Mondo Pop

O pop de ontem, hoje, e amanhã...

Tag: soul brasileiro

Hyldon lançará o seu novo CD só de inéditas em novembro

DIGIPACK_CD_HYLDON_COISASSIMPLES

Por Fabian Chacur

Boa notícia para os fãs da soul music à moda brasileira. Está previsto para sair em novembro, ou seja, no próximo mês, o novo trabalho do cantor, compositor e músico Hyldon. O título já está definido, As Coisas Simples do Mundo, assim como a gravadora, a Deck. A capa e o trabalho gráfico do CD ficaram por conta com designer Flavio Albino e do fotógrafo Daryan Dornelles.

Gravado em estúdio com a banda que o acompanha em shows, o disco traz dez composições de autoria do artista, sendo todas as letras escritas por ele e algumas melodias assinadas por Cris Delano, Alex Moreira, Luiz Otávio e Alex Malheiros. Hyldon adianta que as músicas tem como tema família, amizade, memórias afetivas e paixões, e que será um prazer sair para uma turnê com os mesmos músicos que gravaram com ele este álbum.

Com mais de 40 anos de estrada, Hyldon é conhecido como um dos mestres da soul music tupiniquim, ao lado de Tim Maia, Cassiano e Claudio Zoli. Em seu repertório, temos canções sublimes do porte de Na Rua Na Chuva Na Fazenda (Casinha de Sapê), As Dores do Mundo e Na Sombra de Uma Árvore, todas de 1976. Sempre na ativa, continua lançando novos trabalhos e feito shows pelos quatro cantos do país.

Ouça o CD Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda, do Hyldon, na íntegra:

Marina Lima comemora seus 60 anos repleta de conquistas

marina lima-400x

Por Fabian Chacur

Isso aqui não será um mero texto comemorando uma efeméride importante, no caso os 60 anos de idade que Marina Lima completou nesta quinta-feira (17). Trata-se, na verdade, da celebração de uma cantora, compositora e musicista que nesses anos todos quebrou barreiras, criou trabalhos maravilhosos e deixou a sua marca na nossa música. E vem mais coisa boa por aí.

Essa “gata todo dia” nasceu no Piauí em 17 de setembro de 1955, mas foi com a família ainda criança para os EUA, onde morou até os 22 anos de idade. Sua primeira aparição concreta no cenário musical ocorreu em 1977, quando ninguém menos do que Gal Costa gravou uma de suas composições, Meu Doce Amor. De volta ao Brasil, lançou pela WEA em 1979 o álbum Simples Como Fogo.

A partir desse primeiro trabalho, Marina (que só acrescentaria o Lima ao nome artístico em 1991) mostrou que não estava disposta a seguir rumos já percorridos por outros artistas. Do início próximo da MPB, logo ampliou os horizontes rumo ao rock, ao soul, ao pop, ao jazz, à música sem fronteiras. Uma artista de assinatura forte e própria.

Seu auge em termos comerciais ocorreu precisamente quando o rock brasileiro ganhou a grande mídia lá pela metade dos anos 1980, graças a hits como Fullgas, Pra Começar, Eu Te Amo Você e tantos outros. Além de suas ótimas composições próprias, várias delas feitas em parceria com o irmão mais velho Antônio Cicero, também soube reler obras alheias com categoria, de artistas nacionais e internacionais. Sempre com uma voz de timbre próprio, particular e sensual até a medula.

Dos anos 1990 para cá, manteve-se desafiando seus ouvintes e fugindo do óbvio, embora sempre com um tempero pop capaz de tornar até seus trabalhos mais experimentais palatáveis para quem tivesse um mínimo de boa vontade. Cercada de músicos excelentes, criou uma sonoridade híbrida que a tornou referência para o pop nacional sofisticado, acessível e que preze pela qualidade.

Não dá para falar dela sem citar sua evidente beleza física. Uma mulher lindíssima, do alto de seus 1m62, repleta de charme, sensualidade não forçada e muita, mas muita inteligência mesmo. Além de uma simpatia muito grande, que lhe permite falar dos temas mais delicados sem cair na apelação ou banalidade. Um tipo perfeito de musa, cultuada por grandes da música brasileira como Caetano Veloso (com quem gravou Nosso Estranho Amor) e Guilherme Arantes (que compôs Marina No Ar), só para citar os dois mais óbvios.

Marina Lima continua afiadíssima e em busca de trabalhos ainda melhores do que seus clássicos, e uma bela prova é o excepcional Climax (2011), que inclui petardos como Não Me Venha Mais Com o Amor, #SP Feelings e Pra Sempre (dueto com Samuel Rosa, do Skank) e a flagra tocando (bem) vários instrumentos (leia a resenha de Mondo Pop aqui).

Atualmente, ela faz um show voz e violão, formato que usa em uma apresentação completa pela primeira vez na carreira. O espetáculo terá três datas em outubro, no Sesc Santana, e vale a pena conferir, sempre. É para poucos chegar aos 60 anos de idade tão atual e tão bacana como essa linda Marina Lima. Parabéns!!!

Virgem– Marina Lima:

Pra Começar – Marina Lima:

Nâo Me Venha Mais Com o Amor– Marina Lima:

Hearts– Marina Lima:

Fullgas– Marina Lima:

© 2021 Mondo Pop

Theme by Anders NorenUp ↑