Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: patrick simmons

The Doobie Brothers mostram vídeo de Takin’ It To The Streets

the doobie brothers 2021

Por Fabian Chacur

A turnê que celebrará os 50 anos de carreira de uma das melhores bandas da história do rock americano, The Doobie Brothers, já tem data para ser iniciada. Será no dia 22 de agosto, e terá por enquanto duas fases, uma nos EUA e Canadá até outubro e outra na Europa em 20222. A abertura das performances ficará a cargo da ótima The Dirty Dozen Brass Band. A novidade será a participação de Michael McDonald, que integrou a banda entre 1975 e 1982 e que não se apresentava com eles desde 1996. E eles estão se preparando a todo vapor para esses compromissos.

Mesmo durante a quarentena, a atual formação da banda, que tem como integrantes oficiais Tom Johnston (vocal e guitarra), Patrick Simmons (vocal e guitarra) e John McFee (vocal e guitarra), se manteve fazendo gravações por via remota. A mais recente acaba de ser disponibilizada, e inclui McDonald. Trata-se de uma releitura de Takin’ It To The Streets, faixa-título do álbum que marcou a estreia do cantor e tecladista da banda, em 1976. A releitura segue a estrutura original, mas com alguns improvisos bem bacanas.

Desde 2020, o grupo também divulgou outros vídeos registrando versões repaginadas de hits próprios como Listen To The Music (veja aqui) e também um cover de Let It Rain, composição de Eric Clapton, esta última com participação especial de Peter Frampton (veja aqui).

Takin’ It To The Streets (vídeo)- The Doobie Brothers:

DVD traz o último show dos Doobie Brothers com Michael McDonald como seu líder em 82

Por Fabian Chacur

Já comentei recentemente em Mondo Pop o CD Live At The Greek Theatre 1982, que registra a última apresentação ao vivo dos Doobie Brothers em sua fase com Michael McDonald como líder.

Agora, chega às lojas o DVD com o registro do mesmo show, e aproveito para acrescentar algumas observações adicionais que só consegui ao ver o show na sua íntegra.

O material é o mesmo do CD, ou seja, não inclui faixas a mais do que na versão em áudio, como ocorre em alguns DVDs.

As entrevistas com alguns dos integrantes da banda incluídas na seção de extras são bem interessantes.

A de McDonald, que se tornou o líder do grupo a partir de 1976, quando entrou no lugar de Tom Johnston, é polida e profissional, demonstrando que o cara queria mesmo era sair fora e faturar como astro solo, embora aproveitasse para fazer uma média com os fãs da banda.

O baixista Willie Weeks, que a partir do final de 1980 substituiu Tiran Porter em shows, não escondia o seu desejo de se mandar dali o quanto antes, já que na prática não passava de um músico de apoio.

Sua história com Eric Clapton, de quem integrou a banda durante anos, é muito mais significativa, e lhe gerou laços muito mais fortes.

Por alguma razão, Patrick Simmons, que naquele momento era o único integrante da formação original da banda ainda no time, não deu entrevista, mas Tom Johnston está lá, e fica claro nas entrelinhas de seu depoimento que para ele o grupo na verdade não fazia mais sentido sem ele.

Fácil entender a razão de, seis anos após esse “último show”, ele e Simmons terem reativado os Doobies, desta vez com o mesmo espírito da fase áurea de 1970/1975.

Como o grupo quis dar uma geral no repertório de toda a sua carreira, os Doobies 1982 tocaram canções de Tom Johnston, e os substitutos do vocalista original, basicamente Cornelius Bumpus, Simmons, McDonald e Keith Knudsen perderam de goleada para o ex-colega.

Na maior cara de pau, Michael McDonald e Patrick Simmons incluíram uma faixa cada de suas então já iniciadas carreiras-solo, respectivamente I Keep Forgettin’ e Out On The Streets, aproveitando a multidão presente ao Greek Theatre para vender seu peixe individual. Coisa feia!

Tom Johnston participa do fim do show com brilhantismo em China Grove, cantando e tocando guitarra e mostrando quem era o cara, naquela banda.

Detalhe: a guitarra dele teve problemas e ele teve de trocá-la logo no início da canção, e fez isso sem parar de cantar, com a coisa toda rolando, sem pedir para parar. Fera mesmo!

Na faixa final, um replay do horroroso arranjo soul/funk de Listen To The Music que iniciou o espetáculo, 12 músicos, entre integrantes e ex-integrantes da banda sobem ao palco e proporcionam um momento de rara emoção e energia.

Nos bônus, temos cinco faixas dos Doobies da fase pós-Tom Johnston, todas bem legais, entre as quais a sensacional Real Love. Elas não foram incluídas na versão exibida pela TV americana na época.

Que fique claro: acho Michael McDonald um excelente cantor, compositor e músico. O problema é que sua entrada descaracterizou completamente os Doobie Brothers, que entre 1977 e 1982 viraram, na prática, a The Michael McDonald Brothers Band.

Não sou louco de meter o pau em músicas maravilhosas como What a Fool Believes, Takin’ It To The Streets, Real Love e Minute By Minute, todas incluídas no CD e no DVD.

Apesar dos pesares, é o tipo do DVD indispensável para os fanáticos pelos Doobies (como eu), e também por qualquer fã de classic rock decente.

Veja China Grove, com os Doobie Brothers, do DVD resenhado:

Doobie Brothers lançam novo CD com cara de quem ainda tem muita lenha pra queimar

Por Fabian Chacur

Os Doobie Brothers figuram entre as minhas bandas preferidas de rock. Desde moleque, quando, aos 10 anos de idade, ouvi o compacto simples de vinil do meu irmão Victor com a fantástica Nobody, em 1971.

No ano seguinte, comprei o single de Listen To The Music. Em 1973, o álbum The Captain And Me, até hoje o melhor trabalho da banda americana. E assim foi, para sempre.

Eles tiveram, entre 1976 e 1982, uma fase mais soul, quando o cantor, compositor e tecladista Michael McDonald entrou no lugar do genial cantor, compositor e guitarrista Tom Johnston, e fizeram coisas legais nesse período. Mas não eram os mesmos Doobie Brothers.

Felizmente, o time voltou à ativa em 1989 após sete anos longe de cena com Johnston de volta ao comando e mantendo o também brilhante cantor, compositor e guitarrista Patrick Simmons, que nunca saiu do time.

Em pleno 2010, quando os Doobies completam 40 anos de carreira, chega às lojas o seu primeiro álbum de inéditas em 10 anos.

World Gone Crazy, que saiu nos EUA pelo selo independente Hor Records e ainda sem previsão de lançamento por aqui, tem uma edição especial com direito a um DVD contendo documentário de meia hora sobre a banda, com cenas raras e depoimentos bacanas.

A formação atual do grupo americano conta com Johnston, Simmons, o guitarrista e homem de mil instrumentos John McFee e o baterista e percussionista Michael Hossack. Músicos de apoio complementam o time em gravações e shows ao vivo.

Este novo CD trata-se de uma profissão de fé no velho e bom rock and roll com acento folk, country e blues, repleto de vitalidade, boas ideias musicais, arranjos instrumentais sempre vigorosos e aqueles belíssimos vocais que se tornaram desde o seu início uma marca registrada preciosa.

A rigor, as 13 faixas são bacanas, mas vale destacar algumas. A quase gospel A Brighter Day abre o álbum com clima pra cima.

Chateau é uma espécie de irmã gêmea do sucesso Dangerous, de 1991, com sua vibrante levada rock blues acelerada.

Eles fizeram uma extremamente competente regravação de Nobody, que curiosamente fez grande sucesso no Brasil na época mas passou batida na terra deles.

Uma boa chance de os americanos verem a besteira que fizeram em não levar esse rockão ao topo dos charts em 1971.

Young Man’s Game tem ótima letra que ressalta o óbvio: o rock and roll definitivamente não é apenas um “jogo de jovens”, pelo menos, não de idade.

Juventude é uma questão de espírito, e esse rock delicioso que lembra um pouco Old Time Rock And Roll, de Bob Seger, é a prova.

O antigo colega e ainda amigo Michael McDonald marca presença na romântica e de clima latino Don’t Say Goodbye.

Outra com influência “cucaracha” é a vibrante Old Juarez, mais na linha Carlos Santana.

O mítico Willie Nelson participa de I Know We Won, balada de acento folk que cativa pela delicadeza. E por aí vai. E vai bem.

World Gone Crazy é mais um disco delicioso de uma banda que nunca teve como objetivo revolucionar o rock, criar polêmicas ou ceder a fórmulas fáceis.

O lance desse povo é tocar rock and roll básico e agitar as plateias da forma mais fácil e difícil ao mesmo tempo: valendo-se apenas da música. E eles se mostram brilhantes mais uma vez.

© 2021 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑