Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: música baiana

Olodum celebra seus 40 anos com novo EP e playlist digital com hits

olodum 40 anos-400x

Por Fabian Chacur

O Olodum é um patrimônio cultural da humanidade. Sim, e não há exagero nessa afirmação. Afinal de contas, o grupo cultural baiano se expandiu do Pelourinho, em Salvador, rumo aos quatro cantos do mundo, indo além da música, onde tornou-se marca de criatividade, e tornando-se uma instituição cultural de peso. Como forma de celebrar seus 40 anos de vida, a Warner Music acaba de lançar o EP Olodum 40 Anos e uma playlist, disponíveis nas plataformas digitais Spotify e Deezer.

Criador da incrível batida percussiva que recebeu o rótulo de samba reggae, o Olodum lançou 25 álbuns e 2 DVDs, e emplacou hits certeiros e irresistíveis como Requebra, Nossa Gente (Avisa Lá), Cartão Postal e Revolta Olodum, além de participar de gravações e clipes históricos de importantes artistas internacionais, entre os quais as icônicas The Obvious Child (1990), de Paul Simon, e They Don’t Care About Us (1996), de Michael Jackson.

O novo EP traz duas faixas compostas por Alisson Lima. O Nome da Rosa tem leve inspiração no romance homônimo de Umberto Eco, enquanto Sereia é inspirada no candomblé e venceu o Festival de Música e Artes Olodum de 2018. Minha Tez homenageia o eterno maestro Neguinho do Samba (1955-2009), um dos principais responsáveis pela criação da batida inovadora da banda, enquanto A Ver Navios é a releitura de canção gravada originalmente pela banda em 1992.

Como forma de dar uma geral nos principais sucessos do grupo cultural baiano, a Warner também preparou uma playlist que traz um total de 40 faixas, incluindo as quatro inéditas do EP e também dando uma geral em seus principais sucessos. Vale lembrar que o Olodum também possui escola, trupe de teatro e fábrica de carnaval, além de ter tido parcerias com outros artistas internacionais de peso, como Ziggy Marley, Jimmy Cliff e Alpha Blondy.

O Nome da Rosa– Olodum:

Zeca Pagodinho/Bethânia em uma turnê por seis capitais

Zeca Pagodinho e Maria Bethânia VERT COR - foto Daryan Dornelles-400x

Por Fabian Chacur

Zeca Pagodinho é um fã declarado de Maria Bethânia, e se sentiu honrado com a participação da cantora em seu DVD/CD Quintal do Pagodinho (2016). A parceria progrediu, e agora será a vez de uma pequena turnê, intitulada De Santo Amaro a Xerém e com início marcado para o dia 7 de abril no Classic Hall, em Recife (PE). Veja o descontraído vídeo no qual a dupla anuncia seis shows por capitais brasileiras aqui.

O roteiro, assinado pelos dois amigos, incluirá alguns dos inúmeros sucessos de seus respectivos repertórios e também algumas músicas que eles nunca interpretaram anteriormente em seus shows e álbuns. Nenhuma dessas músicas ainda foi divulgada e nem sabemos como será a estrutura do espetáculo em si, mas dá para esperar muita coisa boa das trajetórias vitoriosas dos dois.

A banda será composta pelos experientes Paulão Sete Cordas (violão de sete cordas), Jaime Alem (violão), Romulo Gomes (baixo), Marcelo Costa (percussão), Jaguara (percussão), Esguleba (percussão), Paulo Galeto (cavaquinho) e Vitor Motta (sax e flauta), velhos conhecidos dos protagonistas do espetáculo desde já histórico.

A impressão que se tem é que o formato acústico deverá ser bastante privilegiado, assim como o lado percussivo e o samba, ritmo sempre presente na discografia deles. E tomara que vire DVD/CD/Blu-ray…

Eis as datas e locais dos shows da turnê De Santo Amaro a Xerém:

– 7/4- Recife (PE)- Classic Hall

– 14/4- Salvador (BA)- Concha Acústica

– 21/4- Rio de Janeiro (RJ)- KMs de Vantagens Hall

– 5/5- Belo Horizonte (MG)- KMs de Vantagens Hall

– 19/5- São Paulo (SP)- Citibank Hall

– 30/5- Brasília (DF)- Centro de Convenções Ulisses Guimarãoes

Zeca e Bethânia no DVD Quintal do Pagodinho:

Aiace lança um clipe do dueto com o grande Luiz Melodia

Aiace - Credito Daniele Rodrigues 2-400x

Por Fabian Chacur

A cantora baiana Aiace acaba de lançar um videoclipe no qual interpreta a música Samba é Sacerdócio, parceria do seu pai, Gileno Felix, com o produtor e músico Paulo Mutti. O registro foi feito em estúdio e é histórico, pois mostra a participação especial do grande Luiz Melodia, provavelmente uma de suas últimas gravações. O samba com elementos afro ficou delicioso, e mostra uma bela química entre os dois cantores.

Aiace conheceu Melodia em um sarau, e logo surgiu uma sintonia musical entre os dois que desembocou na gravação desse swingado dueto. A faixa integra o repertório do seu primeiro trabalho solo, Dentro Ali, que traz faixas como De Qualquer Maneira e Nega Margarida e deverá estar disponível nas principais plataformas digitais em novembro.

Além da recém-iniciada trajetória individual, a jovem artista baiana faz parte da elogiada banda Sertanília, na ativa desde 2010 e com um ótimo currículo de apresentações e participações em premiações e eventos bacanas, além de contar com dois álbuns em sua discografia, Ancestral (2012) e o recente Gratia (2017).

Samba é Sacerdócio (clipe)- Aiace e Luiz Melodia:

Polysom relança LP marcante do saudoso Sérgio Sampaio

sergio sampaio lp 400x

Por Fabian Chacur

A Polysom está relançando no formato LP de vinil remasterizado e com 180 gramas um dos mais importantes discos da MPB lançados na década de 1970. Trata-se de Eu Quero É Botar Meu Bloco Na Rua (1973), do saudoso cantor e compositor capixaba Sérgio Sampaio (1947-1994), com certeza o seu trabalho mais famoso e mais cultuado pelos fãs.

Sérgio Sampaio foi descoberto por Raul Seixas, com quem gravou em 1971 o álbum Sociedade da Grã-Ordem Cavernista Apresenta Sessão das 10, que também inclui Edy Star e Miriam Batucada. Em 1972, os dois participaram do Festival Internacional da Canção (FIC) da Globo, Sampaio com Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua e Raul com Let Me Sing, Let Me Sing (e como autor com Eu Sou Eu, Nicuri É O Diabo, interpretada pelo grupo Os Lobos).

Quando foi convidado para gravar seu primeiro LP solo pela gravadora Philips (hoje Universal Music), o artista chamou Raulzito para ser seu produtor. Além da música que o tornou conhecido no festival, sua obra mais conhecida, ele também incluiu outras autorais bacanas como Filme de Terror, Odete, Viagem de Trem e Eu Sou Aquele Que Disse.

O disco traz pelo menos mais duas curiosidades: é fechado por uma faixa explicitamente dedicada ao amigo e intitulada Raulzito Seixas, e uma assinada por seu pai, o maestro Raul Sampaio e intitulada Cala a Boca, Zé Bedeu. É um trabalho no qual os limites entre o rock e a MPB são devidamente eliminados, com direito a música inventiva e interessante.

Eu quero é botar meu bloco na rua- Sérgio Sampaio (Philips, 1973)

01Leros e Leros e Boleros
02Filme de Terror
03Cala a Boca Zé Bedeu (composição: Raul Gonçalves Sampaio)
04Pobre Meu Pai
05Labirintos Negros
06Eu Sou Aquele que Disse
07
Viajei de Trem
08Não tenha medo, não! (Rua Moreira, 65)
09Dona Maria de Lourdes
10Odete
11Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua
12Raulzito Seixas

Eu Quero é Botar Meu Bloco Na Rua– Sérgio Sampaio:

Ouça o álbum Eu Quero é Botar Meu Bloco Na Rua em streaming:

© 2020 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑