os cabelos cada vez mais raros.

No entanto, o pior ficou por conta de quando ele resolveu soltar o gogó. Apertem os cintos, a voz sumiu quase que por completo. Mesmo assim, no início o clima dançante segurou a onda. E as músicas são matadoras!

Após mais uma música sacudida, Boogie Shoes, imortalizada na trilha sonora de Os Embalos de Sábado à Noite, Casey fez a aposta errada e perdeu feio: resolveu investir em uma longa sessão de baladas.

Nelas, a falta de voz se mostrou muito mais evidente, logo de cara com Yes’ I’m Ready, que estourou com ele em parceria com a cantora Teri de Sario em 1980. Uma de suas vocalistas de apoio ajudou a encobrir um pouco. O cantor teve de dar uma saidinha do palco durante essa música. Foi a primeira, mas não seria a última.

Logo em seguida, veio Please Don’t Go, megahit em 1979/80 na qual ele deu um show de voz na gravação original.

Desta vez, ao vivo, Casey a interpretou vários tons abaixo do original, e soava como um patético cantor de karaokê, o que piorou na sequência, em covers de músicas de outros artistas, como Kiss And Say Goodbye (Manhattans) e Ain’t No Mountain High Enough (das Supremes). De doer. De chorar.

Depois dessa sessão dolorosa de tortura, os hits dançantes voltaram, com I’m Your Boogie Man e Keep It Comin’ Love, sendo esta última com citações de vários hits alheios, como Do Ya Think I’m Sexy e Rock Your Babe (que Casey escreveu para George McRae em 1974).

Give It Up, único sucesso do grupo nos anos 80 e também executado em tom bem abaixo do original, também foi esticada ao máximo com citação de sucessos de outros artistas, entre os quais Brick House (Commodores) e Shake Your Body (Down To The Ground), dos Jacksons.

Como forma de justificar outra longa saída do palco de seu líder, a banda se desdobrou em performances instrumentais para preencher o tempo, com direito a algo que nem em shows de rock é agradável, que dirá em um show de disco music: um longo solo de bateria, com direito a “momento samba”.

Aí, como que para compensar um pouco tanta encheção de linguiça, Casey voltou ao palco e nos ofereceu os megahits That’s The Way (I Like It) e Get Down Tonight, esta última no bis e com direito à citação do hit Do You Feel Alright.

O show teve início às 22h12 e acabou às 23h52. Ou seja, 1h40 de duração, com pelo menos uns 40 minutos de embromação, que ajudaram a deixar de fora do set list inúmeros hits da banda.

Apesar dos pesares, confesso que não me arrependi de ter ido. Não deixou de ser a oportunidade única de ver um ídolo (mesmo que decadente) aos 60 anos de idade ainda na ativa, e de ouvir algumas das minhas músicas preferidas da disco music.

Veja (Shake Shake Shake) Shake Your Booty, nos anos 70:

Veja I’m Your Boogie Man, com o KC atual:

Banda Television voltará ao Brasil em julho

Por Fabian Chacur

Boas notícias para os fãs do rock dos anos 70, ou para ser mais específico, do punk/pós punk.

O Television, um dos melhores grupos surgidos na cena de Nova York na primeira metade dos anos 70, voltará ao Brasil após seis anos.

Eles irão tocar em São Paulo no dia 7 de julho (quinta-feira) no Beco 203 (rua Augusta, 609- centro -fone 0xx11-2339-0351) como atração principal do evento Gig Rock.

Os ingressos custam R$ 80 e R$ 100 e podem ser adquiridos pelo site www.divirto.com.br .

Este projeto existe desde 2006 e procura abrir espaços para bandas importantes da cena independente e também nomes consagrados.

Abrirá para o grupo americano a banda gaúcha Pública, com discotecagem a cargo dos DJs Schutz e Gabriel Machuca.

O Television surgiu em 1973, tendo como líder o cantor, guitarrista, compositor e tecladista Tom Verlaine.

Após a saída do polêmico Richard Hell, que posteriormente montou os Heartbreakers e Voivods e participou com destaque do filme Procura-se Susan Desesperadamente (contracenando com Madonna), a banda chegou à sua formação clássica.

Além de Verlaine, o time também contava com Richard Lloyd (guitarra), Fred Smith (baixo e vocal) e Billy Ficca (bateria).

Contemporâneos de nomes seminais do rock daquele período como Talking Heads, Ramones e Patty Smith, o Television trouxe como marcas um rock minimalista, cerebral, extremamente bem concatenado e com influências de Velvet Underground, Ventures e Byrds, além da energia punk.

Seu som original gerou dois dos discos mais bacanas daquela década, os excelentes Marquee Moon (1977) e Adventure (1978), que inclui maravilhas do naipe de Glory, Days, Foxhole, See No Evil, Friction e Marquee Moon, entre outras.

Após uma prematura separação ainda em 1978, Verlaine e Lloyd se dedicaram a carreiras solo até que, em 1992, voltaram para lançar um ótimo álbum autointitulado.

Desde então, passaram a ter uma carreira errante. Em outubro de 2005, tocaram pela primeira vez no Brasil, com shows no Rio no dia 23 e em São Paulo (no Sesc Pompeia) nos dias 25 e 26 daquele mês.

Em 2007, Richard Lloyd foi substituído por Jimmy Ripp, e essa é a única dúvida de seu novo show no Brasil: teremos Lloyd de volta ou Ripp continuará no time? Mas vale ver a banda de qualquer forma.

Glory, com o Television, em show no Japão em 2003:

Marquee Moon, com o Television, no Brasil, em 2005:

Billy Paul de novo no Brasil: dá para encarar?

Por Fabian Chacur

Se um dia alguém fizer um levantamento em relação a qual grande nome da música pop internacional veio mais vezes ao Brasil, Billy Paul é certamente um dos favoritos a ganhar a disputa.

O cantor americano, um dos grandes nomes do que poderíamos chamar de “soul music romântica”, já deve ter feito dezenas e dezenas de shows por aqui.

Outro dia, em conversa com o colega jornalista e amigo Paulo Cavalcanti, chegamos a uma conclusão óbvia do porque ele sempre está por aqui: o show do cidadão é sempre bom.

Com 76 anos de idade (completará 77 em dezembro), Billy esbanja bom gosto, simpatia, categoria e um repertório certeiro, repleto de seus sucessos e no qual também acrescenta hits alheios.

Nunca ficam de fora Me and Mrs. Jones, Your Song, Thanks For Saving My Life e Only The Strong Survive, entre outras.

Nos últimos anos, virou moda ele fazer shows por aqui no Dia dos Namorados, e 2011 manterá a tradição.

O showman estará neste domingo (12) no HSBC Brasil (rua Bragança Paulista, 1.281 – Santo Amaro – fone 4003-1212), com show programado para se iniciar às 20h e ingressos de R$ 40 a R$ 240.

Um programa e tanto para namorados que curtem um sonzinho clássico, romântico, classudo e no espírito dos anos 70. Ou, respondendo à minha própria pergunta: dá para encarar, sim, e com muito prazer!

Newer posts

© 2022 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑