Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: i can’t go for that (no can do)

Private Eyes (1981/RCA), o auge de Daryl Hall & John Oates

private eyes daryl hall and john oates-400x

Por Fabian Chacur

Daryl Hall e John Oates se conheceram quase que por acaso, em 1967. Eles participavam de um concurso de bandas em sua cidade natal, Filadélfia (EUA), e, ao fugirem de um quebra-pau generalizado entre gangues presentes, foram parar em um elevador. Do agradável papo informal entre eles, surgiria uma sólida amizade que os levou a criar a dupla, anos depois. Em 1972, saiu o seu primeiro álbum, Whole Oats.

Sempre ativos e inquietos, eles mergulharam a partir dali em uma trajetória recheada de altos e baixos, sem medo de experimentar e também de pagar em termos comerciais por tal ousadia. Em 1977, emplacaram seu primeiro single no 1º lugar da parada americana, Rich Girl, e passaram a tocar em grandes espaços, com sua mistura de rock, soul, pop e folk. Trabalharam com vários produtores, entre os quais os seminais Arif Mardin e Todd Rundgren.

Após gravarem com o então iniciante David Foster os álbuns Along The Red Edge (1978) e X-Static (1980), eles foram aconselhados pelo produtor (depois consagrado por seus trabalhos com Earth, Wind & Fire, Céline Dion e Michael Bublé, entre outros) a encarar o desafio da autoprodução. E os caras resolveram tentar, para ver no que dava.

Para não darem um pulo no escuro, convidaram o britânico Neil Kernon, que tinha no currículo gravações como engenheiro de som e mixador para artistas como David Bowie, Elton John, Supertramp, Marc Bolan, Neil Sedaka, The Mahavishnu Orchestra e Yes, para ser o seu braço direito na realização do álbum Voices (1980). E deu super certo!

Voices atingiu o 17º lugar na parada americana, seu melhor resultado com um álbum até aquele momento, e de quebra lhes proporcionou o seu segundo single no nº 1 nos EUA, Kiss On My List. Essa faixa chegou ao topo da parada ianque em junho de 1981, exatamente quando Hall & Oates estavam em meio às gravações do sucessor de Voices.

Com Kernon promovido à condição de coprodutor, eles também centraram esforços no sentido de contar com músicos que integravam a sua banda de apoio nas gravações, entre os quais o guitarrista G.E. Smith e o saxofonista Charlie De Chant, atitude que lhes ajudou a criar um som realmente de banda, muito mais coeso e com assinatura própria.

O estouro de Kiss On My List durante as gravações gerou consequências. Deve ter ficado claro para o duo que eles precisariam ter outra música nesta mesma direção no novo trabalho. E, desta forma, surgiu Private Eyes, que não existia quando o repertório inicial foi selecionado. E aí, vale destacar duas importantes auxiliares no trabalho da dupla.

Sara Allen, namorada durante mais de 20 anos de Daryl Hall e a musa inspiradora do maravilhoso hit Sara Smile (de 1975), não demorou a se tornar uma parceira constante nas composições da dupla, ajudando nas letras. E, junto com ela, trouxe a irmã, a também compositora Janna (1957-1993), que passou a colaborar em termos musicais. E foi exatamente ela quem trouxe o material que gerou essa nova canção.

Segundo depoimento de Hall no livreto da caixa Do What You Want Be What You Are (2009), tal música foi praticamente feita por completo por Janna, sendo que ele, Sara e Warren Pash deram os retoques finais. E que golaço! Private Eyes não só ficou com a mesma vibração e linha musical de Kiss On My List (e sem soar como mera cópia) como foi ainda melhor.

Essa música virou a faixa-título do álbum, que naquela altura do campeonato estava cotado para levar o nome de outra faixa bacana, Head Above Water. Mais: no formato single, deu à dupla a sua 3ª canção nº 1 nos EUA, liderando os charts de lá durante duas semanas no mês de novembro de 1981, divulgada por um clipe simples e divertido no qual a dupla e seus músicos usam sobretudos típicos de detetives particulares (veja o clipe aqui).

Curiosamente, o outro grande hit deste álbum, I Can’t Go For That (No Can Do), também surgiu de forma inesperada. Após uma longa sessão de gravações, com os músicos já devidamente dispensados, Daryl ficou brincando com uma nova bateria eletrônica que havia adquirido há pouco, a Roland CompuRhythm. Ao curtir uma determinada levada rítmica, começou a fazer uns riffs com um teclado. E gostou do que ouviu.

Ele teve duas reações imediatas. Uma foi pedir para Neil Kernon se preparar para gravar o que ele estava fazendo, e outra foi chamar correndo John Oates, que já estava colocando a guitarra no estojo, para lhe dar uma força. E foi dessa forma que saiu a gravação dessa música, que depois ganhou um marcante e icônico solo de sax de Charlie De Chant.

Com sua batida hipnótica e sonoridade minimalista e inovadora, I Can’t Go For That (No Can Do) (veja o clipe aqui) se tornou o 4º single nº1 da dupla, atingindo essa posição em 30 de janeiro de 1982. Curiosamente, essa música conseguiu tirar do topo dos charts americanos Physical, o mega-hit de Olivia Newton-John, que se manteve por 10 semanas consecutivas nessa posição, cujo posto por sua vez tomou justamente de Private Eyes!

Private Eyes, gerou mais dois hit singles. O pop rock no melhor estilo new wave Did It in a Minute atingiu a posição de nº9 nos charts americanos em maio de 1982, enquanto o delicioso rock balançado Your Imagination, com outra participação matadora de Charlie De Chant no sax, chegou ao 33º lugar em agosto daquele mesmo ano. Mas o álbum também tem coisas ótimas entre as músicas restantes.

Em todo álbum da dupla, John Oates sempre ficava com uma ou duas músicas nas quais era o vocalista principal. Neste aqui, tivemos duas bem legais. Mano a Mano, com uma letra que prega o companheirismo e a solidariedade entre as pessoas, é um rock com levada meio latina que não faria feio em um disco de Carlos Santana. Já Friday Let Me Down segue a linha new wave, com pique bem rapidinho e dançante.

Uma das grandes e assumidas influências de Daryl Hall foram os Temptations. Tanto que o primeiro grupo dele se chamava The Temptones, e inclusive chegaram a abrir shows para eles. Como forma de homenageá-los, ele escreveu Looking For a Good Sign, encantadora canção no melhor estilo Motown dos anos 1960, e que no encarte do álbum é dedicada aos cinco integrantes da formação clássica daquele grupo.

Head Above Water perdeu a honra de ser a faixa-título do álbum e nem single virou, mas é um rockão energético dos melhores. Uma curiosidade: quando se imaginava a capa do álbum com essa música como título, surgiu a sugestão de se escrever Head Above H20. E o LP seguinte de Daryl Hall & John Oates foi intitulado…. H20 (1982)!

Com batida midtempo e belas intervenções de guitarra de G.E. Smith, Unguarded Minute foi o lado B do compacto I Can’t Go For That (No Can Do), e soa como uma espécie de hit que não foi, de tão boa. Tell Me What You Want também segue a levada new wave, enquanto Some Man encerra o álbum com uma sonoridade pop mais experimental e das mais interessantes.

Este álbum atingiu o maior posto de um LP/CD na carreira da banda nos EUA, o 5º lugar, conquistando o 8º posto no Reino Unido. Private Eyes é a prova cabal de como é possível fazer um trabalho ao mesmo tempo criativo, com assinatura própria e também capaz de vender milhões de discos. Eis a magia no trabalho de Hall & Oates, que sempre trabalharam duro e conseguiram realizar os seus objetivos.

Ficha técnica do álbum Private Eyes:

Lançado em 1º de setembro de 1981 pela RCA.

Produzido por Daryl Hall & John Oates, coprodução de Neil Kernon

Músicos participantes:

Daryl Hall (vocal, teclados, sintetizadores, guitarra, mandar, mandola, mandocella, timbales e cumpurythm; John Oates (vocal, guitarra, mandar, teclados); G.E. Smith (guitarra solo e solos de vandaloo); Jerry Marotta (bateria); John Siegler (baixo); Charlie De Chant (sax); Larry Fast (sintetizadores, programações eletrônicas); Mickey Curry (bateria nas faixas 1,2,4 e 6); Chuck Burgi (bateria na faixa 10); Jeff Southworth (solo de guitarra na faixa 9); Ray Gomez (solo de guitarra na faixa 3); Jimmy Maelen (percussão); John Jarrett (vocais de apoio na faixa 4).

Faixas:

1- Private Eyes (Sara Allen- Janna Allen- Daryl Hall- Warren Pash)

2- Looking For a Good Sign (Daryl Hall)

3- I Can’t Go For That (No Can Do) (Daryl Hall- John Oates- Sara Allen)

4- Mano a Mano (John Oates)

5- Did It In a Minute (Daryl Hall- Janna Allen- Sara Allen)

6- Head Above Water (Daryl Hall- John Oates- Sara Allen)

7- Tell Me What You Want (Daryl Hall- Sara Allen)

8- Friday Let Me Down (Daryl Hall- John Oates- Sara Allen)

9- Unguarded Minute (Daryl Hall- John Oates- Sara Allen)

10- Your Imagination (Daryl Hall)

11- Some Man (Daryl Hall)

Private Eyes- ouça em streaming o álbum completo:

Daryl Hall & John Oates: sucesso comercial e qualidade artística

daryl hall and john oates-400x

Por Fabian Chacur

Parece mentira, mas 46 anos após lançarem seu primeiro álbum, Whole Oats (1972), e posteriormente conquistarem as paradas de sucesso de todo o planeta, enfim Daryl Hall & John Oates virão ao Brasil pela primeira vez. Antes tarde do que nunca, já dizia aquela célebre frase. Até o momento, apenas uma apresentação está confirmada, e será em São Paulo, no dia 11 de junho (terça-feira) às 21h30 no Espaço das Américas (rua Tagipuru, nª 795- Barra Funda- fone 0xx11-3829-4899), com ingressos de R$ 115,00 a R$ 420,00. Uma dupla que merecia muito mais reconhecimento por parte da crítica especializada.

Sim, eles não são mais moleques- Daryl tem 72 anos, enquanto John ostenta 70. No entanto, permanecem na ativa, fazendo turnês e trabalhando bastante. Sua original mistura de soul, rock e pop soa mais cativante e original do que nunca, fórmula própria que lhes rendeu mais de 40 milhões de cópias vendidas e o título de dupla mais bem-sucedida em termos comerciais da história da música pop, superando até mesmo Simon & Garfunkel, Tears For Fears e The Everly Brothers, só para citar outros concorrentes de peso.

Já escrevi bastante em Mondo Pop sobre esses caras, por gostar muito do trabalho da dupla e também achar uma tremenda injustiça a forma como seu trabalho é ignorado pelos “çábios” da crítica especializada nacional e internacional. O que eles fazem é algo extremamente difícil de se fazer, que é música com alma, qualidade artística e forte apelo comercial, tudo junto e misturado. I Can’t Go For That (No Can Do), Out Of Touch, Kiss On My List, Private Eyes, One on One, é muita música boa junta. Garantia de shows efervescentes!

Para quem desejar ler mais sobre o trabalho deles, com direito a muitos detalhes, resenhas, links para canções etc, é só entrar aqui e se divertir.

Veja o clipe de I Can’t Go For That (No Can Do):

Como conheci Daryl Hall & John Oates

Por Fabian Chacur

Lá pelos idos de 1981, uma musica poderosa, de beat irresistível, tomou conta dos meus sentidos e me impulsionou rumo à loja de discos mais próxima, para comprar um exemplar daquele single.

A canção intitulava-se I Can’t Go For That (No Can Do), e foi responsável por eu me apaixonar por seus autores e intérpretes, Daryl Hall & John Oates.

O compacto simples de vinil (com Unaguarded Minute no lado B) virou o meu favorito da época rapidinho, e me levou a ir atrás de mais coisas daquela dupla americana.

Confesso que não havia dado muita bola para o sucesso anterior deles, Kiss On My List, tanto que nem ligava o nome ao artista. Com o tempo, essa canção também entrou nas minhas favoritas.

Mas meu culto a Hall & Oates tornou-se forte mesmo a partir do momento em que adquiri o então recém-lançado Rock ‘N’ Soul Vol.1, (1983) na verdade uma coletânea com os grandes hits deles e mais duas músicas até então inéditas, as ótimas Say It Isn’t Soul e Adult Education.

A partir daí, passei a seguir os lançamentos deles, e também descobri que o duo começou a trabalhar junto no início dos anos 70, tendo lançado seu primeiro álbum, Whole Oats, no já então longínquo ano de 1972.

A primeira onda de sucessos veio em 1976, quando Sara’s Smile tornou-se um grande sucesso na parada america, e She’s Gone, lançada três anos antes, enfim estourou.

A segunda (e mais forte) fase positiva em termos comerciais rolou durante os anos 80, quando hits como Private Eyes, Kiss On My List, I Can’t Go For That (No Can Do), Maneater, Out Of Touch, Say It Isn’t So e Everything Your Heart Desires cativaram fãs pelo mundo afora.

O nome da coletânea que me fez virar fã de vez dos caras é uma boa pista sobre sua sonoridade, uma mistura de rock, soul, rhythm and blues, pop e muito mais, trazendo como armas refrãos marcantes, vocais sempre caprichados e o carisma do cantor Daryl Hall, uma das melhores vozes da música pop.

Entre as dezenas de sucessos dos caras, que estavam na ativa até há pouco, selecionei cinco marcantes.

I Can’t Go For That (No Can Do)

Com um beat irresistível reforçado por bateria eletrônica e um refrão matador, essa canção sensacional me tornou fã da dupla. Seu beat foi usado em dois outros sucessos alheios, Say Don’t Go, do grupo de rap De La Soul (no fim dos anos 80) e Sunrise, do Simply Red, já nos anos 2000.

Say It Isn’t So

Essa era uma das duas faixas inéditas incluídas na coletânea Rock ‘N’ Soul Vol. 1, lançada em 1983 e meu primeiro LP de vinil da dupla. Daquelas que te pega logo na primeira audição, que logo em seguida se torna segunda, terceira, quarta… Um clássico!

One On One

Conheci essa sensual balada de tempero latino em Rock ‘N’ Soul Vol.1, embora ela faça parte também do álbum H20 (1982), que também inclui o megahit Maneater. Uma das músicas ideais para se ouvir ao lado de quem se ama. Nos anos 90, Gabriel o Pensador usou seu beat para criar o sucesso Cachimbo da Paz (maresia, sente a maresia…).

Sarah Smile (live)

Sarah Smile colocou Daryl Hall & John Oates pela primeira vez entre os dez mais na parada americana, lá pelos idos de 1976. É uma de suas grandes baladas soul, e até hoje é presença infalível em seus shows, com direito a interpretação matadora de Daryl Hall.

Maneater

Uma das mais conhecidas do repertório de Hall & Oates, essa canção balançada se aproveita com criatividade e assinatura própria da linha de baixo de You Can’t Hurry Love, sucesso das Supremes nos anos 60 e regravada nos anos 80 por Phil Collins

© 2022 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑