Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: ludmilla

Jão encerra primeira turnê e divulga clipe de Louquinho

jao clipe 2019-400x

Por Fabian Chacur

O cantor e compositor paulista Jão está a mil por hora na cena do pop brasileiro. O artista encerrou em junho sua primeira turnê nacional, que rendeu mais de 40 shows sempre com lotação esgotada. Ele divulgou nessas apresentações o seu primeiro álbum, Lobos, lançado pela Universal Music e que lhe rendeu a marca absurda de mais de 100 milhões de streams.

Como prova de que não está a fim de sentar em cima das glórias já conquistadas, ele acaba de divulgar um novo single, Louquinho, com direito a um clipe elaborado com ambiente de boxe que, em apenas quatro dias, já ultrapassou a marca de 1.3 milhão de visualizações no Youtube.

O artista explica que o clima da tour inspirou essa canção, que é puro r&b atual: “A turnê me modificou muito como artista e nas coisas que eu presto atenção. Fiquei um pouco viciado na minha conexão com os fãs, então minha cabeça se formatou para pensar em músicas que tragam essa sensação do show. Que a gente possa cantar junto, pular e possa ser aquele momento de catarse”.

Além do álbum, Jão também gravou anteriormente singles de sucesso com Ludmilla (A Boba Fui Eu) e a banda Lagum (Andar Sozinho).

Leia entrevista com este cantor e compositor aqui.

Louquinho (clipe)- Jão:

Gabily investe no funk carioca em seu novo single, “Toma”

Gabily2-400x

Por Fabian Chacur

Gabily ficou conhecida no cenário nacional ao lançar, no final de 2016, um EP pela Universal Music do qual se destacou a faixa Deixa Rolar, de pegada pop dançante e apelo romântico. A cantora carioca de 23 anos agora volta com um novo single pela mesma gravadora, Toma, gravado em parceria com o MC WM, no qual mergulha de cabeça no funk carioca. Ela afirma ser o início de uma nova fase em sua carreira.

“Em 2018, pretendo trabalhar mais no funk. Acho que o público pode estranhar um pouco, pois eu nasci no pop e agora estou vindo para o funk, o contrário do que normalmente ocorre. Mas estou totalmente funk agora, acho que o funk te dá uma liberdade de expressão em dança, em música, em fala, a mulher se sente livre, encara os preconceitos”, explica, em entrevista a Mondo Pop.

Toma, a faixa que inaugura esse nova fase, já está disponível nas plataformas digitais em áudio e clipe. Trata-se de um exemplo dessa liberdade que ela busca em seu trabalho. “Essa música defende uma igualdade entre o homem e a mulher, que um pode usar para o outro a mesma abordagem, sem preconceitos nem limitações”, explica ela, que diz admirar o trabalho do MC WM como funkeiro e como produtor.

Para Gabily, o EP Deixa Rolar ajudou a posicioná-la perante o cenário musical. Quem curtiu o formato pop desse trabalho pode aguardar futuramente algo nessa linha, pois se há algo que a artista carioca preza é liberdade artística. “Minha ideia é lançar uns quatro singles na linha do funk até o final deste ano, mas a seguir já tenho uma faixa nessa linha romântica, não quero ficar presa a um único jeito de fazer música”.

Os formatos single e EP serão seguido pela artista, que não pensa em lançar álbuns. “Hoje não existe um padrão rígido de formatos musicais, pode ser single, álbum, o que for. Aqui no Rio essa coisa do álbum acabou faz tempo, todos investem nos singles, que te permitem dar ao público aquele gostinho de mistério, de fugir do padrão único que as músicas de um álbum costumam seguir. Acho melhor lançar um DVD com os clipes, uma espécie de álbum visual”, explica.

Desde 2015, quando lançou sua primeira música de trabalho, Não Enrola, Gabily já gravou parcerias com vários artistas, entre os quais Ludmilla, Mika (Mikael Borges, ex-Rebelde) e a dupla Lucas e Orelha. Algumas rolam por sugestão de seus produtores, os badalados Umberto Tavares e Mãozinha. “Mas eu dou palpite em tudo na minha carreira. Isso até me atrapalha um pouco, pois gosto de acompanhar tudo de perto”.

Dos 16 aos 21 anos, Gabriela Batista (seu nome de batismo) trabalhou em um banco, e nesse período cursou três semestres do curso universitário de Gestão Financeira na Unigranrio. Ela abandonou a faculdade ao decidir se concentrar integralmente na carreira musical, que ela havia experimentado ainda criança ao lançar um CD gospel quando tinha apenas 9 anos de idade.

Aliás, o fato de ser filha de pais evangélicos não trouxe complicações a Gabily, quando ela resolveu se dedicar à música secular (termo usado pelos evangélicos para definir música que não seja a religiosa). “Meus pais me apoiaram demais, assim como os meus amigos. Para eles, continuo sendo a Gabriela, o meu trabalho não tem a ver com a minha religiosidade, que continua a mesma, indo à igreja e tudo o mais”.

Toma– Gabily e MC WM:

© 2019 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑